Abrir menu principal
Como ler uma infocaixa de taxonomiaAspidosperma spruceanum
Pioneiros ao lado de uma peroba nativa
Pioneiros ao lado de uma peroba nativa
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante [1]
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Gentianales
Família: Apocynaceae
Género: Aspidosperma
Espécie: A.spruceanum
Nome binomial
Aspidosperma spruceanum
Benth. ex Müll.Arg.
Sinónimos
  • A. centrale Markgr. (heterotípico)
  • A. chiapense Matuda (heterotípico)[1]
  • A cruentum Woodson (heterotípico)[1]
  • A. igapoanum Markgr. (heterotípico)[1]
  • A. leucomelanum Müll.Arg. (heterotípico)[1]
  • A. limae Woodson (heterotípico)[1]
  • A. matudai Lundell (heterotípico)[1]
  • A. melanocalyx Müll.Arg. (heterotípico)[1]
  • A. paniculatum Azambuja (heterotípico)[1]
  • A. sandwithianum Markgr. (heterotípico)[1]
  • A. steinbachii Markgr. (heterotípico)[1]
  • A. verruculosum Müll.Arg. (heterotípico)[1]
  • A. verruculosum var. laeve Monach. (heterotípico)[1]
  • A. woodsonianum Markgr. (heterotípico)[1]
  • Macaglia melanocalyx (Müll.Arg.) Kuntze (heterotípico)[1]
  • M. verruculosa (Müll.Arg.) Kuntze (heterotípico)[1]
  • M. spruceana (Benth. ex Müll.Arg.) Kuntze (homotípico)[1]

Aspidosperma spruceanum é uma árvore Brasileira, conhecida popularmente como:

  • amargoso
  • araracanga
  • guatambu-rugoso
  • pau-amarelo
  • pequiá-marfim
  • peroba
  • pitiá
  • quina-da-mata

Índice

CaracterísticasEditar

Altura de 5 a 20 m, tronco de 30–40 cm de diâmetro revestido por cortiça espessa.

Folhas de pecíolo curto, coriáceas, 6–10 cm de comprimento, face superior glabra e verde, face inferior ferrugínea com penugem densa.

Fruto: folículo deiscente, 8-10 sementes.

OcorrênciaEditar

Amazônia e Mata Atlântica, desde o norte do Brasil até São Paulo e Minas Gerais, tanto na mata primária quanto na secundária. Frequente na floresta alto-montana da Serra da Mantiqueira em Minas Gerais.

Estado de conservaçãoEditar

Em perigo crítico no estado de São Paulo. Tem baixa densidade populacional, sua distribuição no estado é restrita, não existe em unidades de conservação e sua polinização depende de espécies ameaçadas da fauna.[2]

UsosEditar

A madeira, dura e resistente, é usada na construção civil e como dormente em estradas de ferro.

A copa ampla a recomenda no paisagismo rural. Quando jovem é muito ornamental em jardins.

EcologiaEditar

Perenifólia, heliófita não pioneira, nativa da floresta estacional semidecidual alto-montana, de frequência ocasional e descontínua. Ocorre em solos argilosos férteis.

Dispersão das sementes: anemocórica.

FenologiaEditar

Floresce de julho a setembro, os frutos amadurecem em agosto-setembro.

Um kg de sementes tem cerca de 6100 unidades, a taxa de germinação é baixa.

A velocidade de crescimento da planta é moderada.

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q «Aspidosperma». Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Consultado em 12 de outubro de 2017 
  2. Instituto de Botânica de São Paulo: espécies ameaçadas de extinção

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Aspidosperma spruceanum