Abrir menu principal
Andrew Garfield
Garfield na San Diego Comic-Con em 2013.
Nascimento 20 de agosto de 1983 (35 anos)
Los Angeles, Califórnia, Estados Unidos
Nacionalidade britânico
norte-americano
Educação Royal Central School of Speech and Drama[1]
Ocupação Ator
Atividade 2004–presente
Tonys
Melhor Ator em Peça
2018 – Angels in America
Prémios BAFTA
Melhor Ator em Televisão
2008 – Boy A
IMDb: (inglês)

Andrew Russell Garfield (Los Angeles, 20 de agosto de 1983)[2] é um ator anglo-americano.[3][4][5][6] Nascido em Los Angeles, mudou-se a Epsom, no Reino Unido, quando tinha três anos. Após ter concluído o curso de teatro na Royal Central School of Speech and Drama em 2004, iniciou sua carreira em produções teatrais e televisivas, como na peça Kes, pela qual ganhou o Prêmio Manchester Evening News Theatre de Melhor Revelação, e no seriado Sugar Rush (2005). Realizou sua participação no cinema com filme Lions for Lambs (2007) e, ainda naquele ano, seu desempenho em Boy A rendeu-lhe o prêmio BAFTA de Melhor Ator em Televisão. Ele logrou atenção do publico e da crítica em 2010 pelos papéis coadjuvantes nos filmes The Social Network, no qual interpretou o brasileiro Eduardo Saverin e pelo qual recebeu indicações aos prêmios BAFTA, Globo de Ouro, Satellite e Screen Actors Guild, e em Never Let Me Go, que lhe rendeu nomeações aos prêmios British Independent Film, London Film Critics' Circle, dentre outros, e vitórias no Hollywood Film Festival e no Prêmio Saturno.

Garfield alcançou reconhecimento internacional em 2012 por ter interpretado Peter Parker no filme The Amazing Spider-Man, além de sua sequência, lançada em 2014. Após um intervalo em sua carreira, cuja duração foi de um ano, o ator estrelou, em 2016, dois filmes do gênero drama histórico aclamados pela crítica: Hacksaw Ridge e Silence. Por sua atuação como Desmond T. Doss, no primeiro, recebeu indicações aos prêmios Oscar, BAFTA, Critics Choice, Globo de Ouro e Screen Actors Guild de Melhor Ator e ganhou os AACTA, Critics Choice de Melhor Ator em Filme de Ação e Satellite de Melhor Ator em Cinema. Seus trabalhos seguintes foram em Breathe (2017) e Under the Silver Lake (2018).

No que concerne ao teatro, Garfield interpretou Biff em um revival da peça Death of a Salesman, de Arthur Miller, apresentado na Broadway, o qual lhe rendeu uma indicação ao Prêmio Tony de Melhor Performance de um Ator em um Papel de Destaque. Em 2017, estrelou como Prior Walter em uma produção de Angels in America no Royal National Theatre em Londres. No ano seguinte, ao ter reprisado esse papel na Broadway, sua interpretação recebeu aclamação por parte dos críticos especializados, o que fez com que ele fosse nomeado ao Prêmio Laurence Olivier de Melhor Ator e vencesse os prêmios Drama Desk e Tony na categoria de Melhor Ator em uma Peça.

Garfield apoia diversas instituições e causas, como a prevenção e cura de AIDS e câncer, proteção à criança, aos direitos humanos, e atua ativamente em prol dos direitos LGBTQ. Como uma figura pública, é citado como uma das pessoas mais influentes e poderosas na indústria de entretenimento americana, tendo aparecido em várias publicações como tal. Ele é uma das pessoas de maior bilheteria de todos os tempos na América do Norte, tendo seus filmes angariado mais de dois bilhões de dólares ao redor do mundo.[7]

Índice

Primeiros anos e adolescênciaEditar

Andrew Russell Garfield nasceu em Los Angeles, Califórnia.[2] Oriundo de uma família de classe média, é filho de Lynn (sobrenome de solteira: Hillman), natural de Essex, Inglaterra,[8] e Richard Garfield, nascido na Califórnia,[9] e tem um irmão mais velho, Ben Garfield, cuja profissão é médico.[10][11] Seus avós paternos, Samuel Garfield e Doris May Savage, cujo sobrenome era originalmente "Garfinkel",[12][13][14] eram provenientes de famílias de imigrantes judeus que se mudaram de Londres à Europa Oriental (Polônia, Rússia e Romênia).[15] Do lado materno, seus avós chamavam-se Peter Hillman e Florence A. Luckens, nativa de Londres.[10] Seus pais mudaram-se de Los Angeles para Epsom, na Inglaterra, quando ele tinha três anos.[16][17][18] Garfield teve uma educação secular e referiu-se a si mesmo como um "panteísta agnóstico",[19][20] embora também se identifique como judeu.[21][22]

Seus progenitores tiveram uma pequena empresa de design de interiores, mas, mais tarde, Richard tornou-se o primeiro treinador do Clube de Natação da cidade de Guildford e sua mãe, professora assistente em uma creche.[23][24] Durante sua infância, Garfield praticou ginástica e natação, além de ter sido um ávido filatelista.[9][23] Originalmente, sua pretensão era estudar administração; contudo, interessou-se pela atuação aos dezesseis anos, ocasião em que um amigo o convenceu a frequentar uma escola de teatro, já que frequentemente fugiam das aulas.[25][26] Inicialmente, ele frequentou a Escola Preparatória de Priory, em Banstead, e, em seguida, a City of London Freemen's School, localizada em Ashtead. Por fim, estudou interpretação na Royal Central School of Speech and Drama, em Londres, onde se graduou em 2004.[5][23][27]

CarreiraEditar

2004–2011: Primeiros trabalhos e reconhecimentoEditar

 
Garfield na estreia de The Imaginarium of Doctor Parnassus em setembro de 2009.

Garfield começou a ter aulas de teatro aos nove anos, na cidade de Guildford, em Surrey, onde apareceu em uma produção teatral do musical Bugsy Malone (1976).[11] Posteriormente, juntou-se a um pequeno grupo de teatro de Epsom e tomou aulas de interpretação nível A[26] antes de estudar por mais três anos na Royal Central School of Speech and Drama, no Reino Unido.[28] Após ter se formado em 2004, ele começou a trabalhar principalmente em atuação de palco. Naquele mesmo ano, ganhou o Prêmio Manchester Evening News Theatre de Melhor Revelação em reconhecimento à sua atuação na peça Kes, realizada na Royal Exchange Theatre de Manchester (onde também interpretou Romeu em Romeo e Julieta), e, em 2006, recebeu o Prêmio Evening Standard Theatre de Melhor Novato.[18]

Garfield fez sua estreia na televisão britânica seriado Sugar Rush, em 2005.[18] Dois anos depois, ele recebeu a atenção do público quando apareceu nos episódios "Daleks in Manhattan" e "Evolution of the Daleks" da terceira temporada de Doctor Who, sobre o que comentou ter sido "uma honra" ter feito parte da série.[29] Em outubro de 2007, foi nomeado pela revista Variety um dos "10 atores que devem ser vistos".[30] No mês seguinte, realizou sua primeira aparição em um filme de Hollywood: Lions for Lambs, em que interpretou um estudante universitário e atuou ao lado de Tom Cruise, Meryl Streep e Robert Redford. "Tive a sorte de estar lá trabalhando com eles, embora eu realmente não esperasse ser reconhecido pelo público", disse o ator à Variety em 2007.[30] Em sua resenha ao Boston Globe, Wesley Morris elogiou seu desempenho.[31]

Seu trabalho seguinte foi no drama Boy A (2007), em que interpretou um notório assassino que busca uma vida melhor após ter saído da prisão. O papel rendeu-lhe o prêmio de Melhor Ator pela British Academy Television.[32] Amy Biancolli, do Houston Chronicle, publicou que "não há dúvida sobre a inteligência e a sensibilidade da interpretação de Garfield".[33] Em sua resenha ao Minneapolis Star Tribune, Christy DeSmith concordou com Biancolli, citando suas "expressões detalhadas" como um destaque.[34] Escrevendo para o Seattle Times, o jornalista John Hartl observou que o artista demonstrou a amplitude necessária para o papel e concluiu que "Garfield sempre consegue capturar sua paixão".[35] Joe Morgenstern, crítico do The Wall Street Journal, classificou seu desempenho como "fenomenal".[36] Em 2008, o ator teve um pequeno papel no filme The Other Boleyn Girl, e foi nomeado uma das estrelas em ascensão pelo Festival Internacional de Cinema de Berlim.[30] No ano posterior, teve papéis coadjuvantes no filme The Imaginarium of Doctor Parnassus e no programa de televisão Red Riding,[21] neste o qual Kenneth Turan, do Los Angeles Times, chamou sua atuação de "excelente".[37]

Em 2010, Garfield co-estrelou ao lado de Carey Mulligan e Keira Knightley o drama distópico de ficção científica Never Let Me Go como Tommy D., sobre o qual disse: "Há uma sensação de ansiedade que esses jovens sentem, especialmente Tommy, porque ele é tão sensorial e sensível e animalesco, essa é a minha perspectiva dele."[38] O ator gostou do filme pelas questões existenciais que sua história expressa e afirmou que a experiência de ter feito parte da produção foi "apenas um sonho a se tornar realidade";[39] ainda observou que as cenas em que seu personagem — incapaz de conter sua frustração — eclode com bramidos eram "intensas" para si. "Eu acho que esses gritos estão dentro de todos nós, eu simplesmente tive a chance de exteriorizar o meu".[40] Por sua interpretação, ganhou o Prêmio Saturno de Melhor Ator Coadjuvante[41] e foi nomeado ao British Independent Film e ao London Film Critics' Circle na mesma categoria, assim como ao Detroit Film Critics Society de Desempenho Revelação,[42] ao passo que venceu a categoria no Hollywood Film Festival.[43] Escrevendo para a Entertainment Weekly, Owen Gleiberman elogiou as atuações do elenco principal, notando que "todos os três atuam com uma inocência assustadora".[44] Em comparação com Mulligan e Knightley, Scott Bowles, em sua publicação ao USA Today, considerou-o "a verdadeira revelação" do filme.[45]

 
Garfield (à direita) ao lado de Justin Timberlake em um evento de The Social Network em 2010.

Ainda naquele ano, Garfield ganhou reconhecimento e aclamação por parte dos críticos cinematográficos e do publico após ter estrelado, ao lado de Jesse Eisenberg, como o brasileiro Eduardo Saverin no filme The Social Network, cujo enredo gira em torno da fundação da rede social Facebook e seus desdobramentos. Sobre seu personagem, ele comentou: "Ninguém sabe quem é Eduardo Saverin, e eu também não. É claro que o fato de ele ser um ser humano real, respirando em algum lugar desta Terra, cria uma nova dimensão para minha abordagem porque você sente um maior senso de responsabilidade".[46] Inicialmente, quando o diretor David Fincher o conheceu sob os auspícios de Mark Romanek, que dirigiu Garfield em Never Let Me Go, este fez testes para interpretar Mark Zuckerberg.[46] No entanto, apesar de o cineasta tê-lo considerado "ótimo, [...] obviamente um ator muito habilidoso e com uma presença incrível", não o julgou ideal para o papel, pois achou que o ator "tem um acesso emocional tão incrível ao seu tipo de humanidade que seria desperdício escalá-lo a um papel em que o personagem aparenta ter Asperger; melhor designá-lo para o papel de Saverin".[47]

O desempenho de Garfield foi muito bem recebido, o que lhe concedeu mais reconhecimento e inúmeras indicações a variados prêmios, incluindo ao BAFTA de Melhor Ator Coadjuvante e de Melhor Ator em Ascensão,[48] ao Globo de Ouro[49] e Satellite de Melhor Ator Coadjuvante[50] e aos Prêmios Screen Actors Guild de 2011, no qual foi nomeado, com seus colegas, a Melhor Elenco em Cinema.[51] Mark Kermode, da BBC, mostrou-se surpreso pelo fato de Garfield ter sido ignorado pelo Oscar e não ter recebido uma nomeação à categoria de Melhor Ator Coadjuvante, opinando que "todo mundo sabe que ele é uma das melhores coisas no filme".[52] Subsequentemente, outros críticos cinematográficos se pronunciaram sobre o desprezo.[53] À revista Flavorwire, Jason Bailey revelou-se espantado com as indicações de Jeremy Renner, por The Town, e John Hawkes, por Winter's Bone, à categoria e inseriu-o em sua lista dos desprezados ao prêmio daquele ano, comentando: "Do talentoso elenco de coadjuvantes do filme, o verdadeiro ignorado foi Andrew Garfield, que emprestou à produção seu senso de consciência fugaz."[54] Chris Lee, do Los Angeles Times, concordou e complementou: "Depois de ter apresentado uma atuação contida, [...] Garfield foi anunciado por muitos termômetros do Oscar como o cara a se superar na corrida para a categoria coadjuvante. Todavia, ele saiu sem aclamação da Academia, enquanto John Hawkes saiu-se como uma surpresa."[55] Whitney Friedlander, do mesmo jornal, justificou a exclusão do ator pelo fato de ele ter interpretado vítimas em muitos de seus trabalhos até então.[56] Gabe Toro, em sua avaliação ao IndieWire, considerou que "os eleitores da Academia não perceberam um dos elementos mais convincentes do filme de David Fincher. Não, não estamos falando de Jesse Eisenberg, [...] estamos falando de Andrew Garfield, [que] é, sem dúvida, o coração do filme e que, sinceramente, fora isso não tem um núcleo emocional. A amizade frágil e depois rompida entre Mark Zuckerberg e Eduardo Saverin não teria funcionado tão bem se não fosse a sensibilidade e a vulnerabilidade — ambos pontos fracos dos empreendedores — de Garfield.[57] Escrevendo para o The Wall Street Journal, Joe Morgenstern achou que o papel foi retratado com "grande sutileza".[58] O crítico Peter Travers publicou na Rolling Stone que o ator representou Eduardo com "uma vulnerabilidade que eleva o interesse emocional em um filme", e proclamou: "Fique de olho em Garfield — ele é excepcionalmente bom".[59]

2012–2016: Spider-Man e chegada ao estrelatoEditar

Não obstante ter sido altamente elogiado por suas habilidades de atuação, Garfield não havia encontrado filmes que apelassem para um público amplo; contudo, alcançou reconhecimento internacional ao ter conseguido o papel de Homem-Aranha/Peter Parker no filme The Amazing Spider-Man (2012), a reinicialização da série de filmes Homem-Aranha, em que contracenou com Emma Stone, a qual interpretou Gwen Stacy.[60][61][62][63] O ator viu sua escalação como um "enorme desafio em muitos aspectos", uma vez que teve de representar um personagem "autêntico" e "viver de uma nova maneira", e descreveu Peter como alguém com quem ele podia se relacionar e afirmou que o personagem lhe tinha sido uma influência importante desde que era criança.[64][65][66][67] Para o papel, o artista estudou os movimentos de atletas e aranhas, de modo que pudesse incorporá-los, além de ter praticado ioga e pilates.[68][69] Seu comprometimento impressionou o diretor, Marc Webb, que declarou: "Ele estava tão comprometido com a dimensão física do personagem, como se realmente estivesse focado em sentir que uma aranha estava tomando conta dele e mantendo esse DNA vivo e, toda vez que eu o via, ele estava incorporando: parecia que realmente estava sendo possuído por uma aranha".[70] No que concerne à sua escalação, Avi Arad, um dos produtores do filme, expôs: "Na tradição do Homem-Aranha, estávamos à procura de um novo Peter Parker, inteligente, sensível e legal que pudesse nos inspirar e nos fazer rir, chorar e aplaudi-lo. Acreditamos que encontramos a escolha perfeita para assumir esse papel e nos levar para o futuro".[71] Depois de Stone ter sido escalada, o diretor notou que a química entre os atores foi a escolha certa.[72][73]

"Céus! Isso é excelente, aterrorizante e incrível. Foi-me dada a responsabilidade de tirar o personagem da grande tela e colocá-lo nos [ombros dos rapazes]. Isso é um presente para mim e um grande fardo para carregar. E estou tão disposto a isso."

— Garfield fala sobre sua escalação como o Homem-Aranha.

O filme angariou mais de 752 milhões de dólares mundialmente e o desempenho de Garfield foi bem recebido. O crítico Peter Bradshaw, do The Guardian, rotulou sua interpretação como o "Homem-Aranha definitivo"[74] e Tom Charity, do CNN, elogiou sua "combinação de inocência pura, agitação nervosa e humor sarcástico".[75][76] Em crítica ao site brasileiro Plano Crítico, Rafael W. Oliveira escreveu: "Substituindo o ator Tobey Maguire na pele do aracnídeo, Andrew Garfield nos apresenta um Peter Parker de personalidade mais explosiva, explosiva e impetuosa, algo mais do que bem-vindo, especialmente quando lembramos do Parker um tanto inerte e bobalhão de Maguire (que não deixa nenhuma saudade). Garfield incorpora esta nova personalidade com naturalidade, permitindo que o público jovem crie uma identificação ainda mais forte com o personagem, que tal qual boa parte da juventude hoje, guarda dentro de si um grande sentimento de revolta pelas injustiças que a vida lhe trouxe."[77]

Em março de 2012, o ator fez sua estreia no teatro da Broadway como Biff Loman no revival da peça Death of a Salesman, de Arthur Miller.[78] De acordo com David Rooney, do The New York Times, ele expôs "a dor crua da solidão de Biff" com sucesso.[79] Pelo papel, o artista foi nomeado ao Prêmio Tony de Melhor Performance de um Ator em um Papel de Destaque.[80] Dois anos depois, Garfield apresentou um episódio do Saturday Night Live e fez uma participação no videoclipe da música "We Exist", de Arcade Fire, no qual interpretou uma mulher transsexual.[81][82][83][84] Ainda em 2014, ele co-produziu e estrelou o drama independente 99 Homes e reprisou o papel de Peter Parker em The Amazing Spider-Man 2.[85][86][87] O ator chegou a ter negociações com a Marvel para continuar na pele do super-herói; contudo, apesar de ser rentável em termos de bilheterias e ser elogiado pelos críticos, Garfield foi forçado a abandonar o papel,[88] o qual foi assumido posteriormente por Tom Holland, que, em entrevista no BAFTA 2017, afirmou que estava ansioso para encontrar-se com o ator para tomar algum conselho".[89]

 
Garfield no lançamento de The Amazing Spider Man 2: Rise Of Electro em Sydney, Austrália, em 2014.

Depois de um hiato de um ano em sua carreira, Garfield protagonizou dois filmes em 2016: o drama Silence, de Martin Scorsese, e o filme de guerra Hacksaw Ridge, de Mel Gibson. No primeiro, baseado no romance homônimo de Shuzaku Endo, o ator interpretou Sebastião Rodrigues, um padre jesuíta português do século XVII que viaja ao Japão a fim de difundir sua fé.[90] Para o papel, ele passou um ano com o padre James Martin estudando como se portar tal qual um sacerdote jesuíta e teve de perder vinte quilos para alcançar a fisicalidade necessária.[14] Ao The Globe and Mail, Kate Taylor escreveu que Garfield "é docemente resoluto e gentilmente angustiado como o missionário Rodrigues, mas qualquer esperança de que o ator possa elucidar a psicologia da certeza filosófica ou a dor da dúvida religiosa se mostra vaidosa",[91] ao passo que Mark Hughes, da Forbes, observou seu desempenho como "emocionalmente estimulante e um candidato a[o Oscar de] Melhor Ator".[92] O brasileiro Lucas Salgado, do AdoroCinema, concordou, publicando: "[O filme] trata-se de um trabalho impactante, com visual deslumbrante e excelentes atuações, especialmente de Andrew Garfield, que poderia ter sido lembrado por premiações pela performance. Na verdade, isso só não aconteceu pois o ator já estava sendo indicado por outro filme no mesmo ano, no caso Hacksaw Ridge".[93] O compatriota Marcelo Hessel, em sua avaliação ao Omelete, registrou: "Ator que se entrega aos seus papéis mas frequentemente se escora em gestuais e expressões mais teatrais, Garfield alcança sob Scorsese uma atuação mais comedida e autêntica, e o filme todo depende dele para funcionar."[94] A mesma classificação positiva veio de Ritter Fan, do site Plano Crítico, que anotou: "O diretor faz enorme esforço em passar [...] dúvidas e questionamentos em sua película e, em grande parte graças ao trabalho de Garfield, ele é bem sucedido. O ator se entrega ao papel, significativamente mais sutil e complexo do que seu Desmond Doss no filme de Mel Gibson, e tem, talvez, a atuação de sua vida, convencendo o espectador de sua crença, de sua devoção e, principalmente, de suas dúvidas atrozes."[95]

Em Hacksaw Ridge, Garfield retratou Desmond Doss, um médico de combate que atuou na Segunda Guerra Mundial e tornou-se o primeiro e único objetor de consciência a receber a Medalha de Honra. A escolha de Mel Gibson por ele deu-se após o cineasta tê-lo assistido em The Social Network e amado seu desempenho.[96] O ator chorou na primeira vez em que leu o roteiro e achou a ideia de interpretar um super-herói de verdade, em comparação com seu papel como Homem-Aranha, muito mais inspiradora. Posteriormente, o artista afirmou ter grande respeito por Doss e o elogiou por seu ato de bravura, saudando-o como um "símbolo maravilhoso de abraçar a ideia de viver e deixar viver não importa qual seja sua ideologia, não importa qual seja seu sistema de valores, apenas para permitir que outras pessoas sejam quem são e se permitam ser quem você é."[97] Também declarou que, quando soube que a direção seria de Gibson, sentiu-se empolgado e precisava sentar-se com ele para conhecê-lo, como pessoa, "porque ninguém pode evitar as notícias e fofocas de celebridades. Quando nos conhecemos, conheci o Mel real, o Mel sóbrio de seis anos, e experimentei uma boa alma, um homem que trabalhou muito em si mesmo."[14] O filme foi um sucesso de bilheteria e recebeu elogios da crítica, angariando 175 milhões de dólares ante seu orçamento de quarenta milhões.[98] Escrevendo para o USA Today, Brian Truitt rotulou-o como "brutalmente intenso e elegantemente trabalhado" e notou que o papel principal permitia a Garfield dar profundidade à sua carreira e o elogiou por ter personificado Doss com "doçura simples" e "coragem constante".[99] Por sua atuação, ele ganhou um Prêmio AACTA de Melhor Ator,[100] um Prêmio Critics Choice Movie de Melhor Ator em Filme de Ação,[101] o Prêmio Destaque do Ano no Festival Internacional de Cinema de Palm Springs,[102] o de Melhor Ator Britânico do Ano no London Film Critics' Circle[103] e o Prêmio Satellite de Melhor Ator em Cinema;[104] além disso, recebeu sua primeira indicação ao Oscar, sendo para Melhor Ator,[105] além de nomeações para os prêmios BAFTA,[106] Critics Choice,[101] Globo de Ouro,[107] Screen Actors Guild[108] e Washington D.C. Area Film Critics Association na mesma categoria.[109] Para o crítico de cinema Mario Abbade, do O Globo, era o ator que deveria ter vencido o Oscar 2017.[110]

2017–presente: Sucesso no teatro e projetos futurosEditar

No espaço dos meses de abril a agosto de 2017, Garfield desempenhou o papel de Prior Walter na peça teatral dividida em duas partes Angels in America, no Royal National Theatre, em Londres, a qual foi transmitida ao vivo para salas de todo o mundo no verão daquele ano por intermédio do National Theatre Live. A direção da produção ficou por conta de Marianne Elliott, ao passo que Nathan Lane, James McArdle, Russell Tovey e Denise Gough estrelaram como personagens coadjuvantes.[111][112] A representação do ator foi muito bem recebida.[113] Em sua resenha, Paul T Davis, do The British Theatre Guide, escreveu que Garfield é "transformador e irreconhecível em alguns momentos, encarnando perfeitamente o lacônico, amedrontado e totalmente amável Prior Walter".[114] A revista Time Out descreveu-o como "excepcional" e finalizou: "o ator entra no papel com sagacidade selvagem, intensidade ardente e compromisso total — é uma função estranha, exigente e hilariante, e ele é o dono, a melhor coisa da peça, [e dá] uma das atuações do ano."[115] O crítico de teatro Dominic Cavendish, do The Daily Telegraph, concordou e complementou: "o talentoso Andrew Garfield dá uma das [melhores] interpretações de sua carreira".[116] O papel lhe rendeu uma nomeação ao Prêmio Laurence Olivier de Melhor Ator.[117]

 
O ator a conceder entrevista na première de Breathe, em 2017

Breathe foi o único filme lançado pelo ator naquele ano, no qual interpretou Robin Cavendish, um jovem que se tornou paralitico após ter contraído a poliomielite. Com finalidade de preparar-se para o papel, Garfield interagiu com vítimas da doença e trabalhou com a esposa e o filho de Cavendish.[118] Stephen Dalton, do The Hollywood Reporter, publicou que, apesar de uma história excepcional, o filme havia encoberto as complexidades da vida de Cavendish, e creu que o ator foi "prejudicado por um papel que o restringe a pouco mais que balançar a cabeça e sorrir".[119] Camila Sousa, do Omelete, chamou-o de "talentoso".[120] Em março de 2018, Garfield reprisou o papel de Prior Walter quando a peça Angels in America foi transferida para a Broadway por um tempo limitado de dezoito semanas. Avaliando a produção para o The Washington Post, Peter Marks considerou sua atuação como o "ponto principal [...] da peça",[121] à proporção que Ben Brantley, do The New York Times, chamou o elenco de alto nível "liderado por Andrew Garfield [...] em [uma] interpretação de excelência."[122] A atuação do ator angariou aclamação por parte dos críticos e, por conseguinte, ele foi indicado a inúmeros prêmios, como o Drama League de Desempenho Destaque,[123][124] e venceu o Drama Desk[125] e o Prêmio Tony de Melhor Ator em uma Peça.[126]

Seu trabalho seguinte foi em Under the Silver Lake, dirigido por David Robert Mitchell e lançado no Festival de Cannes de 2018. No filme, Garfield interpreta Sam, um jovem desempregado e rebelde que sai em busca de sua vizinha que desapareceu misteriosamente.[127] À Vanity Fair, Richard Lawson achou que o ator estava "incrível no papel, fazendo coisas ágeis e sutis, provocando o lado ameaçador e assustador de Sam".[128] Em outubro, foi anunciado que o artista havia sido escalado para compor o elenco de Mainstream, de Gia Coppola, ao lado de Jason Schwartzman e Maya Hawke.[129]

Estilo de atuação e reconhecimentoEditar

Garfield é amplamente considerado um dos atores mais talentosos de sua geração[130][131] e um dos britânicos mais famosos e bem-sucedidos em Hollywood.[132][70][133][134] Além disso, é conhecido por sua preparação para seus papéis, tendo, inclusive, utilizado O Método durante a composição de seu personagem homossexual Prior Walter, da peça teatral Angels in America (2017-18). Tamanha foi a intensidade de seu comprometimento que, no processo, ele afirmou: "Sou um homem gay neste momento sem o ato físico — isso é tudo.", citação que gerou alguns comentários negativos.[135] Outro papel que exigiu muito do ator foi o do jesuíta Sebastião Rodrigues, no filme Silence (2016), para o qual teve de perder 20 quilos e passar muitos meses na Ásia, onde se passa a história, o que fez com que o artista ficasse distante e perdesse o contato com sua então namorada, Emma Stone. Diante do comprometimento dele para com o trabalho e a distancia entre eles, a atriz resolveu terminar o relacionamento.[136][137] Marc Webb, que o dirigiu em The Amazing Spider-Man e sua sequência, elogiou sua atuação sem esforço e seus talentos extraordinários. "Ele tem uma rara combinação de inteligência, sagacidade e humanidade. Marque minhas palavras, você vai amá-lo como Peter Parker."[70] O ator afirmou que não usara O Método para o papel nestes filmes, mas que definitivamente dedicara-se a ele e quisera ter certeza de que realizara o trabalho da melhor forma possível "e nos certificamos de que o personagem seja apresentado da maneira que deveria ser".[138] Posteriormente, o artista declarou que não dorme muito bem após a finalização das filmagens de seus filmes, uma vez que, em suas palavras, dedica sua vida a interpretar suas personagens.[139]

Comentando sobre sua atuação em The Amazing Spider-Man, Jane Graham, do The Guardian, observou a sua capacidade em fazer uma análise tão convincente do Homem-Aranha, complementando: "não vai surpreender ninguém que tenha seguido sua carreira em rápida ascensão até agora. Não é apenas sua energia nervosa. Ele tem uma história de fazer escolhas interessantes e uma habilidade para usar seu olhar irritado para roubar cenas de alguns dos melhores atores do ramo."[70] No que tange ao teatro, Tony Kushner, sobre a interpretação do artista, declarou: "Considero uma das atuações mais excelentes que eu já vi sobre um personagem gay contemporâneo interpretado por um rapaz hétero.",[140] ao passo que Nathan Lane, o seu coprotagonista da peça Angels in America descreveu-o como "imensamente talentoso".[140]

Ao longo de sua carreira, Garfield tem interpretado diversos tipos de personagens em diferentes gêneros de filmes, como em comédia, drama e ação. No início de sua ocupação, contudo, muitos de seus papéis eram de pessoas vulneráveis, infortunadas e excluídas socialmente, o que levou a escritora Whitney Friedlander a analisar que isso prejudicou a imagem do ator e certos pontos de sua profissão, como ter ficado de fora de indicações e vitórias a importantes premiações.[56][141] O ator citou Daniel Day-Lewis e Tom Hanks como inspirações e assegurou que gostaria de ser "uma fusão de todos os grandes artistas"; creditou aos filmes Back to the Future, aos da franquia Indiana Jones e The Princess Bride como os que influenciaram-no a ser ator.[70]

Na mídia e imagem públicaEditar

 
Garfield assina autógrafos para fãs no Festival de Veneza em agosto de 2014.

A imagem pública de Garfield está ligada ao seu carisma e apelo sexual;[142][143][144] ele é descrito como um símbolo sexual pela imprensa. Sobre esta classificação, afirmou: "Eu era um garoto magro. Porém, eu estou aqui para dizer a todos os outros rapazes que sê-lo está bem. Você ainda pode tornar-se um bom jogador de rugby; e ainda pode ser o Homem-Aranha."[145] Em 2016, o ator contou que tentara o papel principal de The Chronicles of Narnia: Prince Caspian em 2008, mas acabou sendo recusado por causa de sua aparência: "Eu realmente queria o papel. Isto é tão bobo. Era um filme de Nárnia. O filme de Caspian… Mas Ben Barnes acabou ficando com ele. O feedback que me deram foi: 'ele não é bonito o bastante'. O que eu poderia fazer? Eu não sou bonito o bastante para ser o Príncipe Caspian." Em sua analise à Vanity Fair, Joanna Robinson escreveu que a não escalação de Garfield foi um ponto positivo para sua carreira, dado que o segundo filme de Crônicas de Nárnia, estrelado por Barnes, arrecadou cerca da metade do que o filme original angariara e teve criticas menos favoráveis. E com apenas mais uma continuação que foi ainda menos favorável, The Voyage of the Dawn Treader, também com Barnes, a franquia de Nárnia foi totalmente arquivada. A escritora completou que o ator ter ficado de fora da franquia não o prejudicou de qualquer modo, posto que ele conseguiu papéis aclamados pela crítica e nomeações a prêmios como ao Oscar, BAFTA, Critic's Choice, Globo de Ouro e ao SAG.[146] No que se refere à sua imagem, Holly Coletta, da revista Speakeasy, notou que ele "não é o extravagante britânico sensual como Daniel Craig, ou o indecente e atraente britânico [favorito dos grupos] das pré-adolescentes como Robert Pattinson, mas Andrew é tão desajeitado e humilde e adorável que é extravagantemente sexy."[147] A Empire descreveu-o como "Espirituoso, profundamente autodepreciativo, genuinamente engraçado e um pouco geek — o que não amar em Andrew Garfield?".[148] A mídia cita seus grandes olhos castanhos e cabelo comprido como suas marcas registradas.[147][149]

 
Estátua feita em homenagem a Garfield em reconhecimento ao seu papel como Homem-Aranha/Peter Parker.

À medida que sua carreira em Hollywood desenvolveu-se, Garfield tornou-se um ator popular e de sucesso. Em 2010, ele foi incluído na lista dos 20 Atores em Ascensão com Menos de 30 anos mais Talentosos (em inglês: Top 20 Rising Stars Under 30) da revista Trespass[150] e recebeu uma indicação ao BAFTA de "Melhor Ator em Ascensão". Posteriormente, o The Guardian chamou-o de "[o] jovem ator mais sensual e talentoso da Grã-Bretanha."[70] Alguns meios de comunicação elegeram-no um dos Homens Mais Sensuais do Mundo. A revista Rolling Stone classificou-o entre uma das "Pessoas Mais Sensuais de 2010"[151] e a Entertainment Weekly posicionou-o no 6.º lugar na lista dos "15 Artistas do Ano", reprisando sua presença dois anos depois.[152][153] O ator ocupou a 73.ª colocação na lista Hot 100 do portal LGBT AfterElton.com em 2011.[154] Repetiu a sua aparição nos anos seguintes, sendo votado como o 64.º da publicação de 2012[155] e o 17.º no ano subsequente.[156] No catálogo dos "100 Homens Mais Sensuais do Mundo", efetuado pela Glamour em 2012, ocupou a 56.ª posição;[157] depois, a 63.ª no ano posterior,[158] a 61.ª em 2014[159] e a 85.ª no ano de 2016.[160] Ainda em 2012, a revista elegeu-o o 11.º dos "20 Britânicos Mais Atraentes",[161] enquanto a GQ classificou-o como o 8.º dos Jovens mais Elegantes de Hollywood com Menos de 30 Anos.[162] O canal MTV nomeou-o um dos Homens Mais Sensuais Vivos,[163] ao passo que, em 2011, a People agregou-o em sua publicação de mesmo título.[164] Em outras publicações da mesma revista, foi escolhido o oitavo homem mais sensual de qualquer idade[165] e um dos Britânicos Solteiros mais Atraentes de 2014.[166] A Empire posicionou-o no 36.º lugar na lista das "100 Estrelas de Cinema Mais Sensuais", realizada em 2013,[148] e a The Cult envolveu-o em sua pesquisa alcunhada "40 Homens Considerados Bonitos por Outros Homens".[167]

Foi relatado que o ator ganhou 500 000 dólares pelo filme The Amazing Spider-Man, ao passo que, para sua sequência, possivelmente recebeu o dobro do valor.[168] Em 2013, ele entrou na lista das "Estrelas Mais Valiosas", compilada pela Vulture;[169] repetiu sua aparição no ano seguinte e em 2015.[170][171] Ele é uma das pessoas de maior bilheteria de todos os tempos na América do Norte.[172] A revista Celebrity Net Worth avaliou seu patrimônio líquido em dez milhões de dólares.[173]

Ele manifestou que não gosta muito de usar sites de mídia social porque acredita que eles dificilmente contribuem para o desenvolvimento pessoal e revelou que encontrou "diferentes experiências" de popularidade. "O melhor é quando tu sais do camarim e alguém te entrega uma carta na qual eles [os fãs] me agradecem por ter salvo sua vida. Essa é a melhor parte da fama."[174] Em uma entrevista à revista New York, o ator criticou o padrão imposto às celebridades e disse que sente que "não é aceito" na cultura de hoje. Afirmou também que, embora possa parecer brega, quer fazer a diferença no mundo e finalizou dizendo que: "Celebridade é a nova religião."[175]

Garfield serviu de influência para Alex Hibbert, que o tem por seu ator favorito e revelou ter muito desejo de trabalhar com ele.[176] Em 2015, os aracnologistas Yuri M. Marusik e Alireza Zamani homenagearam-no nomeando uma nova espécie de aranha da família Filistatidae, Pritha garfieldi, com o sobrenome dele.[177]

Causas humanitárias e filantropiaEditar

Garfield colaborou com diversas causas e instituições de caridade ao longo de sua carreira. Em 2011, tornou-se o Embaixador do Esporte da fundação Worldwide Orphans Foundation (WWO), cujo intuito é transformar a vida das crianças órfãs.[164][178] Sua escolha deu-se depois de ter se tornado tio e, ao ver o amor e as oportunidades que os filhos gêmeos de seu irmão tinham, quis dar a mesma chance às crianças de todo o mundo. Ele fez sua primeira viagem como representante da organização à Etiópia e declarou seu desejo de ser capaz de dar muito tempo à fundadora da instituição, Jane Aronson, e ao seu trabalho maravilhoso. Jane observou que o ator ter interpretado o ícone da infância dele, Homem-Aranha (e um dos órfãos mais famosos da cultura pop), ajudou-o a entender o sentimento de estar desamparado: "A parceria de Andrew com a WWO é sobre [a existência] desse super-herói dentro de cada criança".[179] Em novembro do ano posterior, ele participou de um jogo do programa Ellen cujo desígnio foi realizar diferentes tipos de danças para angariar dinheiro para a instituição: o ator conseguiu dez mil dólares.[180]

Embora já tivessem realizado a ação anteriormente, como em setembro de 2012,[181] foi a junho de 2014 que o ator e sua então namorada, Emma Stone, atraíram a atenção da mídia ao usarem sua fama para promover algumas instituições de caridade e organizações não governamentais. Enquanto saíam para almoçar em um restaurante em Manhattan, Nova Iorque, viram um grupo de paparazzi se aproximando e decidiram aproveitar a oportunidade e taparam o rosto com papéis que continham os endereços de cada lugar. "Bom dia! Nós estávamos comendo e vimos um grupo de caras com câmeras do lado de fora, então vamos tentar fazer isso de novo. Nós não precisamos de atenção, mas essas organizações maravilhosas sim:", dizia a primeira parte do bilhete que Stone segurava, o qual tinha uma flecha apontada para Garfield, que completava: " Aqui estão as coisas que importam. Tenha um ótimo dia". As instituições de caridade listadas no cartão foram Youth Mentoring Connection, Autism Speaks, Worldwide Orphans e Gilda’s Club New York City.[182][183] O conceito virou febre entre os famosos, e casais como Anne Hathaway e seu marido Adam Shulman aderiram a ele.[184]

Outras instituições que o artista apoia são: Small Steps Project, Stand Up to Cancer e Starlight Children's Foundation.[185] A 17 de outubro de 2017, ele retornou ao Ellen, desta vez, com intento de angariar fundos à organização Breast Cancer Research Foundation — cujo objetivo é apoiar pesquisas translacionais realizadas por clínicas sobre câncer de mama —, em homenagem ao Mês de Conscientização sobre o Câncer de Mama. O ator foi desafiado a realizar a acrobacia "Flip" para que fossem doados trinta mil dólares à organização.[186][187]

Defesa dos direitos LGBTEditar

Garfield apoia ativamente os direitos LGBT em todo o mundo. Em abril de 2013, expressou publicamente o seu apoio à legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo e exprimiu sua oposição à injustiça de como os homossexuais são tratados, o desequilíbrio que ainda existe em termos de direitos e julgamentos. "É claro que sou a favor da igualdade no casamento. Os casais do mesmo sexo devem ter os mesmos direitos que qualquer outra pessoa. Não há argumento contra a igualdade. Como alguém pode argumentar contra a compaixão e a compreensão?"[188] Ele também pronunciou-se contra a decisão da Suprema Corte americana que deu razão a um confeiteiro que se negou a preparar um bolo de casamento para um casal gay. "Vamos fazer um bolo para todo mundo que quer que um bolo seja feito", disse o artista.[189] Foi indicado ao Prêmio Dorian em 2011.[190]

Ele se opôs à política de direitos humanos de Donald Trump, afirmando que "este sistema está falhando na humanidade. Não apenas na comunidade LGBTQ — [mas a] qualquer um que não seja um homem branco e hétero." Em setembro de 2015, disse ao site americano Mic que sempre torceu por uma versão "pansexual" ou "bissexual" do personagem Homem-Aranha. Segundo o ator, a ideia de um Peter Parker que não seja branco e heterossexual não deveria ser uma grande questão. "Estou ansioso para chegar ao ponto em que nem vamos precisar ter essa conversa e poderemos ter um Homem-Aranha pansexual. Amor é amor e pele é pele, eu mesmo não tenho preferência sexual." Garfield explicou por que ele acha que o Homem-Aranha é o herói perfeito para quebrar estereótipos. "Ele é todo coberto, da cabeça aos pés. Por isso todos pensam que podem estar dentro daquele uniforme. Você não vê nenhuma cor-de-pele, nenhuma orientação sexual, não dá pra saber a idade da pessoa, nem o gênero."[191] Em junho de 2016, ele participou da vigília realizada em Los Angeles pelas vítimas do Massacre em uma boate gay em Orlando e, seguidamente, compôs uma publicação em que prestava condolências aos padecentes e exaltava a importância do evento, além das lutas que pessoas LGBTQ encontram para serem aceitas em sociedade.[192] Em algumas de suas aparições públicas, ele tem aparecido com esmaltes de unha.[193]

A 10 de junho de 2018, durante seu discurso de aceitação do Prêmio Tony de Melhor Ator por sua interpretação na peça Angels in America, que acompanha uma série de personagens e toca em assuntos como imigração, religião, AIDS, homossexualidade, mudanças climáticas na Nova Iorque dos anos 80, o ator dedicou seu prêmio à comunidade LGBTQ:

É um profundo privilégio em minha vida representar o Prior Walter em Angels in America, porque ele representa o mais puro espírito da humanidade, e especialmente, da comunidade LGBTQ. É um espírito que diz não à opressão. É um espírito que diz não ao fanatismo, não à vergonha, não à exclusão. É um espírito que diz que todos somos feitos perfeitamente. Então eu dedico este prêmio aos inúmeros LGBTQ que lutaram e morreram para proteger esse espírito.[189]

Vida pessoalEditar

Garfield tem dupla cidadania norte-americana e britânica[194] e, em 2009, afirmou ao Sunday Herald que "se sente igualmente em casa" em ambos os países e "gosta de ter uma existência cultural variada".[195] Ele habitualmente dá entrevistas sobre seu trabalho, mas não discute publicamente os detalhes de sua vida privada.[196] O ator também contou que, quando era bebê, quase morreu após ter contraído meningite. "Meus pais ouviram dos médicos que, se eu sobrevivesse, teria graves deficiências físicas e mentais. Mas fora isso não tive de lidar muito com doenças."[197]

 
Garfield e Emma Stone em 2014

Entre os anos de 2008 a 2011, teve um relacionamento com a atriz Shannon Woodward.[198] Durante as gravações do filme The Amazing Spider-Man, em 2011, Garfield começou a namorar sua coprotagonista Emma Stone. Por um tempo, foram o casal favorito de Hollywood.[199][14] Todavia, após algumas discrepâncias relacionada ao trabalho, principalmente ao dele, que estava gravando Silence na Ásia, eles se separaram em 2015,[137][72][73] embora permaneçam próximos.[14] Ela declarou que ele "é alguém que eu ainda amo muito".[200]

Quando questionado sobre sua sexualidade, em uma entrevista realizada em julho de 2017, Garfield declarou: "Até este ponto, eu só fui sexualmente atraído por mulheres. Minha postura com relação à vida, porém, é que sempre procuro me render ao mistério de não estar no comando. Penso que, [como] a maioria das pessoas, estamos intrinsecamente tentando controlar nossas experiências, administrá-las e colocar muros em torno do que somos e de quem somos. Quero conhecer o máximo possível do jardim antes de eu partir — tenho uma abertura para qualquer impulso que possa surgir dentro de mim a qualquer momento. [...] Até onde eu sei, não sou gay. Talvez eu tenha um despertar em outra época da vida, que tenho certeza que será maravilhosa e eu poderei explorar essa parte do jardim. Mas, agora, eu estou isolado na minha área, o que é maravilhoso também".[140] Anteriormente, o ator havia afirmado: "Sou um homem gay neste momento sem o ato físico — isso é tudo", citação que gerou alguns comentários negativos. Timothy Hafke, em sua análise à Out, observou essa fala como um modo de "saimento de armário".[201] O discurso considerado foi similar ao de James Franco, que uma vez disse que era "gay em sua arte".[202] Posteriormente, Garfield assinalou que os comentários que ele fizera sobre homens gays foram "distorcidos" pela mídia: "Isso é claro que não é o que eu quis dizer. Essa discussão foi sobre essa peça e como estou profundamente grato por poder trabalhar em algo tão profundo. É uma carta de amor para a comunidade LGBTQ. Nós estávamos falando sobre 'Como você se prepara para algo tão importante e tão grande?' e eu estava basicamente dizendo: 'Eu mergulho o máximo que posso'. A intenção [em meus comentários] era falar com isso, falar com meu desejo de desempenhar esse papel com o melhor de minha capacidade e mergulhar totalmente em uma cultura que eu adoro."[203] Em declarações anteriores, ele já revelou não ter preferência sexual e, em outras, deixou implícita uma bissexualidade.[204][205]

ReligiãoEditar

Apesar de não se considerar um religioso, Garfield revelou que, durante a preparação para o filme Silence, desenvolveu o que chama de um relacionamento "profundo com Jesus Cristo".[206] De antemão, ele não tinha relação com o personagem e considerava-O apenas o líder do cristianismo. Além disso, o ator julgava-se "panteísta, agnóstico, ocasionalmente ateu e um pouco judeu, mas principalmente confuso.[...] Eu não diria que tive uma crise de fé. Eu estou sempre tendo uma crise de fé, com tudo. As pessoas certas têm medo de mim. É assim que as guerras religiosas começam." Além disso, destacou que é importante notar que ambos filmes Hacksaw Ridge e Silence, nos quais interpreta religiosos, transcendem a religião específica. "[Embora] Desmond Doss fosse, obviamente, um cristão, um adventista do sétimo dia, presumo que suas ações na história transcendem a religião específica em que ele se encontrava. Suas ações vão além especificamente de ser cristão."[20] O padre James Martin, que serviu-lhe de professor para se portar tal qual um sacerdote jesuíta em Silence, continua sendo seu conselheiro espiritual, guiando o ator em sua própria "relação muito específica com Jesus".[14]

Garfield afirmou que tem sido "um buscador espiritual" desde que era criança e sempre foi fascinado por figuras como Jesus, Mahatma Gandhi, John Lennon e Martin Luther King. Citou o mistério de suas existências e o mistério de seus atos de amor e devoção como coisas admiráveis e que esse desejo profundo de "ser uma busca espiritual" sempre esteve em si.[20]

FilmografiaEditar

CinemaEditar

Ano Título original Papel Notas
2005 Mumbo Jumbo Simmo Curta-metragem
2007 Lions for Lambs Todd Hayes
2008 Other Boleyn Girl, TheThe Other Boleyn Girl Francis Weston
2009 Imaginarium of Doctor Parnassus, TheThe Imaginarium of Doctor Parnassus Anton
2009 Air Tom Curta-metragem
2010 I'm Here Sheldon Curta-metragem
2010 Never Let Me Go Tommy D
2010 The Social Network Eduardo Saverin
2012 The Amazing Spider-Man Peter Parker / Spider-Man
2014 The Amazing Spider-Man 2
2014 99 Homes Dennis Nash Também produtor
2016 Hacksaw Ridge Desmond Doss
2016 Silence Padre Sebastião Rodrigues / Okada San'emon
2017 Breathe Robin Cavendish
2018 Under the Silver Lake Sam

TelevisãoEditar

Ano Título Personagem Notas
2005 Sugar Rush Tom 5 episódios (primeira temporada, episódios 1, 3, 6, 8 e 9)
Swinging Vários papéis 1 episódio (primeira temporada, episódio 1)
2006 Simon Schama's Power of Art Garoto 1 episódio (primeira temporada, episódio 1)
2007 Trial & Retribution Martin Douglas 1 episódio (décima temporada, episódio 3)
Freezing Kit 1 episódio (primeira temporada, episódio 1)
Doctor Who Frank 2 episódios (terceira temporada, episódios 4 e 5 )
Boy A Jack Burridge / Eric Wilson Telefilme
2009 Red Riding Eddie Dunford 3 episódios
2011, 2014 Saturday Night Live Ele mesmo Participação especial

TeatroEditar

Ano Peça Papel Local
2004 Mercy Deccy Soho Theatre
Kes Billy Manchester Royal Exchange
2005 The Laramie Project Vários papéis Sound Theatre
Romeo e Julieta Romeo Montague Manchester Royal Exchange
2006 Beautiful Thing Jamie Sound Theatre
Burn / Chatroom / Citizenship Birdman / Jim / Stephen Royal National Theatre
Overwhelming, TheThe Overwhelming Geoffrey UK tour
2012 Death of a Salesman Biff Loman Ethel Barrymore Theatre
2017 The Children's Monologues Adolescente intimidado pelo pai Carnegie Hall[207]
Angels in America Prior Walter Royal National Theatre
2018 Neil Simon Theatre

Vídeo musical

Ano Título Personagem Artista
2014 We Exist Jovem garota transgênero Arcade Fire

Prêmios e indicaçõesEditar

Ao longo de sua carreira, Garfield já foi indicado e venceu diversos prêmios, notavelmente suas nomeações para o Oscar de Melhor Ator (2017),[105] ao BAFTA de Melhor Ator Coadjuvante, Melhor Estrela em Ascensão e Melhor Ator (2011 e 2017);[48][106] Globo de Ouro para Melhor Ator Coadjuvante em Cinema e Melhor Ator em Filme Dramático (2011 e 2017);[49][107] Prêmios Satellite de Melhor Ator Coadjuvante em Cinema (2011)[50] e aos Prêmios Screen Actors Guild de Melhor Elenco em Cinema e Melhor Ator (2011 e 2017).[51][108] Ele já venceu o Prêmio AACTA de Melhor Ator (2017),[100] BAFTA de Melhor Ator em Televisão (2008),[32] Critics Choice de Melhor Ator em Filme de Ação,[101] Palm Springs de Atuação do Ano (2017),[102] Satellite de Melhor Ator em Cinema (2017),[104] o Prêmio Saturno de Melhor Ator Coadjuvante em Cinema (2011),[41] entre diversos outros. Já no teatro, obteve indicações ao Prêmio Drama League de Desempenho Destaque (2012 e 2018, esta qual ganhou),[208][124] Prêmios Evening Standard Theatre de Melhor Novato e Melhor Ator (2006 e 2017),[18][209] Prêmio Laurence Olivier de Melhor Ator (2018)[117] e ao Prêmio Tony de Melhor Performance de um Ator em um Papel de Destaque (2012)[80] e ganhou o Drama Desk (2018)[125] e o Tony de Melhor Ator em uma Peça.[126]

O ator também já foi nomeado aos Prêmios Teen Choice em quatro ocasiões.[210][211][212] Para o MTV Movie, recebeu três indicações,[213][214] assim como aos prêmios Gold Derby,[215][216] Golden Schmoes,[217][218] KCA,[219][220] Online Film & Television Association, das quais venceu uma,[221][222] e ao Young Hollywood.[223] No que concerne à premiações concedidas por associações de críticos de cinema, angariou nomeações na Associação de Críticos de Cinema de Chicago,[224] Boston Society of Film Critics,[225] Broadcast Film Critics Association,[226] Detroit Film Critics Society,[42] Houston Film Critics Society,[227] London Film Critics' Circle, no qual venceu as categorias de Melhor Ator Britânico e Melhor Ator Coadjuvante Britânico do Ano,[228] e na Washington D.C. Area Film Critics Association.[229]

Referências

  1. «High Profile Alumni». The Royal Central School of Speech and Drama. 1 de julho de 2015. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  2. a b «Andrew Garfield». Hollywood.com. 13 de maio de 2016. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  3. «Andrew Garfield on The Amazing Spider-Man: interview». GamesRadar. 19 de maio de 2015. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  4. «The Amazing Spider-Man 2 actor Andrew Garfield is his own harshest critic». News.com.au. 10 de abril de 2015. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  5. a b «Interview: Andrew Garfield—The Social Network, The Amazing Spider-Man». Groucho Reviews. 2 de abril de 2015. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  6. «Spider-Baby alert: Andrew Garfield feels the 'need to procreate'». Yahoo! Movies Singapore (em inglês). Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  7. «People Index». Box Office Mojo. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  8. «Andrew 'Spider-Man' Garfield Watched Vivid Parody for Inspiration». AVN. 2 de maio de 2013. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  9. a b Fielder, Miles (19 de novembro de 2007). «Andrew Garfield - The Sundance kid». The List. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  10. a b «What Is Known About Andrew Garfield's Family -». Body Height Weight (em inglês). 5 de novembro de 2018. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  11. a b Albiston, Isabel (9 de janeiro de 2010). «Andrew Garfield: ready for take-off». The Daily Telegraph. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  12. Bloom, Nate (3 de dezembro de 2013). «"Interfaith Celebrities: Films Spider-Man & Lola Versus"». InterfaithFamily.com. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  13. Clarke, Cath (30 de abril de 2014). «Interview: Andrew Garfield». The Time Out - Shanghai. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  14. a b c d e f Rafanelli, Stephanie (30 de dezembro de 2016). «Andrew Garfield: 'I never compromised who I was'». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  15. Shenton, Mark (7 de fevereiro de 2008). «Andrew Garfield». Broadway.com. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  16. Hiscock, John (3 de janeiro de 2014). «A child's dream come true: Andrew Garfield». The Telegraph. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  17. a b c d Graham, Jane (7 de outubro de 2010). «Andrew Garfield: our No 1 hottest young British movie talent». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  18. Rod, Perry (12 de maio de 2017). «Spiderman Star Andrew Garfield Calls Himself Agnostic Pantheist». Pantheism.com. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  19. a b c Davis, Erik (31 de outubro de 2016). «Andrew Garfield on 'Hacksaw Ridge,' 'Silence' and the Absurdity of War». Fandango. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  20. a b Carnevale, Rob (24 de dezembro de 2007). «Lions For Lambs - Andrew Garfield interview - Your London Reviews». IndieLondon. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  21. Ghermezian, Shiryn. «Actor Andrew Garfield Says He's 'Proud' to Be Jewish When Asked About Starring in New Movie Directed by Mel Gibson, Infamous for Antisemitic Comments». Algemeiner.com (em inglês). Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  22. a b c Singh, Anita (5 de julho de 2010). «Andrew Garfield as Spider-Man: who is he?». The Telegraph. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  23. «Andrew Garfield's Parents On How Their Son Is Handling Spider-Man Fame». Access Hollywood. NBCUniversal. 2 de julho de 2012. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  24. «Emma & Andrew's Amazing Adventure». USA Weekend. 12 de abril de 2013. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  25. a b «Andrew Garfield in Tales of Ovid, A-level school production». Freeman's School. 23 de maio de 2018. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  26. «Priory Preparatory celebrates 90 year anniversary (From Your Local Guardian)». Newsquest. 27 de novembro de 2013. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  27. «High Profile Alumni». The Royal Central School of Speech and Drama. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  28. Jeffery, Morgan (30 de julho de 2012). «'Spider-Man' star Andrew Garfield 'honoured to be part of Doctor Who' - Doctor Who News». Digital Spy. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  29. a b c Idelson, Karen (12 de novembro de 2007). "Andrew Garfield: 'Lions' actor certainly not a lamb anymore". Variety.
  30. Morris, Wesley (15 de setembro de 2010). «Lions for Lambs». The Boston Globe. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  31. a b «Spider-Man comes to London». The Daily Telegraph. 20 de junho de 2012. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  32. Biancolli, Amy (5 de novembro de 2012). «Boy A». Houston Chronicle. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  33. DeSmith, Christy (27 de abril de 2014). «'Boy A' explores secrets, forgiveness». Star Tribune. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  34. Hartl, John (1 de maio de 2009). «"Boy A": When the past gets in the way of a promising future». The Seattle Times. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  35. Morgenstern, Joe (7 de julho de 2018). «Powerful 'Boy A' Is Top-Grade Tale Of a Life on Edge». The Wall Street Journal. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  36. Turan, Kenneth (3 de março de 2011). «'Never Let Me Go'». Los Angeles Times. Tribune Company. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  37. Szklarski, Cassandra (11 de setembro de 2010). "Carey Mulligan couldn't bear anyone else starring in 'Never Let Me Go'". Winnipeg Free Press. The Canadian Press.
  38. «Andrew Garfield: Actor on the verge of stardom». The Mercury News (em inglês). 28 de setembro de 2010. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  39. Marshall, Rick (29 de setembro de 2012). «Andrew Garfield Calls 'Never Let Me Go' Adaptation A 'Call To Arms'». MTV. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  40. a b «'Inception' tops Saturn Awards noms». Variety. 29 de junho de 2011. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  41. a b «"DETROIT FILM CRITICS SOCIETY ANNOUNCES THE BEST OF 2010 NOMINATIONS AND WINNERS!"». Detroit Film Critics Society. 9 de julho de 2011. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  42. «Garfield, Bonham Carter and Rockwell lead Hollywood Awards». Hollywood Film Festival. 17 de outubro de 2010. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  43. Gleiberman, Owen (19 de outubro de 2012). «Never Let Me Go Review». Entertainment Weekly. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  44. Bowles, Scott (30 de dezembro de 2011). «'Never Let Me Go': Never was a movie so bleak and empty». USA Today. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  45. a b Salisbury, Mark (14 de abril de 2013). «'The Social Network's' Andrew Garfield has a way with emotion». Los Angeles Times. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  46. «David Fincher: A Life in Pictures». BAFTA Guru. 5 de setembro de 2015. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  47. a b «Baftas 2011: full list of winners» (em inglês). 13 de fevereiro de 2011. ISSN 0307-1235 
  48. a b «The 68th Annual Golden Globe Awards». Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  49. a b 15th Annual SATELLITE Awards Nomination List Arquivado em 1.º de dezembro de 2010, no Wayback Machine.
  50. a b «The 17th Annual Screen Actors Guild Awards». Screen Actors Guild Awards (em inglês). Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  51. Kermode, Mark (23 de abril de 2011). «Mark Kermode's film blog: What Oscar Got Wrong Again». BBC. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  52. Tiffany, Kaitlyn (17 de março de 2017). «In 2010, The Social Network was searing — now it looks quaint». The Verge. Consultado em 15 de dezembro de 2018 
  53. «Oscar Nominations 2011: The Year's Biggest Snubs and Surprises». Flavorwire (em inglês). 25 de janeiro de 2011. Consultado em 15 de dezembro de 2018 
  54. Lee, Chris (26 de janeiro de 2011). «Oscar oversights include some Hollywood heavyweights». Los Angeles Times. Consultado em 15 de dezembro de 2018. Arquivado do original em 28 de janeiro de 2011 
  55. a b «No supporting actor Oscar nod for Andrew Garfield? In a way, maybe he's used to this by now». Los Angeles Times (em inglês). 27 de janeiro de 2011. Consultado em 15 de dezembro de 2018 
  56. Toro, Gabe (25 de janeiro de 2011). «Oscarbation: 11 Oscar Nominee Snubs That Agitate Us». IndieWire. Consultado em 15 de dezembro de 2018 
  57. Morgenstern, Joe (2 de julho de 2018). «'Social Network': Password Is Perfection». The Wall Street Journal. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  58. Travers, Peter (12 de julho de 2012). «The Social Network». Rolling Stone. Consultado em 1 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 12 de julho de 2012 
  59. «It's Official! Andrew Garfield to Play Spider-Man!». ComingSoon.net. CraveOnline. 3 de julho de 2010. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  60. «British actor Andrew Garfield cast as new Spider-Man». BBC. 5 de julho de 2010. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  61. Itzkoff, Dave (2 de julho de 2010). «New 'Spider-Man' Finds Its New Spider-Man». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  62. «'Spider-Man' star Andrew Garfield: 'Who cast this English fool? … Tobey Maguire is genius'». Los Angeles Times. 23 de junho de 2012. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  63. «Andrew Garfield on awards and Spider-Man». BBC. 27 de novembro de 2012. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  64. «"This Week's Cover: 'The Amazing Spider-Man' – plus, our annual Comic-Con preview!"». Entertainment Weekly. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  65. Rick, Katey. «"Interview: Andrew Garfield Says Playing Spidergf-Man Is Every Skinny Boy's Dream"». CinemaBlend.com. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  66. «"This Week's Cover: 'The Amazing Spider-Man' heads up your Summer Must List"». Entertainment Weekly. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  67. Boucher, Jeff (3 de junho de 2012). «'Spider-Man' star Andrew Garfield on fame: 'It terrifies me'». Los Angeles Times. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  68. «Andrew Garfield, Disappearing Into Spidey's Suit». NPR.org (em inglês). Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  69. a b c d e f Graham, Jane (7 de outubro de 2010). «Andrew Garfield: our No 1 hottest young British movie talent». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  70. «British actor Andrew Garfield cast as Spider-Man». The Daily Telegraph. 2 de julho de 2010 
  71. a b «This Week's Cover: 'The Amazing Spider-Man' heads up your Summer Must List». Entertainment Weekly. Time Inc. 23 de maio de 2012. Consultado em 24 de maio de 2012. Arquivado do original em 25 de maio de 2012  Stone: "A lot of our scenes are scripted. But there are moments that aren’t, where we were able to find whatever it was we were looking for playing two kids who were falling in love for the first time."
  72. a b «Spider-Man Gets His Girl: Emma Stone To Play Female Lead» (Nota de imprensa). Sony Pictures. 5 de outubro de 2010. Consultado em 28 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2010 
  73. Bradshaw, Peter (1 de janeiro de 2017). «The Amazing Spider-Man». The Guardian. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  74. Charity, Tom (3 de agosto de 2012). «'The Amazing Spider-Man': Not new, but improved». CNN. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  75. Travers, Peter (18 de julho de 2012). «The Amazing Spider-Man». Rolling Stone. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  76. Oliveira, Rafael W. (3 de julho de 2017). «O Espetacular Homem-Aranha». Plano Crítico. Consultado em 15 de dezembro de 2018 
  77. «Death of a Salesman, Starring Philip Seymour Hoffman and Andrew Garfield, Opens on Broadway». Broadway.com. 18 de março de 2012. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  78. Rooney, David (7 de abril de 2015). «Andrew Garfield on Playing Biff Loman and Spider-Man». The New York Times. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  79. a b Jones, Kenneth (11 de junho de 2012). «Once, Clybourne Park, Porgy and Bess, Audra McDonald, Salesman Win 2012 Tony Awards». Playbill.com (em inglês). Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  80. Couch, Aaron (18 de abril de 2014). «Andrew Garfield, Coldplay Headed to 'Saturday Night Live». The Hollywood Reporter. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  81. «Arcade Fire - We Exist», Arcade Fire, consultado em 1 de janeiro de 2019 
  82. Duca, Lauren (16 de maio de 2014). «Andrew Garfield Does Drag In The Arcade Fire Video For 'We Exist'». The Huffington Post. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  83. Coleman, Miriam (16 de maio de 2014). «Andrew Garfield Rocks a Wig and Dress in Arcade Fire 'We Exist' Teaser». Rolling Stone. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  84. Rosen, Christopher (16 de dezembro de 2014). «Andrew Garfield & Marc Webb Return For 'Amazing Spider-Man 2'». The Huffington Post. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  85. Siegel, Tatiana (31 de outubro de 2012). «Amazing 'Spider-Man Sequel' Returns Andrew Garfield and Marc Webb». The Hollywood Reporter. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  86. Loinaz, Alexis (3 de abril de 2013). «Amazing Spider-Man 2: Andrew Garfield Talks Redesigned Costume, Exploring Spidey's Double Life». E! Online. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  87. Couto, Anthony (10 de fevereiro de 2015). «Sinister Six Delayed at Sony, Spider-Man to Appear in Captain America: Civil War». IGN (em inglês). Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  88. Doran, Sarah (12 de fevereiro de 2017). «BAFTA Rising Star Tom Holland says he'll be asking Andrew Garfield for Spider-Man advice». Radio Times (em inglês). Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  89. Fundas, Scott (30 de abril de 2014). «Andrew Garfield to Star in Martin Scorsese's 'Silence' (EXCLUSIVE)». Variety. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  90. Taylor, Kate (27 de novembro de 2017). «Silence: Martin Scorsese fails in a passion project decades in the making». The Globe and Mail. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  91. Hughes, Mark. «Review: 'Silence' Is An Oscar Contender With Provocative Religious Message». Forbes (em inglês). Consultado em 15 de dezembro de 2018 
  92. Salgado, Lucas, «Silêncio», AdoroCinema, consultado em 15 de dezembro de 2018 
  93. Hessel, Marcelo (10 de março de 2017). «Silêncio». Omelete. Consultado em 15 de dezembro de 2018 
  94. Fan, Ritter (8 de março de 2017). «Silêncio (2016)». Plano Crítico. Consultado em 15 de dezembro de 2018 
  95. Fleming Jr, Mike (10 de setembro de 2016). «Mel Gibson On His Venice Festival Comeback With 'Hacksaw Ridge:' Q&A | Deadline». Deadline Hollywood. Consultado em 15 de dezembro de 2018 
  96. Anderson, Ariston (10 de setembro de 2016). «Venice: Mel Gibson, Andrew Garfield Discuss the "Strong Faith" Behind 'Hacksaw Ridge'». The Hollywood Reporter. Consultado em 15 de dezembro de 2018 
  97. «Hacksaw Ridge (2016)». Box Office Mojo. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  98. Truitt, Brian (8 de maio de 2018). «Review: Mel Gibson soldiers on with gripping 'Hacksaw Ridge'». USA Today. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  99. a b «6th AACTA Awards». AACTA Awards. 29 de outubro de 2016. Consultado em 16 de dezembro de 2018 
  100. a b c «'La La Land' Wins Best Picture at Critics' Choice Awards (Complete List)». Variety. 12 de dezembro de 2016. Consultado em 16 de dezembro de 2018 
  101. a b «Andrew Garfield to Receive Honor at Palm Springs Film Festival». The Hollywood Reporter. 22 de dezembro de 2016. Consultado em 16 de dezembro de 2018 
  102. «'Moonlight' and 'Love and Friendship' Lead London Critics' Nominations». Variety. 21 de dezembro de 2016. Consultado em 16 de dezembro de 2018 
  103. a b «Satellite Award Nominees Revealed». The Hollywood Reporter (em inglês). Consultado em 16 de dezembro de 2018 
  104. a b «The 89th Academy Awards». Academy of Motion Picture Arts and Sciences (em inglês). Consultado em 16 de dezembro de 2018 
  105. a b Saunders, Tristram Fane (12 de fevereiro de 2017). «Bafta winners 2017, full list: victory for La La Land and I, Daniel Blake». The Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235 
  106. a b Capewell, Jillian (9 de janeiro de 2017). «'La La Land' Won More Globes Than Any Other Film, Ever». Huffington Post (em inglês) 
  107. a b News, A. B. C. (30 de janeiro de 2017). «Screen Actors Guild Awards 2017: Complete Winners List». ABC News (em inglês). Consultado em 16 de dezembro de 2018 
  108. «2015 WAFCA Award Winners». Washington D.C. Area Film Critics Association. 31 de janeiro de 2016. Consultado em 16 de dezembro de 2018 
  109. «Oscar 2017: quem deveria vencer nas principais categorias». O Globo. 26 de fevereiro de 2017. Consultado em 20 de dezembro de 2018 
  110. «Coming up at the NT: 2016 and Beyond». National Theatre. 7 de abril de 2016. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  111. «Russell Tovey & Olivier Winner Denise Gough Join Andrew Garfield for National Theatre's Angels in America». Broadway.com. 15 de abril de 2016. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  112. «Angels in America». National Theatre. Consultado em 16 de dezembro de 2018 
  113. «REVIEW: Angels In America Part One, National Theatre». The British Theatre Guide. 5 de maio de 2017. Consultado em 16 de dezembro de 2018 
  114. «Angels in America | Theatre in London». Time Out (em inglês). Consultado em 16 de dezembro de 2018 
  115. Cavendish, Dominic (4 de maio de 2017). «Angels in America, National Theatre, review: dazzling, quirky and often downright bizarre». The Daily Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235 
  116. a b «Olivier awards 2018: complete list of nominations | Stage». The Guardian. 5 de abril de 2018. Consultado em 16 de dezembro de 2018 
  117. «Actor Andrew Garfield on Playing Polio Victim in 'Breathe'». Variety. 4 de dezembro de 2017. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  118. Dalton, Stephen (4 de março de 2018). «'Breathe' Review». The Hollywood Reporter. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  119. Sousa, Camila (17 de novembro de 2017). «Uma Razão Para Viver | Crítica». Omelete. Consultado em 16 de dezembro de 2018 
  120. Marks, Peter (11 de abril de 2018). «Forget 'important.' 'Angels in America' is brilliantly entertaining». The Washington Post. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  121. Brantley, Ben (18 de setembro de 2018). «Review: An 'Angels in America' That Soars on the Breath of Life». The New York Times. Consultado em 16 de dezembro de 2018 
  122. McPhee, Ryan (18 de maio de 2018). «Glenda Jackson, Harry Potter and the Cursed Child Among 2018 Drama League Award Winners». Playbill.com (em inglês). Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  123. a b «THE 84th DRAMA LEAGUE AWARDS». Drama League. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  124. a b «2018 Nominees and Winners». Drama Desk Awards. Consultado em 1 de janeiro de 2019. Arquivado do original em 12 de junho de 2018 
  125. a b Libbey, Pete (5 de maio de 2018). «Tony Awards 2018: Full List of Nominations». The New York Times. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  126. Erbland, Kate (6 de maio de 2018). «'Under the Silver Lake': 11 Exclusive Photos of Cannes-Bound Neo-Noir». IndieWire. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  127. Lawson, Richard (23 de maio de 2018). «Under the Silver Lake Review: To Live, Die, and Annoy in L.A.». Vanity Fair. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  128. Jr, Mike Fleming (30 de outubro de 2018). «Director Gia Coppola Sets Andrew Garfield, Maya Hawke, Nat Wolff & Jason Schwartzman For 'Mainstream' – AFM». Deadline (em inglês). Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  129. Kaplan, Janice (26 de março de 2018). «Andrew Garfield Flies High in Angels in America». Parade (em inglês). Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  130. «Uma Razão para Viver: o amor cura e muda o mundo». Diário do Nordeste. Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  131. «The Brit Boy Invasion: The hot, young, talented actors taking Hollywood by storm». Glamour UK. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  132. «Conheça os jovens atores britânicos que dominaram Hollywood». Notícias ao Minuto Brasil. 10 de janeiro de 2017. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  133. James, Kyleen; Shapiro, Rachel (19 de fevereiro de 2012). «11 British Actors Invading Hollywood's 'It List'». The Hollywood Reporter (em inglês). James. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  134. «Andrew Garfield, Representation, and The Method». Film School Rejects (em inglês). 7 de julho de 2017. Consultado em 20 de dezembro de 2018 
  135. «Andrew Garfield Was "in a Dark Place" Before Emma Stone Split». Us Weekly (em inglês). 21 de abril de 2015. Consultado em 20 de dezembro de 2018 
  136. a b «Emma Stone Dumped Andrew Garfield Because Of His Method Acting - Report». Hollywood Hiccups (em inglês). 24 de abril de 2015. Consultado em 20 de dezembro de 2018 
  137. «Meet Andrew Garfield: The Amazing Spider-Man». News18. 19 de junho de 2012. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  138. Pearlman, Cindy (8 de maio de 2014). «Andrew Garfield On Love Emma Stone: 'She's Terrifyingly Amazing'». YourTango (em inglês). Consultado em 24 de dezembro de 2018 
  139. a b c «Andrew Garfield on Stage Fright, Spirituality & His Role in Broadway's 'Angels in America'». Out (em inglês). 8 de fevereiro de 2018. Consultado em 19 de dezembro de 2018 
  140. «'The Social Network' to 'Spider-Man': Does Andrew Garfield always play the victim?». LA Times - 24 Frames (em inglês). 26 de janeiro de 2011. Consultado em 24 de dezembro de 2018 
  141. Gemmill, Allie (31 de dezembro de 2016). «Emma Stone & Andrew Garfield Shouldn't Do This». Bustle (em inglês). Consultado em 24 de dezembro de 2018 
  142. «15 Reasons Andrew Garfield Is Still The Best Spider-Man». ScreenRant (em inglês). 16 de julho de 2017. Consultado em 24 de dezembro de 2018 
  143. Zimmerman, Danielle (1 de maio de 2014). «Why Andrew Garfield is a better Spider-Man than Tobey Maguire». Hypable (em inglês). Consultado em 24 de dezembro de 2018 
  144. Pearlman, Cindy (8 de maio de 2014). «Andrew Garfield On Love Emma Stone: 'She's Terrifyingly Amazing'». YourTango (em inglês). Consultado em 24 de dezembro de 2018 
  145. Robinson, Joanna (21 de dezembro de 2016). «The Role Andrew Garfield Wasn't "Handsome Enough" to Win Away from Westworld's Ben Barnes». Vanity Fair (em inglês). Consultado em 24 de dezembro de 2018 
  146. a b Belles, Carina (16 de novembro de 2012). «SpeakeasyENT: The REAL sexiest men alive». Speakeasy Magazine (em inglês). Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  147. a b «The 100 Sexiest Movie Stars: The Men». Empire (em inglês). 7 de outubro de 2013. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  148. «Andrew Garfield keeps it casual he picks up a bottle of wine». Daily Mail. 17 de maio de 2016. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  149. «20 Young Actors/Actresses under 30 – Trespass Magazine» (em inglês). Consultado em 24 de dezembro de 2018 
  150. «The 2010 Hot List: Nicki Minaj, 'Jackass 3D,' Elle Fanning and More». Rolling Stone (em inglês). 8 de outubro de 2010. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  151. «15 EW Entertainers of the Year». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  152. «Entertainers of the Year: Here's who you voted for». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  153. «Presenting the 2011 AfterElton Hot 100… The World's Hottest Men as Chosen By Our Readers». NewNowNext. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  154. «Logo's AfterElton and AfterEllen Hot 100 men and women of 2012: red carpet pics, full lists» (em inglês). 25 de julho de 2012. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  155. «TheBacklot.com 2013 Hot 100!». NewNowNext. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  156. «Sexiest Men of 2012». Glamour. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  157. «Sexiest Men». Glamour. 7 de janeiro de 2014 
  158. Haidrani, Salma. «Sexiest Men Of 2015». Glamour. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  159. «GLAMOUR 100 Sexiest Men 2016». Glamour. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  160. Byrne, Suzy (9 de fevereiro de 2012). «20 Sexy British Men». Glamour 
  161. Richdale, Andrew; Tang, Dennis; Fennessey, Sean; Phili, Stelios; Byrne, Mark (6 de março de 2012). «30 Under 30: The Most Stylish Young Men in Hollywood». GQ (em inglês). Consultado em 27 de dezembro de 2018 
  162. «50 Sexiest Men Alive». MTV UK (em inglês). Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  163. a b «Bradley Cooper is Sexiest Man Alive: Sexy Guys on the Inside (Photos)». The Daily Beast (em inglês). 16 de novembro de 2010 
  164. Peiffer, Kim (10 de novembro de 2011). «Sexy at Every Age». People (em inglês). Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  165. Hefa, Kiran; Lane, Laura (27 de junho de 2014). «Is Britain Home of the Sexiest Bachelors?». People (em inglês). Kiran. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  166. «40 Men That Men Find Beautiful». The Cut (em inglês). 3 de dezembro de 2013. Consultado em 27 de dezembro de 2018 
  167. «Sony Paying Andrew Garfield Only $500,000 for Spider-Man Reboot». /Film (em inglês). 5 de julho de 2010. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  168. «Vulture's 100 Most Valuable Stars of 2013». Vulture (em inglês). 22 de outubro de 2013. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  169. «Vulture's Most Valuable Stars of 2014». Vulture (em inglês). 26 de outubro de 2014. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  170. «Vulture's Most Valuable Stars of 2015». Vulture (em inglês). Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  171. «People Index». Box Office Mojo. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  172. «Andrew Garfield Net Worth». Celebrity Net Worth (em inglês). 8 de junho de 2011. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  173. «Andrew Garfield: Social media isn't nourishing - Times of India». The Times of India. 2 de outubro de 2017. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  174. «Celebrity is the new religion: Andrew Garfield». The Indian Express (em inglês). 3 de outubro de 2015. Consultado em 31 de janeiro de 2019 
  175. «Noah Jupe & Millicent Simmonds - Hollywood's Top 30 Stars Under Age 18». The Hollywood Reporter (em inglês). 8 de agosto de 2018. Consultado em 24 de dezembro de 2018 
  176. «Newly Discovered Spiders Named After Spider-Man Actors». 12 de fevereiro de 2018. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  177. «Andrew Garfield talks about WWO with InStyle Magazine». Those British Boys. 13 de fevereiro de 2013. Consultado em 16 de outubro de 2016. Arquivado do original em 22 de junho de 2014 
  178. «Andrew Garfield: 'Amazing Spider-Man' gets playful with orphans». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 29 de dezembro de 2018 
  179. «'Humiliating myself for the kids': Andrew Garfield belly dances for money on Ellen as he raises $10,000». Daily Mail. 14 de novembro de 2012. Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  180. «Andrew Garfield e Emma Stone usam paparazzi para pedir doações». Ego. 16 de setembro de 2012. Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  181. «See Emma Stone & Andrew Send a Message to the Paps!». E! Online (em inglês). 17 de junho de 2014. Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  182. Clevver News, Emma Stone & Andrew Garfield Send Message to Paparazzi, consultado em 30 de dezembro de 2018 
  183. Glein, Kelsey. «Is This the Latest Star Trend? Anne Hathaway Copies Emma Stone by Covering Her Face for a Good Cause». InStyle (em inglês). Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  184. Gavilanes, Grace. «Happy 31st Birthday, Andrew Garfield!». InStyle (em inglês). Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  185. «Andrew Garfield Backflips for Breast Cancer Research on 'Ellen' – Watch Here!». Just Jared (em inglês). 17 de outubro de 2017. Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  186. The Ellen Show (17 de outubro de 2017), Andrew Garfield Backflips for Charity, consultado em 30 de dezembro de 2018 
  187. Justin Harp (17 de abril de 2013). «Andrew Garfield backs gay marriage: 'Of course support it'». Digital Spy. Hearst Corporation. Consultado em 17 de abril de 2013 
  188. a b «Andrew Garfield's award 'for LGBT community'». BBC (em inglês). 11 de junho de 2018 
  189. Hernandez, Greg (19 de janeiro de 2011). «Gay & Lesbian Entertainment Critics announce Dorian Award winners for favorites in film & television». Greginhollywood.com. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  190. «Andrew Garfield calls for a pansexual Spider-Man - PinkNews · PinkNews». www.pinknews.co.uk. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  191. «Read Andrew Garfield's moving reflections on Orlando and Pride in London». Time Out (em inglês). 20 de junho de 2016. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  192. «Andrew Garfield's Angels in America Is Like Bingeing a Netflix Series Live», The Tonight Show Starring Jimmy Fallon, consultado em 31 de dezembro de 2018 
  193. Wloszczyna, Susan (20 de setembro de 2010). «Emma Stone and Andrew Garfield break out of the pack». USA Today. Consultado em 5 de junho de 2015 
  194. Brian Donaldson (15 de fevereiro de 2009). «Rising Star». Sunday Herald. Newsquest. Consultado em 15 de julho de 2010 
  195. Donna Freydkin (2 de julho de 2012). «Andrew Garfield, Emma Stone 'Amazing' together». USA Today. Gannett Company. Consultado em 7 de agosto de 2012 
  196. «Andrew Garfield na corrida pelo Oscar com "Breathe"». VEJA.com. Consultado em 20 de dezembro de 2018 
  197. «British Spider-Man star Andrew Garfield splits from girlfriend Shannon Woodward after three year romance». Daily Mail. 26 de maio de 2011. Consultado em 27 de dezembro de 2018 
  198. «Casal favorito do momento: Emma Stone e Andrew Garfield!». PAPELPOP. 16 de novembro de 2011. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  199. «Andrew Garfield net worth revealed after Tony Awards 2018 win». Mail Online. 11 de junho de 2018. Consultado em 27 de dezembro de 2018 
  200. «Andrew Garfield Comes Out as Gay 'Just Without the Physical Act'». Out (em inglês). 5 de julho de 2017. Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  201. Nevins, Jake (7 de julho de 2017). «Andrew Garfield, queer-baiting and the perils of 'playing gay'». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  202. Moore, Hannah (15 de julho de 2017). «Andrew Garfield: Gay comments were 'twisted' and 'taken out of context'». BBC Newsbeat (em inglês). Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  203. «Andrew Garfield quer ver Homem-Aranha bissexual – como ele». Veja. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  204. Marafon, Renato (9 de setembro de 2015). «Andrew Garfield assume bissexualidade». Cinepop 
  205. Wise, Talia (14 de janeiro de 2017). «Andrew Garfield Says Silence Film Helped Him to 'Fall in Love With Jesus'». Christian Broadcasting Network (em inglês). Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  206. Scheck, Frank (14 de novembro de 2017). «Critic's Notebook: An All-Star Cast Performs 'The Children's Monologues' at Carnegie Hall». The Hollywood Reporter. Cópia arquivada em 19 de novembro de 2017 
  207. «Ricky Martin, Carey Mulligan, Andrew Garfield and 52 Others Earn 2012 Drama League Nominations». Broadway.com. 26 de abril de 2012. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  208. «Evening Standard Theatre Awards 2017: The Ferryman scoops three gongs as Andrew Garfield takes home best actor». London Evening Standard. 23 de dezembro de 2017. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  209. Ng, Philiana. «"Teen Choice Awards 2012: 'Breaking Dawn,' 'Snow White' Lead Second Wave of Nominees"». The Hollywood Reporter. Prometheus Global Media. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  210. «"Teen Choice Awards 2014 Nominees Revealed!"». Yahoo! Movies. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  211. Ceron, Ella (20 de junho de 2017). «Teen Choice Awards 2017: See the First Wave of Nominations». Teen Vogue. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  212. Ditzian, Eric. «'Eclipse,' 'Inception' Lead 2011 MTV Movie Awards Nominations». MTV News (em inglês). Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  213. Wickman, Kase. «Here Are Your 2015 MTV Movie Awards Nominees». MTV News (em inglês). Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  214. Beachum, Chris (19 de junho de 2011). «History of the GoldDerby Film Awards (All Winners & Nominees)». GoldDerby (em inglês). Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  215. Montgomery, Daniel (22 de fevereiro de 2017). «Gold Derby Film Awards 2017: 'La La Land' sweeps with 9 wins including Best Picture». GoldDerby (em inglês). Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  216. «Golden Schmoes Winners and Nominees (2010)» (em inglês). JoBlo.com. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  217. «Golden Schmoes Winners and Nominees (2016)» (em inglês). JoBlo.com. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  218. Johnson, Zach (23 de janeiro de 2013). «Josh Duhamel Will Host Nickelodeon's 26th Annual Kids' Choice Awards». Us Weekly (em inglês). Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  219. «Meryl Streep gets her first Kids' Choice Awards nomination: See the full list». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  220. «15th Annual Film Awards (2010)» (em inglês). Online Film & Television Association. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  221. «21st Annual Film Awards (2016)» (em inglês). Online Film & Television Association. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  222. Bayley, Leanne. «Young Hollywood Awards 2014: The FULL winners list». Glamour. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  223. Ng, Philiana. «Chicago Film Critics Friend 'The Social Network'». The Hollywood Reporter (em inglês). Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  224. Knegt, Peter (12 de dezembro de 2010). «"The Social Network" Leads Boston Critics Awards». IndieWire (em inglês). Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  225. «THE 16th CRITICS' CHOICE MOVIE AWARDS NOMINEES». Broadcast Film Critics Association. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  226. «Houston critics crown Social Network #1 film for 2010». Houston Chronicle. 18 de dezembro de 2010. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  227. Knegt, Peter (11 de fevereiro de 2011). «"Social Network," "King's Speech" Lead London Critics Circle Winners». IndieWire (em inglês). Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  228. «2010 WAFCA Awards». Washington D.C. Area Film Critics Association. Consultado em 1 de janeiro de 2019 

Ligações externasEditar