Abrir menu principal
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde setembro de 2019). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Augustus Earle
Nascimento 1 de junho de 1793
Londres
Morte 10 de dezembro de 1838 (45 anos)
Londres
Cidadania Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda
Ocupação pintor

Augustus Earle (Londres, 1 de junho de 1793 — Londres, 10 de dezembro de 1838) foi um pintor e desenhista inglês especializado em paisagens, cenas de gênero e retratos. Filho do pintor norte-americano James Earl que modificou o sobrenome do filho para Earle.

BiografiaEditar

Em 1807 iniciou seus estudos na Royal Academy de Londres onde teve como colegas Turner e Charles Landseer.

Primeira passagem pelo BrasilEditar

Expôs algumas vezes em Londres antes de partir, em 1815, para uma demorada viagem pelo Mediterrâneo até Gibraltar. Visitou a Sicília, a ilha de Malta, a Tunísia e a Líbia. Voltou em 1817 para, logo no ano seguinte, empreender mais e maiores viagens pelo mundo em satisfação ao seu espírito curioso e aventureiro. Começou pelos Estados Unidos, onde expos seus trabalhos na Academia de Belas-Artes da Pensilvânia. Em 1820 já estava no Rio de Janeiro em sua primeira permanência na cidade, que teve a duração de dois meses.

Segunda passagem pelo BrasilEditar

 
Dança de negros na rua, c. 1822, Biblioteca Nacional da Austrália

Seguiu sua viagem visitando o Chile e o Peru. Porém, no ano seguinte retornou ao Rio de Janeiro onde permaneceu até 1824. Durante essa estada, conheceu e tornou-se amigo ("a close friend", segundo Ana M. Belluzzo) da escritora e artista Maria Graham a quem presenteou com três ilustrações destinadas para o livro que ela estava escrevendo - Journal of a Voyage to Brazil.

Produziu várias aquarelas durante esse período, muitas ligadas à escravidão e aos costumes dos brasileiros: Punição de negros no Calabouço, Dança de negros na rua - Campo de Santana, Folguedos (games) durante o Carnaval e uma curiosa e engraçadíssima aquarela intitulada Extração de bicho-de-pé (Extracting a jigger). Pintou, ainda, paisagens (Coqueiro, Vista da baía do Rio de Janeiro, Vista dos arredores do Rio de Janeiro) e uma série de retratos, destacando-se Rita, uma célebre beleza negra no Rio de Janeiro.

“As aquarelas brasileiras, feitas entre 1820 e 1824, podem ser divididas em quatro categorias: paisagens, cenas populares, retratos e espécimes de história natural. [...] É nas cenas populares que Augustus Earle revela seu grande talento para captar a essência da vida da gente do povo, no momento em que o Brasil passava de colônia a Império. Seu estilo é mais pungente e mais vigoroso do que se revela na arte um tanto pálida do desenho de Debret. É evidente que Earle não se sentia tolhido nem contrafeito pelas concepções e preconceitos neoclássicos que David havia imposto a Debret e que por vezes impedia o artista francês de desenhar com perfeita liberdade as cenas que se apresentavam a seus olhos. Há maior similaridade entre a obra de Earle e a de Rugendas".[1] A coleção de quase todas as aquarelas e desenhos conhecidos de Earle foi adquirida pelo colecionador australiano Rex Nan Kivell em leilão da Sotheby’s em 1926 e doada à Commonwealth National Library australiana.[2]

Em Tristão da CunhaEditar

Após três anos de permanência na capital do Império, Earle partiu em direção à África do Sul e Índia a bordo de um velho veleiro, o Duke of Gloucester. Fortes tempestades em alto-mar obrigaram o navio a procurar abrigo em Tristão da Cunha. Curioso por explorar aquela ilha tão remota perdida no Atlântico, Augustus Earle desceu à terra acompanhado de seu cãozinho brasileiro e de um tripulante chamado Thomas Gooch. Após três dias, enquanto os dois homens percorriam a ilha à procura de seus locais mais pitorescos, o velho barco, inexplicavalmente, levantou velas deixando o passageiro, o tripulante e o cão abandonados no meio do oceano.

Tristão da Cunha contava com apenas seis habitantes adultos e Earle precisou morar entre eles, ocupando uma precária cabana à espera de resgate. Enquanto isso, pintava aquarelas, ensinava as crianças e redigia suas anotações de viagem. O nosso aventureiro teve que aguardar oito longos meses até que por ali passasse outro barco para retirá-lo daquele pedaço de terra perdido no meio do oceano. Embarcou no primeiro navio que ali aportou e cujo destino era a cidade de Hobart na Tasmânia que, na época, ainda tinha o nome de Terra de Van Diemen.

Na OceaniaEditar

Chegando na Tasmânia no final do ano de 1824, Earle permaneceu na Oceania até 1828, percorrendo vários pontos da Austrália e da Nova Zelândia. Em todos os lugares em que esteve documentou paisagens, costumes e personalidades através de inúmeros óleos e aquarelas, hoje verdadeiras preciosidades para os estudiosos do início da colonização daquele longínquo continente.

Deixando para trás a Austrália, os seus degredados, aborígenes e animais exóticos, Earle finalmente chegou à Índia ainda em meados de 1828. No caminho para Madras fez escalas em Guam, Carolinas, Filipinas e Cingapura, sempre colocando no papel, através do seu pincel privilegiado, as cenas pitorescas de tais paragens.

Não foi feliz na Índia, pois no ano seguinte à sua chegada, acometido de uma febre ou doença tropical semelhante, foi obrigado a retornar à Inglaterra.

No Brasil pela terceira vezEditar

Em 1831, o comandante Robert FitzRoy preparava seu navio, o HMS Beagle, para mais uma viagem de pesquisas hidrográficas, topográficas e científicas. Ao compor seu corpo de auxiliares, procurou um naturalista e um artista plástico. Quanto a este foi facil conseguir a adesão de Augustus Earle, sempre sedento por aventuras e por conhecer lugares exóticos.

Em relação ao especialista em ciências naturais a busca de FitzRoy não foi tão facil. Os cientista mais renomados não se dispunham a passar anos no mar em pesquisas. Por ser um aristocrata de conceituada família e por ter muitas e importantes amizades na alta sociedade inglesa, o comandante recebeu de seus amigos a indicação de um jovem teólogo, mais inclinado a estudos de geologia, biologia e zoologia, que se propunha a enfrentar a longa e demorada viagem. Chamava-se Charles Darwin, futuro criador da teoria da evolução das espécies.

Depois de contornar a resistência do pai que não via com bons olhos aquela longa permanência em viagem a perambular por terras exóticas e pouco conhecidas, finalmente Darwin pôde aceitar o convite de FitzRoy.

Problemas de saúde obrigaram Earle a interromper a viagem em Montevidéu e retornar à Inglaterra. Augustus Earle morreu, de asma e debilidade, em Londres em 10 de dezembro de 1838.

Referências

  1. David James, “Um pintor inglês no Brasil do Primeiro Reinado”, Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 12, 1955.
  2. Idem.

Ligações externasEditar

BibliografiaEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Augustus Earle
  • JAMES, David.Um pintor ingles no Brasil do primeiro reinado in Revista do Patrimonio Historico e Artistico Nacional. Rio de Janeiro, n. 12, 1955, p. 155-69.
  • CAVALCANTI, Carlos e AYALA, Valmir (coord.). Dicionário brasileiro de artistas plásticos. Brasília: Mec/Instituto Nacional do Livro, 1973.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • BELLUZZO, Ana Maria de Moraes. The voyager's Brazil. São Paulo: Metalivros; Salvador: Fundação Emílio Odebrecht, 1995.
  • MENEZES, Pedro da Cunha e. O Rio de Janeiro na rota dos mares do sul. Rio de Janeiro: Andréa Jacobsson Estúdio, 2007, 2ª edição.