Abrir menu principal

Anna Bresser

nobre e professora prussiana
Anna Bresser
Nascimento 16 de julho de 1846
Berlim
Morte 27 de maio de 1910 (63 anos)
São Paulo
Cidadania Alemanha
Ocupação professora

Anna Bresser ou Ana Hasta Edwiges von Seehausen (Berlim, Prússia, 16 de julho de 1846 - São Paulo, Brasil, 27 de maio de 1910) foi uma nobre prussiana, esposa do industrial Carlos Augusto Bresser e professora. Ela destacou-se por alfabetizar escravos antes da vigência da Lei Áurea - que aboliu a escravidão no Brasil - e por financiar a construção da Igreja de São João Batista, uma das mais relevantes igrejas da antiga São Paulo.

Índice

Vida no BrasilEditar

Ana Hasta desembarcou em Joinville, Santa Catarina, aos 5 anos de idade, acompanhada por seus pais e seus 6 irmãos. Porém, acostumados à vida nas metrópoles da Prússia, familiares de Ana optaram pela cidade de Petrópolis, muito frequentada por dom Pedro II, para fixar residência.[1] Aos 17 anos de idade, em 1863, Ana Hasta Edwiges von Seehausen casou-se com Carlos Augusto Bresser, um jovem homem de negócios que administrava empreendimentos agropecuários, industriais e comerciais, além das centenas de prédios herdados de Carlos Abrão Bresser. Também educado segundo os moldes germânicos da época, devido a sua ascendência prussiana e austríaca, Carlos era muito bem relacionado pelas constantes festas e reuniões promovidas por sua mãe, Anna Clara Augusta Müller - conhecida por Madame Bresser- no palacete da família.[2] Além disso, Carlos era neto do General Johann Wilhelm Christian Müller, diretor da Academia Real das Sciencias de Lisboa e sobrinho do Marechal Daniel Pedro Müller, assessor de Dom Pedro I.[2][3]

DescendênciaEditar

O matrimônio de Anna Bresser e Carlos Augusto durou 47 anos e deu-lhes 11 filhos, na seguinte ordem:[2]

  1. Gustavo Augusto Bresser: fazendeiro, teve 7 filhos. Reconhecidamente religioso, doou o terreno para a construção da matriz da Paróquia de Santa Rita. Empresta seu nome a uma rua do Brás.[4]
  2. Clara Augusta Bresser: solteira, não deixou descendência.
  3. Hermínia Bresser: viúva, não teve filhos. Mas foi madrinha de Florestan Fernandes e influenciou-o em sua formação intelectual.
  4. Oscar Eugênio Bresser: industrial e Juiz de Paz, casou-se duas vezes e teve 10 filhos. Sua segunda esposa, Eugênia Bresser, deu nome a rua no bairro Jaçanã, em São Paulo.
  5. Oscália Bresser: casou-se com o advogado Manoel Castro Monteiro de Barros e teve 10 filhos.
  6. Leofredo Accácio Bresser: morreu aos 24 anos, ainda solteiro.
  7. Júlia Bresser: faleceu ainda criança. Seu nome foi dado a uma rua no Brás.
  8. Carlos Augusto Bresser Júnior: solteiro, não deixou descendência.
  9. Leonor Bresser: casou-se com Orestes Rivadávia Correia, cônsul do Brasil no Uruguai e primo do Senador e Ministro da Fazenda Rivadávia da Cunha Correia. Não deixou descendência. É homenageada em uma rua de Guarulhos.
  10. Ismael Bresser: médico de grande fama nas décadas de 1910 e 1920, atendia em consultório na própria rua Bresser. Teve 5 filhos com sua esposa Zulmira Albernaz de Oliveira, cujo nome foi à Vila Zulmira, em São Paulo.
  11. Arthur Accácio Bresser: teve um filho.

FilantropiaEditar

Apesar de toda dedicação como matriarca da família Bresser, D. Anna Bresser também foi reconhecida pela atuação na área de educação e nos cuidados para com a Paróquia de São João Batista: ela alfabetizou os próprios escravos pouco antes da Lei Áurea, algo incomum para a São Paulo do século XIX; e, também, D. Anna foi a primeira a presidir o tradicional Apostolado da Oração da centenária Paróquia de São João Batista do Brás.[5]

A Paróquia de São João Batista do Belém, como era chamada, foi a primeira paróquia erigida canonicamente pela Arquidiocese de São Paulo. Sua matriz foi idealizada principalmente por D. Anna e Carlos Augusto Bresser, em substituição a uma capela que ruiu, recém-construída. O templo é rico em vitrais, esculturas e imagens, algumas feitas por artistas parisienses. O órgão de tubos, encomendado da Alemanha, é um dos maiores de São Paulo e do Brasil.[6]

A doação da obra ao Arcebispo de São Paulo, d. Duarte Leopoldo e Silva, ocorreu em 1910, ano da morte de Anna Bresser.

AscendênciaEditar

 
Brasão dos Forcade de Biaix.

Ana Hasta Edwiges von Seehausen nasceu em Berlim, no Reino da Prússia. Ela foi filha do Barão Gustav Heinrich von Seehausen (1805, Posen, Prússia - 4 de março de 1875, Brasil) e de Elise von Schkopp (21 de janeiro de 1814, Prenzlau, Prússia - 3 de agosto de 1870, Brasil) que casaram-se em Berlim, no ano de 1838.[7] De origem protestante, Ana acabou convertendo-se ao Catolicismo; semelhantemente ao falecido sogro Carlos Abrão Bresser.[2]

Pelo lado materno, Ana Hasta Edwiges von Seehausen foi:[8]

Haus von SeehausenEditar

Segundo genealogistas prussianos, a "antiga" e "aristocrática" Casa von Seehausen mostrava-se distinta já no século XIII.[10] Mas, por seu pequeno número de membros, essa antiquíssima família de condes magdeburgueses foi considerada extinta por alguns historiadores.[11]

Contudo, foi noticiado que um Oberst Freiherr/Baron von Seehausen lutou, juntamente a Simón Bolívar, na Colômbia de 1821 - sendo muito provavelmente o avô de Ana von Seehausen.[12][13] E, também, o Barão Gustav Heinrich Alexander von Seehausen, pai de Ana Hasta, era um matemático e militar reconhecido, cujos livros de aritmética eram utilizados nas escolas prussianas.[14][15][16]

Em registros acerca dessa família, sabia-se que seu castelo ancestral (Stammschloss) estaria próximo ao Mosteiro Meyendorf, no Arcebispado de Magdeburgo, o mesmo que comprou o Grafschaft Seehausen em 1257- com Conrad von Seehausen como testemunha.[11][17] Por consequência, tal castelo seria o Castelo de Ampfurth, nas proximidades de Seehausen, distrito de Börde, e residência dos arcebispos de Magdeburgo de 1257 a 1381.

Haus von SchkoppEditar

Na genealogia prussiana, a Casa von Schkopp pertence aos mais antigos nobres da região da Silésia.[18] Já no século XIV, os membros dessa família gozavam de alta reputação perante os duques da Dinastia Piast e em 1466, o castelo original dessa família (Schloss Auras) foi construído por Cristoph von Schkopp, um "herói de guerra" e Coronel na Breslávia, fiel ao rei Jorge de Poděbrady.[18][19] Seu tetraneto e pentavô de Ana, Sigismund von Schkopp, foi General-Governeur das Índias Ocidentais e comandante na defesa da ocupação holandesa no Brasil, aliado a Mauricio de Nassau. Entre os membros dessa família, também nasceu um governador de Estrasburgo, Otto Bernhard von Schkopp, tio de Ana von Seehausen.

O brasão dessa família apresenta um leão, de pelos vermelhos, vestido num hábito de monge e com esferas vermelhas nas patas dianteiras.[10]

Haus von HanffEditar

Dentre os membros dessa família saxã, o bisavô de Ana Hasta, Oberstlieutenant Karl Gottfried von Hanff é um dos mais relevantes.[20] Dentre outras funções, ele foi Comandante do Forte Neisse (Festung Neisse) de 1793 a 1805.

Ascendência DistanteEditar

Pela ascendência de Ana Hasta, a família Bresser tem personagens muito ilustres entre seus antepassados distantes, como:[2][7][9]

Ana Hasta Edwiges von Seehausen é prima da matriarca da família von Randow no Brasil, Amalie von Forcade de Biaix, que desembarcou em Joinville, no ano de 1853.

ReferênciasEditar

  1. Paulo Roberto Martins de Oliveira (29 de junho de 2014). «Imigrantes Germânicos». Jornal Tribuna de Petrópolis 
  2. a b c d e UNZELTE, Celso Dario (2003). A Família Bresser na História de São Paulo. São Paulo: Ed. Saraiva. pp. 55 a 57 
  3. Publicação da Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha (2014). «Um engenheiro militar português em São Paulo: a trajetória de Daniel Pedro Müller e sua contribuição para a transição da engenharia militar para a engenharia civil na província paulista (1802-1841)». Revista Navigator. V. 10 (N. 20) 
  4. «Benfeitores da Igreja Sta Rita». Jornal do Brás (174). 1 de julho de 2009 
  5. «Apostolado da Oração». Consultado em 5 de agosto de 2016 
  6. «Paróquia - 105 anos». Paróquia São João Batista do Brás. Consultado em 5 de agosto de 2016 
  7. a b Neumann-Reppert, Ekkehart. Die Familie von Schkopp. Schenefeld, Schleswig-Holstein: [s.n.] 32 páginas 
  8. «Elise von Schkopp - Familienforschung Peters». 10 de abril de 2016. Arquivado do original em 18 de agosto de 2016 
  9. a b Moréri, Louis. Le Grand Dictionnaire Historique (...) Les Genéalogies De plusieurs Familles illustres de France, & d'autres Pays; (...). Tome V,. Commencé en 1674 Seconde ed. [S.l.]: Chez Jean Brandmuller,. 388 páginas 
  10. a b von Zedlitz-Neukirch, Leopold (1836). Neues preussisches Adels-Lexicon:oder genealogische und diplomatische Nachrichten von den in der preussischen Monarchie ansässigen oder zu derselben in Beziehung stehenden fürstlichen, gräflichen, freiherrlichen und adeligen Häusern. 3. Leipzig: [s.n.] 208 páginas. Seehausen, die Herren von 
  11. a b Zedler, Johann Heinrich. Grosses vollständiges Universal Lexicon aller Wissenschaften und Künste, welche bisshero durch menschlichen Verstand und Witz erfunden und verbessert worden, Bd. 36, p. 1043
  12. «Amerika». Bayreuther Zeitung (199). 7 de Outubro de 1821 
  13. Martin, Karl (1942). Der Unbesiegte Soldat - Ein deutsches Heldenleben in Südamerika. Nürnberg: J. L. Schrag-Verlag. 130 páginas 
  14. ,,Lehrbuch der niedern Arithmetik von Gustav v. Seehausen. Leipzig 1843. Gebhardt und Reisland"'' Sammlung von Beispielen aus der praktischen Stereometrie für Real und...</span> </li> <li id="cite_note-15"><span class="mw-cite-backlink">[[#cite_ref-15|↑]]</span> <span class="reference-text">'',,Lehrbuch der Arithmetik. Ein Rechenbuch zum Gebrauche und zum Selbstunterrichte'' [...] ''Von Gustav v. Seehausen, Königl. Preuss. Lieutenant und Lehrer der Mathematik. Leipzig, bei Gebhardt und Reisland" Allgemeine Schulzeitung, Band 21, 1844.
  15. Geschichte des Königlich Preussischen Sechsten Kürassier-Regiments..., 1842
  16. Von Seehausen. Adels-Lexikon: oder Handbuch über die historischen, genealogischen ..., Band 2. Johann Christian von Hellbach
  17. a b von Zedliz-Neukirch, Leopold (1836). Neues preussisches Adels-Lexicon: oder genealogische und ... Leipzig: Volume 4. 170 páginas 
  18. «Auras a.d.Oder, Kr. Wohlau, Landkreis Breslau, Schlesien, jetzt 55-120 Uraz, Polska». auras-uraz.npage.de. Consultado em 19 de fevereiro de 2017 
  19. von Zedlitz-Neukirch, Leopold (1836). Neues preussisches Adels-Lexicon oder genealogische und diplomatische Nachrichten... Leipzig: [s.n.] pp. 324 (Band 2)