Antônio Dias Leite Júnior

Antônio Dias Leite Júnior (Rio de Janeiro, 29 de janeiro de 1920 – Rio de Janeiro, 6 de abril de 2017)[1] foi um engenheiro, economista e político brasileiro.[2]

Antônio Dias Leite Júnior
Nascimento 29 de janeiro de 1920
Rio de Janeiro
Morte 6 de abril de 2017 (97 anos)
Rio de Janeiro
Ocupação Engenheiro

Foi ministro de Minas e Energia, de 27 de janeiro de 1969 a 15 de março de 1974. É irmão de Eulália Maria Lahmeyer Lobo, professora expurgada durante a Ditadura Militar.[3]

Foi um dos grandes responsáveis pelas negociações que resultaram no Tratado de Itaipu.[4]

Infância e JuventudeEditar

Filho de Antonio Dias Leite e Georgetta Lahmeyer Leite, nasceu no Rio de Janeiro em 29 de Janeiro de 1920. Único filho entre 4 irmãs, sendo três delas pelo menos 10 anos mais velhas, foi educado em casa até entrar no ginásio. Em casa existia um ambiente de muita discussão sobre os temas nacionais e mundiais. Seu pai era um emigrante português e foi tradutor de francês para empresa Eiffel Construction Métalliques durante a construção da ponte do rio Douro. Após foi empregado no Banco de Londres, experiência que balizaria sua vida, seu pensamento liberal e influenciaria definitivamente Antonio Dias Leite Junior para sua carreira e vida. Cursou o ginásio no colégio Anglo-Americano no bairro de Botafogo.

Referências

  1. Guimarães, Ana Cláudia. «Ex-ministro Antonio Dias Leite Jr. morre no Rio». Ancelmo - O Globo. Consultado em 19 de março de 2022 
  2. Biografia na página do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC)
  3. Gaspari, Elio (2014). A Ditadura Escancarada 2 ed. Rio de Janeiro: Editora Intrínseca. 526 páginas. ISBN 978-85-8057-408-1 
  4. Vianna lamenta morte de Dias Leite. Ex-ministro foi um dos negociadores do tratado

Ligações externasEditar


Precedido por
José Costa Cavalcanti
Ministro de Minas e Energia do Brasil
1969 — 1974
Sucedido por
Shigeaki Ueki


  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.