Antónia de Bragança

desenhista portuguesa

Antónia de Bragança (nome completo: Antónia Maria Fernanda Micaela Gabriela Rafaela de Assis Gonzaga Silvéria Júlia Augusta de Bragança e Bourbon Saxe-Coburgo-Gota[1]; Lisboa, 17 de fevereiro de 1845Sigmaringen, 27 de dezembro de 1913), infanta de Portugal e princesa de Hohenzollern-Sigmaringen, e Através de seu pai, ela também detinha os títulos de princesa de Saxe-Coburgo-Gota e duquesa de Saxe.

Antónia
Infanta de Portugal
Princesa de Hohenzollern-Sigmaringen
Marido Leopoldo de Hohenzollern-Sigmaringen
Descendência Guilherme de Hohenzollern-Sigmaringen
Fernando I da Roménia
Carlos António
Casa Hohenzollern-Sigmaringen (nascimento)
Bragança-Saxe-Coburgo-Gota (casamento)
Nome completo Antónia Maria Fernanda Micaela Gabriela Rafaela de Assis Gonzaga Silvéria Júlia Augusta de Bragança e Bourbon Saxe-Coburgo-Gota[1]
Nascimento 17 de fevereiro de 1845
  Lisboa, Portugal
Morte 27 de dezembro de 1913 (68 anos)
  Sigmaringen, Império Alemão
Enterro Igreja de Hedinger, Sigmaringen, Alemanha
Pai Fernando II de Portugal
Mãe Maria II de Portugal
Religião Catolicismo
Brasão

Seis dias após o casamento, tendo Antónia dezasseis anos, o casal partiu para a Alemanha, a bordo da corveta Bartolomeu Dias, comandada pelo infante D. Luís, futuro rei D. Luís.[2] A princesa D. Antónia, já no estado de viúva, visitou Lisboa no ano de 1887, onde desembarcou às quatro horas da tarde do dia 25 de março. Teve uma recepção afectuosa e festiva. Estivera mais de vinte anos ausente de Portugal, vivendo no seu castelo de Sigmaringen, e, contudo, essa longa ausência não fez desmerecer o amor e a dedicação dos portugueses, que pesarosos a tinham visto deixar a pátria, tendo apenas dezasseis anos incompletos.

BiografiaEditar

Primeiros AnosEditar

 
A Infanta D. Antónia, fotografada aos 11 anos de idade, em 1856, por Wenceslau Cifka.
 
A Família Real Portuguesa em 1854 – da esquerda para a direita: Fernando, Antónia, Luís, Maria Ana, Augusto e João.

Antónia Maria Fernanda Micaela Gabriela Rafaela de Assis Gonzaga Silvéria Júlia Augusta de Bragança e Bourbon Saxe-Coburgo-Gota nasceu quando no Palácio de Belém soava um quarto para as onze da noite do dia 17 de Fevereiro de 1845.

Era filha da Rainha de Portugal, D. Maria II (1819-1853), e de seu segundo marido, D. Fernando de Saxe-Coburgo-Gota (1816-1885) e a sexta filha do casal, ainda que à data do seu nascimento, só existissem 4 irmãos sobrevivos: o Principe Real, futuro D. Pedro V (1837-1861), o secundogénito que viria a herdar o trono após a morte do anterior, Luís I (1838-1889), João, Duque de Beja (1842-1861) e D. Maria Ana (1843-1884). Era neta materna de D. Pedro IV (1798-1834), Rei de Portugal e 1º Imperador e de sua primeira mulher, a arquiduquesa de Áustria Carolina Josefa Leopoldina de Habsburgo-Lorena (1798-1826) e paterna de D. Fernando Jorge Augusto, Príncipe de Saxe-Coburgo-Gota (1785-1851) e D. Maria Antónia, Princesa de Kohary (1797-1862).

Três dias depois do seu nascimento foi baptizada, por caso de necessidade, pelo Cardeal Patriarca D. Frei Francisco de São Luís Saraiva (1766-1845), sendo os Santos óleos impostos em presença de seus pais e de toda a corte, no oitavo dia do mês de Abril seguinte. Os padrinhos foram seu irmão mais velho, o Príncipe D. Pedro e sua avó paterna, de quem herdaria o nome de Antónia, tendo tocado, por procuração, a tia-avó da neófita, D. Ana de Jesus Maria (1806-1857), infanta de Portugal e Duquesa de Loulé por seu casamento (Atestação 1845).[nota 1]

 
D. Antónia

D. Antónia não seria a última filha do casal. Seus pais dar-lhe-iam ainda mais cinco irmãos. Todavia, os únicos sobreviventes ao parto foram apenas dois, D. Fernando (1846-1861) e D. Augusto, duque de Coimbra (1847-1889).

A poucos meses de D. Antónia completar 9 anos, D. Maria II morre quando dava à luz um último filho, que também viria a falecer. Desta relação entre mãe e filha pouco se sabe, à excepção de um pequeno bilhete, datado de 22 de Abril, sem indicação de ano, onde Antonica, assim assinava D. Antónia na meninice, contava como tinha tirado um dente, sem gritar, e tinha uma roseira “muito bonita”.[3]

D. Antónia, ainda que permanecendo na qualidade de infanta de Portugal, passava de filha de Rainha para irmã de Rei. D. Pedro, que então ascendia ao trono, viria a casar cinco anos depois com D. Estefânea de Hohenzollern-Sigmaringen (1837-1859), um principado católico, tornado independente após as guerras napoleónicas e anexado pela Prússia em 1849. Por ocasião deste casamento, D. Antónia conheceria aquele que viria a tornar-se seu marido, Leopoldo de Hohenzollern-Sigmaringen (1835-1905).[4] A aproximação à Germânia repetir-se-ia logo no ano seguinte, em Maio, com o casamento da sua irmã Maria Ana com o então Príncipe de Saxe, Jorge (1832-1904).

Na verdade, 1859 seria um ano de viragem na vida de D. Antónia. Para além do casamento da irmã, o seu irmão, o rei D. Pedro, ficava em Julho viúvo, tornando D. Antónia a primeira figura feminina da corte.

CasamentoEditar

 
Leopoldo de Hohenzollern

Ainda em 1859, no mês de Dezembro, voltaria a reencontrar-se com Leopoldo que se dirigir a Lisboa para devolver alguns objectos e bens pertencentes a sua falecida irmã, D. Estefânea.[5]

Todavia, nada que se comparasse ao ano de 1861, quando perfaz 16 anos. É quando se festeja o seu casamento com Leopoldo e, inevitavelmente, deixa a corte portuguesa para se instalar definitivamente em Sigmaringen. A cerimónia de casamento verificou-se a 12 de Setembro, no Palácio das Necessidades e por três dias a cidade de Lisboa rejubilou com vários festejos públicos.

A preparação do casamento iniciou-se meses antes. A 30 de Março era publicada a lei da dotação matrimonial, através da qual o Tesouro Público dotava a infanta com 90 contos de réis, para além de 30 contos para enxoval e despesas de casamento.[nota 2] Era a mesma quantia recebida pela irmã Maria Ana aquando do casamento desta com o Príncipe Jorge da Saxónia (1832-1904)[nota 3] e, no contexto da época, não era uma quantia exorbitante: para o casamento do irmão D. Pedro orçamentou-se 100 contos de reis, mais do triplo do valor que lhe fora destinado. Já a dotação de 90 contos de réis, embora representasse mais de 30 anos da dotação anual de uma infanta (2 contos e 800 mil réis)[nota 4] representava apenas ano e meio de dotação das suas cunhadas D. Estefânea e D. Maria Pia, como rainhas de Portugal.[nota 5]

O contrato nupcial fora redigido em Junho e aprovado pelas cortes em Julho. Embora tendo sido assinado pelos plenipotenciários de Hohenzollern-Sigmaringen, havia ainda que ser ratificado pelo Rei da Prússia, Guilherme I (1797-1888), o que aconteceu em Agosto (Ratificação 1861).

Seis dias após a concretização do casamento, D. Antónia deixa Portugal em direcção à sua nova pátria. O seu irmão, o infante D. Luís e Duque do Porto, foi incumbido pelo rei D. Pedro para proceder ao transporte dos noivos na corveta Bartolomeu Dias, levando debaixo das suas ordens a Corveta Estefânea, comandada pelo capitão de Fragata José Baptista de Andrade.[6] Para além dos referidos, acompanhava também o infante D. João, duque de Beja e o Príncipe Carlos (1839-1914), irmão do noivo e futuro rei da Roménia. Pouco se sabe dos restantes membros da comitiva, mas pelo programa do cerimonial de casamento, depreende-se que a sua dama camarista,[nota 6] D. Maria de Vasconcelos e Sousa[nota 7] ficara em Lisboa, uma vez que “logo depois da celebração do casamento, as pessoas Allemãs destinadas para o serviço de Sua Alteza a Serenissia Princeza de Hohenzollern Sigmaringen entrarão em exercício junto da mesma Augusta Senhora.”[7]

A viagem decorreu sem incidentes de maior, apesar das constantes dores de cabeça da noiva, que fizeram alterar o percurso.[8]

Princesa de Hohenzollern-SigmaringenEditar

 
Leopoldo e Antónia em 1863
 
Retrato de 1866, por Franz Xaver Winterhalter.

Em solo germânico, a agora princesa receberia a notícia da morte dos seus irmãos Fernando e Pedro e, posteriormente, João, entre Novembro e Dezembro desse ano, vitimados pela febre tifóide.[9] Em contrapartida, D. Luís saberia da morte do irmão primogénito ainda em alto mar. Tornava-se assim Rei de Portugal e, no ano seguinte, contraía matrimónio com Maria Pia de Sabóia (1847-1911), assegurando a descendência e sucessão do trono português.

D. Antónia foi igualmente bem sucedida no seu papel de princesa consorte ao garantir a sucessão do principado, dando à luz 3 crianças, a primeira das quais nasceria após ter completado 19 anos. Após o nascimento de Guilherme (1864-1927), o sucessor, seguir-se-ia Fernando (1865-1927), futuro Rei da Roménia e Carlos António (1868-1919).

Pouco se sabe acerca da vida de D. Antónia, sobretudo após a ida para a Alemanha. Sabe-se que visita Portugal entre 27 de Março e 19 de Maio de 1887, a última vez que vê o seu irmão dilecto, D. Luís, que faleceria em 1889, sucedendo o seu filho D. Carlos. De irmã de dois Reis, D. Antónia torna-se tia de Rei.

A partir da década de 1890 e até 1913 torna-se avó de 13 netos. A mais velha de todas, filha do seu primogénito, é D. Augusta Vitória (1890-1966), que viria a casar com o seu sobrinho-neto, o último rei português, então no exílio, D. Manuel de Bragança (1889-1932), em 1913, poucos meses antes de morrer, a 27 de Dezembro desse ano e após 8 anos de viuvez.

Antónia faleceu em Sigmaringen, aos 68 anos de idade, em 1913, sendo sepultada na Igreja de Hedinger, junto da família de seu marido.

Antónia era uma beldade e sua nora, a princesa Maria de Edimburgo, rainha da Roménia, escreveu em suas memórias sobre ela:

Relação com PortugalEditar

 
D. Luís I de Portugal e a sua irmã, D. Antónia de Hohenzollern-Sigmaringen, em 1887.

A proximidade à família portuguesa revelava-se também no reforço da ideia das saudades não só da própria família, como da Pátria e do povo português: “As saudades que tenho de ti de tudo o que é português aumentam com o tempo que é a Pátria que temos e como os Portugueses são bons”.[11] “Espero que os portugueses ainda pensem um pouco em mim de quem eu tenho tantas e tantas saudades”.[12]

O esforço em relembrar as suas origens portuguesas é constante, numa tentativa de estabelecer um elo de união com o irmão, ao desenvolver as entidades pessoais e familiares, mas também da própria pátria comum.[13] Muito embora as princesas adoptassem como sua a pátria do marido, D. Antónia preocupa-se em demonstrar qual o seu berço. Algumas vezes, a intensificação das suas origens portuguesas era feita em contraposição à nova nacionalidade: “não penses que por ser muito alemã sou menos portuguesa, não seria possível gostar mais do seu país natal do que eu o posso”.[14] Na realidade, as diferenças entre as duas pátrias eram significativas, nomeadamente a falta de empatia e caridade que sentia no lado alemão e que lhe terão marcado o seu percurso de vida de forma negativa:

Títulos e honrasEditar

Títulos e estilosEditar

  • 17 de fevereiro de 1845 - 12 de setembro de 1861: Sua Alteza Real Infanta Antónia de Portugal, princesa de Saxe-Coburgo-Gota e duquesa de Saxe
  • 12 de setembro de 1861 - 3 de setembro de 1869: Sua Alteza Real, princesa de Hohenzollern-Sigmaringen
  • 3 de setembro de 1869 - 2 de junho de 1885: Sua Alteza Real a princesa de Hohenzollern
  • 2 de junho de 1885 - 8 de junho de 1905: Sua Alteza Real, princesa de Hohenzollern
  • 8 de junho de 1905 - 27 de dezembro de 1913 : Sua Alteza Real, a princesa viúva de Hohenzollern

HonrasEditar

DescendênciaEditar

Do seu casamento, a 12 de setembro de 1860, com o príncipe Leopoldo de Hohenzollern-Sigmaringen. Tiveram três filhos:[18]

AncestraisEditar

Notas

  1. Os Santos Óleos foram impostos por D. Guilherme Henriques de Carvalho (1793-1857), Bispo de Leiria e Cardeal Patriarca sucessor, por impedimento daquele.
  2. Lei de 30 de Março de 1861 (Legislação 1862: 124).
  3. Lei de 3 de Fevereiro de 1859 (Legislação 1860: 56-57).
  4. Lei de 14 de Março de 1854 (Legislação 1855: 68-69).
  5. Leis de 20 de Junho de 1857(Legislação 1858: 162-164).
  6. Não se apura se se trata de uma dama camarista da rainha ao serviço da infanta nesse dia, se em permanência.
  7. Poderá tratar-se de D. Maria de Vasconcelos e Sousa (1812-1875), filha primogénita de Afonso de Vasconcelos e Sousa da Câmara Caminha Faro e Veiga (1783-1827), terceiro Conde da Calheta e terceiro Marquês de Castelo Melhor.

Referências

  1. a b D. Antónia de Bragança: rede epistolar e estratégia pessoal - Pedro Urbano
  2. http://www.arqnet.pt/dicionario/antonia.html
  3. Bragança, s.d.)
  4. (Dias 2003: 198)
  5. (Dias 2003: 198)
  6. (Silva 1861)
  7. (Loulé 1861: 7).
  8. (Porto 1861)
  9. (Dias 2003: 202)
  10. D. Antónia de Bragança, uma infanta na Prússia
  11. (Bragança 1887c)
  12. (Bragança 1887c)
  13. (Castillo Gómez, 2002: 101)
  14. (Bragança 1885b)
  15. (Bragança 1887d)
  16. «Guía Oficial de España 1914». Guía Oficial de España. 1914. p. 218. Consultado em 2 de setembro de 2019 
  17. Hof- und Staats-Handbuch der Österreichisch-Ungarischen Monarchie - 1912. Consultado em 6 de março de 2017.
  18. Michel Huberty, Alain Giraud, L'Allemagne dynastique, Tome V Hohenzollern, Waldeck, p. 244-5.
  19. Darryl Lundy (10 de maio de 2003). thePeerage.com, ed. «Genealogia de Antónia de Bragança». Consultado em 29 de setembro de 2009 
  20. «Ancestors of Infanta Antónia of Portugal». myorigins.org. Consultado em 24 de março de 2020 

BibliografiaEditar

  • Bello Vázquez, Raquel, (2007): «A correspondência na segunda metade do século XVIII como espaço de sociabilidade». Romance notes, vol. XLVIII, number I, 2007, pp. 79-89.
  • Atestação de Baptismo (1845). Biblioteca da Ajuda (Lisboa), BA – 54- XIII – 28, nº 54.
  • Silva, Carlos Bento (1861): Ordens do Ministro da Marinha e Ultramar, para o Duque do Porto. BA – 54 – XIII – 31, nº 23.
  • Bragança, D. Antónia de (1865): Carta para D. Luís, Sigmaringen, 13 de Julho. IANTT, Casa Real, 16/310/30.
  • Bragança, D. Antónia de (1869): Carta para D. Luís, Sigmaringen, 7 de Agosto. IANTT, Casa Real, 16/310/34.
  • Bragança, D. Antónia de (1871): Carta para D. Luís, Imau 31 de Julho. IANTT, Casa Real, 16/310/36.
  • Bragança, D. Antónia de (1878): Carta para D. Luís, Sigmaringen, 10 de Dezembro. IANTT, Casa Real, 16/310/34.
  • Bragança, D. Antónia de (1879): Carta para D. Luís, Sigmaringen, 27 de Janeiro. IANTT, Casa Real, 16/310/40.
  • Bragança, D. Antónia de (1883): Carta para D. Luís, Sigmaringen, 2 de Agosto. IANTT, Casa Real, 16/310/92.
  • Bragança, D. Antónia de (1884): Carta para D. Luís, Merau, 16 de Novembro. IANTT, Casa Real, 16/310/44.
  • Bragança, D. Antónia de (1885a): Carta para D. Luís, Merau, 10 de Abril. IANTT, Casa Real, 16/310/45.
  • Bragança, D. Antónia de (1885b): Carta para D. Luís, Sigmaringen, 28 de Novembro. IANTT, Casa Real, 16/310/46.
  • Bragança, D. Antónia de (1885c): Carta para D. Luís, Sigmaringen, 31 de Dezembro. IANTT, Casa Real, 16/310/47.
  • Bragança, D. Antónia de (1886a): Carta para D. Luís, Sigmaringen 26 de Outubro. IANTT, Casa Real, 6/310/51.
  • Bragança, D. Antónia de (1886b): Carta para D. Luís, Sigmaringen 26 de Outubro. IANTT, Casa Real, 16/310/51
  • Bragança, D. Antónia de (1886c): Carta para D. Luís,Sigmaringen, 5 de Janeiro. IANTT, Casa Real, 16/310/48.
  • Bragança, D. Antónia de (1887) Carta para D. Luís,Baden Baden, 26 de Outubro. IANTT, Casa Real, 16/310/62.
  • Bragança, D. Antónia de (1887a): Carta para D. Luís, Cannes, 13 de Março. IANTT, Casa Real, 16/310/56.
  • Bragança, D. Antónia de (1887b): Carta para D. Luís, Cannes, 6 de Dezembro, IANTT, Casa Real, 16/310/62.
  • Bragança, D. Antónia de (1887c): Carta para D. Luís, Sigmaringen, 1 de Julho. IANTT, Casa Real, 16/310/59.
  • Bragança, D. Antónia de (1887d): Carta para D. Luís, Sigmaringen, 10 de Julho. IANTT, Casa Real, 16/310/60.
  • Bragança, D. Antónia de (1887e): Carta para D. Luís, Sigmaringen, 30 de Julho. IANTT, Casa Real, 16/310/57.
  • Bragança, D. Antónia de (s.d.): Carta para D. Maria II, 22 de Abril. IANTT, Casa Real, Caixa 7321, capilha 32.
  • Castelo Branco, Thereza de, (org. e coord.) (2013): D. Maria Thereza de Sousa Botelho Condessa da Ponte e suas filhas. Correspondência 1834-1880. Lisboa, Alêthea Editores.
  • Castillo Gómez, António (2002): «Del Tratado a la prática. La escritura epistolar en los siglos XVI y XVII», Sáenz, Carlos, Castillo Gómes, António (ed.): La correspondência en la Historia. Modelos y praticas de la escritura epistolar. Actas del VI congreso internacional de Historia de la cultura Escrita, vol, 1, Calambur, pp. 79-107.
  • Castillo Gómez, Antonio (2014) «Sociedad y cultura epistolar en la Historia, (siglos XVI-XX)», Castillo Gómez, Antonio; Sierra Blas, Verónica. Cinco Siglos de cartas, Historia y práticas epistolares en las épocas moderna y contemporânea, Huelva, Universidad de Huelva, pp. 25-53.
  • Dias, Marina Tavares (2003): Lisboa Desaparecida. vol. VIII, Lisboa, Quimera. Ratificação pelo Rei da Prússia do contrato matrimonial em 16 artigos e um separado, da Infanta D. Antónia com o Príncipe Leopoldo de Hohenzollern-Sigmaringen, 2 de Agosto de 1861. IANTT, Tratados, Casamentos, cx 6, nº1
  • Imízcoz Beunza, José María; Arroyo Ruiz, Lara (2011): «Redes sociales y correspondencia epistolar. Del análisis cualitativo de las relaciones personales a la reconstrucción de redes egocentradas». REDES- Revista hispana para el análisis de redes sociales, Vol. 21, #4 Diciembre 2011, pp. 98-138.
  • Colecção Oficial de Legislação, Ano de 1854 (1855). Lisboa, Imprensa Nacional.
  • Colecção Oficial de Legislação, Ano de 1859, (1860). Lisboa, Imprensa Nacional.
  • Colecção Oficial de Legislação, Ano de 1861, (1862). Lisboa, Imprensa Nacional.
  • Colecção Oficial de Legislação, Ano de 1857, (1858). Lisboa, Imprensa Nacional.
  • Loulé, 1º Duque de (1861): Programma do ceremonial approvado por decreto real para as festividades do consorcio da serenissima Princeza de Portugal Dona Antonia e do serenissimo Principe Hereditario de Hohenzollern Sigmaringen. Lisboa, Imprensa Nacional.
  • Porto, Duque do, D. Luís, Diário da viagem da Infanta D. Antónia, 1861, BA – 54 – XIII – 31, nº 12.
  • Poublan, Danièle (1998) :«Écriture et role social – la Place des femmes dans une correspondance familiale au XIXe siècle»- PLANTÉ, Christine (dir.) : L’epistolaire, un genre feminin?, Paris, Honoré Champion, pp. 201-219.
  • Rebelo, Teresa (2006): Condessa d'Edla: a cantora de ópera quasi rainha de Portugal e de Espanha. Lisboa, Alêtheia Editores.
  • Urbano, Pedro (2016): “Nos bastidores da Corte”: O Rei e a Casa Real na crise da Monarquia 1889-1908. Lisboa, Tese apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do graus de Doutor em História, especialidade História Contemporânea, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa.

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Antónia de Bragança