Anton Haus

Anton Johann Haus (Tolmein, 13 de junho de 1851Pola, 8 de fevereiro de 1917) foi um oficial naval austro-húngaro de ascendência eslovena que comandou a Marinha Austro-Húngara de 1913 até sua morte.

Anton Haus
Nome completo Anton Johann Haus
Nascimento 13 de junho de 1851
Tolmein, Gorizia e Gradisca, Áustria
Morte 8 de fevereiro de 1917 (65 anos)
Pola, Litoral, Áustria-Hungria
Progenitores Mãe: Marija Walter
Pai: Jožef Matija Haus
Cônjuge Ana Karolina Trenz
Alma mater Academia Naval de Trieste
Serviço militar
Lealdade  Áustria-Hungria
Serviço Marinha Austro-Húngara
Anos de serviço 1869–1917
Patente Grande almirante
Conflitos Levante dos Boxers
Primeira Guerra Mundial

BiografiaEditar

Haus nasceu em Tolmein, dentro de uma família modesta de origem eslovena. Ele entrou na Marinha Austro-Húngara em 1869 e passou seus primeiros anos em designações em terra, como instrutor na Academia Naval de Fiume entre 1886 e 1890 e chefe da Escola Naval de Torpedos de 1896 e 1899. Nesse período ele publicou um livro sobre meteorologia. Depois disso comandou uma corveta que fez parte da força internacional enviada para a China em 1900 a fim de suprimir o Levante dos Boxers. Ele permaneceu em Pequim até 1902, mesmo com a revolta tendo terminado no ano anterior, sendo depois promovido a vice-almirante em 1907 e participando da Segunda Conferência de Haia como representante da Áustria-Hungria.[1]

Ele subiu pelas patentes da marinha, muito em parte por causa do patronato do arquiduque Francisco Fernando, herdeiro do trono austro-húngaro, o que compensou sua origem modesta quando a maior parte dos oficiais eram aristocratas. Foi nomeado em 1912 para o posto recém-criado de Inspetor da Marinha, enquanto no ano seguinte foi nomeado o Comandante da Marinha. Assim como seu predecessor Rudolf Montecuccoli, Haus era a favor da expansão naval, garantindo fundos para mais construções e trabalhando para promover a cooperação naval entre os países da Tríplice Aliança.[1]

Com o início da Primeira Guerra Mundial em julho de 1914, Haus foi pressionado pelo alto-comando austro-húngaro e pela Alemanha para levar sua frota para o Mar Adriático e Mar Mediterrâneo. Entretanto, ele recusou-se a enfrentar a Marinha Nacional Francesa por achar que seria um confronto perdido, em vez disso preferindo manter seus navios no porto com o objetivo de impedir que a Áustria-Hungria fosse invadida. Com a declaração de guerra da Itália em maio de 1915, ele enviou a maior parte de sua marinha para bombardear a costa de Ancona. Todavia, tirando essa única ação, Haus manteve suas principais embarcações no porto, preferindo travar a guerra apenas com u-boots, contratorpedeiros e cruzadores rápidos.[1]

Haus foi promovido a grande almirante em 1916. Quando a Alemanha passou a empregar uma guerra submarina irrestrita em janeiro de 1917, ele foi, junto com o marechal Franz Conrad von Hötzendorf, o único alto membro do governo austro-húngaro presente em uma reunião de conselho que apoiou a tática. Haus morreu de pneumonia a bordo do couraçado SMS Viribus Unitis em fevereiro de 1917, sendo sucedido no comando da marinha pelo vice-almirante Maksimilijan Njegovan.[1]

Referências

  1. a b c d Tucker, Spencer C. (2014). World War I: The Definitive Encyclopedia and Document Collection. I. Santa Barbara: ABC-CLIO. pp. 744–745. ISBN 978-1-85109-965-8 

Ligações externasEditar

  •   Media relacionados com Anton Haus no Wikimedia Commons
  Este artigo sobre tópicos navais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.