Abrir menu principal
António José de Orta
Nascimento 1804
Província de Huelva
Cidadania Portugal
Ocupação empresário
Prêmios Comendador da Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa

António José de Orta ComNSC (Huelva, Alosno, bap. 9/10 de Fevereiro de 1804[1]Lisboa, 5 de Janeiro de 1873), 1.º Visconde de Orta, foi um grande comerciante e empresário de origem andaluza que se radicou em Portugal.

Índice

FamíliaEditar

Filho de Manuel de Orta (Alosno, c. 1765 - ?) e de sua mulher (Alosno, 13 de Novembro de 1796) Juana de la Cruz Galán, neto paterno de Francisco Martínez de Orta[2] e de sua mulher Catalina Alonso Ximénez[3], e neto materno de Juan Lorenzo Galán[4] e de sua mulher María Madalena Moreno Borrero[5].[6][7]

BiografiaEditar

Foi Comissário Ordenador da Marinha Espanhola, Fidalgo Cavaleiro da Casa Real Portuguesa por Decreto de D. Maria II de Portugal de 1852, e Comendador da Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa.[8] Segundo informações dum seu tetraneto, D. Luís Gonzaga de Lancastre e Távora, que usou os títulos de 10.º Marquês de Abrantes, 17.º Conde de Penaguião e 13.º Conde de Vila Nova de Portimão e que em Monarquia seria Representante dos Títulos de Conde de Matosinhos Senhor de São João da Foz, Conde de Alcanede e Conde de Sortelha, era Fornecedor-Geral dos Exércitos Nacionais, o que lhe trouxe uma fortuna considerável e notabilíssima, uma das maiores da Península Ibérica.[9]

O título de 1.º Visconde de Orta foi-lhe concedido por Decreto de D. Fernando II de Portugal, Regente na menoridade de D. Pedro V de Portugal, de 5 de Julho de 1854.[10] Armas de Mercê Nova, concedidas por Alvará de D. Fernando II de Portugal, Regente na menoridade de D. Pedro V de Portugal, de 27 de Setembro de 1854: escudo esquartelado, o 1.º de azul, um leão rompente de ouro, o 2.º de prata, um braço nu de carnação em faixa, empunhando uma chave de azul (de Orta diferenciado), o 3.º de prata, uma aspa de vermelho coticada de ouro, e o 4.º de azul, um Caduceu de Mercúrio de ouro em pala; timbre: desconhecido; coroa de Visconde.[11][12]

Casamento e descendênciaEditar

Casou no Alosno a 31 de Dezembro de 1821 com Manuela de Jesús Thoronjo (1802 - 1874), filha de Barnabé Ponze Thoronjo e de sua mulher María de la Encarnación Morón, neta paterna de Fernando de la Escallera Thoronjo e de sua mulher María Gómez e neta materna de Diego Vásquez Morón e de sua mulher María Gómez Borrero,[13][14] da qual teve quatro filhas e um filho:

Referências

  1. Foi baptizado com o nome de José Antonio (José António). Usou, porém, o nome próprio invertido: Antonio José (António José).
  2. Filho de Manuel Martínez de Orta, oriundo provavelmente de Villablanca, perto de Ayamonte, e de sua mulher Ana Gómez.
  3. Filha de Juan Ximénez Rodríguez Zerrefón e de sua mulher María Gómez Marín.
  4. Filho de Tomás Lorenzo Galán e de sua mulher María Gómez.
  5. Filha de Juan Moreno Borrero e de sua mulher Juana de la Cruz García
  6. Foram seus irmãos Antonio de Padua (António de Pádua) de Orta (Alosno, bap. 17 de Abril de 1816 - ?), Senhor da Herdade de Val de Ervanços, em Vila Verde de Ficalho, casado no Alosno a 14 de Abril de 1836 com María de la Gracia (Maria da Graça) Thoronjo, filha de Luis Eugenio Thoronjo e de sua mulher María de la Encarnación Rebollo Roldán, neta paterna de Sebastián José Medero Pérez Thoronjo e de sua mulher María de la Gracia Ponza Blanco Ximénez, e neta materna de José Rodríguez Rebollo Roldán e de sua mulher María de los Santos Carrasco, com geração, dos quais descendem os de Orta do Alentejo, e Juan José de Orta, que casou a 30 de Setembro de 1827 com Juana Salvadora Vásquez de Monterde, sem mais notícias.
  7. "Raízes e Memórias", Associação Portuguesa de Genealogia, Lisboa, N.º 10, pp. 178 e 199
  8. "Nobreza de Portugal e do Brasil", Direcção de Afonso Eduardo Martins Zúquete, Editorial Enciclopédia, 2.ª Edição, Lisboa, 1989, Volume Terceiro, p. 80
  9. "Raízes e Memórias", Associação Portuguesa de Genealogia, Lisboa, N.º 10, p. 178
  10. Bandeiras, de Lisboa, p. 276 Arquivado em 24 de dezembro de 2012, no Wayback Machine..
  11. "Nobreza de Portugal e do Brasil", Direcção de Afonso Eduardo Martins Zúquete, Editorial Enciclopédia, 2.ª Edição, Lisboa, 1989, Volume Terceiro, p. 80
  12. "Raízes e Memórias", Associação Portuguesa de Genealogia, Lisboa, N.º 10, p. 178
  13. "Nobreza de Portugal e do Brasil", Direcção de Afonso Eduardo Martins Zúquete, Editorial Enciclopédia, 2.ª Edição, Lisboa, 1989, Volume Terceiro, p. 80
  14. "Raízes e Memórias", Associação Portuguesa de Genealogia, Lisboa, N.º 10, pp. 178, 179, 194 e 197
  15. Baptizada em sua casa por necessidade por Manuel de Orta, e tiveram-na nos braços para os exorcismos Francisco de Orta e Elvira Martínez Thoronjo. O assento paroquial é do dia seguinte, 15 de Julho.
  16. Baptizada tendo por Padrinho seu tio Antonio de Padua de Orta.