Abrir menu principal

Apeadeiro de Miramar

apeadeiro em Portugal
Miramar IPcomboio2.jpg
Apeadeiro de Miramar, em 2010.
Linha(s) Linha do Norte
(PK 323,815)
Coordenadas 41° 04′ 03,25″ N, 8° 38′ 58,53″ O
Concelho Vila Nova de Gaia
Serviços Ferroviários Logo CP 2.svgBSicon LSTR yellow.svgU
Horários em tempo real
Serviços Serviço de táxis Bilheteiras e/ou máquinas de venda de bilhetes
Acesso para pessoas de mobilidade reduzida


Logos IP.png
BSicon CONTfa grey.svg
BSicon HST grey.svgFrancelos (Sentido Porto)
BSicon HST grey.svgMiramar
BSicon HST grey.svgAguda (Sentido Lisboa)
BSicon CONTf grey.svg

O Apeadeiro de Miramar, originalmente denominado de Gulpelhares, é uma gare da Linha do Norte, que serve a localidade de Miramar, no concelho de Vila Nova de Gaia , em Portugal.

Índice

DescriçãoEditar

Este apeadeiro está situado junto à Rua de Moreira Lobo, no concelho de Vila Nova de Gaia.[1] É utilizada pelos serviços urbanos do Porto da operadora Comboios de Portugal.[2]

HistóriaEditar

 
Anúncio de 1901, onde o Apeadeiro de Miramar aparece com o nome de Gulpelhares.
 Ver artigo principal: História da Linha do Norte

O tramo entre Vila Nova de Gaia e Estarreja da Linha do Norte foi inaugurado pela Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses no dia 8 de Julho de 1863.[3] Embora inicialmente só estivessem previstas três estações (Devesas, Valadares e Granja), as festividades do Senhor da Pedra justificaram, logo em 1864, o estabelecimento de circulações extraordinárias de comboios nos dias de festas, entre as Devesas e a passagem de nível situada ao quilómetro 324,55 -- atualmente designada passagem de nível das Moutadas[4]. Em 1901 é criado o apeadeiro de Gulpelhares, algumas centenas de metros a sul desta passagem de nível, imediatamente a norte da passagem de nível da estrada de Arcozelo ao Senhor da Pedra (atual Avenida de Vasco da Gama). No ano seguinte, é inaugurada a segunda via de caminho de ferro entre as Devesas e a Granja, passando o apeadeiro a contar com duas plataformas de 100 metros de comprimento. A sul da passagem de nível é erguida uma pequena casa do guarda. Em 1905, o apeadeiro altera a sua designação de Gulpilhares para Mira e, em 1910, para Miramar.[4]

A crescente afluência de população à Praia de Miramar e a pressão da sua comissão de melhoramentos, levou o Governo a aprovar a construção de um novo edifício, no local da casa do guarda. O projeto data de 1926 e é assinado pelo arquiteto Fernando Perfeito de Magalhães -- autor de diversos projetos de construção ou ampliação de estações, tais como, Aveiro, Caldas da Rainha, Santarém e Vila Franca de Xira -- e previa um posto de socorros, no topo sul, seguindo-se para norte, duas divisões abertas para entrada e saída de passageiros, bilheteiras, telégrafo, vestíbulo e uma arrecadação. A sul, foi erguida uma pequena edificação destinada a "retretes". A inauguração dos edifícios do apeadeiro de Miramar ocorreu no dia 1 de junho de 1928, a tempo das festividades do Senhor da Pedra.[4]

Recorrendo a uma linguagem eclética, o apeadeiro de Miramar é um edifício ímpar na arquitetura ferroviária, incluindo detalhes de alegadas tradições locais: frontões contracurvados, chaminés, alpendres e diversos elementos revivalistas. Preserva ainda grande parte da sua autenticidade, apesar da zona mais a norte, inicialmente reservada à saída de passageiros, ter sido fechada para a criação de um quiosque. As bilheteiras encerraram na década de 1980 e os comboios têm atualmente um novo ponto de paragem, a sul das "retretes", onde foram construídos novos abrigos e uma plataforma mais elevada, na primeira década de século XXI. No verão de 2018, foram realizados trabalhos de manutenção e requalificação de todo o espaço.[4]

Ver tambémEditar

Unidade de Suburbanos do Grande Porto

(Serviços ferroviários suburbanos de passageiros no Grande Porto)
Serviços:   Aveiro  Braga
  Marco de Canaveses  Guimarães


 
         
 Marco de Canaveses (d)
 
         
 Livração (d)
(g) Guimarães 
         
 Recesinhos (d)
(g) Covas 
         
 Vila Meã (d)
(g) Nespereira 
         
 Oliveira (d)
(g) Vizela 
         
 Caíde (d)
(b) Braga 
         
 Pereirinhas (g)
(b) Ferreiros 
         
 Meinedo (d)
(b) Mazagão 
         
 Cuca (g)
(b) Aveleda 
         
 Bustelo (d)
(b) Tadim 
         
 Lordelo (g)
(b) Ruilhe 
         
 Penafiel (d)
(b) Arentim 
         
 Giesteira (g)
(b) Couto de Cambeses 
         
 Paredes (d)
(m)(b) Nine 
         
 Vila das Aves (g)
(m) Louro 
         
 Oleiros (d)
(m) Mouquim 
         
 Caniços (g)
(m) Famalicão 
         
 Irivo (d)
(m) Barrimau 
         
 Santo Tirso (g)
(m) Esmeriz 
         
 Cête (d)
(m)(g) Lousado 
         
 Parada (d)
(m) Trofa 
         
 Recarei-Sobreira (d)
(m) Portela 
         
 Trancoso (d)
(m) São Romão 
         
 Terronhas (d)
(m) São Frutuoso 
         
 S. Martinho do Campo (d)
(m) Leandro 
         
 Valongo (d)
(m) Travagem 
         
 Suzão (d)
(m)(d) Ermesinde 
         
 Cabeda (d)
(m) Ág. Santas / Palm.ª 
         
 
(m) Rio Tinto 
         
 
(m) Contumil 
         
 General Torres (n)
(n)(m) Porto (Campanhã) 
         
 Vila Nova de Gaia (n)
(m) Porto (São Bento) 
         
 Coimbrões (n)
(n) Aveiro 
         
 Madalena (n)
(n) Cacia 
         
 Valadares (n)
(n) Canelas 
         
 Francelos (n)
(n) Salreu 
         
 Miramar (n)
(n) Estarreja 
         
 Aguda (n)
(n) Avanca 
         
 Granja (n)
(n) Válega 
         
 Espinho (n)
(n) Ovar 
         
 Silvalde (n)
(n) Carvalheira-Maceda 
         
 Paramos (n)
(n) Cortegaça 
             
 Esmoriz (n)

Linhas: d Linha do Dourog Linha de Guimarães
b Ramal de Bragam Linha do Minhon Linha do Norte
Fonte: Página oficial, 2010.04

Referências

  1. «Miramar - Linha do Norte». Infraestruturas de Portugal. Consultado em 25 de Maio de 2018 
  2. «Estação de Silvade». Comboios de Portugal. Consultado em 25 de Maio de 2018 
  3. TORRES, Carlos Manitto (1 de Janeiro de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 70 (1681). p. 9-12. Consultado em 25 de Abril de 2014 
  4. a b c d MÊDA, Pedro (dezembro de 2018). «O apeadeiro de Miramar e suas dependências». Boletim da Associação Cultural Amigos de Gaia (87): 8-13 

Leitura recomendadaEditar

  • QUEIRÓS, Amílcar (1976). Os Primeiros Caminhos de Ferro de Portugal: As Linhas Férreas do Leste e do Norte. Coimbra: Coimbra Editora. 45 páginas 
  • RIBEIRO, Manuel; RIBEIRO, José da Silva (2008). Os Comboios em Portugal: Do Vapor à Electricidade. Volume 4 de 5. Lisboa: Terramar - Editores Distribuidores e Livreiros, Lda. 238 páginas. ISBN 9789727104161 
  • SALGUEIRO, Ângela (2008). A Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses: 1859-1891. Lisboa: Univ. Nova de Lisboa. 145 páginas 
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre o apeadeiro de Miramar

Ligações externasEditar