António Álvares da Cunha, Senhor de Tábua

político português

António Álvares da Cunha (Estado da Índia, 1 de maio de 162626 de maio de 1690), 17.º Senhor de Tábua de juro e herdade,[1] e da vila de Ouguela, foi um fidalgo português que teve destacado papel na Restauração de independência, sendo um dos conjurados de 1640. Comendador da Ordem de Cristo (comendas de Santa Maria de Carrazedo e São Miguel de Nogueira), foi também trinchante da Casa Real de D. João IV, D. Afonso VI e de D. Pedro II, coronel de um dos regimentos das Ordenanças da Corte, 25.° guarda-mor[2] da Torre do Tombo de 1668 a 1690, e deputado da Junta dos três Estados.[3]

António Álvares da Cunha
17.º Senhor de Tábua e um dos conjurados de 1640
Armas da família Cunha, no Livro do Armeiro-Mor (1509)
Nascimento 1 de maio de 1626
Morte 26 de maio de 1690 (64 anos)
Pai D. Lourenço da Cunha, 16.º Senhor de Tábua
Mãe Isabel de Aragão
Ocupação Fidalgo, Político, Escritor

BiografiaEditar

Nascido na Índia (onde seu pai fora membro do 1.º Conselho de Governo Interino, que governou o Estado da Índia entre julho e outubro de 1629), veio para Lisboa estudar com onze anos quando o pai faleceu e a mãe ingressou, juntamente com as filhas, num convento em Goa. E, quando chegou, encontrou proteção na casa do tio, D. Rodrigo da Cunha, arcebispo de Lisboa.[4]

Tal como o seu tio, deu uma contribuição muito importante para a aclamação de D. João IV de Portugal e para a Restauração da Independência portuguesa e foi um dos Conjurados de 1640.[5]

Serviu na Guerra da Restauração como capitão de cavalos de couraças na província do Alentejo e foi governador de Évora.[3] Fez parte da armada que, em 1682, trouxe a Portugal o duque de Saboia.

Fez o suplemento do segundo tomo ou terceira parte da "História Eclesiástica de Lisboa" começada por seu tio arcebispo. Igualmente escreveu "Atlas Lusitanus"[3] que compreende a história e geografia do Reino de Portugal e várias outras obras.

Foi o primeiro membro português da Royal Society de Londres,[3] eleito em 1668, assim como foi secretário e fundador da Academia dos Generosos em Portugal.[3]

Dados genealógicosEditar

Oitavo filho de D. Lourenço da Cunha, 16.º Senhor de Tábua de juro e herdade, e de sua mulher Isabel de Aragão,[3] filha de Fradique Carneiro, capitão-mór da armada do Estado da Índia e neta paterna de Luís Carneiro, senhor da Ilha do Príncipe[3] e de sua mulher D. Leonor de Aragão (trineta do 1.º duque de Villahermosa).

Casou em 1630 com D. Maria Manoel de Vilhena, filha de D. Cristóvão Manoel de Vilhena,[3] Comendador de São Paulo de Maçãs na Ordem de Cristo e de Macains, senhor do morgado de Alcarapinha e de sua mulher D. Joana de Faria; D. Maria Manoel era irmã do 1.º conde de Vila Flor.

Filhos e filhasː[3]

Referências

Ligações externasEditar