Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Setembro de 2011). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Argantonio (?, H. 670 aC -?, H. 550 aC) foi o último rei dos Tartessos, e o único que se têm referências históricas. Devido à sua longevidade, há historiadores que pensam que o nome não poderia referir-se a um rei, mas sim ao titulo de uma dinastia ou forma de tratamento com o significando de, "O Senhor da Prata[1]", visto que, cerca de 300 anos depois foram-lhe atribuídos tesouros. [2]

Segundo Heródoto, Argantonio foi rei de Tartessos por oitenta anos, e viveu 120 anos.[3] Quando os gregos da Foceia chegaram a Tartessos, fizeram amizade com o rei, que pediu a eles que abandonassem a Jônia e fossem habitar com ele, por causa do poder crescente dos Medos.[3] Argantonio ajudou a construir a muralha da Foceia, que era bem longa e forte.[3]

Seu reinado representa o apogeu da cultura de Tartessos. ( Homem de prata ), que revela sua origen indoeuropeia, aparece nas fontes gregas ligado a riqueza mineral do seu reino (bronze e prata), com a qual ele ajudou a financiar a defesa de Foce ( cidade grega da Ásia Menor) contra a ameaça persa. . Se afirma que enviou até 1500 kilos de prata a seus aliados.. No entanto, ele não conseguiu estabelecer colônias focenses no seu reino, que tentou enfraquecer talvez a tutela comercial dos fenícios de Gadir (Cádiz), ou talvez para sair do comércio de metais, interrompido pela pressão assíria sobre cidades Fenicia

Alguns dão-lhe um reinado de 80 anos (a partir de 630 aC a 550 aC) e uma vida de 120, como Heródoto. De acordo com o poeta Anacreonte, citado por Plínio, o Velho, ele teria vivido 150 anos.[4] Inclusive alguns aventuram a dar lhe a inédita idade de 3 séculos. Obviamente, este é um exagero, mas confirma a ideia da longevidade que gozava seu longo reinado.

Provavelmente Argantonio morre uma morte natural, pois não existem registros históricos sobre a sua morte.

Depois da batalha naval de Alali (535 aC), que etruscos e cartagineses aliados contra os gregos, Cartago se torna senhor indiscutível do Mediterrâneo Ocidental. Cortando a rota que havia para a Iberia, cessa o comércio entre focenses e os Tartessos, que lentamente foi relegado ao esquecimento.

Ligações externasEditar

Referências

  1. Justin St. P. Walsh (26 de novembro de 2013). Consumerism in the Ancient World: Imports and Identity Construction. [S.l.]: Routledge. pp. 28–. ISBN 978-1-317-81284-5. Consultado em 27 de outubro de 2014 
  2. Burn, Andrew Robert, (1984)Persia and the Greeks: The Defence of the West, C. 546-478 B.C. Arquivado em 29 de outubro de 2013, no Wayback Machine., Stanford University Press, ISBN 0804712352, 9780804712354, pp. 612.
  3. a b c Heródoto, Histórias, Livro I, Clio, 163 [pt] [el] [el/en] [ael/fr] [en] [en] [en] [es]
  4. Plínio, o Velho, História Natural, Livro VII, 48/154 [em linha]