Abrir menu principal

Antônio Henrique Bittencourt Cunha Bueno

Disambig grey.svg Nota: Para o advogado e político brasileiro, pai deste, veja Antônio Sílvio Cunha Bueno.
Antônio Henrique Bittencourt Cunha Bueno
Deputado estadual de São Paulo
Período 1971-1975
Deputado federal de São Paulo
Período 1975-2003
Dados pessoais
Nascimento 17 de junho de 1949 (70 anos)
São Paulo, SP
Alma mater Universidade Mackenzie
Partido ARENA, PDS, PPR, PPB
Profissão economista, corretor de seguros

Antônio Henrique Bittencourt Cunha Bueno (São Paulo, 17 de junho de 1949) é um economista, corretor de seguros e político brasileiro que exerceu sete mandatos de deputado federal por São Paulo.[1]

Dados biográficosEditar

Filho de Antônio Sílvio Cunha Bueno e Edy Bittencourt Cunha Bueno. Formado em Economia na Universidade Mackenzie foi corretor de seguros até iniciar carreira política em virtude da cassação de seu pai pelo Ato Institucional Número Cinco em 16 de janeiro de 1969.[2] Filiado à ARENA foi eleito deputado estadual em 1970 e deputado federal em 1974 e 1978[3] afastando-se para assumir a Secretaria de Cultura no governo Paulo Maluf ingressando a seguir no PDS pelo qual foi reeleito em 1982, 1986 e 1990[3] superando então os quatro mandatos de seu pai.

Nesse período foi presidente do diretório estadual do PDS e no exercício de seu mandato parlamentar ausentou-se da votação da Emenda Dante de Oliveira em 1984 e votou em Paulo Maluf no Colégio Eleitoral em 1985[4] e como participante da Assembleia Nacional Constituinte aprovou uma proposta na Constituição de 1988 segundo a qual haveria em 1993 um plebiscito para definir a forma e o sistema de governo vigentes no país no qual o eleitorado manteve a república presidencialista,[5] não obstante presidisse o Movimento Parlamentarista Monárquico e tivesse o apoio de D. Pedro de Alcântara Gastão de Orléans e Bragança.

Genro do político pernambucano Nilo Coelho, votou pelo impeachment de Fernando Collor em 29 de setembro de 1992 filiando-se sucessivamente ao PPR e PPB reelegendo-se deputado federal em 1994 e 1998.[3]

Referências