Aproximante alveolar

A aproximante alveolar é um tipo de som consonantal usado em algumas línguas faladas. O símbolo no Alfabeto Fonético Internacional que representa os aproximados alveolar e pós-alveolar é ⟨ɹ⟩, uma letra r minúscula rodada 180 graus. O símbolo X-SAMPA equivalente é r\.

Aproximante alveolar
ɹ
ð̠˕
IPA 151
Codificação
Entidade (decimal) ɹ
Unicode (hex) U+0279
X-SAMPA r\ or D_r_o
Kirshenbaum r
Som

O som mais comum representado pela letra r em inglês é o aproximante pós-alveolar sonoro, pronunciado um pouco mais atrás e transcrito mais precisamente no AFI como ⟨ɹ̠⟩, mas ⟨ɹ⟩ é frequentemente usado por conveniência em seu lugar. Para facilitar ainda mais a composição, as transcrições fonêmicas do inglês podem usar o símbolo ⟨r⟩, embora esse símbolo represente o vibrante múltipla alveolar na transcrição fonética.

CaracterísticasEditar

  • Seu modo de articulação é aproximante, o que significa que é produzida pelo estreitamento do trato vocal no local da articulação, mas não o suficiente para produzir uma corrente de ar turbulenta.[1]
  • Seu ponto de articulação é alveolar, o que significa que é articulado com a ponta ou a lâmina da língua na crista alveolar, denominada respectivamente apical e laminal.
  • Sua fonação é sonora, o que significa que as cordas vocais vibram durante a articulação.
  • É uma consoante oral, o que significa que o ar só pode escapar pela boca.
  • O mecanismo da corrente de ar é pulmonar, o que significa que é articulado empurrando o ar apenas com os pulmões e o diafragma, como na maioria dos sons.

OcorrênciaEditar

AlveolarEditar

Língua Palavra AFI Significado Notas
Albanês gjelbër [ˈɟʑɛlbəɹ] Verde
Armênio Clássico սուրճ [suɹtʃ] Café
Assamês Padrão ঙা (rônga) [ɹɔŋa] Vermelho
Assírio neoaramaico Dialeto alqosh ܪܒ [ɹɑbɑ] Muitos Corresponde a /ɾ/ na maioria dos outros dialetos assírios.
Dialeto tyari
Bengali[2] আবা [abaɹ] De novo Realização fonética de /r/ em alguns dialetos orientais. Corresponde a [r ~ ɾ] em outros.
Birmanês[3][4] တိစ္ဆာန် [təɹeɪʔsʰàɴ] Animal Ocorre apenas em empréstimos, principalmente em Pali ou Inglês.
Chukchi ңирэк [ŋiɹek] Dois
Dahalo[5] [káð̠˕i] Trabalho Apical. É um alofone intervocálico comum de /d̠/ e pode ser uma fricativa fraca [ð̠] ou simplesmente uma plosiva [d].[5]
Dinamarquês Padrão[6][7][8] ved [ve̝ð̠˕ˠ] Em Velarizado e laminal; alofone de /d/ na coda da sílaba.[6][7][9][9] Para uma minoria de falantes, pode ser uma fricativa não sibilante.
Holandês Holandês central door [doːɹ] Através Alofone de /r/ na coda da sílaba para alguns alto-falantes.
Holandês ocidental
Leiden rat [ɹat] Rato Corresponde a /r/ em outros dialetos.
Faroês róður [ɹɔuwʊɹ] Leme
Alemão Franconiano moselle (Siegerlandês[10] e Westerwald[11]) Rebe [ˈɹeːbə] Videira A maioria dos outros dialetos usam uma fricativa uvular sonora [ʁ] ou um trinado uvular [ʀ].
Silesiano
Lusácio superior
Grego[12] μέρα ra [ˈmɛɹɐ] Dia Alofone de /ɾ/ na fala rápida ou casual e entre vogais.
Islandês bróðir [ˈprou̯ð̠˕ir] Irmão Normalmente apical.
Limburguês Dialeto montfortiano[13] maintenant [ˈmæ̃ːn˦ð̠˕ənɑ̃ː˨] Agora
Persa فارسی [fɒːɹˈsiː] Persa Alofone de /ɾ/ antes de /d/, /l/, /s/, /ʃ/, /t/, /z/, e /ʒ/.
Português Múltiplos dialetos, principalmente do interior do Centro-Sul brasileiro.[14] amor [aˈmoɹˠ] Amor Alofone de /ɾ ~ ʁ/ na coda da sílaba. Velarizado, também pode ser retroflexa, pós-alveolar e/ou vogal rótica.
Brasileiro geral[15] marketing [ˈmaɹˠke̞tɕĩɰ̃] Marketing Aparece em empréstimos, mesmo por falantes que não o usam como um alofone de /ɾ ~ ʁ/. Geralmente não aparece em posição inicial ou final, por exemplo trailer [ˈtɾejle̞ʁ].
Algumas variantes com prestígio.[16] permitir [peɹˠmiˈtɕiɹˠ] Permitir Geralmente excluído em infinitivos verbais em registros mais coloquiais. Pode ser substituído por [ɾ] ou R gutural.
Espanhol Andaluz[17] doscientos [do̞ɹˈθje̞n̪t̪o̞s] Duzentos Alofone de /s/ antes de [θ].
Belizeano invierno [imˈbjeɹno] Inverno Possível realização de /r/ na coda da sílaba.
Espanhol porto-riquenho
Costa-riquenho hierro [ˈjeɹo] Ferro Correspondendo a [r] em outros dialetos.
Sueco Padrão central[18] starkast [ˈs̪t̪äɹːkäs̪t̪] Mais forte Alofone de /r/. Alguns alto-falantes têm [ɾ] ([r] quando geminados) em todas as posições.
Tagalo parang [paɹaŋ] Gostar de Alofone do mais tradicional [r] usado pelos falantes mais jovens, mais alfabetizados em inglês.
Turco Alguns falantes artık [aɹtɯk] Excesso Ocorre como um alofone de [ɾ] na coda da sílaba, em variação livre com o [ɹ̠] pós-alveolar.
Vietnamita Saigon[19] ra [ɹa] Saia Em variação livre com [ɾ], [r] e [ʐ].
Zapoteco Tilquiapano[20] r [ɹd̪ɨ] Passar Alofone de /ɾ/ antes de consoantes.

Pós-alveolarEditar

Língua Palavra AFI Significado Notas
Inglês Australiano red [ɹ̠ʷed] Vermelho Frequentemente labializado. Também pode ser um aproximante retroflex labializado. Por conveniência, é frequentemente transcrito ⟨r⟩.
Maioria dos dialetos americanos[21]  ? [ɹ̠ʷɛd]
Received Pronunciation
Ibo[22] rí [ɹ̠í] Comer
Maltês Alguns dialetos[23] malajr [mɐˈlɐjɹ̠] Rapidamente Corresponde a [r] em outros dialetos.[23]
Shipibo[24] roro [ˈd̠ɹ̠o̽ɾ̠o̽] Quebrar em pedaços Pré-parado. Possível realização inicial de palavra de /r/.[25]
Tailandês Bangkok กรุงเทพ / Krungthep  ? [kɹ̠ʊ̄ŋ.tʰɪ̂p̚] Bangkok Alofone com o aproximante alveolar [ɹ]. Contraste com a forma padrão que pronuncia trilo alveolar [r].

Referências

BibliografiaEditar

  • Arvaniti, Amalia (2007), «Greek Phonetics: The State of the Art» (PDF), Journal of Greek Linguistics, 8: 97–208, doi:10.1075/jgl.8.08arv, arquivado do original (PDF) em 11 de dezembro de 2013 
  • Bakkes, Pierre (2007), Mofers Waordebook, ISBN 978-90-9022294-3 (em limburguês) 
  • Basbøll, Hans (2005), The Phonology of Danish, ISBN 0-19-824268-9 
  • Boyce, S.; Espy-Wilson, C. (1997), «Coarticulatory stability in American English /r/», Journal of the Acoustical Society of America, 101 (6): 3741–3753, PMID 9193061, doi:10.1121/1.418333 
  • Browman, C.P.; Goldstein, L. (1995), «Gestural syllable position in American English», in: Bell-Berti, F.; Raphael, L.J., Producing Speech: Contemporary Issues: for Katherine Safford Harris, New York: AIP, pp. 9–33 
  • Cornyn, William (1944), Outline of Burmese Grammar, Supplement to Language, vol. 20 no. 4, Baltimore: Linguistic Society of America 
  • Delattre, P.; Freeman, D.C. (1968), «A dialect study of American R's by x-ray motion picture», Linguistics, 44: 29–68 
  • Engstrand, Olle (1999), «Swedish», Handbook of the International Phonetic Association, ISBN 9780521637510, Cambridge University Press, pp. 140–142 
  • Fougeron, C (1999), «Prosodically conditioned articulatory variation: A Review», UCLA Working Papers in Phonetics, 97, pp. 1–73 
  • Grønnum, Nina (2003), «Why are the Danes so hard to understand?», in: Jacobsen, Henrik Galberg; Bleses, Dorthe; Madsen, Thomas O.; Thomsen, Pia, Take Danish - for instance: linguistic studies in honour of Hans Basbøll, presented on the occasion of his 60th birthday, Odense: Syddansk Universitetsforlag, pp. 119–130 
  • Hallé, Pierre A.; Best, Catherine T.; Levitt, Andrea (1999), «Phonetic vs. phonological influences on French listeners' perception of American English approximants», Journal of Phonetics, 27 (3): 281–306, doi:10.1006/jpho.1999.0097 
  • Ikekeonwu, Clara I. (1999), «Igbo», Handbook of the International Phonetic Association, ISBN 9780521637510, Cambridge University Press, pp. 108–110 
  • Khan, Sameer ud Dowla (2010), «Bengali (Bangladeshi Standard)» (PDF), Journal of the International Phonetic Association, 40 (2): 221–225, doi:10.1017/S0025100310000071 
  • Kohler, Klaus (1995), Einführung in die Phonetik des Deutschen, Berlin: Erich Schmidt Verlag 
  • Ladefoged, Peter; Maddieson, Ian (1996). The Sounds of the World's Languages. Oxford: Blackwell. ISBN 978-0-631-19815-4 
  • Maddieson, Ian; Spajić, Siniša; Sands, Bonny; Ladefoged, Peter (1993), «Phonetic structures of Dahalo», in: Maddieson, Ian, UCLA working papers in phonetics: Fieldwork studies of targeted languages, 84, Los Angeles: The UCLA Phonetics Laboratory Group, pp. 25–65 
  • Merrill, Elizabeth (2008), «Tilquiapan Zapotec» (PDF), Journal of the International Phonetic Association, 38 (1): 107–114, doi:10.1017/S0025100308003344 
  • Moosmüller, Sylvia; Schmid, Carolin; Brandstätter, Julia (2015), «Standard Austrian German», Journal of the International Phonetic Association, 45 (3): 339–348, doi:10.1017/S0025100315000055 
  • Puech, Gilbert (2013), «Prime constituents of Maltese sounds», in: Borg, Albert; Caruana, Sandro; Vella, Alexandra, Perspectives on Maltese Linguistics, ISBN 978-3-05-006275-4, Berlin: Akademie Verlag GmbH, pp. 61–88 
  • Recasens, Daniel (2004), «The effect of syllable position on consonant reduction (evidence from Catalan consonant clusters)», Journal of Phonetics, 32 (3): 435–453, doi:10.1016/j.wocn.2004.02.001 
  • Valenzuela, Pilar M.; Márquez Pinedo, Luis; Maddieson, Ian (2001), «Shipibo», Journal of the International Phonetic Association, 31 (2): 281–285, doi:10.1017/S0025100301002109 
  • Thompson, Laurence C. (1959), «Saigon Phonemics», Linguistic Society of America, Language, 35 (3): 454–476, JSTOR 411232, doi:10.2307/411232 
  • Watkins, Justin (2001), «Illustrations of the IPA: Burmese» (PDF), Journal of the International Phonetic Association, 31 (2): 291–95, doi:10.1017/S0025100301002122 
  • Zawadzki, P.A.; Kuehn, D.P. (1980), «A cineradiographic study of static and dynamic aspects of American English /r/», Phonetica, 37 (4): 253–266, PMID 7443796, doi:10.1159/000259995