Arquiconfraria

Arquiconfraria ou arquiconfraternidade é uma confraria católica habilitada a agregar ou afiliar outras confrarias de mesma natureza e conferir-lhes suas indulgências e privilégios.

Operação e statusEditar

"Ereção canônica" é a aprovação pela autoridade eclesiástica apropriada que concede à organização sua existência legal. Arquiconfrarias não erigem confraternidades, apenas as agregam e, geralmente, cabe ao bispo da diocese a atribuição de erigir novas confrarias[1].

Porém, no caso de muitas confrarias e arquiconfrarias, o poder de erigir está sob o comando dos líderes de algumas ordens religiosas. Por vezes, os privilégios destes líderes são concedidos pelos bispos e os vigários-gerais não podem erigir novas confraternidades sem uma autorização expressa para isto emitida pelo seu bispo[1].

A agregação (ou afiliação) pode ser feita apenas por aqueles que receberam da Santa Sé os poderes específicos para isto e utilizando uma fórmula pré-estabelecida. Em uma mesma igreja, apenas uma confraria de mesmo nome e objetivo pode ser agregada e o consentimento do bispo deve ser dado por escrito[1].

No caso de ordens religiosas agregando suas próprias confrarias em suas próprias igrejas, o consentimento do bispo dado para a criação da casa ou da igreja da ordem é suficiente. O bispo precisa aprovar, mas pode modificar as práticas e regulamentos da confraria a ser agregada, exceto àquelas as quais indulgências foram expressamente anexadas. Apenas estas indulgências são concedidas por agregação e, ainda assim, se tiverem provisão afirmando esta atribuição.

ExemplosEditar

Algumas das mais conhecidas arquiconfrarias são a Sociedade do Nome de Jesus, a Arquiconfraria do Santíssimo Sacramento, a do Sagrado Coração de Jesus, a Arquiconfraria do Preciosíssimo Sangue de Jesus, a Arquiconfraria da Santa Face de Jesus, a Confraria do Rosário, a Congregação Mariana, a Confraria do Cordão de São Franscisco, a Confraria da Doutrina Cristã, a Confraria Bona Mors, a Arquiconfraria de São Miguel Arcanjo e as Mães Cristãs.

Referências

  1. a b c   "Archconfraternity" na edição de 1913 da Enciclopédia Católica (em inglês). Em domínio público.

BibliografiaEditar

  • Béringer, Franz. Les indulgences, leur nature et leur usage: d'après les dernières décisions de la S. Congrégation des Indulgences. Paris: P. Lethielleux, 1905. Volume 2 gives the legislation on this subject, with a list of the archconfraternities, their nature and requirements, and formulae for canonical erection and for aggregation.
  • Mocchegiani, Collectio indulgentiarum theologice, canonice ac historice digesta. Ad Claras Aquas (Quaracchi): Typographia Collegii S. Bonaventurae, 1897.
  • Tachy, A. Traité des confréries et des oeuvres pies. Langres: Rallet-Bideaud, 1898.