Arte pré-histórica no Brasil

As mais antigas manifestações de arte pré-histórica no Brasil encontram-se no maior parque arqueológico do país, o Parque Nacional Serra da Capivara, no Piauí, datando de cerca de 13 000 a.C.[1]

Grande urna funerária marajoara, Coleção H. Law.

Na Caverna da Pedra Pintada, no Pará, foram encontradas pinturas com cerca de 11 mil anos de idade.[2]

O Parque Nacional do Catimbau, no Pernambuco, apresenta também registros de pinturas rupestres e artefatos da ocupação pré-histórica datados de pelo menos 6 000 anos, é considerado o segundo maior parque arqueológico do Brasil.

A Pedra do Ingá, na Paraíba, possuí inscrições entre cerca de 2.000 à 5.000 anos atrás, porém ainda possui muitos mistérios acerca dessas inscrições.[3]

Há pinturas em sítios arqueológicos da Chapada Diamantina, na Bahia, que também marcam de 2 à 5 mil anos.[4]

Na Pedra do Letreiro, Araruna também,[5] e em Minas Gerais, chamam atenção os registros de arte rupestre localizados em várias cavernas do vale do Peruaçu, que se distinguem por seus raros desenhos de padrões geométricos, executados entre 2 000 e 10 000 anos atrás.[6] São igualmente dignas de menção as pinturas de animais descobertas em grutas calcárias no vale do rio das Velhas, em Lagoa Santa, Minas Gerais.[7][8]

Na documentação arqueológica brasileira, predominam o uso de materiais como osso, chifre, pedra e argila, para a confecção de objetos utilitários (recipientes, agulhas, espátulas, pontas de projétil), adornos (pingentes e pontas de colar) e cerimoniais, atestando uma preocupação estética observável, sobretudo, na extraordinária variação de formas geométricas e no tratamento das superfícies e dos retoques[9] Alguns dos principais exemplos dessas manifestações artísticas, esta incluso na Arte Marajoara, datado de 400 d.C à 1400 d.C, da Ilha de Marajó, no Pará.[10]

GaleriaEditar

Um exemplo das pinturas rupestres que podem ser encontradas no parque.
Detalhe de um dos conjuntos de pinturas rupestres do Parque Nacional do Catimbau.
Inscrições rupestres entalhadas em uma parte da rocha.
Vaso Cilíndrico marajoara, Coleção H. Law.


Referências

  1. «Parque Nacional da Serra da Capivara: pinturas rupestres no Brasil | Guia Viajar Melhor - Dicas de viagens e turismo». Guia Viajar Melhor. 8 de junho de 2015. Consultado em 21 de julho de 2019 
  2. «Sítios arqueológicos pré-coloniais para visitar no Brasil». Ensinar História - Joelza Ester Domingues. 16 de janeiro de 2016. Consultado em 21 de julho de 2019 
  3. «Pedra do Ingá, na Paraíba, guarda enigmas sobre os primeiros habitantes do Brasil». www.uol.com.br. Consultado em 10 de outubro de 2019 
  4. «Fotos de pinturas rupestres da Chapada Diamantina viram exposição – Glamurama». Fotos de pinturas rupestres da Chapada Diamantina viram exposição – Glamurama. 28 de março de 2016. Consultado em 31 de outubro de 2019 
  5. «Parque Estadual da Pedra da Boca». UFPB - Universidade Federal da Paraíba. Consultado em 21 de Julho de 2019 
  6. «A arte pre-histórica no Brasil». www.monografias.com. Consultado em 21 de julho de 2019 
  7. «Minas Gerais é celeiro de arte rupestre na região Sudeste | JORNAL O TEMPO». www.otempo.com.br. Consultado em 10 de outubro de 2019 
  8. disse, Natio Wichelle souza de Oliveira (26 de fevereiro de 2012). «Brasileiros descobrem mais antiga pintura rupestre da América». Opinião e Notícia. Consultado em 10 de outubro de 2019 
  9. «A arte pré-histórica no Parque Nacional da Serra da Capivara». Consultado em 21 de julho de 2019 
  10. Cultural, Instituto Itaú. «Arte Marajoara». Enciclopédia Itaú Cultural. Consultado em 10 de outubro de 2019 
  Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.