Abrir menu principal
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde fevereiro de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

António Henriques da Silveira (Estremoz, 1725 - 1811)[1] foi um juiz e escritor português.[2]

BiografiaEditar

Nasceu em pleno reinado de D. João V de Portugal, no seio duma família burguesa em ascensão,[3] filho do Barnabé Henriques, natural de Borba de Godim, Felgueiras, termo de Guimarães, que começou por ser criado duma casa de curtidores ou surradores de peles e, seguindo esse ofício por conta própria, chegou a Capitão de Ordenanças da Vila de Estremoz e 1.º Senhor do Palácio dos Henriques, depois Palácio Tocha, e de sua mulher, da qual foi segundo marido, Josefa Maria da Silveira, viúva dum surrador, foi o 2.º Senhor do Palácio dos Henriques.[4][5][6]

Entre 1748 e 1754, decorreu no Arcebispado de Évora o seu Processo de Habilitação de Genere, para ser admitido a Prima Tonsura e a Ordens Menores.[7]

Foi Lente de Prima de Cânones e Presidente dos Actos Grandes da Faculdade de Cânones da Universidade de Coimbra e Colegial de São Paulo,[2][4] sendo mencionado na obra de Francisco de Melo Franco, O Reino da Estupidez, Poema herói-cómico-satírico em 4 cantos, 1785.[8]

Era Sócio Correspondente da Academia Real das Ciências de Lisboa e Juiz Desembargador Honorário do Paço.[2]

É uma figura destacada da ilustração portuguesa do século XVIII que tem sido, até hoje, injustamente ignorado. Adaptou-se facilmente ao rápido desenrolar dum dos períodos mais dinâmicos da História de Portugal, durante os reinados de D. José I de Portugal e D. Maria I de Portugal e D. Pedro III de Portugal, cujas diversas etapas a longevidade lhe permitiu percorrer. Além da memória publicada, deixou testemunhado o seu pensamento em diversos manuscritos referidos no estudo intitulado António Henriques da Silveira e as "Memórias analíticas da vila de Estremoz",[9][10][11] em textos dos quais apenas conhecemos o nome, e, porventura, ainda em mais trabalhos entretanto esquecidos ou destruídos pelo tempo.[3]

Escreveu:[2]

  • Memória sobre a agricultura e população da província do Alentejo, in Tomo I da Primeira Parte das Memórias Económicas da Academia Real das Ciências de Lisboa para o Adiantamento da Agricultura, das Artes, e da Indústria em Portugal, e suas Conquistas, Lisboa, 1789, pp. 41–122[2][12]

Entre os seus inéditos, destacam-se:[3]

  • Memorias Annaliticas da Villa de Estremoz[3]

Foi sepultado na Igreja de São Francisco, em Estremoz.

Referências

  1. «História - Junta de Freguesia de Glória». Junta de Freguesia de Glória. Consultado em 17 de Fevereiro de 2016. Arquivado do original em 22 de janeiro de 2016 
  2. a b c d e Vários. Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. [S.l.]: Editorial Enciclopédia, L.da. pp. Volume 28. 904 
  3. a b c d «António Henriques da Silveira e as "Memórias Analíticas da Vila de Estremoz"». Edições Colibri. Consultado em 17 de Fevereiro de 2016 
  4. a b Manuel José da Costa Felgueiras Gaio. Nobiliário das Famílias de Portugal. [S.l.: s.n.] pp. ttº. de Henriques. § 31 N 12 
  5. «Palácio dos Henriques». Câmara Municipal de Estremoz. Consultado em 17 de Fevereiro de 2016 
  6. Hernâni Matos (Quinta-Feira, 10 de Julho de 2014). «Palácio Tocha – Quem lhe acode?». Do Tempo da Outra Senhora. Consultado em 17 de Fevereiro de 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  7. «Processo de habilitação "de genere" de António Henriques da Silveira, filho de Barnabé Henriques e Josefa Maria da Silveira, natural de Estremoz, para ser admitido a prima tonsura e ordens menores.». Arquivo Distrital de Évora. Consultado em 17 de Fevereiro de 2016 
  8. «O Reino da Estupidez». 18 de Março de 2011. Consultado em 17 de Fevereiro de 2016 
  9. «António Henriques da Silveira e as "Memórias analíticas da vila de Estremoz"». Universidade de Évora - Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades. Consultado em 17 de Fevereiro de 2016 [ligação inativa]
  10. «António Henriques da Silveira e as "Memórias Analíticas da Vila de Estremoz"». Wook.pt. Consultado em 17 de Fevereiro de 2016 
  11. «António Henriques da Silveira e as "Memórias Analíticas da Vila de Estremoz"». Bulhosa Books & Living. Consultado em 17 de Fevereiro de 2016 [ligação inativa]
  12. «Arquivo e Biblioteca». Fundação Mário Soares. Consultado em 17 de Fevereiro de 2016 
  • Fonseca, Teresa, António Henriques da Silveira e as "Memórias analíticas da vila de Estremoz", Município de Estremoz, 2003.