Apeadeiro de Runa

Runa
BSicon BAHN.svg
Apeadeiro de Runa, em 2008.
Identificação[1] 62422 RUN (Runa)
Coordenadas
39° 04′ 22,81″ N, 9° 12′ 35,39″ O
Concelho Torres Vedras
Linha(s) Linha do Oeste (PK 59,310)
Serviços Logo CP 2.svgBSicon LSTR orange.svgR
Equipamentos Acesso para pessoas de mobilidade reduzida
Website
O Lar dos Veteranos, visto da estação.

O Apeadeiro de Runa é uma gare da Linha do Oeste, que serve a localidade de Runa, no concelho de Torres Vedras, em Portugal.

HistóriaEditar

 
Troféus do Concurso das Estações Floridas, na parade do edifício da estação.

Esta interface situa-se no troço entre Agualva - Cacém e Torres Vedras, que entrou ao serviço em 21 de Maio de 1887, pela Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses.[2]

No XI Concurso das Estações Floridas, organizado em 1952 pela Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses e pela Repartição de Turismo do Secretariado Nacional de Informação, a estação de Runa ficou em terceiro lugar, com um prémio de 1.500$00[3], sendo nessa altura o chefe de estação José Pereira Certo.[4]

No XIII Concurso das Estações Floridas, em 1954, Runa ganhou o quinto prémio, no valor de 750$00.[5]

Nos finais da década de 2010 foi finalmente aprovada a modernização e eletrificação da Linha do Oeste; no âmbito do projeto de 2018 para o troço a sul das Caldas da Rainha, o Apeadeiro de Runa irá ser alvo de remodelação a nível das plataformas e respetivo equipamento.[6][7] Nas imediações deste apeadeiro (ao PK 50+240) será construída a Subestação de Tração de Runa (com 16 MVA e ligada à rede, na Subestação da Carvoeira por linha aérea de 220 kV); esta subestação alimentará a catenária entre o Sabugo e as Caldas da Rainha.[6] Serão também mantidos três atravessamentos nas imediações deste apeadeiro: a passagem superior ao 58+338, com a Rua da Quinta do Penedo, e duas passagens de nível (ao PK 58+939, com a EN248 / Rua da Liberdade, e ao PK 60+611, com caminho vicinal).[6]

Ver tambémEditar

Referências

  1. (I.E.T. 50/56) 56 º Aditamento à Instrução de Exploração Técnica N.º 50 : Rede Ferroviária Nacional. IMTT, 2011.10.20
  2. TORRES, Carlos Manitto (16 de Janeiro de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 70 (1682). p. 61-64. Consultado em 19 de Maio de 2014 
  3. «Ao XI Concurso das Estações Floridas apresentaram-se 78 estações» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 65 (1558). 16 de Novembro de 1952. p. 338. Consultado em 13 de Janeiro de 2018 
  4. «XI Concurso das Estações Floridas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 66 (1570). 16 de Maio de 1953. p. 112. Consultado em 13 de Janeiro de 2018 
  5. «XIII Concurso das Estações Floridas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 67 (1608). 16 de Dezembro de 1954. p. 365. Consultado em 13 de Janeiro de 2018 
  6. a b c ELABORAÇÃO DO PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA LINHA DO OESTE – TROÇO MIRA SINTRA / MELEÇAS – CALDAS DA RAINHA, ENTRE OS KM 20+320 E 107+740 (PDF). Volume 00 – Projeto Geral. [S.l.: s.n.] 
  7. Nota: O resumo não-técnico do projeto enlenca esta interface como uma das muitas «a manter / remodelar» e descreve intervenções genéricas nas plataformas e respetivo equipamento; em aparente falha apenas editorial, Runa está no entanto singularmente ausente do anexo cartográfico.
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre o Apeadeiro de Runa

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre uma estação, apeadeiro ou paragem ferroviária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.