Abrir menu principal

Anel Energético Sul-Americano

Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde abril de 2014). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
UNASUL

O Anel Energético Sul-Americano é um projeto que visa a construção de uma rede de gasodutos na América do Sul. A proposta foi divulgada pela primeira vez em outubro de 2005, no Peru, como um projeto ligado à IIRSA que viria a ser incorporado às propostas da União de Nações Sul-Americanas. O projeto inclui os seguintes países:

Dados geraisEditar

A construção do Anel Energético Sul-Americano foi proposta para contornar a crise energética argentina, pelo Mercosul e Chile. antes do descobrimento dos depósitos de gás conhecidos por Gás de Camisea

A proposta foi assinada no dia 8 de dezembro de 2005 em Montevidéu, um dia antes da cúpula do Mercosul.

Controvérsia e críticasEditar

Segundo analistas peruanos, o Peru poderia se juntar à Bolívia e se recusar a vender gás ao Chile, como suporte ao país altiplano bloqueado pelo Chile, para que aBolívia conseguisse obter uma saída para o mar.

Como resultado do conflito de delimitação marítima entre o Chile e Peru, este país adiou as reuniões sobre o Anel Energético Sul-Americano, como a Bolívia, que foi proposta como candidato a prover o gás das reservas de Tarija. Isto ocorreu antes do descobrimento dos depósitos de gás conhecidos por Gás de Camisea.

VenezuelaEditar

Os países do Mercosul chegaram a propor a construção de um gasoduto integrando a Venezuela, passando pelo Norte e Centro do Brasil, aos gasodutos já existentes no Mercosul, o que ficou inicialmente conhecido como projeto do Grande Gasoduto do Sul. A proposta inicial envolveria a criação de uma nova empresa petrolífera sul-americana, possivelmente chamada "Petrosul", que, entretanto não se viabilizou. Das iniciativas propostas em torno da criação da "Petrosul", a única que está sendo implementada é a construção de uma Refinaria em Pernambuco, a Refinaria Abreu e Lima, pertencente às empresas petrolíferas Petrobrás, brasileira, e a PDVSA, venezuelana.

Embora a entrada da Venezuela no Mercosul possa viabilizar a retomada do projeto do "Gasoduto do Sul", até o momento, este continua parado.

Ver tambémEditar