Abrir menu principal

Antônio Tibúrcio Ferreira de Souza

Antônio Tibúrcio Ferreira de Souza
Nome nativo Antônio Tibúrcio Ferreira de Souza
Nascimento 11 de agosto de 1837
Viçosa do Ceará
Morte 28 de março de 1885 (47 anos)
Fortaleza
Sepultamento Cemitério São João Batista
Cidadania Brasil
Ocupação militar
Prêmios Medalha de Mérito Militar, Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul, Imperial Ordem da Rosa
Empregador Exército Brasileiro

Antônio Tibúrcio Ferreira de Souza (Viçosa do Ceará, 11 de agosto de 1837Fortaleza, 28 de março de 1885) foi um militar brasileiro, tendo se tornado notório por atuar com bravura na Guerra do Paraguai.[1][2][3][4]

BiografiaEditar

 
Antônio Tibúrcio Ferreira de Souza (S. A. Sisson).
 
Estátua na Praça dos Leões, em Viçosa do Ceará.
 
Monumento ao General Tibúrcio em Viçosa do Ceará.

Filho de Francisco Ferreira de Souza e Margarida Ferreira de Souza. Em 26 de junho de 1851, aos 14 anos, sentou praça, como voluntário, no Meio Batalhão de Infantaria, com sede na Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção, na província do Ceará.[5][6]

Exerceu altos cargos e funções militares, começando como Praça em Fortaleza, passando em 1852, para o Depósito da Corte no Rio de Janeiro, onde foi incorporado ao 1º Batalhão de Artilharia a Pé.[7][8][9]

Em 16 de fevereiro de 1853 foi promovido a Furriel e a 21 do mesmo mês a 2º Sargento. Em 1856, obteve dispensa para estudar o curso de artilharia na Escola Militar. Em 1857, em 10 de dezembro é promovido a 2º Tenente e transferido para o 3º Batalhão de Artilharia a Pé. Demonstrando inclinação para as ciências exatas, foi posteriormente nomeado professor da referida Escola, onde lecionou as disciplinas Física e Química. Seria posteriormente dispensado do cargo de professor para seguir para o Paraguai, saindo-se vitorioso nas batalhas empreendidas, recebendo várias condecorações.[10][11][12]

Com a eclosão da Guerra da Tríplice Aliança, partiu para frente como 1º Tenente de Artilharia. Combateu, também, durante alguns meses, na Engenharia e depois se transferiu para a Infantaria. No Comando do 16º Batalhão de Infantaria, como Major, e, mais tarde, do Batalhão de Voluntários da Pátria Cearense, consolidou a fama de um dos mais valorosos e bravos líderes em combate, tendo conquistado a promoção a tenente-coronel por bravura diante do inimigo. No pós-guerra exerceu várias comissões de destaque, como o de Inspetor das Fortificações do Amazonas e do Comando da Escola de Infantaria. Em 1869, com 32 anos passou a comandar o 26º Batalhão de Voluntários Cearenses.[13][14][15]

Participou de várias batalhas, entre elas: Invasão de Corrientes, Batalha Naval do Riachuelo, Ilha de Cabrita, Tuyuti, Peripebuy, Rojas, Estero Bellaco, Caraguatay, Batalha de Campo Grande, etc. Foi condecorado com a Medalha da Campanha Oriental, a Ordem da Rosa, no grau Cavaleiro e condecorado com a Ordem do Cruzeiro. No Pós-Guerra exerceu várias comissões de destaque, como o de Inspetor das Fortificações do Amazonas e o Comando da Escola de Infantaria e Cavalaria, em Porto Alegre.[16][17][18][19]

Foi promovido a brigadeiro (atual general de brigada) com 43 anos. Intransigente defensor do abolicionismo tentou sem sucesso, eleger-se senador pelo Ceará. Era contrário a todo tipo de servidão humana.[20][21][22]

A 28 de março de 1885, Tibúrcio faleceu em Fortaleza, na capital da Província que lhe serviu de berço.[1] Um imenso concurso de povo acompanhou o féretro até o cemitério, como sinal de profunda mágoa que causava a perda do ilustre cearense que era uma afirmação gloriosa do patriotismo nacional.[23][24][25]

CondecoraçõesEditar

  • Medalha de Prata de Corrientes - Foi-lhe conferida essa medalha, comemorativa do combate da cidade de Corrientes, de 25 de maio de 1865, pelo Congresso Argentino.
  • Medalha de Prata de Riachuelo - Foi condecorado com a medalha de prata comemorativa da batalha naval de Riachuelo, por ter tomado parte nesse feito, destacado no vapor "Beberibe", passando-se depois para o "Belmonte".
  • Cavalheiro da Imperial Ordem do Cruzeiro - A 3 de janeiro de 1866, foi-lhe conferido o Grau de Cavalheiro da Ordem Imperial do Cruzeiro, por se haver distinguido no ataque de Corrientes, a 25 de maio do ano anterior.
  • Cavaleiro da Ordem da Rosa - Por decreto de 27 de junho de 1866, foi-lhe conferido o Grau de Cavaleiro da Ordem da Rosa, pelos serviços prestados na defesa da Ilha Cabrita, a 10 de abril.
  • Oficial da Ordem da Rosa - Por decreto de 17 de agosto de 1866, foi lhe conferido o Grau de Oficial da Ordem da Rosa, pelos serviços prestados em campanha, de 16 e 17 e 2 e 24 de maio.
  • Comendador da Ordem da Rosa - Por decreto de 13 de abril de 1867, foi-lhe conferido o Grau de Comendador da Ordem da Rosa pelos serviços prestados nos combates de 16 a 18 de julho de 1866.
  • Oficial da Imperial Ordem do Cruzeiro - Por decreto de 11 de abril de 1868, foi-lhe conferido o Grau de Oficial da Ordem do Cruzeiro pelos serviços prestados no combate de Estabelecimento.
  • Medalha de Mérito Militar - Foi-lhe conferido o uso da medalha de Mérito Militar, pelos combates de 12 a 18 de agosto de 1869.
  • Dignitário da Ordem da Rosa - Por decreto de 6 de setembro de 1870, foi-lhe conferido o Grau de dignitário da Ordem da Rosa, pelos serviços prestados nos combates de 2, 4, 8 de maio de 1869, das Cordilheiras.
  • Medalha de Prata da Campanha do Uruguai - A 15 de dezembro de 1869, foi público ter-lhe sido conferida a medalha de prata da Campanha do Uruguai, em atenção aos relevantes serviços prestados na mesma campanha.
  • Medalha Geral da Campanha do Paraguai - A 24 de outubro de 1871, foi público ter-lhe sido conferida a medalha Geral da Campanha do Paraguai com o passador de ouro e o número quatro indicativo dos anos em que serviu no exército em operações.
  • Espada de honra - Por portaria do Ministro da Guerra de 1 de julho de 1879, foi-lhe permitido o uso desta espada que lhe foi oferecida pela Escola de Tiro de Campo Grande.

HomenagensEditar

  • O 38º Batalhão de Infantaria (38º BI) situado em Vila Velha (ES), recebeu em 11 de maio de 1964, a denominação histórica de "Batalhão Tibúrcio", por este ter sido o Comandante do 16º Batalhão de Infantaria durante a Guerra do Paraguaí. O 16º Batalhão de Infantaria é uma das unidades formadoras do atual 38º BI. Tibúrcio, desde 1964 é o patrono da unidade.[26]
  • No dia 11 de agosto de 1937 foi inaugurada uma praça com sua estátua, fazendo parte das comemorações do seu centenário de nascimento, em sua cidade natal (Viçosa do Ceará).
  • Existe um distrito que leva o nome de General Tibúrcio, e localiza-se à 10 km do Centro de Viçosa do Ceará.[27]
  • Existem praças com seu nome: uma no centro de Fortaleza e outra no bairro da Praia Vermelha no Rio de Janeiro.e em São Paulo, no bairro de Itaim Paulista, há importante avenida com seu nome.

Referências

  1. a b Silva Nobre (1837). «Tipo: 1001 Cearenses Notáveis-F.» 
  2. «Antonio Tiburcio Ferreira de Souza». portal.ceara.pro.br (em inglês). Consultado em 6 de setembro de 2018 
  3. «Antônio Tibúrcio Ferreira de Souza – General Tiburcio». Coisa de Cearense. 22 de fevereiro de 2017 
  4. Câmara, José Aurélio Saraiva (1978). Um soldado do Império: o general Tibúrcio e seu tempo. [S.l.]: Livraria J. Olympio Editora 
  5. Reis, Josué Callander dos (30 de março de 1968). «O General Antônio Tibúrcio Ferreira de Souza». Revista de História. 36 (73): 31–43. ISSN 2316-9141. doi:10.11606/issn.2316-9141.rh.1968.126814 
  6. História do Exercito Brasileiro: perfil militar de um povo. [S.l.: s.n.] 1972 
  7. «General Tibúrcio - Opinião - Diário do Nordeste». Diário do Nordeste. Consultado em 6 de setembro de 2018 
  8. «180 anos de nascimento do Brigadeiro Tibúrcio - Noticiario do Exército - Exército Brasileiro». www.eb.mil.br. Consultado em 6 de setembro de 2018 
  9. Cristine, Rodrigues, Karla (2016). «Um filho para a Pátria: a construção da memória em torno do general Tibúrcio e a escrita da história do Ceará (1887-1937)» 
  10. «Exército Brasileiro completa 100 anos no Espírito Santo». Gazeta Online. 8 de dezembro de 2017 
  11. «Combo 21 - RBM tour». RBM tour. Consultado em 6 de setembro de 2018 
  12. História, fatos e fotos de Viçosa do Ceará. [S.l.]: publisher not identified. 2006 
  13. «CLN - CENTRAL LESTE NOTÍCIAS - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS DA ZONA LESTE SP». centrallestenoticias.com.br. Consultado em 6 de setembro de 2018 
  14. FM, Rádio Tabajara. «181 anos de nascimento do Brigadeiro Tibúrcio serão celebrados em Fortaleza e Viçosa do Ceará» 
  15. Brasileiro, Instituto Histórico e Geográfico (2003). Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. [S.l.: s.n.] 
  16. Silva, Eduardo; Silva, Eduardo da (1993). Prince of the People: The Life and Times of a Brazilian Free Man of Colour (em inglês). [S.l.]: Verso. ISBN 9780860914174 
  17. «Moedas personalizadas - Tocoin Moedas e Medalhas». Tocoin Moedas e Medalhas Personalizadas 
  18. Norte, Portal Costa. «Passeios a Viçosa do Ceará – Por Alcenor Candeira Filho | Portal Costa Norte». www.portalcostanorte.com. Consultado em 6 de setembro de 2018 
  19. Vaz, Antonio Alvares Guedes (1866). Apontamentos biographicos para a historia das campanhas do Uruguay e Paraguay desde mdccclxiv. [by A. Alvares Guedes Vaz, S.F. de Mendonça and V. Dias]. [S.l.]: Perseverança 
  20. «Instituto Literário Viçosense entrega medalha comemorativa dos 180 anos de nascimento do Brigadeiro Antônio Tibúrcio – Diário Zona Norte». blogs.diariodonordeste.com.br. Consultado em 6 de setembro de 2018 
  21. «Antônio Tibúrcio Ferreira de Souza - Google Arts & Culture». Google Cultural Institute 
  22. Duarte, Paulo de Queiroz (1992). Os Voluntários da Pátria na Guerra do Paraguai. [S.l.]: Biblioteca do Exército Editora 
  23. IBGE. «IBGE | Biblioteca | Detalhes | Monumento ao General Tibúrcio : Fortaleza, CE». biblioteca.ibge.gov.br. Consultado em 6 de setembro de 2018 
  24. «Legião da Infantaria do Ceará». www.legiaodainfantariadoceara.org. Consultado em 6 de setembro de 2018 
  25. «Fortaleza Nobre | Resgatando a Fortaleza antiga». www.fortalezanobre.com.br. Consultado em 6 de setembro de 2018 
  26. «Polícia Civil é homenageada durante solenidade de 38° Batalhão de Infantaria do Exército». Polícia Civil do Espírito Santo. 20 de abril de 2016 
  27. IBGE. «Ceará » Viçosa do Ceará » Histórico». Consultado em 3 de outubro de 2016