Abrir menu principal
Frontispício do manuscrito da História geral das guerras angolanas de Cadornega, escrito em 1680.

António de Oliveira de Cadornega (Vila Viçosa, 1623Luanda, 1690) foi um militar e historiador português radicado em Angola.[1]

Nascido numa família de cristãos-novos de Vila Viçosa, Cadornega estudou português e latim nas aulas dos frades de Santo Agostinho. Com apenas 16 anos, ofereceu-se como voluntário para a vida militar, embarcando para Angola no mesmo navio que transportava o recém-nomeado governador-geral, Pedro César de Meneses[2].

Chegado a Luanda a 18 de Outubro de 1639, Cadornega assistiu à tomada da cidade pelos holandeses, refugiando-se no interior, na Vila da Vitória de Massangano, tal como a maioria da população branca da cidade. Colocado no Forte de Massangano durante 28 anos, Cadornega foi, em 1649, promovido a capitão, casando com a filha de Fernão Rodrigues, um dos primeiros povoadores de Luanda[2].

Reformando-se do exército, Cadornega foi nomeado juiz ordinário de Massangano, trocando correspondência com a rainha Jinga. António de Oliveira de Cadornega fez ainda parte do Senado da Câmara de Massangano e foi o primeiro provedor da Misericórdia da vila. Em 1669, mudou a sua residência para Luanda, onde foi vereador da Câmara, assinando papéis nessa qualidade ainda em 1685[2].

António de Oliveira de Cadornega faleceu em 1690 em Luanda.

LegadoEditar

Autodidacta, Cadornega deixou obra vasta e preciosa sobre a ocupação portuguesa de Angola nos séculos XVI e XVII, com destaque para a História Geral das Guerras Angolanas, em três volumes, concluída em 1681. As campanhas militares são o assunto principal da sua obra. Para a sua redacção consultou muitas testemunhas dos acontecimentos, especialmente nos missionários capuchinhos António de Gaeta e João António Cavazzi de Montecúccolo. A rainha Jinga, pela qual Cadornega esteve literalmente fascinado, é a personagem mais presente na sua história[2].

Cadornega forneceu elementos essenciais a numerosos historiadores actuais, designadamente C. R. Boxer[3], Beatrix Heintze[4][5][6], Gladwyn Murray Childs[7], John Thornton[8], entre outros. Cadornega inspirou, também, o escritor angolano Pepetela no seu romance A Gloriosa Família[2].

ObraEditar

  • História geral das guerras angolanas - 1680, anot. e corrigido por José Matias Delgado, Lisboa, Agência-Geral do Ultramar, 1972, 3 vols., Reprodução fac-similada da ed. de 1940
  • Descrição de Vila Viçosa, introd., proposta de leitura e notas de Heitor Gomes Teixeira, Lisboa, INCM, 1982

São-lhe também atribuídos dois manuscritos que se perderam[2]:

  • Compendio da expugnação do Reyno de Benguela, e das terras adjacentes.
  • Historia de todas as cousas, que succederão em Angola no tempo dos Governadores, que a governarão depois da guerra atè D. João de Lancastro, 4 tomos.

Referências

  1. Ferreira Fernandes (11 de novembro de 2015). «Aquele país que ali vai conhecemo-lo mais do que sabemos» (html). DN. Consultado em 13 de junho de 2016 
  2. a b c d e f Arlindo Correia (20 de fevereiro de 2008). «António de Oliveira de Cadornega (1623- 1690)». Consultado em 13 de março de 2011 
  3. Charles Ralph Boxer, "A 'História' de Cadornega no Museu Britânico", sep. da Revista Portuguesa de História, n.º 8, Coimbra, 1961, 12 pp.
  4. Beatrix Heintze, "António de Oliveira de Cadornega e a sua 'História geral das guerras angolanas': um Historiador e Etnógrafo do Séc. XVII, natural de Vila Viçosa", trad. do Prof. Doutor Olívio Caeiro, in Callipole, n.º 3/4, 1995/1996, pp. 75-86
  5. Beatrix Heintze, "António de Oliveira de Cadornegas Geschichtswerk über Angola. Eine außergewöhnliche Quelle des 17. Jahrhunderts", Capítulo 4.º de Beatrix Heintze, Studien zur Geschichte Angolas im 16. Und 17. Jahrhundert, Ein Lesebuch, Colónia, Rüdiger Köppe, 1996, pp. 48-58.
  6. Beatrix Heintze, "A obra de António de Oliveira de Cadornega: uma fonte extraordinária para a História e Etnografia de Angola no século XVII", Capítulo 5.º de Beatrix Heintze, Angola nos séculos XVI e XVII. Estudos sobre Fontes, Métodos e História, Luanda: Kilombelombe 2007, 633 pp, pp. 133-161.
  7. Gladwyn Murray Childs, "The Peoples of Angola in the Seventeenth Century According to Cadornega", in The Journal of African History, Vol. 1, n.º 2 (1960), pp. 271-279.
  8. John K. Thornton, "The Art of War in Angola, 1575-1680, Comparative Studies" in Society and History, Vol. 30, N.º 2 (Abril 1988), pp. 360-378