Abrir menu principal
Apollo 9
Apollo-9-patch.png
Informações da missão
Operadora NASA
Foguete Saturno V SA-504
Espaçonave Apollo CSM-104
Apollo LM-3
Módulo de comando Gumdrop
Módulo lunar Spider
Astronautas James McDivitt
David Scott
Russell Schweickart
Base de lançamento Plataforma 39A, Centro
Espacial John F. Kennedy
Lançamento 3 de março de 1969
16h00min00s UTC
Cabo Kennedy, Flórida,
 Estados Unidos
Amerrissagem 13 de março de 1969
17h00min54s UTC
Oceano Atlântico
Órbitas 151
Duração 10 dias, 1 hora,
54 segundos
Altitude orbital 497 quilômetros
Inclinação orbital 33,8 graus
Imagem da tripulação
McDivitt, Scott e Schweickart
McDivitt, Scott e Schweickart
Navegação
Apollo-8-patch.png Apollo 8
Apollo 10 Apollo-10-LOGO.png

Apollo 9 foi um voo espacial tripulado norte-americano responsável pela primeira operação do módulo de comando e serviço em conjunto com o módulo lunar do Programa Apollo, em preparação para primeira alunissagem tripulada. Os principais objetivos da missão eram qualificar o módulo lunar para operações orbitais e mostrar que ele e o módulo de comando e serviço poderiam se separar, voar separados, se encontrarem e acoplarem novamente, algo que precisariam realizar em missões posteriores.

Os astronautas James McDivitt, David Scott e Russell Schweickart foram lançados ao espaço em 3 de março de 1969 do Centro Espacial John F. Kennedy na Flórida por um foguete Saturno V. Os três permaneceram no espaço por dez dias a bordo do módulo de comando nomeado Gumdrop e do módulo lunar chamado de Spider. Eles testaram vários procedimentos e sistemas, incluindo funcionamento dos motores, sistemas de suporte de vida, sistemas de navegação e manobras de acoplagem.

O Spider foi recuperado do estágio S-IVB logo depois do lançamento, quando o Gumdrop realizou a primeira manobra de transposição, acoplamento e extração do Programa Apollo. No decorrer da missão Scott e Schweickart realizaram atividades extraveiculares. As duas naves também se separaram e se reencontraram uma segunda vez. A Apollo 9 terminou em 13 de março e amerrissou no Oceano Atlântico, sendo considerada um sucesso e estabelecendo a base para a Apollo 10.

Índice

EquipeEditar

PrincipalEditar

Posição Astronauta
Comandante James A. McDivitt
Piloto do Módulo de Comando David R. Scott
Piloto do Módulo Lunar Russell L. Schweickart

McDivitt nasceu em 1929 em Chicago, Illinois, e se formou na Universidade de Michigan em 1951 e no mesmo ano entrou na Força Aérea, voando 145 missões de combate durante a Guerra da Coreia. Foi selecionado astronauta em 1962 como parte do Grupo 2 da NASA e foi ao espaço pela primeira vez em 1965 como comandante da Gemini IV junto com Edward White.[1] Scott nasceu em 1932 em San Antonio, Texas, e se formou em 1954 na Academia Militar dos Estados Unidos. Serviu na Força Aérea e recebeu dois diplomas avançados do Instituto de Tecnologia de Massachusetts em 1962, sendo selecionado no ano seguinte no Grupo 3 de Astronautas da NASA. Ele voou na Gemini VIII em 1966 como piloto ao lado de Neil Armstrong.[2][3] Schweickart nasceu em 1935 em Neptune Township, Nova Jérsei, e também se formou no Instituto de Tecnologia de Massachusetts, servindo na Força Aérea e na Guarda Aérea Nacional entre 1956 e 1963, quando foi selecionado para integrar o Grupo 3 de Astronautas.[4]

ReservaEditar

Posição Astronauta
Comandante Charles "Pete" Conrad Jr.
Piloto do Módulo de Comando Richard F. Gordon Jr.
Piloto do Módulo Lunar Alan L. Bean

A tripulação reserva originalmente tinha Clifton Williams como Piloto do Módulo Lunar, porém ele morreu em outubro de 1967 quando seu Northrop T-38 Talon caiu perto de Tallahassee.[5] Conrad originalmente queria Bean em sua tripulação, que fora seu aluno na Escola de Pilotos de Teste Navais, porém Slayton havia lhe falado que Bean não estava disponível por estar designado para o Programa de Aplicações da Apollo. Conrad pediu por Bean novamente depois da morte de Williams e desta vez Slayton cedeu.[6]

SuporteEditar

Uma terceira tripulação de astronautas foi adicionada para o Programa Apollo, conhecida como tripulação de suporte. Esta mantinha o plano de voo, lista de checagens e regras da missão, também garantindo que as tripulações principais e reservas fossem notificadas de mudanças. Eles também desenvolviam procedimentos, especialmente para situações de emergência, assim estivessem prontos para quando as tripulações principal e reserva fossem treinar em simuladores, permitindo a prática e domínio.[5]

A tripulação de suporte da Apollo 9 era formada por Stuart Roosa, Jack Lousma, Edgar Mitchell e Alfred Worden. Lousma originalmente não estava na equipe de suporte, porém foi promovido para a posição depois de Fred Haise ter sido designado como Piloto do Módulo Lunar reserva da Apollo 8. Vários astronautas de diferentes tripulações foram alterados após Michael Collins, o Piloto do Módulo de Comando original da Apollo 8, ser removido por ter sido diagnosticado com uma hérnia de disco cervical.[5][7]

 
O Controle da Missão em Houston durante uma das transmissões televisivas da Apollo 9.

Controle da MissãoEditar

O comunicador com a cápsula (CAPCOM) era um astronauta do Controle da Missão em Houston, Texas, que era a única pessoa autorizada a se comunicar diretamente com a tripulação da nave espacial.[8] Os CAPCOMs da Apollo 9 foram Conrad, Gordon, Bean, Worden, Roosa e Ronald Evans.[9] Também havia três diretores de voo divididos em três equipes diferentes, cada uma trabalhando normalmente em turnos de aproximadamente algumas horas de duração cada. Para a Apollo 9 os diretores de voo foram Gene Kranz no primeiro turno, Gerald Griffin no segundo turno e Pete Frank no terceiro.[9]

MissãoEditar

A Apollo 9 realizou a primeira acoplagem espacial com troca interna de tripulações. Durante dez dias, os astronautas colocaram todos os três veículos Apollo no mesmo ritmo na órbita terrestre, acoplando e desacoplando o módulo lunar e o módulo de comando, como se eles estivessem na órbita lunar. A missão provou que o maquinário da Apollo estava pronto para a tarefa de realizar encontros e acoplagens orbitais.

Schweickart e Scott fizeram duas caminhadas espaciais, em que o primeiro testou a nova roupa espacial, a primeira a ter seu próprio sistema de suporte à vida ao invés de ser ligada à nave por um cordão umbilical, enquanto Scott o filmava da escotilha da Apollo.

Pela primeira vez, desde a missão Gemini III, a primeira missão tripulada do Projeto Gemini, os astronautas tiveram permissão para nomear suas naves por si mesmos. Assim, o módulo lunar foi chamado de Spider (Aranha), pela sua semelhança com o animal, e o módulo de comando de Gumdrop (Jujuba), pelo formato.

Schweickart e Scott pilotaram o módulo Spider, distanciando-se do módulo de comando (MC) por 179 km, usando o motor de descida para se afastarem e usando os jatos propulsores de subida para retornarem e acoplarem ao MC. A missão terminou no dia 13 de março com o mergulho no mar 290 km a leste das Bahamas. A cápsula da Apollo 9 encontra-se em exposição no Museu Aeroespacial de San Diego.

Referências

  1. NASA 1969, pp. 94–95
  2. NASA 1969, p. 96
  3. Jones, Eric M. (1995). «Apollo 15 crew information». Apollo 15 Lunar Surface Journal. NASA. Consultado em 15 de maio de 2019 
  4. NASA 1969, p. 98
  5. a b c Brooks, Courtney G.; Grimwood, James M.; Swenson, Loyd S., Jr. (1979). «Selecting and Training Crews». Chariots for Apollo: A History of Manned Lunar Spacecraft. Washington, D.C.: NASA Scientific and Technical Information Branch. ISBN 978-0-486-46756-6 
  6. Chaikin 1994, pp. 245–248
  7. Woods, W. David; Vignaux, Andrew (2009). «Preparations for Launch». Apollo 9 Flight Journal. NASA. Consultado em 15 de março de 2019 
  8. Hutchinson, Lee (31 de outubro de 2012). «Apollo Flight Controller 101: Every console explained». Ars Technica. p. 3. Consultado em 13 de março de 2019 
  9. a b Orloff & Harland 2006, p. 224

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre a Apollo 9