Abrir menu principal
Revólver artesanal exposto num museu de Donetsk (Ucrânia).

Arma de fogo artesanal é aquela fabricada por armeiro e/ou artesão e, normalmente, produzida com adaptação de materiais disponíveis. Variam em qualidade, indo de armas não tão perigosas para o usuário (e o alvo) até armas de alta qualidade produzidas por indústrias caseiras com materiais reaproveitados.[1] [2] [3]

Em geral, armas artesanais e/ou improvisadas são usadas como por criminosos, insurgentes, movimentos de resistência e são frequentemente associados com tais grupos.[4] [5]

Outros usos para tais armas incluem autodefesa em áreas onde o estado não assegura a segurança pública, ou em áreas rurais pobres para caça.[6]

Índice

ConstruçãoEditar

 
Pistola feita à mão.

As partes essenciais de qualquer arma de fogo artesanal ou improvisada são a câmara e o cano. Para cartuchos pequenos, de baixa pressão, como o calibre .22 (5,5 milímetros) rimfire (fogo-circular), mesmo tubos metálicos de encanamento finos são suficientes. O autor Harlan Ellison descreve as armas "zip" usadas por gangues nos anos 1950 na cidade de Nova York como sendo feitas a partir de tubos de bules de café ou antenas rádio de carro, amarrados a um bloco de madeira para servir como uma alça. O elástico fornece a energia para a percussão, que é puxada para trás realizando o disparo. O uso de tais tubos resultam em armas que podem ser tão perigosas para o atirador como o alvo; canos de alma lisa mal ajustados proporcionam pouca precisão e correm o risco de explodir no disparo.[1]

ConversõesEditar

 
Arma caseira em Deli (Índia).

Projetos mais sofisticadas podem aproveitar partes de imitações de armas reais. Como exemplo, armas de brinquedo que empregam espoleta. Armas de espoleta (en. cap gun) podem ser desmontadas, ganhando um cano de aço, transformando-se em armas reais. Uma percussão pode ser então adicionada a um martelo para concentrar a força na espoleta do cartucho. Se a arma de espoleta possuir uma mola de martelo suficientemente forte, o mecanismo de disparo pode ser usado como está; de outra forma, tiras de borracha podem ser adicionadas para aumentar a potência do martelo.[7]

Armas de ar comprimido também podem ser convertidas em armas de fogo reais. O sistema de cartucho Ar Brocock, por exemplo, usa um "cartucho" autocontido ligeiramente menor que um cartucho calibre .38 especial, que contém um reservatório de ar comprimido, a válvula, e um calibre 22 (5,5 mm). Exemplos de canhões de ar BACS convertidos para armas de fogo, quer por alargamento do cano para disparar um cartucho .38 especial ou alterando o cilindro para aceitar cartuchos de calibre .22, têm sido utilizados num certo número de crimes. Armas de festim também podem ser convertidas com a adição de um cano, embora as ligas de baixa resistência usadas em tais armas possam se quebrar com as pressões e tensões de um disparo de munição real.[8]

Armas "camufladas"Editar

 
Arma "disfarçada" como uma lanterna.

Algumas armas mais sofisticadas não são apenas bem construídas, mas também usam de "mimetismo" como "camuflagem" assumindo a aparência externa de objetos comuns. Armas improvisadas em forma de lanternas, telefones celulares, canetas, e grandes parafusos, tem sido apreendidos por autoridades policiais. Na maior parte dos casos estes usam o calibre .22 rimfire (fogo-circular), mas já foram apreendidas "armas lanterna" com calibres que vão do .22 Long Rifle ao .410 bore (similar ao calibre .45).[9] [10]

Armas de repetição e automáticasEditar

Armas de fogo artesanais podem ser encontradas tanto na configuração tiro único quanto na de tiro múltiplo. As mais simples de disparo múltiplo são do tipo "derringer",[11] consistindo numa série de canos de disparo único anexados. No final de 2000, a polícia britânica apreendeu uma pistola .22 Long Rifle de quatro tiros disfarçada como telefone celular onde, diferentes teclas acionavam diferentes canos. Por causa desta descoberta, telefones celulares passam por aparelhos de raios X em aeroportos de todo o mundo. Supostamente fabricados na Croácia, continuavam a ser encontrados na Europa até 2004, de acordo com a revista Time.[12] [13]

Geralmente consideradas complexas, mas na realidade de execução simples, dependendo dos recursos, são fabricadas submetralhadoras. Muitas vezes copiando projetos existentes ou por adaptações simples, ação "open-bolt" e adaptações realizadas através de torneamento mecânico.[2] [14]

EspingardasEditar

Uma espingarda caseira ou tumbera (Argentina), bakakuk [15] (Malásia), ou sumpak [16] (Filipinas) é uma arma de fogo feita de materiais improvisados, como pregos , tubos de aço, pedaços de madeira, pedaços de corda, etc. Podem ser feita por criminosos "de baixo orçamento" e às vezes são encontradas até em prisões.

Reaproveitamento de armas de fogoEditar

Nos casos em que algumas armas de fogo estão disponíveis, que podem ser feitas adaptações de diferentes tipos. Numa destas adaptações, o reaproveitamento de uma arma de fogo é descrita por Che Guevara em seu livro La guierra de guerrillas. Chamado de "M-16", consiste em uma espingarda de cano serrado calibre 16 com um bipé para segurar o corpo em um ângulo de 45°. Este é carregado com um cartucho de festim (feito de um cartucho que teve a munição retirada, com uma haste de madeira com um coquetel molotov na ponta. Isto forma um morteiro improvisado com o qual é possível disparar, com precisão, uma bomba incendiária a uma distância de 100 metros.[17]

Pistolas sinalizadoras também foram convertidas em armas de fogo. Isto pode ser conseguido através da substituição do cano (muitas vezes de plástico) por um tubo de metal forte o suficiente para um cartucho de espingarda, ou através da inserção de um cano de menor diâmetro no interior do original, convertendo-o para um calibre menor como o .22 Long Rifle[18] [19]

3DEditar

Em 2013, várias armas operáveis foram feitas com impressoras 3D, incluindo feitas de plástico em impressoras 3D de baixo custo,[20] e os feitos de metal mais durável, usando impressoras 3D industriais.[21]

UsoEditar

 
Arma improvisada e funcional, usada por duas crianças, apreendida pelas Forças de Defesa de Israel .
 
Submetralhadora artesanal exposta num museu de Donetsk (Ucrânia).

Armas artesanais são muitas vezes ilegais e são comumente associadas a gangues, onde podem ser usadas para facilitar crimes violentos, como homicídios.[1] Em outros casos, são utilizadas para outras atividades criminosas não necessariamente relacionadas com a criminalidade violenta, como a prática da caça ilegal.[6]

São mais comumente encontradas em países com leis severas para controle de armas. Apesar de populares nos Estados Unidos na década de 1950, as armas "zip" tornaram-se menos comuns, devido à maior facilidade de obtenção de armas de fogo no mercado negro. Na Índia, o uso de pistolas artesanais é generalizado, especialmente nas regiões de Bihar e Purvanchal. A fabricação destas armas tornou-se uma indústria caseira, e os componentes são muitas vezes fabricados a partir de material de sucata, como canos de armas formado a partir de volantes de caminhão.[3] Em regiões aa África do Sul, tais armas são mais comuns. Num estudo do distrito de Zululândia verificou-se que as armas de fogo improvisados eram grosseiras, espingardas de calibre 12, que com um simples puxão, libera-se mecanismo de disparo; com cartuchos de percussão anular 0,22. Cartuchos de espingarda também operam a pressões baixas, tornando-os mais adequados para utilização de pequena potência, canos improvisados.[8] Mesmo na ausência de munição, pólvora caseira é utilizada. Tais armas de fogo foram objeto de uma repressão nos República Popular da China em 2008.[6]

Armas improvisadas não são usadas apenas por elementos criminosos, são também usadas por insurgentes. Durante o ocupação das Filipinas pelo Império do Japão durante a Segunda Guerra Mundial, o paliuntod, um tipo de improvisado espingarda, era comumente usada por guerrilheiros e soldados americanos e filipinos conjuntos que ficaram para trás depois da retirada de Douglas MacArthur. Feito de dois pedaços de cano que encaixados, o paliuntod foi uma arma de tiro único simples, ação "open-bolt". O cartucho era colocado na culatra do cano, o qual foi então ajustado para o receptor de maior diâmetro. O receptor era tampado no final da culatra, e tinha um pino de disparo fixo, colocado alinhado à espoleta do cartucho. Quando o cano era puxado bruscamente para a traz, o pino de disparo atingia espoleta e disparava a arma.[4] [5] Estas armas improvisadas ainda estão em uso por criminosos e rebeldes nas Filipinas.[22] [23] Na cidade de Danao em Cebu, armas de fogo artesanais são produzidas a tanto tempo que os fabricantes tornaram-se legítimos, fabricando e comercializando suas armas. Os fabricantes de Danao fabricam revólveres calibre 38 e 45, réplicas da Ingram MAC semi-automática e da metralhadora Intratec TEC-DC9.[2]

Em 2004, uma fábrica ilegal de armas foi descoberta em Melbourne (Austrália), encontrando-se, entre outras coisas uma série de silenciadores e réplicas da metralhadora "Owen Gun",[24] suspeita de ter sido fabricada para venda a gangues locais envolvidas no tráfico de drogas.[25]

Muitas armas artesanais também têm sido utilizados em outros países, como a Índia [26] e Rússia,[27] [28] têm sido usadas em homicídios e terrorismo.

No Brasil, fábricas clandestinas de armas vem sendo descobertas. Algumas destas localizadas em cidades como Marabá,[29] Mossoró,[30] São Paulo,[31] Rio de Janeiro [32] e outras.

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c Memos from Purgatory. Harlan Ellison, Ace Pub., 1983, cap. 4, (em inglês). ISBN 9780441524389 Adicionado em 26/02/2015.
  2. a b c Sunstar - Solon foresees export potential in local gun making industry. (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  3. a b The New York Times INDIA'S CORNER OF MYSTERY: BIHAR'S POOR AND LAWLESS. STEVEN R. WEISMAN, 27 de Abril de 1987, (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  4. a b oldguns.net - Questions And Answers Page. (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  5. a b Amhistory - Handmade filipino gun. (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  6. a b c BBC News Gun briefing backfires in China. (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  7. Bruce Barak Koffler (March 1970). "Zip Guns and Crude Conversions. Identifying Characteristics and Problems". The Journal of Criminal Law, Criminology, and Police Science (Northwestern University): 115–125. (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  8. a b Gunshot Wounds: Practical Aspects of Firearms, Ballistics, and Forensic Techniques. Vincent J.M. DiMaio, Taylor & Francis, 1998, (em inglês) ISBN 9780849381638 Acessado em 26/02/2015.
  9. The Gn Zone - Crypto bolt gun. (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  10. Mail Archive - Cops on alert for flashlight guns. 15 de Junho de 2006. (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  11. The Truth About Guns - Does The World Need Another 4-Barrel Rimfire Derringer? You Make The Call. Chris Dumm, 23 de Novembro de 2013, (em inglês), Acessado em 26/02/2015.
  12. Urban Legendas - Cell Phone Guns . (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  13. World News - Vídeo: "Cellgun". (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  14. The Home Gunsmith - Expedient Homemade Firearms. P. A. Luty, Paladin Press, 1998, (em inglês) ISBN 9780873649834 Acessado em 26/02/2015.
  15. Kinabalu Park and the Surrounding Indigenous Communities, Malaysia. Jamili Nais, South-South Cooperation Programme on Environmentally Sound Socio-Economic Development in the Humid Tropics, 1996. Acessado em 26/02/2015.
  16. Small arms survey 2003: development denied. Oxford University Press. 2003. pág. 34 (em inglês) ISBN 9780199251759 Adicionado em 26/02/2015.
  17. La Guerra de Guerrillas. Che Guevara, Ocean Sur, 2006. (em castelhano) ISBN 9781920888299 Adicionado em 26/02/2015.
  18. Justice.org - Project Safe Neighborhoods. (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  19. Ca4 - UNITED STATES COURT OF APPEALS FOR THE FOURTH CIRCUIT. "UNITED STATES OF AMERICA v. BARRY WILLIAM DOWNER. (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  20. CNN Video shows test firing of 3-D-printed handgun. Doug Gross, 7 de Maio de 2013. (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  21. CNN Texas company makes metal gun with 3-D printer. (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  22. Inquirer Global Nation - 3 suspected cattle rustlers killed in Cavite shootout. Niña Catherine Calleja, 5 de Junho de 2008. (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  23. Sunstar - Communists admit slay of 2 Cafgus, datus. Lizanilla J. Amarga, 13 de Junho de 2007. (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  24. World Guns - Owen machine carbine / submachine gun (Australia). (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  25. The Age - Submachine-guns found in weapons factory. Brendan Nicholson, Daniel Ziffer, 23 de Julho de 2004. (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  26. The Times of India - Cops blow lid off illegal arms unit. 1 de Setembro de 2008, (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  27. English Russia - Chechen self-made weapons. 4 de Junho de 2007, (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  28. The New York Times Russian Guns Pound Deeper in Chechen Capital. Alessandra Stanley, 17 de Janeiro de 1995, (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  29. G1 - Polícia fecha fábrica clandestina de armas no Pará. Material para produção de munição também foi apreendido. Quatro pessoas foram presas. 25 de Janeiro de 2011. Acessado em 26/02/2015.
  30. Jornal de Hoje - Serviço Reservado da Polícia Militar fecha fábrica clandestina de armas. 2 de Setembro de 2014. Acessado em 26/02/2015.
  31. Diário do Grande ABC Polícia descobre fábrica clandestina de armas em SP. 22 de Outubro de 1999. Acessado em 26/02/2015.
  32. R7 - PM estoura fábrica clandestina de armas em Campo Grande. 30 de Julho de 2011. Acessado em 26/02/2015.

BibliografiaEditar

  • Zips, Pipes, and Pens: Arsenal of Improvised Weapons. J. David Truby, Paladin Press, 1993 (em inglês) ISBN 0873647025 Adicionado em 26/02/2015.
  • Improvised Weapons of the American Underground. Desert Publications, 1983, (em inglês) ISBN 0879471107 Adicionado em 26/02/2015.
  • Homemade Guns and Homemade Ammo. Ronald B. Brown, Breakout Productions, 1999, (em inglês) ISBN 1893626113 Adicionado em 26/02/2015.
  • Commando Gunsmithing. Paperback – September 28, 2015 by R.K. Campbell (Author) (em inglês) ISBN-10: 161004889X Adicionado em 26/02/2015.
  • Guerrilla Gunsmithing: Quick and Dirty Methods for Fixing Firearms in Desperate Times. Paperback – 1 Jan 2001 by Ragnar Benson (Author) (em inglês) ISBN-10: 1581601190 Adicionado em 26/02/2015.
  • The Do-it-Yourself Gunpowder Cookbook. Don McLean, Paladin Press, 1992, (em inglês). ISBN 0873646754 Adicionado em 26/02/2015.
  • Workbench Silencers: The Art Of Improvised Designs. George M. Hollenbach, Paladin Press, 1996, (em inglês) ISBN 0873648951 Adicionado em 26/02/2015.
  • The Do-it-Yourself Submachine Gun: It’s Homemade, 9mm, Lightweight, Durable—And It’ll Never Be On Any Import Ban Lists!. Gerard Metral, Paladin Press, 1985, (em inglês) ISBN 0873648404 Adicionado em 26/02/2015.
  • Prepravljeno i ručno pravljeno oružje ("Conversão e Improvisação de Armas de Fogo"). (Link) ISBN 9788662370181 (em bósnio) Adicionado em 26/02/2015.

Ligações externasEditar

  • Gunslot - How to Make a Gun with Common Materials For Self Defense. (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  • Ctmuzzleloaders - A Breech-Loading Flintlock Pistol. (em inglês) Acessado em 26/02/2015.
  • Orions Hammer - "Blowback Operations for improvised firearms." (em inglês) Acessado em 26/02/2015.