António Belo de Almeida Júnior

Militar português

António Belo de Almeida Júnior (Santa Luzia, Angra do Heroísmo, 11 de maio de 1851Lisboa, 8 de setembro de 1914), com o nome frequentemente grafado António Bello d'Almeida Jr., foi um oficial de Engenharia do Exército Português que se notabilizou pelos seus estudos sobre fortificação costeira e de historiografia da poliorcética.[1][2]

António Belo de Almeida Júnior
Nascimento 11 de maio de 1851
Angra do Heroísmo
Morte 8 de setembro de 1914
Lisboa
Cidadania Portugal
Alma mater
Ocupação engenheiro de combate

BiografiaEditar

Alistou-se, como voluntário, no Regimento de Artilharia nº 1 em 11 de agosto de 1870, onde solicitou e obteve, licença para estudar na Escola Politécnica de Lisboa (atual Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa). Considerado aluno brilhante, recebeu o 1.º prémio pecuniário da 1.ª cadeira e o 2.º prémio da 5.ª cadeira (1871) e o 1.º prémio pecuniário da 1.ª cadeira (1872). Promovido a alferes-aluno em 1873, concluiu o curso no ano seguinte (1874). Deve ter-se matriculado de imediato na Escola do Exército, onde concluiu o curso de Engenharia Militar (1877). Distinguiu-se igualmente nesta instituição, onde veio a receber o 2.º prémio honorífico, sucessivamente nos segundo e terceiro anos do curso de Engenharia (anos de 1876 e 1877, respectivamente).

Em 1878 ingressou na Arma de Engenharia, encontrando-se no mesmo ano na ilha Terceira. No ano seguinte (1879), desenhou a planta do Forte do Porto na Praia da Vitória.

Foi promovido a tenente em 1881. Nesse mesmo ano, pelo menos entre março e maio, procedeu ao levantamento topográfico e registo dos prédios pertencentes ao Ministério da Guerra na ilha Terceira. Por razão que se desconhece, declinou o convite para lecionar a cadeira de Aritmética no Liceu de Angra, então vaga por falta de pessoa habilitada para tal. Ainda nesse ano, foi para Lisboa, sendo promovido a capitão no ano seguinte (1882). Em 1885, foi transferido para o Estado-Maior de Engenharia, passando o resto de sua carreira entre o Estado-Maior e o Regimento de Engenharia. Em 1908 recebeu a patente de coronel.

Recebeu os graus de cavaleiro, oficial e comendador da Ordem Militar de Avis, e ainda a Medalha Militar de prata da classe de Comportamento Exemplar.

É co-autor, com Damião Freire de Bettencourt Pego, do documento intitulado Tombos dos Fortes da Ilha Terceira, importante fonte historiográfica sobre o conjunto de fortificações que defendiam a costa da ilha Terceira, nos Açores. A forma abreviada de seu nome é a que consta nos documentos deste trabalho.

Ficou viúvo em 1897, e teve dois filhos, António e Maria.

ReferênciasEditar

  1. Pego, Damião; Almeida Jr., António de. Tombos dos Fortes da Ilha Terceira (Direcção dos Serviços de Engenharia do Exército). Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira, Vol. LIV, 1996.
  2. «Almeida, António Júlio Belo» na Enciclopédia Açoriana.

Ligações externasEditar