Abrir menu principal

BiografiaEditar

Recebeu sua instrução do Conservatório de Música do antigo Instituto de Belas Artes, especializando-se em violino em 1923. Também dedicou-se ao piano junto a grupos de música popular no centro do país.[1]Foi arranjador da Rádio Difusora em Porto Alegre, orientador da Rádio da Universidade e em torno de 1946 passou a compor.

Foi um dos fundadores da Sociedade Brasileira de Música Contemporânea e lecionou no curso de Música do Instituto de Artes. Teve inúmeros alunos, incluindo Celso Loureiro Chaves, que em 1994 gravou suas composições no disco Uma idéia de café, e João Gilberto que aprimorou com Armando Albuquerque seu conhecimento de harmonia durante sua estada em Porto Alegre.[2]

Foi membro da Academia Brasileira de Música. Em 1985, aos 84 anos de idade, lançou o disco Mosso.[3]

Obras principaisEditar

  • Suíte breve, (1954)
  • Evocação de Augusto Meyer,(1970)
  • Música para violoncelo e piano, (1955)
  • Choppe, (1929)
  • Motivação, (1945)
  • Pathé Baby, (1926)
  • Quasinocturno, (1939)
  • Toccata, (1948)
  • Sonho III, (1974)
  • Suíte bárbara infantil,(1965)

DiscografiaEditar

  • Celso Loureiro Chaves. Uma idéia de café, CD, 2001.
  • Luciane Cardassi. Prelúdios em Porto Alegre, CD, Fumproarte, 1998.
  • O Sul Erudito, BRDE/Conselho de Desenvolvimento Cultural/ RS, LP, 1987.
  • Armando Albuquerque. Mosso,LP, RBS/Som Livre Discos, 1985.

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

Referências

  1. Armando Albuquerque. Página do Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Acessado em 13/03/2010, 21:08.
  2. Há 50 anos, João Gilberto estreou seu samba harmônico e sincopado. Página da Folha de S. Paulo. Acessado em 13/03/2010 - 21h58.
  3. Mosso, tributo ao compositor gaúcho. Sítio do Tablóide Digital. 13/03/2010 - 21h19.
  Este artigo sobre um(a) compositor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.