Abrir menu principal
Província de Assíria
Província de Assíria
Província do(a) Império Romano
 
116118

Roman Empire Assyria.svg
Província romana da Assíria em 117 D.C.
Capital Hatra?

Período Antiguidade
116 Conquistado por Trajano
118 Abandonada por Adriano
Mapa com a província de Assíria.

Assíria ou Província de Assíria foi uma das três províncias (Armênia, Mesopotâmia e Assíria) criada pelo imperador romano Trajano[1][2] em 116 d.c., após uma campanha militar bem sucedida contra o Império Parta, no atual Iraque.[3]

HistoriaEditar

Apesar da vitória militar de Roma, a província de Trajano desde o início não correram bem. Em 116, um Príncipe Parto chamado Santruce, iniciou uma insurreição armada nas novas províncias romanas. Durante a revolta, as guarnições romanas da Assíria e da Mesopotâmia foram expulsos de seus postos, e um general romano foi morto quando seu exército tentaram em vão conter a rebelião.[4]

Quando Trajano morreu em 117, seu sucessor, Adriano, decidiu abandonar as conquistas de Trajano no leste. Adriano entendia que o Império estava muito extenso, e acreditava ser conveniente retrair as fronteiras do império, tonando-as assim mais defensáveis.[5] Portanto, Adriano evacuou as três províncias conquistadas no leste por Trajano em 118.[6]

A retirada de Adriano da Assíria em 118 não marcou o fim do domínio romano na região. Uma segunda campanha contra Partia foi lançada 161-165 sob o comando de Lúcio Vero, o exército romano foi capaz de reconquistar os territórios a leste do Eufrates.[7] Roma travou outra guerra contra os partos no 197-8 sob o comando do imperador Septímio Severo. Depois de sua bem-sucedida campanha, Severo instituiu duas novas províncias, Osroena (no reino Neoassírio, centrado em Edessa) e Mesopotâmia (o territórios anexados por Trajano em 114-117). Severus também colocou duas legiões romanas nas novas províncias para torná-las estáveis e para prevenir ataques dos Partos.[8] A influência romana na região chegou ao fim na época do imperador Joviano em 363, que abandonou a região após a conclusão de um precipitado acordo de paz com os sassânidas e recuando para Constantinopla para consolidar seu poder político.[9]

Apesar desta atividade na região romana, nenhuma fonte fala de uma província romana da Assíria posteriormente a evacuação de Adriano em 118. Quando Septimus Severus criou as províncias de Osroene e Mesopotâmia no final do segundo século, não havia nenhuma menção de uma província romana de Assíria . Durante suas viagens com Joviano no oriente médio, o historiador romano Amiano Marcelino diz que Adiabena era anteriormente chamada de Assíria; talvez referindo-se à província de Província Assíria de Trajano. Ammianus também se refere a uma região chamada Assíria localizado entre os rios Tigre e Eufrates, mas não faz qualquer referência a uma província romana atual desse nome.[10] Assim, parece que a província da Assíria só existiu durante o reinado de Trajano, e não foi restabelecido durante ocupações romanas posteriores da região. A área geral coincidiu com a Assíria antiga no entanto, os medos, persas, gregos selêucidas, sassânidas e partos tinham nomes semelhantes para a área (Ashur, Athura, Asōristān).

LocalizaçãoEditar

Apesar de muitas fontes citam a criação de uma província chamada Assíria durante a campanha de Trajano, há algum desacordo quanto à sua localização exata.

A maioria dos especialistas dizem que foi localizado ao nordeste do rio Tigre. Mas alguns estudiosos modernos argumentam que a província de Assíria estava entre o Tigris e o Eufrates, na região central do atual Iraque, uma hipótese confirmada pelo trabalho do historiador romano do século IV, Festo.[11]

No entanto, outras fontes afirmam que a província estava localizada próximo a Arménia ao leste do Tigris, em uma região anteriormente conhecida como Adiabene,[12] onde era o neoassírio.

Referências

  1. «ASSIRIA. - Provincia dell'Impero romano.». Treccani. Consultado em 1 de Novembro de 2015 
  2. Trajan's Parthian War and the Fourth-Century Perspective Author(s): C. S. Lightfoot Source: The Journal of Roman Studies, Vol. 80 (1990), pp. 115-126.
  3. Michael Wells, Colin (1995). The Roman Empire. [S.l.]: Harvard University Press. pp. 366 (pg 174). ISBN 9780674777705 
  4. David Magie, Roman Rule in Asia Minor to the End of the Third Century After Christ, Princeton, NJ: Princeton University Press, 1950: p. 609.
  5. Charles Freeman, The World of the Romans, New York: Oxford University Press, 1993: p. 62.
  6. The Cambridge Ancient History, Volume XI, London: Cambridge University Press, 1970: p. 640.
  7. The Cambridge Ancient History p. 640.
  8. Magie p. 674-5; Fergus Millar, The Roman Empire and its Neighbors, London: Weidenfeld and Nicolson, 1967: p. 211.
  9. Ammianus Marcellinus The Later Roman Empire (354-378) A shameful peace concluded by Jovian 6.7 pg.303, Penguin Classics, Translated by Walter Hamilton 1986
  10. Ammianus Marcellinus XXIII.6.20 and XXXIII.3.1, from http://www.tertullian.org/fathers/ammianus_23_book23.htm
  11. C.S. Lightfoot, "Trajan's Parthian War and the Fourth-Century Perspective," The Journal of Roman Studies, Volume 80, (1990), p. 121-122.
  12. Lightfoot p. 121; Magie p. 608.