Aparição (filme)

Aparição
Cartaz do filme
Portugal Portugal
2018 •  cor •  115 min 
Realização Fernando Vendrell
Produção Luís Alvarães
Fernando Vendrell
Produção executiva Ana Figueira
Argumento João Milagre
Fátima Ribeiro
Vergílio Ferreira (baseado no seu romance)
Elenco
Género drama, romance
Música Eduardo Raon
Cinematografia Mário Castanheira
Direção de arte Rui Alves
Figurino Patrícia Dória
Edição João Braz
Companhia(s) produtora(s) David & Golias
Distribuição David & Golias
Lançamento Portugal 1 de março de 2018 (Fantasporto)
Portugal 22 de março de 2018 (circuito comercial)
Idioma português
Página no IMDb (em inglês)

Aparição é uma longa-metragem portuguesa realizada por Fernando Vendrell e adaptada do romance homónimo de Vergílio Ferreira, e conta com Jaime Freitas, Victoria Guerra e João Cachola como Alberto, Sofia e Carolino. Estreou-se a 22 de março de 2018.[1][2]

EnredoEditar

Um escritor torna-se o protagonista da história que ele pretendia escrever

ElencoEditar

ReceçãoEditar

Aparição ganhou o Prémio de Melhor Filme Português de 2018 no Fantasporto.[3][4]

Miguel Ângelo escrevendo para o sítio, "CA Notícias", deu ao filme apenas duas de cinco estrelas e disse: "Aparição é a nova aposta do cinema português, mas que nada de novo ou de interessante traz ao mesmo. A realização de Fernando Vendrell não se destaca em nenhuma forma. O argumento tem vários saltos temporais que prejudicam imenso o desenvolvimento do enredo e a consistência das personagens. A nível estético, o filme tem a sua beleza, o que obviamente não chega para o favorecer."[5] Jorge Mourinha do diário português Público também não gostou do filme e deu a película apenas uma de cinco estrelas, dizendo: "Desde os primeiros planos, com aquela voz-off abstrata, Aparição parece nado-morto, mera colagem de retalhos, sem ritmo nem tempo, de um filme mais longo que ficou por fazer ou por acabar."[6] Manuel Halpern do portal SAPO, no entanto, elogiou o filme, escrevendo: "Em Aparição, Fernando Vendrell recupera Vergílio Ferreira para o cinema português. E, ao mesmo tempo, resgata-se a si próprio, enquanto realizador, doze anos depois de Pele."[7] A crítica de Rui Pedro Tendinha do Diário de Notícias também foi positiva chamando o filme de "...uma adaptação que parece uma instalação gótica mas que é ao mesmo tempo de uma vitalidade prática em conseguir fruir os diálogos abstratos da obra em dispositivo narrativo."[8]

Referências

  1. Aparição (em português) no CineCartaz (Portugal)
  2. «Aparição». Cinemas NOS. Consultado em 31 de julho de 2018 
  3. «OS PREMIADOS DO FANTASPORTO 2018». Fransporto. Consultado em 18 de Agosto de 2018 
  4. «Awards». IMDB. Consultado em 18 de Agosto de 2018 
  5. Ângelo, Miguel. «Crítica Cinema – Aparição (2018)». CA Notícias. Consultado em 18 de Agosto de 2018 
  6. Mourinha, Jorge. «Desaparição». Público. Consultado em 18 de Agosto de 2018 
  7. Halpern, Manuel. «'Aparição': Uma história de amor e morte ao serviço do pensamento». SAPO. Consultado em 18 de Agosto de 2018 
  8. Tendinha, Rui Pedro. «Aparição: Vergílio Ferreira com sombra de pecado». Diário de Notícias. Consultado em 18 de Agosto de 2018 
  Este artigo sobre um filme português é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.