Abrir menu principal

Arquitetura futurista

Desenhos em perspectiva de La Città Nuova de Sant'Elia em 1914.

Arquitetura futurista é uma forma de arquitetura do início do século 20 nascida na Itália como parte do futurismo, um movimento artístico fundado pelo poeta Filippo Tommaso Marinetti, que produziu seu primeiro manifesto, o Manifesto Futurista em 1909.

A arquitetura futurista refere-se a dois tipos de arquiteturas muito diferente: é historicamente um estilo e pensamento arquitetônico pertencente ao movimento futurista italiano de 1910, mas de uma forma mais geral, é um projeto arquitetônico do século XIX e do século XX, cuja inspiração lembra elementos da ficção científica ou de naves espaciais, sem formar uma escola ou um pensamento específico.

HistóriaEditar

A arquitetura futurista primeiro tomou forma na arquitetura do início do século XX como uma arquitetura anti-histórica, caracterizada por longas linhas horizontais que sugerem movimento, velocidade e urgência. O movimento atraiu não só os poetas, músicos e artistas (como Umberto Boccioni, Giacomo Balla, Fortunato Depero e Enrico Prampolini), mas também uma série de arquitetos. Um culto da era da máquina e até mesmo uma glorificação da guerra e da violência estiveram entre os temas dos futuristas (vários futuristas proeminentes foram mortos depois de voluntariados para lutar na Primeira Guerra Mundial). O último grupo incluiu o arquiteto Antonio Sant'Elia, que, embora construindo pouco, traduziu a visão futurista em uma forma urbana[1][2].

Na década de 1930, Angiolo Mazzoni juntou-se ao movimento futurista e, através de suas conexões, o levou a tornar-se um estilo institucional da Itália fascista. Ele contribuiu para uma síntese da arquitetura futurista com uma grandiloquência de inspiração clássica para formar o que seria chamado de Arquitetura fascista.

O futurismo pós-guerraEditar

Após a Segunda Guerra Mundial, o futurismo, consideravelmente enfraquecido, se redefine graças ao entusiasmo em relação à Era Espacial, a cultura do automóvel e do plástico. Por exemplo, encontramos essa tendência na arquitetura dos Googies na década de 1950 na Califórnia. O futurismo neste caso não é um estilo, mas uma abordagem arquitetônica desta vez livre e desinibida, que é porque ela tem sido reinterpretada e transformada por gerações de arquitetos das décadas seguintes, mas em geral, encontramos formas surpreendentes as linhas dinâmicas e contrastes acentuados, e o uso de materiais tecnologicamente avançados.

Na década de 1980, o arquiteto francês Denis Laming, é um dos atores deste movimento e fundador do Neo-Futurismo. Ele projetou e construiu todos os edifícios do Parc du Futuroscope com o Kinemax que é o edifício emblemático[3].

Arquitetos do pós-guerra com tendências futuristasEditar

Na literatura popular, o termo futurista é frequentemente usado sem muita precisão para descrever uma arquitetura que teria a aparência da era espacial, tal como descrito em obras de ficção científica. Hoje às vezes é confundido com a blob architecture. O uso rotineiro e vago do termo futurismo - o que raramente tem implicações políticas - devem ser bem diferenciado do movimento futurista dos anos 1910-1920.

Exemplos de arquitetura futurista do pós guerraEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. Günter Berghaus (2000). International Futurism in Arts and Literature. [S.l.]: Walter de Gruyter. p. 364. ISBN 3-11-015681-4 
  2. Giovanni Lista, Le Futurisme : création et avant-garde, Éd. L’Amateur, Paris, 2001, ISBN 978-2-85917-322-7
  3. http://laming.fr

Ligações externasEditar