Abrir menu principal

Antifascismo

(Redirecionado de Antifascista)
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2014). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Bandeira do Arditi del Popolo, organização antifascista de Civitavecchia. Mostra um machado cortando o fasces (símbolo adotado pelo fascismo).

Antifascismo, no contexto histórico, é um termo originado da década de 1920 e relacionado com um movimento político que se opôs ao fascismo de Benito Mussolini, político italiano que governou com poderes ditatoriais a Itália fascista entre 1922 a 1943.

Definição do termoEditar

A palavra "antifascista" é composta pelo termo fascista mais o prefixo anti, que significa "estar contra". O termo relacionado Antifa abrevia e carrega o mesmo significado da palavra da língua alemã Antifaschismus. Refere-se a indivíduos e grupos dedicados a combater o fascismo. A maioria dos principais movimentos de resistência durante a Segunda Guerra Mundial foram antifascistas.

Hoje o termo é utilizado para referir alguém que se opõe ao fascismo em geral, tanto sob a forma de militância ativa de um partido político ou movimento cuja ideologia é oposta ao fascismo, como por exemplo o Liberalismo, o Anarquismo, ou a Social Democracia, ou de forma passiva, simplesmente tendo opiniões políticas que consideram que o fascismo é um regime errado. O movimento tem perdido combatividade desde a Segunda Guerra Mundial quando ele faz um pacto social conciliativo com os governos instituídos desde então.[1]

Antifascismo pelo mundoEditar

AméricasEditar

BrasilEditar

 Ver artigos principais: Antifa (Brasil) e Frente Única Antifascista
 
Cabeçalho do jornal antifascista
O Homem Livre [2] (1933-1934).

Imigrantes de origem alemã [3] e italiana,[4] mobilizaram-se para enfrentar o nazifascismo no Brasil ao longo do período entreguerras. O movimento, ativo porém de curta existência, criado no país, Frei Deutschland Bewegung (Movimento dos Alemães Livres) foi extinto em 1943.[5]

Estados UnidosEditar

Existiaram entidades e indivíduos fascistas nos Estados Unidos na década de 1930, como o Friends of New Germany, o German American Bund, a Ku Klux Klan e Charles Coughlin.[6] [7] [8] Expatriados italianos antifascistas nos Estados Unidos fundaram a Mazzini Society em Northampton (Massachusetts), em Setembro de 1939, para trabalhar no sentido de acabar com o domínio fascista na Itália. Refugiados políticos do regime de Mussolini, eles discordavam entre si se deveriam aliar-se a comunistas e anarquistas ou excluí-los. A Mazzini Society se uniu a outros expatriados italianos antifascistas nas Américas numa conferência em Montevidéu, Uruguai, em 1942. Promoveram sem sucesso que um de seus membros, Carlo Sforza, se tornasse o líder pós-fascista de uma Itália republicana. A Mazzini Society se dispersou após a queda de Mussolini, quando a maioria de seus membros retornou à Itália.[9] [10]

EuropaEditar

AlemanhaEditar

 Ver artigo principal: Resistência alemã

Haviam diversos grupos militantes e paramilitares antinazistas. Estes incluíam o Reichsbanner Schwarz-Rot-Gold, dominado pelos social-democratas (formado em Fevereiro de 1924), a organização paramilitar comunista RFB (Roter Frontkämpferbund, formado no verão de 1924) e o comunista Kampfbund gegen den Faschismus ("aliança da luta contra o fascismo", formado em 1930).[11] A Roter Front foi uma organização paramilitar afiliada ao Partido Comunista da Alemanha que se envolvia em brigas de rua com a milícia nazista SA (Sturmabteilung). Seu primeiro líder foi Ernst Thälmann, que mais tarde morreria num campo de concentração e seria grandemente homenageado na Alemanha Oriental como um antifascista e socialista. Em 1932, durante o período da Frente única, a Antifaschistische Aktion foi formada como uma aliança geral na qual social-democratas, comunistas e outros poderiam combater a repressão legal e se autodefender contra paramilitares nazistas.[12] Seu logotipo de duas bandeiras, projetado por Max Keilson e Max Gebhard, ainda é amplamente usado como um símbolo de militantes antifascistas em todo o mundo.[13]

Logotipo da Antifaschistische Aktion
Memorial em homenagem ao movimento não-violento antinazista Weiße Rose (Rosa Branca) (jardim de Hofgarten, Munique). 

ItáliaEditar

 Ver artigo principal: Resistência italiana
 
Bandeira do Giustizia e Libertà, um movimento de resistência antifascista italiano (1929-1945).

Na Itália, o regime usou o termo "antifascista" para descrever seus adversários. A polícia secreta fascista era oficialmente conhecida como OVRA (Organizzazione per la Vigilanza e la Repressione dell'Antifascismo).

Na década de 1920, muitos movimentos operários antifascistas lutaram contra os violentos Camisas negras e contra a ascensão do Duce (líder fascista) Benito Mussolini. Depois que o Partido Socialista Italiano (PSI) e o Partido Nacional Fascista (PNF) firmaram um pacto, em 3 de Agosto de 1921, os sindicatos adotaram uma estratégia legalista e de não-violência. Os membros do movimento dos trabalhadores que não concordaram com esta estratégia formaram o Arditi del Popolo. O Partido Comunista Italiano (PCI) organizou alguns grupos militantes, mas suas ações foram relativamente pequenas, e o partido manteve uma estratégia legalista não-violenta. O anarquista italiano Severino Di Giovanni, que se exilou na Argentina após a Marcha sobre Roma em 1922, organizou vários atentados contra a comunidade fascista italiana.[14]

O liberal antifascista italiano, Benedetto Croce, escreveu o Manifesto degli intellettuali antifascisti, publicado em 1925.[15] Outro notável liberal antifascista italiano na época foi Piero Gobetti.[16] As forças antifascistas mais relevantes eram associadas ao Exército Vermelho.[17]

ÁfricaEditar

O antifascismo se manifestou mais nas zonas francesa e italiana na luta contra o (neo)colonialismo.[18][19]

Ver tambémEditar

BibliografiaEditar

Referências

  1. HOBSBAWM, Eric. Era dos Extremos: o breve século XX: 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p. 149.
  2. Intelectuais, história e política: séculos XIX e XX. [S.l.]: 7Letras, pág. 144. 2000. ISBN 9788573882216  Adicionado em 9 de julho de 2019.
  3. Simpósio Nacional de História - RESISTÊNCIA ANTI-NAZISTA NO BRASIL: O MOVIMENTO DOS ALEMÃES LIVRES EM SÃO PAULO NO CONTEXTO DA II GUERRA MUNDIAL Wanilton Dudek, Julho de 2015. Acessado em 09/07/2019.
  4. Universidad Nacional del Centro de la Provincia de Buenos Aires - 0 ANTIFASCISMO ITALIANO NO BRASIL: COMPARAÇÕES INTERNACIONAlS E VIVÉNCIAS TRANSNACIONAIS Joiío Fábio Bertonha, 2004. Acessado em 09/07/2019.
  5. Exílio e literatura: escritores de fala alemã durante a época do nazismo. Autora: Izabela Maria Furtado Kestler. EdUSP, 2003, pág. 171 ISBN 9788531407321 Adicionado em 09/07/2019.
  6. Bredemus, Jim (24 de janeiro de 2018). «American Bund. The Failure of American Nazism: The German-American Bund's Attempt to Create an American "Fifth Column"». Web Archive (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2019 
  7. Chip Berlet, Matthew Nemiroff Lyons (2000). Right-wing Populism in America: Too Close for Comfort. [S.l.]: Guilford Press (em inglês). 499 páginas. ISBN 9781572305625  Adicionado em 9 de julho de 2019.
  8. Shaffer, Ryan (21 de junho de 2010). «Long Island Nazis: A Local Synthesis of Transnational Politics». Journal of Long Island History. (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2019 
  9. Tirabassi, Maddalena (1984–1985). «Enemy Aliens or Loyal Americans?: the Mazzini Society and the Italian-American Communities». Rivista di Studi Anglo-Americani (4–5): 399–425  Adicionado em 9 de julho de 2019.
  10. Morrow, Felix (24 de janeiro de 2018). «Washington's Plans for Italy». Marxists Internet Archive (em inglês). Consultado em 9 de junho de 2019 
  11. Eve Rosenhaft, Professor of German Historical Studies Eve Rosenhaft (1983). Beating the Fascists?: The German Communists and Political Violence 1929-1933. [S.l.]: Cambridge University Press (em inglês) págs. 3-4. ISBN 9780521236386  Adicionado em 9 de julho de 2019
  12. Eve Rosenhaft, Professor of German Historical Studies Eve Rosenhaft (1983). Beating the Fascists?: The German Communists and Political Violence 1929-1933. [S.l.]: Cambridge University Press (em inglês) pág. 81. ISBN 9780521236386  Adicionado em 9 de julho de 2019.
  13. Balhorn, Loren (8 de maio de 2017). «The Lost History of Antifa». Jacobinmag.com (em inglês). Consultado em 9 de junho de 2019 
  14. «Anarchist Century». Anarchist_century.tripod.com. Consultado em 7 de abril de 2014 
  15. David Ward Antifascisms: Cultural Politics in Italy, 1943-1946
  16. James Martin, 'Piero Gobetti's Agonistic Liberalism', History of European Ideas, 32, (2006), pp. 205-222.
  17. Stephen E. Ambrose Americans at War, New York, 1998, p. 72; Clive Ponting, Armageddon: The Second World War, London, 1995, p. 130
  18. Os intelectuais e os democratas franceses perante a Revolução Argelina. In: Em defesa da revolução africana. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora, 1980, p. 71-100.
  19. "A Revolução e o Negro", New International , Volume V, dezembro de 1939, pp 339-343. Publicado sob o nome JR Johnson; Transcrito: Ted Crawford.


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Imagens e media no Commons