Abrir menu principal
Arnaud Pallière
Nascimento 1784
Bordeaux
Morte 27 de novembro de 1862 (78 anos)
Bordeaux
Cidadania França, Brasil
Ocupação pintor, desenhista, urbanista, professor
Retrato de D. Pedro II na primeira infância
A Várzea do Carmo por Arnaud Pallière

Arnaud Julien Pallière, muitas vezes também referido erroneamente como Armand Julien Pallière (Bordeaux, França, 1784 - Bordeaux, 27 de novembro de 1862) foi um pintor, desenhista, gravador, urbanista e professor francês que veio radicar-se no Brasil em 1817, tendo chegado no mesmo navio em que viajava a Arquiduquesa de Áustria D. Maria Leopoldina, futura imperatriz do Brasil.[1]

Diz-se que gozou das boas graças do rei de Portugal D. João VI e de seu filho, D. Pedro de Alcântara, o futuro imperador D. Pedro I e futuro rei de Portugal como D. Pedro IV, e que por isso foi encarregado de uma série de quadros sobre o Rio.

BiografiaEditar

Pintor, desenhista, litógrafo, decorador, professor. Estuda retrato e pintura histórica em Paris, em 1805. Participa do Salão de Paris em 1808, 1810 e 1814.

Chega ao Rio de Janeiro em 1817, no mesmo navio que traz a princesa Maria Leopoldina (1797 - 1826) futura imperatriz do Brasil. Nesse ano e seguintes, atendendo ao pedido de dom João VI , pinta vários panoramas das províncias do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. Em 1818, desenvolve um plano para a urbanização da cidade da Vila Real da Praia, hoje Niterói.

Atua como professor de desenho na Real Academia Militar e segundo alguns historiadores, o artista faz as primeiras litogravuras no Brasil, na Oficina do Arquivo Militar. Em 1821 pinta em aquarela o primeiro panorama da cidade de São Paulo, vista do rio Tamanduateí, com o título de Várzea do Carmo.

No ano seguinte, casa-se com a filha do arquiteto Grandjean de Montigny e um dos filhos dessa união foi o também pintor Jean Leon Pallière[2]. Realiza vários retratos, entre eles o da imperatriz D. Amélia de Leuchtenberg (1812 - 1873), em 1829, a pedido do imperador dom Pedro I (1798 - 1834). Retorna à França em 1830 levando toda a família.

BibliografiaEditar

  • RIOS FILHO, Adolfo Morales de los. Grandjean de Montigny e a evolução da arte brasileira. Rio de Janeiro: Empresa A Noite, 1941.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • BRAGA, Teodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Edit., 1942.
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. 2ª edição. Curitiba: Ed. da UFPR, 1997.
  • BENEZIT, E. Dictionnaire, etc.. 5ª ed. Paris: Gründ, 1999, vol. 10, pág. 516.

Referências

  1. Quirino Campofiorito, ob. cit. p. 76
  2. Pallière, Jean Leon (1823 - 1887) Arquivado em 26 de novembro de 2007, no Wayback Machine. Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais (site consultado em 1° de outubro de 2011)