Arneiro das Milhariças

freguesia do município de Santarém, Portugal

Arneiro das Milhariças é uma freguesia portuguesa do município de Santarém, com 12,01 km² de área e 739 habitantes (2021)[1]. A sua densidade populacional é 61,5 hab/km².

Portugal Portugal Arneiro das Milhariças 
  Freguesia  
Símbolos
Brasão de armas de Arneiro das Milhariças
Brasão de armas
Gentílico Arneirense
Localização
Arneiro das Milhariças está localizado em: Portugal Continental
Arneiro das Milhariças
Localização de Arneiro das Milhariças em Portugal
Coordenadas 39° 24' 02" N 8° 42' 18" O
Região Lezíria e Vale do Tejo
Município STR.png Santarém
História
Fundação 1694
Administração
Tipo Junta de freguesia
Presidente Paulo Jorge Gaspar Guedes (PPD/PSD)
Características geográficas
Área total 12,01 km²
População total (2021) 739 hab.
Densidade 61,5 hab./km²
Código postal 2000
Outras informações
Orago São Lourenço
Sítio jf-arneiro.pt

HistóriaEditar

Crê-se que o local onde é hoje o Arneiro das MIlhariças era já o lar de uma povoação que já se teria estabelecido há vários séculos, predecessora da criação do Condado Portucalense, e por onde terá inclusive passado D. Afonso Henriques, aquando da conquista de Santarém aos mouros em 1147. Geograficamente, o Arneiro das Milhariças fica situado num planalto a 5 km de Pernes, a 10 km de Alcanena e 25 km de Santarém, estando localizado no extremo norte do seu concelho, ficando mais próximo da sede de concelho de Alcanena que da sua própria sede concelhia, Santarém.

A freguesia do Arneiro das Milhariças foi formalmente criado a 10 de fevereiro de 1694, desanexada da de Pernes pelo Dr. João de Matos Henriques, prior de Nossa Senhora dos Anjos de Vila Verde, visitador do arcebispo de Lisboa e cardeal D. Luís de Sousa, por um termo feito pelo padre José Delgado de Sousa, tendo sido a Igreja entregue ao pároco no dia seguinte a 11 de fevereiro de 1694. O duplo topónimo que compõe o nome da freguesia deriva de dois nomes: Arneiro, que significa terra delgada e arenosa; e Milhariças, nome proveniente da reminiscência de um lugar mais antigo que existia nas proximidades.

É constituída por vários lugares, entre eles Casais da Ferreira, Casais da Milhariça, Arneiro, Azenha e Almeirim. Pertenceu ao termo e concelho de Alcanede até 1598, passando depois ao concelho de Pernes até 24 de outubro de 1855 e, após a extinção deste, passou ao de Santarém, onde permanece atualmente. [2]

Foi afetada durante a Guerra Peninsular (1807-1814), com a passagem do exército francês, comandado pelo Marechal Masséna em 1811, que deixou um rasto de saque e violência na região do antigo concelho de Alcanena, com o Arneiro das Milhariças a ser particularmente afetado, perdendo cerca de 40% da população, com cerca de 136 óbitos resultantes da ocupação, números compilados pelo pároco da aldeia. A igreja da freguesia, além de vários fogos de habitação, foram igualmente vandalizados e destruídos durante o tempo em que brigadas francesas se encontravam arregimentadas na freguesia[3][4]. Anos mais tarde, durante a Guerra Civil Portuguesa (1832-1834), as tropas liberais lideradas pelo Marechal Saldanha passaram pelo Arneiro das Milhariças, vindas de Rio Maior, onde foram recebidos com júbilo pela população. O exército liberal tinha como destino Pernes, onde eram esperados pelas tropas de D. Miguel, no que viria a ser o Combate de Pernes, embate que as forças liberais viriam a vencer.[5]

Antiga paróquia de S. Lourenço, esta pertenceu ao Patriarcado até à criação da diocese de Santarém, em 16 de julho de 1975, pela Bula "Aposticae Sedis Consuetudinem", do Papa Paulo VI, diocese sufragânea de Lisboa. Atualmente pertence ao arciprestado de Santarém.[6]

Arneiro das Milhariças é, em finais do século XX, uma freguesia marcada pela ruralidade e interioridade, desempenhando a atividade agrícola um papel muito importante na sua economia. Contudo, na entrada do século XXI, outros sectores contribuem também para a criação de riqueza e postos de trabalho, como a indústria de madeiras, que observou uma expansão nos últimos anos, a construção civil e a reparação mecânica, existindo também uma indústria cerâmica e uma indústria de produtos de conservação automóvel.

O setor do turismo e da restauração têm ganho relevância para a freguesia, ajudado pela posição da freguesia, localizada no centro de rotas de peregrinação para o Santuário de Fátima[7] (e também, em menor grau, pelo Caminho de Santiago), que estimulou o surgimento de alojamentos locais na zona.

O turismo no espaço rural é hoje uma realidade nesta freguesia que começa a ser ponto de destino de forasteiros e de quem procura um bom lugar para viver.[8]

PatrimónioEditar

  • Igreja Paroquial de Arneiro das Milhariças.
  • C.C.R.A. - Centro Cultural Recreativo Arneirense[9]
  • Parque Polidesportivo
  • Clube de Caçadores do Arneiro das MIlhariças[10]
  • Rancho Folcórico do Arneiro das Milhariças[11]
  • Parque da Vala

PopulaçãoEditar

População da freguesia de Arneiro das Milhariças [12]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011 2021
676 742 823 920 1054 1190 1726 1476 1489 1442 1226 1037 991 936 835 739
Distribuição da População por Grupos Etários
Ano 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos
2001 98 113 433 292 10,5% 12,1% 46,3% 31,2%
2011 91 69 402 273 10,9% 8,3% 48,1% 32,7%
2021 78 67 342 252 10,5% 9,6% 46,3% 34,1%

Média do País no censo de 2001: 0/14 Anos-16,0%; 15/24 Anos-14,3%; 25/64 Anos-53,4%; 65 e mais Anos-16,4%

Média do País no censo de 2011: 0/14 Anos-14,9%; 15/24 Anos-10,9%; 25/64 Anos-55,2%; 65 e mais Anos-19,0%

Referências

  1. «Censos 2021». censos.ine.pt. Consultado em 7 de novembro de 2022 
  2. «Paróquia de Arneiro das Milhariças [Santarém] - Arquivo Distrital de Santarém - DigitArq». digitarq.adstr.arquivos.pt. Consultado em 7 de novembro de 2022 
  3. Silva, Carlos Guardado da (2018). «Sob o jugo dos 'tiranos': o concelho de Alcanede no contexto da 3ª Invasão Francesa: 1810-1811». Mátria XXI: 335–361. ISSN 2183-1467. Consultado em 7 de novembro de 2022 
  4. Rita, Fernando Manuel da Silva (2010). «Os exércitos de Massena e Wellington no Concelho de Santarém, 1810-1811: reflexos no quotidiano social, político, económico e castrense». Consultado em 7 de novembro de 2022 
  5. Milhariças, J. F. Arneiro das. «História». www.jf-arneiro.pt. Consultado em 7 de novembro de 2022 
  6. Página do Arquivo Distrital de Santarém
  7. «Entrada». Caminhos de Fátima. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  8. «JF Arneiro das Milhariças - Município de Santarém». www.cm-santarem.pt. Consultado em 7 de novembro de 2022 
  9. «C.C.R.A- Centro Cultural e Recreativo Arneirense». ccra.pt. Consultado em 7 de novembro de 2022 
  10. «Clube de Caçadores do Arneiro das Milhariças». agc.sg.mai.gov.pt. Consultado em 7 de novembro de 2022 
  11. www.lizinov.pt, Lizinov-. «Apresentação». Rancho Folclórico Arneiro Milhariças. Consultado em 7 de novembro de 2022 
  12. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.