Abrir menu principal

Angatuba

município brasileiro do estado de São Paulo

Angatuba é um município brasileiro do estado de São Paulo. Pertencente a Região de Governo de Itapetininga, estando a 40 km de Itapetininga e 200 km de São Paulo. Sua população estimada em 2019 era de 25.228 habitantes. O município é formado pela sede e pelo distrito de Bom Retiro da Esperança[6][7].

Município de Angatuba
Praça Monsenhor Ribeiro

Praça Monsenhor Ribeiro
Bandeira de Angatuba
Brasão de Angatuba
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 11 de março de 1872
Gentílico angatubense
Prefeito(a) Luiz Antônio Machado (PMDB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Angatuba
Localização de Angatuba em São Paulo
Angatuba está localizado em: Brasil
Angatuba
Localização de Angatuba no Brasil
23° 29' 24" S 48° 24' 46" O23° 29' 24" S 48° 24' 46" O
Unidade federativa São Paulo
Região intermediária

Sorocaba IBGE/2017 [1]

Região imediata

Itapetininga IBGE/2017

Municípios limítrofes Itatinga, Bofete, Guareí, Itapetininga, Campina do Monte Alegre, Buri e Paranapanema
Distância até a capital federal: 1 066 km
estadual: 200 km
Características geográficas
Área 1 028,702 km² [2]
População 25 228 hab. Censo IBGE/2019[3]
Densidade 24,52 hab./km²
Altitude 624 m
Clima subtropical Cfb
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,719 alto PNUD/2010 [4]
PIB R$ 765 382 IBGE/2014[5]
PIB per capita R$ 32 001 61 IBGE/2014[5]
Página oficial
Prefeitura www.angatuba.sp.gov.br

ToponímiaEditar

Angatuba é termo indígena que significa abundância de espíritos, ou de forma poética "Mansão das almas". Do tupi: angá, espírito; e tuba, grande quantidade, abundância.

HistóriaEditar

Angatuba foi fundada em 1872, quando o capitão José Marcos de Albuquerque comprou por duzentos e cinquenta mil réis, um vasto terreno de matas virgens de propriedade de Maria Genoveva dos Santos, e seus herdeiros João Martins dos Santos e Domingos Leite do Prado. Nessa época, o terreno situado no município de Itapetininga, chamava-se "Bairro Palmital". Esta seria a primeira denominação do município.

Ali, José Marcos de Albuquerque juntamente com Teodoro Arruda, Salvador Pereira de Albuquerque, Salvador Rodrigues, Felisberto Ramos, Teodoro Rodrigues, José Vicente Ramos e Domiciano Ramos iniciaram a construção de uma capela.

A construção foi interrompida com o falecimento do Capitão José Marcos de Albuquerque e retomada após a viúva, D. Paula Maria de Camargo, casar-se com o tenente-coronel Tomás Dias Batista Prestes.

O coronel Prestes constituiu comissão para retomada da construção com o Alferes José Antônio Vieira, Salvador Ferreira de Albuquerque, Salvador Rodrigues dos Santos, Teodoro José Vieira e Domiciano Ramos. Estes, apoiados pela população do local, concluíram a construção da capela feita em madeira que foi denominada "Capela do Ribeirão Grande do Palmital". E este foi o segundo nome dado a Angatuba: "Capela do Ribeirão Grande do Palmital".

Tomás Dias Batista Prestes presenteou a comunidade com um pombo de prata, imagem que representa o Divino Espírito Santo, que se tornou o padroeiro da capela.

Em 11 de março de 1872, a lei provincial nº. 7, elevou o povoado à categoria de Freguesia do Espírito Santo da Boa Vista.

Em maio de 1873, o tenente Tomás Dias Batista Prestes, consegue a escritura do terreno da capela e em setembro o terreno é anexado ao patrimônio da "Capela do espírito Santo da Boa Vista".

Em 1885 a Freguesia teve anexado território desmembrado de Itapetininga e foi elevada a município pela lei nº. 27 de 10 de março do mesmo ano.

A instalação efetuou-se em 5 de fevereiro de 1887.

Em 1908 a Lei n. 115, alterou o nome para Angatuba que, em tupi-guarani significa "assembleia dos espíritos", "morada dos espíritos" ou "mansão das almas". Existem historiadores que afirmam que Angatuba significa, em tupi-guarani, "fruta-doce", ou Anga= fruta e tuba= doce.

O primeiro vigário da paróquia da Vila foi o padre Caetano Tedeschi.

A comarca criada pela lei 5285 de 18 de fevereiro de 1959, foi instalada no dia 29 de maio de 1966.

Revolução de 1932Editar

Por uma semana, durante os embates da Revolução de 1932, o município de Angatuba foi ocupado por tropas gaúchas. Consta que com a previsão da invasão do "exército-do-sul" e o medo da população devido a fama de que os gaúchos "destruíam casas e atacavam mulheres", os moradores esconderam suas esposas e filhos pequenos em sítios e/ou cidades vizinhas. Fato curioso foi que com a demora da chegada dos soldados, aos poucos o povo foi retornando para suas casas. Os Gaúchos chegaram quando não mais se imaginava que o município seria tomado. Felizmente nenhum incidente foi registrado e os dias de ocupação foram tranquilos.

cachu e ra e rios

Clubes de serviços e associaçõesEditar

  • Rotary Club de Angatuba: Fundado em 27 de dezembro de 1995, tendo como padrinho o Rotary Club de Itapetininga qual está sob administração do Distrito 4620 de Rotary Internacional desde Mairinque até Ourinhos, passando pelos municípios de Sorocaba, Avaré e Itapeva. O mesmo mantém diversos projetos sociais e ambientais, cabe destaque a edição anual da Limpeza do Rio Paranapanema, a qual retira certa 100m³ de detritos das margens, lembrando que é o único rio no estado de São Paulo livre de poluição.
  • Associação Comercial e Industrial de Angatuba

Campina do Monte AlegreEditar

Fato importante na história de Angatuba foi o desmembramento de parte de seu território para criação do município da Campina do Monte Alegre.

A área assemelha-se a um apêndice situado a sul do centro geográfico e foi criado pela Lei Estadual nº 7.664, de 30 de dezembro de 1991. O município foi instalado em 1993.

GeografiaEditar

DemografiaEditar

Dados do Censo - 2017

População total:

  • 24.634 habitantes


 
Gráfico progressão populacional 1920-2000 - (fonte dados:IPEADATA).
  • IDH-M Longevidade: 0,741
  • IDH-M Educação: 0,850

(Fonte: IPEADATA)

SubdivisõesEditar

Angatuba possui dois distritos urbanos afastados da sede da cidade:

HidrografiaEditar

RodoviasEditar

 
Igreja Matriz - Praça Monsenhor Ribeiro - Centro.

Intendentes e prefeitosEditar

desde 1887

PersonalidadesEditar

ComunicaçõesEditar

A cidade era atendida pela Companhia de Telecomunicações do Estado de São Paulo (COTESP), que construiu em 1974 a central telefônica que é utilizada até os dias atuais. Em 1975 passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP)[8], até que em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica. Em 2012 a empresa adotou a marca Vivo para suas operações de telefonia fixa[9][10][11][12].

Possui cobertura 4G+ das operadoras VIVO com 4 Erbs e Claro com 5 Erbs

Possui cobertura 4G da operadora TIM, 3G da Nextel e 2G da Oi.

Possui rede de Fibra Óptica dos provedores FASTERNET e LOGNET.


Canais de TVEditar

Angatuba possui os seguintes canais abertos para sua comunidade:

Band Campinas (em implantação) canal 17

TV Cultura Canal 19.1 HD (41UHF Bom Bom)

19.2 UnivespTv SD


19.3 Multicultura SD

TV TEM Itapetininga (Globo) Canal 26.1 HD (26 UHF)

RecordTv Bauru em implantação (27.1)

TV Sorocaba (SBT) 35.1 HD (35 UHF)


TV Canção Nova - Canal 25.1 (22 UHF)

Ver tambémEditar

Referências

  1. «O recorte das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias de 2017» (PDF). Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2017. p. 20–34. Consultado em 10 de agosto de 2017 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2017». Censo Populacional 2017. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2017. Consultado em 2017  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)[ligação inativa]
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  6. «Municípios e Distritos do Estado de São Paulo» (PDF). IGC - Instituto Geográfico e Cartográfico 
  7. «Divisão Territorial do Brasil». IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 
  8. «Área de atuação da Telesp em São Paulo». Página Oficial da Telesp (arquivada) 
  9. «Telesp vai servir mais 86 cidades do estado». Acervo Folha de S.Paulo 
  10. «Patrimônio da COTESP incorporado pela TELESP» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  11. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  12. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 

Galeria de fotosEditar

Ligações externasEditar