Abrir menu principal
Art Popular
Informação geral
Origem São Paulo,  São Paulo
País  Brasil
Gênero(s) pagode
pagode romântico
samba
samba-rock
soul[1]
Período em atividade 1984 - presente
Gravadora(s) EMI Music Brasil, Deckdisc, Musart Music, Radar Records (Brasil), Viola Records
Afiliação(ões) Take 6
Billy Paul
Jorge Ben Jor
Ebony Vox
Integrantes Leandro Lehart
Denilson Pimpolho
Evandro Soares
Marcelo Malli
Ricardinho Lima
Tcharlinho
Ex-integrantes Pelezinho
Pedrinho Black
Márcio Art
Página oficial Página oficial

Art Popular é um grupo musical brasileiro de pagode, criado na zona norte de São Paulo no fim da primeira metade da década de 1980. A mídia considerou o grupo como entre os dez melhores grupos de pagode.[2]

Índice

HistóriaEditar

Após tocar em bares e boates de São Paulo por 8 anos, o Art Popular lançou em 1993 o seu primeiro álbum Canto da Razão pela Kaskata's, este álbum foi o mais vendido desta gravadora naquele ano, os grandes sucessos deste álbum foi as músicas "Canto da Razão" e "Utopia". O produtor Jorge Hamilton devido ter gostado do trabalho do grupo, fez o grupo ir para a gravadora EMI.

O segundo CD, Nova Era, teve vários sucessos, como "Valeu Demais", "Bom-Bocado" e "Iraê", ganhando discos de ouro e platina[3].

A partir do quarto álbum, Sambapopbrasil (1998) que vendeu 800 mil discos, o grupo passou a apresentar algumas influências eletrônicas, como na canção "Requebrabum", bem como da música sertaneja, presente na canção "Fricote", com participação da dupla João Paulo & Daniel e do funk em Agamamou,[4] cujo clipe teve coreografia de Nelson Triunfo.[5] No ano 1998, fez vários shows nos Estados Unidos e resolveu gravar o clip da canção "Requebra Bum" em Milão na Itália, tendo a presença do atacante Ronaldo, que à época jogava na Inter de Milão.

O disco seguinte, o álbum Sambapopbrasil II, trouxe como convidados o grupo vocal norte-americano Take 6, o cantor Billy Paul, a bateria da escola de samba Acadêmicos do Salgueiro e do Olodum, este álbum contém a música "Agamamou" de grande sucesso.

Lançado no ano 2000, o Acústico MTV teve participação de Jorge Ben Jor[6] e do grupo Ebony Vox, além de ser o primeiro trabalho acústico de um grupo de pagode na história da MTV. No ano seguinte, em 2001, Leandro Lehart anuncia sua saída do grupo que, no mesmo ano, lança o seu disco auto-intitulado, com fortes influências do samba de raiz e gafieira.

No início da primeira década de 2000, um desentendimento num aeroporto, envolvendo a banda LS Jack, acabou em agressões físicas de ambas as partes. O caso foi amplamente divulgado pela mídia e depois esclarecido.

Em 2002, com nova formação sem Leandro Lehart, o grupo lançou o álbum Planeta Pagode tendo a produção feita pelo próprio Lehart. Este álbum tem a música "Tá Doendo Demais Essa Saudade" (composição de Paulinho Rezende e Chico Roque), que fez sucesso e a música "Terra Louca" (composição do ex-vocalista do grupo). Já em 2003, Leandro Lehart voltou a integrar o grupo, que naquele ano lançou o álbum Ao Vivo Sem Abuso. Já em 2005, o grupo lança seu primeiro DVD, intitulado Ao Vivo Sem Abuso e Amigos, que contou com a participação de Salgadinho, Grupo Sensação, Turma do Pagode, entre outros. Após a turnê deste álbum, Lehart deixa novamente o grupo.

Novamente sem Lehart, o Art Popular gravou os discos Authentico (2006), O Canto da Razão - Ao Vivo (2008) e Tô na Boa (2009). O grupo voltaria a emplacar um sucesso em 2012, com a canção "Cupido Amigo", interpretada por Pedrinho Black (no grupo desde 2008) e Ricardinho Lima, que entrou no ano anterior. Em 2013, o grupo lança Revolution, seu segundo DVD.

Após alguns meses afastado, o pandeirista Tcharlinho deixa o grupo no começo de 2015. Neste mesmo ano, o Art Popular lança um álbum de inéditas intitulado #Conectado, sendo este o décimo quinto disco do grupo.

Depois de 12 anos, Leandro Lehart anuncia sua volta ao Art Popular em entrevista ao programa Câmera Record. Lehart afirmou estar totalmente diferente, mais tolerante e mais paciente. Em 2017, o grupo ainda conta com os retornos de Márcio Art e Tcharlinho, reunindo assim sua formação original somada aos vocalistas Ricardinho Lima e Pedrinho Black para lançar seu novo álbum e turnê, intitulada Breakdown Partido Alto, que ganhou um novo álbum, em versão ao vivo, no ano seguinte.

Em 2018, o Art Popular sofre duas baixas: em fevereiro, Márcio Art deixa novamente o grupo para se reintegrar ao projeto "Amigos do Pagode 90" com os cantores Salgadinho e Chrigor. Em setembro, é a vez do cantor Pedrinho Black sair do Art Popular após 10 anos como vocalista para seguir carreira solo.

Em 2019 o grupo lança a inédita "Parabrisa".

IntegrantesEditar

Formação originalEditar

Formado originalmente por Leandro Lehart[7] (Paulo Leandro Fernandes Soares, 25 de janeiro de 1972), vocalista, compositor e produtor do grupo; Márcio Art (Márcio Ferreira Lisboa, 1 de março de 1967), também vocalista; Denilson Pimpolho (Claudnilson da Silva Franco, 1 de setembro de 1968), tantã; Tcharlinho (Douglas José dos Santos, 4 de novembro de 1969), pandeiro; Evandro (Evandro Fernandes Soares, 14 de setembro de 1965), repique de mão; e Malli (Marcelo de Lima Oliveira, 23 de outubro de 1968), percussão.

Com a saída de Leandro (que lançou o CD "Solo" em 2001, voltou em 2003 e saiu em 2005), também passou a fazer parte do grupo em 2006 o músico Pelezinho (Wilson Paes), cavaquinho, violão e voz, que deixou o grupo em 2008. No mesmo ano foi substituído por Pedrinho Black, finalista do programa Ídolos. Em 2012, o Art Popular ganha um novo vocalista: Ricardinho Lima, que se junta a formação vigente da época.

Formação atualEditar

Atualmente o Art Popular conta com a seguinte formação: Leandro Lehart, Tcharlinho, Evandro Art, Malli, Pimpolho e Ricardinho Lima. Em 2017, a formação original e Ricardinho, além do também vocalista Pedrinho Black se reuniram para um novo trabalho do grupo, intitulado Breakdown Partido Alto.

Antes da reunião, Ricardinho e Pedrinho deixaram sua marca no grupo com as canções "Lugar Lindo", "Que Delícia é Você" (ambas do DVD Revolution), "Mais Que a Metade", e "Mô", estas do álbum #Conectado.

Discografia[8]Editar

SucessosEditar

  • "Canto da Razão"
  • "Percepção"
  • "Utopia"
  • "Valeu Demais"
  • "Nani"
  • "Temporal"
  • "Fricote"
  • "Pimpolho"
  • "Amarelinha"
  • "Ôa Ôa"
  • "Quando Você Me Beija"
  • "Bom-Bocado"
  • "Iraê"
  • "Agamamou"
  • "Tá Doendo Demais Esta Saudade"
  • "Carícias"
  • "Sem Abuso"

Referências

  1. Silvio Essinger. «Acústico MTV - Art Popular». CliqueMusic 
  2. Art Popular dno Dicionário Cravo Albin
  3. «Cópia arquivada». Consultado em 5 de setembro de 2013. Arquivado do original em 17 de outubro de 2013 
  4. "Não me arrependo, mas tem música que hoje não faria", diz Leandro Lehart
  5. «Entrevista - Nelson Triunfo». Folha de S.Paulo. 29 de junho de 2001 
  6. Diversidade dentro do samba comercial
  7. «Cópia arquivada». Consultado em 5 de setembro de 2013. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  8. «Cópia arquivada». Consultado em 5 de setembro de 2013. Arquivado do original em 26 de março de 2013 

Ligações externasEditar