Antiagregante plaquetar

(Redirecionado de Antiplaquetário)

Antiagregantes plaquetares, antiagreantes plaquetários ou antiplaquetários são fármacos usados para evitar a activação e agregação das plaquetas para prevenir trombose em pacientes de risco. Seu principal representante é o ácido acetilsalicílico (aspirina). Não confundir com anticoagulantes, também usados para prevenir trombose com outros mecanismos de ação, nem com trombolíticos, usados para romper trombos.

Classificação dos antiplaquetários (em inglês)

ClassificaçãoEditar

Inibidores da ciclooxigenase

O ácido acetilsalicílico (aspirina) é um AINE (anti-inflamatório não esteroide) usado com frequência enquanto antiplaquetar e, hoje, o principal fármaco para essa função. Ao inibir a enzima COX-1 (ciclooxigenase), diminui a formação de tromboxanos A2, mediadores endógenos promotores da agregação plaquetária.

Inibidores da fosfodiesterase 5

Incluem o sildenafil (viagra), tadalafil, vardenafil e o dipiridamole são vasodilatadores que podem ser usados no tromboembolismo pulmonar e após AVC.[1]

Tienopiridinas

Atuam como inibidores do receptor de adenosina difosfato (ADP) e incluem o clopidogrel, o prasugrel, o ticagrelor e a ticlopidina. São frequentemente combinados com a aspirina para potenciar seu efeito ou usados para substituí-la em pacientes que não a toleram.[2]

Inibidores da glicoproteína IIb/IIIa

Incluem o abciximab, a tirofibana e o eptifibatide. De uso exclusivamente intravenoso em ambiente hospitalar depois de um infarto do miocardio.

Antagonista do receptor plaquetário de trombina

Vorapaxar (Zontividade) é um novo antagonista seletivo do receptor de plaquetas ativado por proteases encontrado nas trombinas, usado em pessoas com história de infarto do miocárdio ou com doença arterial periférica.[3]

Prostaciclina

O Eprostenol é uma prostaciclina injetável utilizada para inibir a agregação plaquetária durante a diálise renal (com ou sem heparina) e na hipertensão pulmonar primária. Estimula a adenilato ciclasa incrementando os níveis de AMPc.[4]

IndicaçõesEditar

São usados para prevenir tromboembolismo pulmonar, infarto agudo do miocárdio e acidente vascular cerebral isquêmico. Especialmente indicados em caso de[5]:

ContraindicaçõesEditar

Pacientes com hemorragia ativa, como úlcera gástrica ou sangramento intestinal, ou alto risco de hemorragia, como hipertensão não controlada ou antes de grandes cirurgias abertas.[6]

Descontinuar o tratamento antiplaquetário aumenta o risco de trombose, portanto só deve ser feito quando o risco de hemorragia severa é muito elevado. Em cirurgias pequenas ou pouco invasivas, recomenda-se manter a medicação.[7]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Wilkins MR1, Wharton J, Grimminger F, Ghofrani HA. Eur Respir J. Phosphodiesterase inhibitors for the treatment of pulmonary hypertension. 2008 Jul;32(1):198-209. doi: 10.1183/09031936.00124007.
  2. Dra. Gina Natalia Chacón Hernández. Fármacos más utilizados como antiagregantes. Agosto de 2012. Disponível em: http://www.fundaciondelcorazon.com/informacion-para-pacientes/tratamientos/antiagregantes.html
  3. Morrow, David A., and Mark J. Alberts. "Efficacy and Safety of Vorapaxar in Patients With Prior Ischemic Stroke." Journal of the American Heart Association (2013): 691-98. American Heart Association. Web. 2 Nov. 2014. <http://stroke.ahajournals.org/content/44/3/ 691.full.pdf+html>.
  4. Vademecum Vidal
  5. Castaigne A1, Benacerraf S, Le Roux A. Indications for antiplatelet medications. Rev Prat. 1999 Oct 1;49(15):1635-9. [1]
  6. Samama CM, Bastien O, Forestier F, Denninger MH, Isetta C, Juliard JM, Lasne D, Leys D, Mismetti P, and the expert group. Antiplatelet agents in the perioperative period: expert recommendations of the French Society of Anesthesiology and Intensive Care (SFAR) 2001 – summary statement. Can J Anaesth (2002) 49:S26–S35.
  7. Collet JP, Himbert D, Steg PG. Myocardial infarction after aspirin cessation in stable coronary artery disease patients. Int J Cardiol (2000) 76:257–258.