Armengol III de Urgel

Armengol III de Urgel (?- Monzón, Barbastro, Huesca, 1065) foi Conde de Urgel de 1038 a 1065. Foi detentor da Tenência da cidade de Barbastro como recompensa da sua colaboração com o rei de Aragão Sancho I de Aragão (10424 de Junho de 1094), na conquista desta cidade ao caudilho taifa Amade Almoctadir. Faleceu durante os combates da contra ofensiva do taifa de Saragoça, que tentava recuperar a referida cidade.[1]

Armengol III de Urgel
Conde de Urgel
Ermengol III e Raimundo Berenguer I "Livre Feudorum Ceritaniae".
Nome completo Armengol III de Urgel
Morte 1065
  Monzón, Barbastro, Huesca
Pai Armengol II de Urgel
Mãe Velasquita cognomento Constança de Besalú

Relações familiresEditar

Foi filho de Armengol II de Urgelo Peregrino” (1009 - Jerusalém, 1038), conde de Urgel e de Velasquita cognomento Constança de Besalú (m. circa 1066), filha de Bernardo I Tallaferro. Casou por três vezes, a primeira em 1050 com Adelaide de Besalú (? - 1055), filha de Guillem I de Besalú e Adelaida de quem teve a:

  1. Armengol IV de Urgel (? -1092), conde de Urgel casou por duas vezes, a primeira com Lúcia de la Marche e a segunda com Adelaide de Forcalquier, condessa de Forcalquier
  2. Isabel de Urgel (? - 1071) casou por duas vezes, a primeira em 1065 com Sancho Ramírez e a segunda em 1071 com Guilherme Ramon I, conde de Cerdanha e Berga.

O Segundo casamento foi em 1055 com Clemência de Bigorre, filha do Conde Bernardo II de Bigorre (1014 - 1077) e de Clemência (? - 1062), de quem teve:

  1. Ramon de Urgel, casou com Branca Viscondessa,
  2. Guillermo de Urgel,
  3. Berenguer de Urgel,

O terceiro casamento foi em 1065 com Sancha de Aragão, infanta de Aragão, filha do rei Ramiro I de Aragão[2] (? - c. 1095) e de Ermesenda de Bigorra.

Referências

  1. Antonio Ubieto Arteta (1987). Creación y desarrollo de la Corona de Aragón, Zaragoza, Anubar (Historia de Aragón). [S.l.: s.n.] p. 44. ISBN 84-7013-227-X 
  2. Alvar Ezquerra, Jaime (2001). Ediciones Istmo, ed. «Diccionario de historia de España» (em espanhol). Madrid: Tres Cantos. p. 48. ISBN 84-7090-366-7. Consultado em 26 de setembro 2011. Ramiro I (1035-1063) es considerado el primer rey privativo de Aragón, aunque es probable que no llegara a utilizar el título rex