Abrir menu principal

Antão do Deserto

(Redirecionado de Antônio, o Grande)
Disambig grey.svg Nota: "Santo Antão" redireciona para este artigo. Para outros significados, veja Santo Antão (desambiguação). Para outros santos de mesmo nome, veja Santo Antônio.
Santo Antão do Deserto
Um ícone copta, mostrando no canto inferior esquerdo, Santo Antão com Paulo de Tebas, o primeiro eremita.
Padre do Deserto
Nascimento 251 em Tebaida, Alto Egito
Morte 356
Veneração por Cristandade
Festa litúrgica 17 de janeiro
Atribuições Cruz tau e porco[1]
Padroeiro Ilha de Santo Antão, Castinçal, animais, Caniço (Santa Cruz), deserto

Vitória de Santo Antão

Gloriole.svg Portal dos Santos

Santo Antão do Deserto, também conhecido como Santo Antão do Egito, Santo Antão, o Grande, Santo Antão, o Eremita, Santo Antão, o Anacoreta, ou ainda O Pai de Todos os Monges, foi um santo cristão do Egito, um líder de destaque entre os Padres do Deserto. Ele é cultuado em muitas igrejas nas seguintes datas festivas: 30 de Janeiro, no antigo calendário da Igreja Ortodoxa e da Igreja Ortodoxa Copta; 17 de Janeiro, no novo calendário da Igreja Ortodoxa, da Igreja Ortodoxa Búlgara, da Igreja Católica Romana e da Igreja Católica Copta.

Uma vez que o seu nome latino é Antonius, em traduções displicentes de obras onde o seu nome figura, o nome do santo tem sido vertido para a língua portuguesa como António do Deserto, do Egito, o Grande etc., sendo um nome que, de resto, se mantém nas demais línguas europeias. Isso, porém, tem suscitado confusões pela homonímia com o Santo António. Por se tratar de dois santos distintos, para melhor diferenciá-los é preferível optar pelo nome – já consagrado pela tradição vernácula – de Santo Antão.

A vida de Santo Antão foi relatada por Santo Atanásio de Alexandria, na Vida de Antônio (em latim: Vita Antonii; cerca de 360). Segundo Atanásio, Santo Antão teria nascido em 251 na Tebaida, no Alto Egito, e falecido em 356, portanto com 105 anos de idade.

Cristão fervoroso, com cerca de vinte anos tomou o Evangelho à letra e distribuiu todos os seus bens aos pobres, partindo de seguida para viver no deserto. Então, segundo o relato de Atanásio, Santo Antão foi tentado pelo Diabo, tal como sucedera com Jesus, mas por muito mais que os quarenta dias que durou a tentação de Jesus, não hesitando os demónios em atacá-lo. Porém, Antão resistiu às tentações e não se deixou seduzir pelas tentadoras visões que se multiplicavam à sua volta.

O seu nome começou a ganhar fama por ser exímio na arte de pastorar. Isso o levou a ser venerado por numerosos visitantes, sendo visitado no deserto por inúmeros peregrinos.

Em 311, viajou até Alexandria para ajudar os cristãos perseguidos por Maximino Daia, regressando em 355 para impugnar a doutrina ariana. Foi considerado santo em vida, por ser capaz de realizar milagres e levou muitos à conversão.

A vida de Santo Antão e as suas tentações inspiraram numerosos artistas, como Hieronymus Bosch, Pieter Brueghel, Dali, Max Ernst, Matthias Grünewald, Diego Velázquez e Gustave Flaubert, por exemplo.

Os religiosos que, tornando-se monges, se adaptaram o modo de vida solitário de Santo Antão, chamaram-se eremitas ou anacoretas, opondo-se aos cenobitas que escolheram viver em comunidades monásticas.

Em 1095, foi fundada uma ordem à qual foi atribuído o seu nome: os Antonianos (Canonici Regulares Sancti Antonii – CRSA).

Os discípulos do Monge Antão formaram um aglomerado populacional que ainda hoje se chama Antões.

TentaçãoEditar

Relatos de Antão sofrendo tentações sobrenaturais durante sua estada no deserto oriental do Egito inspiraram o assunto muitas vezes repetido da tentação de Santo Antão na arte e na literatura ocidentais.

Dizem que Antão enfrentou uma série de tentações sobrenaturais durante sua peregrinação ao deserto. O primeiro a relatar a tentação foi seu contemporâneo Atanásio de Alexandria. É possível que esses eventos, como as pinturas, estejam cheios de metáforas ricas ou, no caso dos animais do deserto, talvez uma visão ou sonho. A ênfase nessas histórias, no entanto, não começou realmente até a Idade Média, quando a psicologia do indivíduo se tornou de maior interesse.

Algumas das histórias incluídas na biografia de Santo Antão são perpetuadas agora principalmente em pinturas, onde oferecem aos artistas a oportunidade de retratar suas interpretações mais escandalosas ou bizarras. Muitos artistas, incluindo Martin Schongauer, Hieronymus Bosch, Dorothea Tanning, Max Ernst, Leonora Carrington e Salvador Dalí, retrataram esses incidentes da vida de Antão; em prosa, o conto foi recontado e embelezado por Gustave Flaubert em A tentação de Santo Antônio [2].

O sátiro e o centauroEditar

 
O tormento de Santo Antão. Óleo e têmpera no painel. Uma das muitas representações artísticas das tentações de Santo Antônio no deserto.

Santo Antão estava em uma viagem no deserto para encontrar São Paulo de Tebas, que segundo seu sonho era um eremita melhor do que ele. Santo Antônio teve a impressão de que ele foi a primeira pessoa a morar no deserto; no entanto, devido ao sonho, Santo Antônio foi chamado ao deserto para encontrar seu "melhor", São Paulo. No caminho para lá, ele encontrou duas criaturas na forma de um centauro e um sátiro. Embora os cronistas às vezes postulassem que eles poderiam ser seres vivos, a teologia ocidental considera ter sido demônios.

Ao viajar pelo deserto, Santo Antônio encontrou pela primeira vez o centauro, "uma criatura de forma mesclada, meio cavalo e meio homem", a quem perguntou sobre as direções. A criatura tentou falar em um idioma ininteligível, mas finalmente apontou com a mão o caminho desejado e depois fugiu e desapareceu de vista. Foi interpretado como um demônio tentando aterrorizá-lo, ou alternadamente uma criatura engendrada pelo deserto [3].

Santo Antônio encontrou em seguida o sátiro, "um mannikin com focinho de gancho, testa com chifres e extremidades como pés de cabra". Esta criatura estava em paz e ofereceu-lhe frutos, e quando Santo Antônio perguntou quem ele era, o sátiro respondeu: "Eu sou um ser mortal e um daqueles habitantes do deserto a quem os gentios iludiam por várias formas de adoração por erro sob os nomes". Faunos, Sátiros e Incubi. Fui enviado para representar minha tribo. Oramos em nosso favor para pedir o favor de seu Senhor e de nós, que, como aprendemos, vieram uma vez para salvar o mundo e 'cujo som tem saiu por toda a terra. '"Ao ouvir isso, Santo Antônio ficou muito feliz e se alegrou com a glória de Cristo. Ele condenou a cidade de Alexandria por adorar monstros em vez de Deus, enquanto animais como o sátiro falavam sobre Cristo.

Demônios na cavernaEditar

Certa vez, Santo Antão tentou se esconder em uma caverna para escapar dos demônios que o atormentavam. Havia tantos pequenos demônios na caverna que o servo de Santo Antônio teve que executá-lo porque o espancaram até a morte. Quando os eremitas foram reunidos no cadáver de Santo Antônio para lamentar sua morte, Santo Antônio foi revivido. Ele exigiu que seus servos o levassem de volta para a caverna onde os demônios o espancaram. Quando ele chegou lá, chamou os demônios, e eles voltaram como bestas selvagens para rasgá-lo em pedaços. De repente, uma luz brilhou e os demônios fugiram. Santo Antônio sabia que a luz devia ter vindo de Deus, e ele perguntou a Deus onde ele estava antes quando os demônios o atacaram. Deus respondeu: "Eu estava aqui, mas gostaria de ver e ver sua batalha, e porque você lutou e manteve sua batalha principalmente [4].

Ligações externasEditar

ReferênciasEditar

  1. «Santo Antão». Cada Mio Santo. Consultado em 12 de dezembro de 2015. Arquivado do original em 5 de março de 2016 
  2. «Gustave Flaubert - études critiques - Le saint-poème selon Flaubert : le délire des sens dans La Tentation de saint Antoine». flaubert.univ-rouen.fr. Consultado em 31 de agosto de 2019 
  3. «CATHOLIC ENCYCLOPEDIA: Saint Paul the Hermit». www.newadvent.org. Consultado em 31 de agosto de 2019 
  4. «The Golden Legend: The Life of Anthony of Egypt». web.archive.org. 23 de janeiro de 2013. Consultado em 31 de agosto de 2019 

Ver tambémEditar