Abrir menu principal
Ambox question.svg
Esta página ou seção carece de contexto (desde agosto de 2018).

Este artigo (ou seção) não possui um contexto definido, ou seja, não explica de forma clara e direta o tema que aborda. Se souber algo sobre o assunto edite a página/seção e explique de forma mais clara e objetiva o tema abordado.

Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde novembro de 2011).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Grupo Anima
Atuais integrantes do Grupo Anima
Informação geral
Origem Campinas, São Paulo
País  Brasil
Gênero(s) música de câmara
Período em atividade 1991 - atualmente
Integrantes Marlui Miranda – canto, arranjos, flautas indígenas brasileiras, percussão e pesquisa;
Silvia Ricardino – harpa de trovador, pesquisa e arranjos;
Marília Vargas – soprano, pesquisa e arranjos; Paulo Dias – percussão, cravo, organeto, pesquisa e arranjos;
Gisela Nogueira – viola de arame, pesquisa e arranjos;
Luiz Fiaminghi – rabecas brasileiras, pesquisa, arranjos, direção executiva e produção
Valeria Bittar – flautas-doce históricas, flautas indígenas brasileiras, pesquisa, arranjos, direção executiva e produção.
Hugo Pieri – barítono.
Ogã Leandro Perez – canto e percussão afro-brasileira.
Página oficial Site oficial

Anima é um grupo brasileiro de música de câmara.

ANIMA (musica mundana humana et instrumentalis) tem em sua formação (2011) os músicos: Marlui Miranda – canto, arranjos, flautas indígenas brasileiras, percussão e pesquisa; Silvia Ricardino – harpa de trovador, pesquisa e arranjos; Marília Vargas – soprano, pesquisa e arranjos; Paulo Dias – percussão, cravo, organeto, pesquisa e arranjos; Gisela Nogueira – viola de arame, pesquisa e arranjos; Luiz Fiaminghi – rabecas brasileiras, pesquisa, arranjos, direção executiva e produção e Valeria Bittar – flautas-doce históricas, flautas indígenas brasileiras, pesquisa, arranjos, direção executiva e produção; Hugo Pieri – barítono; Ogã Leandro Perez - canto e percussão afro-brasileiros. Anteriormente já passaram pelo grupo outros músicos, como José Eduardo Gramani (rabecas, faleceu em 1998).[1]

Seu repertório passa por trabalho preliminar de pesquisa musicológica histórica e etnomusicológica e de elaboração de arranjos e composições. Estes elementos são transportados para o palco, através de uma linguagem camerística em constante diálogo entre passado e presente, cultura popular e erudita.

Seu último CD lançado chama-se Encantaria [2], e foi lançado pelo Selo SESC[3] do estado de São Paulo.

Índice

DiscografiaEditar

  • Encantaria (2017)
  • Donzela Guerreira (2010)
  • Espelho (2006)
  • Amares (2003
  • Especiarias (200)
  • Teatro do Descobrimento (1999)
  • Espiral do Tempo (1997/1998)

PrêmiosEditar

  • Prêmio Estímulo pela Secretaria Municipal de Cultura da Cidade de Campinas (1993)
  • “Melhor Conjunto de Música de Câmara” pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), em Música Erudita (1998)
  • Prêmio “Melhor Conjunto de Música de Câmara” no V Prêmio Carlos Gomes de Música Erudita, (2000)
  • Indicado ao IV e VIII Prêmio Carlos Gomes de Música Erudita, na categoria “Melhor Conjunto de música de Câmera” em 1999 e 2003.
  • Prêmio Movimento de Música Brasileira. Categoria: melhor CD com arranjos instrumentais (1997)

Ligações externasEditar

Referências

  1. Fonte: Disponível em <http://www.animamusica.art.br/site/lang_pt/pages/historico/index.html> Acesso em 5 out 2018
  2. Espaço Cultural BNDES (26 de Setembro de 2018). «GRUPO ANIMA / "Encantaria". Quartas Instrumentais - 26.09.2018 - 19h». bndes.gov.br. Home/Quartas Instrumentais. Consultado em 5 de Outubro de 2018 
  3. Sesc SP (2017). «CDs / Projetos Especiais / Encantaria». sescsp.org.br. Sesc SP/CDs/Projetos Especiais. Consultado em 5 de Outubro de 2018