Austrália Meridional

Austrália Austrália Meridional

South Australia

 
  Estado da Austrália  
Símbolos
Bandeira de Austrália Meridional
Bandeira
Brasão de armas de Austrália Meridional
Brasão de armas
Apelido(s) The Festival State
The Wine State
Gentílico Sul-australiano(a)
Austro-australiano(a)
Localização
Localização da Austrália Meridional na Austrália
Localização da Austrália Meridional na Austrália
História
Fundação 1836 (província)
1836 (colônia)
1857 (autogoverno)
1901 (estado)
Administração
Capital Adelaide
Tipo Monarquia constitucional
Governador Hieu Van Le
Premier Steven Marshall
Características geográficas
Área total 1 043 514 km²
 • Área seca 983 482 km²
 • Área molhada 60 032 km²
População total (2019) [1] 1 751 693 hab.
Densidade 1,7 hab./km²
Informações
Fuso horário UTC+9:30
UTC+10:30
Código postal SA
Indicadores
IDH (2018) [2] 0,926 muito alto
 • Posição 6.º
PIB (2018) [3] A$ 107,990 bilhões
 • Posição 5.º
PIB per capita (2018) A$ 61 965 (7.º)
Outras informações
Código ISO 3166-2 AU-SA
Membros da Câmara 10/151
Membros do Senado 12/76
Sítio www.sa.gov.au

A Austrália Meridional ou Austrália do Sul (em inglês: South Australia, abreviado como SA) é um estado na parte central do sul da Austrália. O estado abrange algumas das partes mais áridas do país e cobre uma área total de 983.482 quilômetros quadrados, é o quarto maior dos estados e territórios da Austrália em área, e o quinto maior em população. Possui uma população total de 1,7 milhão de pessoas,[1] e sua população é a segunda mais centralizada na Austrália (depois da população da Austrália Ocidental) com mais de 77% dos sul-australianos vivendo na capital, Adelaide ou em seus arredores.[4] Outros centros populacionais no estado são relativamente pequenos, como Mount Gambier, o segundo maior centro, que tem uma população de apenas 28.684 habitantes.[5]

A Austrália Meridional compartilha fronteiras com todos os outros estados do continente e com o Território do Norte. Faz fronteira com a Austrália Ocidental no oeste, a norte com o Território do Norte, a nordeste com Queensland, a leste com Nova Gales do Sul, a sudeste com Vitória e a sul com a Grande Baía Australiana.[nota 1] O estado compreende menos de 8% da população australiana e ocupa o quinto lugar entre as subdivisões australianas.[1] A maioria de sua população reside na região metropolitana da Grande Adelaide.[4] A maior parte do restante da população está situada em áreas férteis ao longo da costa sudeste e do rio Murray. As origens coloniais do estado são únicas na Austrália, foi uma província britânica planejada e livremente estabelecida, e não um assentamento para condenados.[6]

Como no resto do continente, a região foi ocupada durante muito tempo pelos aborígines, organizados em numerosas tribos e línguas. A Companhia da Austrália Meridional estabeleceu um assentamento temporário em Kingscote, na ilha Kangaroo, em 26 de julho de 1836, cinco meses antes da fundação de Adelaide.[7] O princípio norteador por trás do assentamento era o da colonização sistemática, uma teoria adotada por Edward Gibbon Wakefield que mais tarde foi empregada pela Companhia da Nova Zelândia.[8] O objetivo era estabelecer uma província como um centro da civilização para imigrantes livres, prometendo liberdade civil e tolerância religiosa. Embora sua história seja marcada por dificuldades econômicas, a Austrália Meridional permaneceu politicamente inovadora e culturalmente vibrante. Hoje, o estado é conhecido pelo seu bom vinho e numerosos festivais culturais. A economia é dominada pelas indústrias agrícolas, de manufatura e de mineração.[9]

HistóriaEditar

 
Colonos europeus com os aborígines, 1850

As evidências de atividade humana na Austrália Meridional remontam a 20.000 anos, com atividades de mineração de pederneira e arte rupestre na caverna Koonalda, na planície de Nullarbor. Além disso, foram feitas lanças e ferramentas de madeira em uma área agora coberta de turfeira no sudeste. A ilha Kangaroo era habitada muito antes de a ilha ser cortada pelo aumento do nível do mar.[10] O primeiro avistamento europeu registrado da costa sul-australiana ocorreu em 1627, quando o navio holandês Gulden Zeepaert, capitulado por François Thijssen, examinou e mapeou uma seção da costa a leste do arquipélago Nuyts. O capitão Thijssen nomeou todo o país a leste de Leeuwin como "Nuyts Land", em homenagem a um distinto passageiro a bordo, o honorável Pieter Nuyts, um dos conselheiros da Índia.[11]

O litoral da Austrália Meridional foi mapeado pela primeira vez por Matthew Flinders e Nicolas Baudin em 1802, exceto a enseada mais tarde nomeada Port Adelaide River, que foi descoberta pela primeira vez em 1831 pelo capitão Collet Barker e posteriormente mapeada com precisão de 1836 a 1837 pelo coronel William Light, líder da Primeira Expedição dos Comissários de Colonização da Austrália Meridional e primeiro Agrimensor-Geral da Austrália Meridional.[12]

A terra que agora forma o estado da Austrália Meridional foi reivindicada pela Grã-Bretanha em 1788 como parte da Colônia de Nova Gales do Sul. Embora a nova colônia incluísse quase dois terços do continente australiano, os primeiros assentamentos estavam todos na costa leste e apenas alguns exploradores corajosos se aventuraram neste extremo oeste. Levou mais de quarenta anos para que qualquer proposta séria de estabelecer assentamentos na parte sudoeste de Nova Gales do Sul fosse apresentada.[13]

Em 15 de agosto de 1834, o Parlamento Britânico aprovou a Lei da Austrália Meridional de 1834 (Lei da Fundação), que autorizou Sua Majestade a erguer e estabelecer uma província ou províncias no sul da Austrália. A lei afirmava que a terra entre 132 e 141° de longitude leste e de 26° de latitude sul até o oceano ao sul seria atribuída à colônia e seria isenta do envio de condenados.[14]

 
Expedição de Charles Sturt saindo de Adelaide.

Em contraste com o resto da Austrália, terra nullius não se aplicava à nova província. A carta-patente,[15] que utilizou as disposições habilitadoras da Lei da Austrália Meridional de 1834 para fixar os limites da província da Austrália Meridional, desde que "nada daquilo da carta-patente afetará ou será interpretado como afetando os direitos de qualquer nativo aborígene da referida província à ocupação e gozo em suas próprias pessoas ou nas pessoas de seus descendentes de qualquer das terras agora atualmente ocupadas ou desfrutadas por esses nativos".[15] Embora a patente garantisse os direitos à terra sob a lei para os habitantes indígenas, ela foi ignorada pelas autoridades e posseiros da Companhia da Austrália Meridional.[16] Apesar da forte referência aos direitos da população nativa na proclamação inicial do governador, houve muitos conflitos e mortes nas Guerras Fronteiriças da Austrália na Austrália Meridional.[17]

 
Nicolas Baudin, que mapeou a costa da Austrália Meridional, juntamente com Matthew Flinders.

A pesquisa foi necessária antes da colonização da província, e os Comissários da Colonização da Austrália Meridional nomearam William Light como líder de sua "Primeira Expedição", encarregada de examinar 1500 milhas da costa sul-australiana e selecionar o melhor local para a capital, e em seguida, planejar e pesquisar o local para cidade em seções de um acre e seus arredores em seções de 134 acres.[18]

Ansiosa para iniciar o estabelecimento de sua pesca de baleia e foca, a Companhia da Austrália Meridional solicitou e obteve a permissão dos Comissários para enviar navios da Companhia para o Austrália Meridional, antes das pesquisas e à frente dos colonos dos Comissários.[19]

O assentamento composto de sete navios e 636 pessoas da Companhia foi feito temporariamente em Kingscote, na ilha Kangaroo, até que o local oficial da capital foi selecionado por William Light, onde atualmente está localizada a cidade de Adelaide. Os primeiros imigrantes chegaram a Baía de Holdfast (perto da atual Glenelg) em novembro de 1836. O início do governo colonial foi proclamado em 28 de dezembro de 1836, agora conhecido como Dia da Proclamação.[20]

A Austrália Meridional é o único estado australiano que nunca recebeu condenados britânicos. Outro assentamento livre, a Colônia do Rio Swan foi estabelecido em 1829, mas a Austrália Ocidental mais tarde procurou o trabalho com condenados, e em 1849 foi formalmente constituída como uma colônia penal. Embora a Austrália Meridional tenha sido constituída de tal forma que os condenados nunca pudessem ser transportados para a província, alguns condenados emancipados ou que escaparam ou expiraram fizeram seu próprio caminho até lá, antes de 1836 ou mais tarde, e podem ter constituído de 1 a 2% da população inicial.[21]

O plano para a província era que seria um experimento de reforma, abordando os problemas percebidos na sociedade britânica. Deveria haver liberdade religiosa e nenhuma religião oficial estabelecida. As vendas de terras para os colonos criaram um fundo de emigração para pagar os custos de transferência de uma população jovem e pobre de trabalhadores para a Austrália Meridional. No início de 1838, os colonos ficaram preocupados depois que foi relatado que os condenados que haviam escapado dos estados do leste podem seguir para Austrália Meridional. A Polícia da Austrália Meridional foi formada em abril de 1838 para proteger a comunidade e fazer cumprir os regulamentos do governo. Seu papel principal era administrar a primeira prisão temporária, uma cabana de dois quartos.[22]

A atual bandeira da Austrália Meridional foi adotada em 13 de janeiro de 1904 e é uma bandeira azul britânica modificada com o emblema do estado. O emblema é descrito como um picanço com asas estendidas em um disco amarelo. Acredita-se que o emblema do estado tenha sido desenhado por Robert Craig, da Escola de Design de Adelaide.[23]

GeografiaEditar

 
Vale Barossa a nordeste de Adelaide.
 
Paisagem árida nos Montes Flinders.

O terreno que compreende a área do estado da Austrália Meridional consiste em grande parte de pastagens áridas e semiáridas, com várias cadeias de montanhas baixas. O mais importante (mas não o mais alto) é o sistema dos Montes LoftyFlinders, que se estende para o norte cerca de 800 quilômetros (500 milhas) do Cabo Jervis até o extremo norte do Lago Torrens. O ponto mais alto do estado não está nesse sistema, pois o Monte Woodroffe, com cerca de 1.435 metros, está localizado nos Montes Musgrave, no extremo noroeste do estado.[24] A porção sudoeste do estado consiste na planície de Nullarbor, escassamente habitada e dominada pelos penhascos da Grande Baía Australiana. As características da costa incluem o Golfo Spencer e as penínsulas de Eyre e Yorke que o cercam.

As principais indústrias e exportações da Austrália Meridional são trigo, vinho e .[25] Mais da metade dos vinhos da Austrália são produzidos nas regiões vinícolas da Austrália Meridional, que incluem principalmente o Vale Barossa, Vale Clare, Vale McLaren, Coonawarra, Riverland e Adelaide Hills.[26]

Limites da Austrália MeridionalEditar

A Austrália Meridional tem fronteiras com todos os outros estados e territórios do continente australiano, exceto com o Território da Capital Australiana e o Território da Baía de Jervis.[27] A fronteira com a Austrália Ocidental tem uma história envolvendo o astrônomo do governo da Austrália Meridional, Dodwell, e o astrônomo do governo da Austrália Ocidental, Curlewis, marcando a fronteira em terra na década de 1920.[27]

Em 1863, essa parte de Nova Gales do Sul ao norte da Austrália Meridional foi anexada ao estado, por cartas-patente, como o "Território do Norte da Austrália Meridional", que foi reduzido para "Território do Norte" em 6 de julho de 1863. O Território do Norte foi entregue ao governo federal em 1911 e tornou-se um território separado.[26]

De acordo com mapas australianos, a costa sul da Austrália Meridional é definida pelo Oceano Antártico, mas o consenso internacional oficial define o Oceano Antártico como se estendendo para o norte do polo apenas até o Paralelo 60 S ou 55 S, isso pelo menos 17 graus de latitude mais ao sul do que o ponto mais ao sul da Austrália Meridional. Assim, a costa sul é oficialmente adjacente à porção mais ao sul do Oceano Índico.[26]

ClimaEditar

 
Mapa climático da Austrália Meridional segundo Köppen

De acordo com a classificação climática de Köppen-Geiger, as partes sul do estado têm um clima mediterrânico, sendo o clima mediterrânico de verão fresco (Csb) predominante no extremo sul e o clima mediterrânico de verão quente (Csa) predominante no norte do sul do estado.[28] O restante do estado apresenta um clima árido e semiárido, que varia de árido frio a semiárido frio (BWk e BSk respectivamente) ao sul, e árido quente e semiárido quente (BWh e BSh) ao norte.[28]

A principal faixa de temperatura da Austrália Meridional é de 29 °C (84 °F) em janeiro e 15 °C (59 °F) em julho. A maior temperatura já registrada no estado foi de 50,7 °C (123,3 °F) em Oodnadatta em 2 de janeiro de 1960, que também é oficialmente a temperatura mais alta já registrada na Austrália. A temperatura mais baixa já registrada foi de −8,2 °C (17,2 °F) em Yongala em 20 de julho de 1976.[29]


Dados climatológicos para Austrália Meridional
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 50,7 48,2 46,5 42,1 36,5 34,0 34,2 36,5 41,5 45,4 47,9 49,9 50,7
Temperatura mínima recorde (°C) 0,2 0,8 −2,2 −3,5 −6,6 −8,1 −8,2 −6,6 −4,5 −4,4 −2,4 −0,5 −8,2
Fonte: Bureau of Meteorology[30]

DemografiaEditar

Locais na Austrália Meridional
Adelaide, capital da Austrália Meridional.
Vista de Mount Gambier.
Vista de parte de Whyalla.
Vista de Victor Harbor.

Em março de 2018, a população da Austrália Meridional era de 1.733.500 habitantes.[1] A maioria da população do estado vive na área metropolitana da Grande Adelaide, que tinha uma população estimada em 1.333.927 em junho de 2017.[31] Outros centros populacionais significativos incluem Mount Gambier (29.505),[5] Victor Harbor-Goolwa (26.334),[32] Whyalla (21.976),[32] Murray Bridge ( 18.452),[32] Port Lincoln (16.281),[32] Port Pirie (14.267) e Port Augusta (13.957).[32]

Centros urbanosEditar

20 maiores centros urbanos da Austrália Meridional
Posição Centro urbano População
Censo de 2016[5] Censo de 2011[33] Censo de 2006[34]
1 Adelaide 1 165 632 1 103 979 1 040 719
2 Gawler 26 472 23 957 20 006
3 Mount Gambier 26 148 25 199 23 494
4 Whyalla 21 501 21 736 21 122
5 Murray Bridge 16 804 15 967 14 048
6 Mount Barker 16 629 14 452 11 540
7 Victor Harbor 15 265 13 411 10 380
8 Crafers-Bridgewater 15 125 14 617 13 375
9 Port Lincoln 14 064 14 088 13 044
10 Port Pirie 13 740 13 819 13 206
11 Port Augusta 12 896 13 504 13 257
12 Goolwa 7 717 10 438 5 882
13 Nuriootpa 5 691 5 215 4 414
14 Strathalbyn 5 486 5 292 3 894
15 Naracoorte 5 074 4 908 4 888
16 Nairne 4 842 4 198 3 470
17 Millicent 4 734 4 798 4 771
18 Renmark 4 634 4 387 4 339
19 Kadina 4 587 4 470 4 026
20 Tanunda 4 324 4 214 4 153

Ancestralidade e imigraçãoEditar

País de origem (2016)[35]
Local [nota 2] População
  Austrália 1 192 546
  Inglaterra 97 392
  Índia 27 594
  China 24 610
  Itália 18 544
  Vietnã 14 337
  Nova Zelândia 12 937
  Filipinas 12 465
  Alemanha 10 119
  Grécia 8 682
  Malásia 7 749
  África do Sul 6 610
  Países Baixos 6 602
  Afeganistão 6 313

No censo australiano de 2016, as ancestralidades mais comumente nomeadas foram: [nota 3]

Cerca de 28,9% da população nasceu no exterior, de acordo com o censo de 2016. Os cinco maiores grupos de nascidos no exterior foram da Inglaterra (5,8%), Índia (1,6%), China (1,5%), Itália (1,1%) e Vietnã (0,9%).[35][38]

Cerca de 2% da população, ou 34.184 pessoas, identificaram-se como australianas indígenas (aborígines australianos e nativos do Estreito de Torres) em 2016.[35][38]

LínguasEditar

No censo de 2016, 78,2% da população falava apenas inglês em casa. Os outros idiomas mais falados em casa foram o italiano (1,7%), mandarim padrão (1,7%), grego (1,4%) vietnamita (1,1%) e cantonês (0,6%).[35][38]

ReligiãoEditar

No censo de 2016, cerca de 53,9% das respostas informaram ter alguma variante do cristianismo como sua religião. Cerca de 9% dos entrevistados optaram por não declarar uma religião. As respostas mais comumente nomeadas foram sem religião (35,4%), catolicismo (18%), anglicanismo (10%) e Igreja Unida (7,1%).[35][38]

EconomiaEditar

O número médio anual de empregados na Austrália Meridional em 2009–10 foi de 800.600 pessoas, 18% superior ao de 2000–01.[39] No período correspondente, o emprego anual médio nacional aumentou 22%.[39]

 
Vinhedo em Eden Valley. A indústria vinícola da Austrália Meridional é a maior da Austrália.[40]

Os maiores setores empregadores da Austrália Meridional são a assistência médica e a assistência social,[41][42] superando a indústria manufatureira na Austrália Meridional como o maior empregador desde 2006–2007.[41][42] Em 2009–10, a manufatura no estado teve um total médio anual de 83.700 pessoas empregadas, em comparação com 103.300 pessoas em assistência médica e assistência social.[41] Os serviços de saúde e assistência social representavam quase 13% da média anual do número de empregos no estado.[39]

O comércio varejista era o segundo maior empregador na Austrália Meridional durante 2009–10, com 91.900 empregados e 12% da força de trabalho do estado.[39]

A indústria de manufatureira desempenha um papel importante na economia da Austrália Meridional, gerando 11,7% do produto interno bruto estadual (GSP e desempenhando um papel importante nas exportações.[41] A indústria de manufatura consiste em automóveis (44% da produção australiana total, 2006) e fabricação de componentes, produtos farmacêuticos, tecnologia de defesa (2,1% do GSP, 2002–03) e sistemas eletrônicos (3,0% do GSP em 2006). A economia da Austrália Meridional depende mais das exportações do que qualquer outro estado da Austrália.[26][43]

Os ganhos das exportações estaduais foram de A$ 10 bilhões por ano e cresceram 8,8% entre 2002 e 2003. A produção de alimentos e bebidas da Austrália Meridional (incluindo agricultura, horticultura, aquicultura, pesca e manufatura) foi de A$ 10 bilhões em 2002–03.[26]

 
Centro Médico Flinders. A assistência médica e assistência social são o maior setor empregador definido pela Australian Bureau of Statistics na Austrália Meridional.[41]

A classificação de crédito da Austrália Meridional foi elevado para AAA pela agência de classificação de risco Standard & Poor's em setembro de 2004 e para AAA pela agência de classificação de risco da Moody's em novembro de 2004, a mais alta classificação de crédito alcançável por qualquer empresa ou entidade soberana. O estado havia perdido anteriormente essas classificações no colapso do banco do estado. No entanto, em 2012, a Standard & Poor's rebaixou a classificação de crédito do estado para AA+ devido a receitas em declínio, novas iniciativas de gastos e uma perspectiva orçamentária mais fraca do que o esperado.[44]

O produto interno bruto estadual da Austrália Meridional foi de A$ 48,9 bilhões a partir de 2004, com um renda de A$ 32.996 per capita. As exportações para 2006 foram avaliadas em A$ 9,0 bilhões e as importações em A$ 6,2 bilhões. As aprovações de edifícios residenciais particulares tiveram um crescimento de 80% em relação ao ano de 2006.[26]

Em 2006, a economia da Austrália Meridional incluiu os seguintes setores principais: carnes e preparados de carne, trigo, vinho, lã e peles de carneiro, máquinas, manufaturas de metal e aço, peixe e crustáceos, veículos e peças rodoviárias e produtos petrolíferos. Outras indústrias, como educação e tecnologia de defesa, foram de crescente importância.[26]

A Austrália Meridional recebe a menor quantidade de financiamento federal para sua rede rodoviária local de todos os estados, per capita e por quilômetro.[45]

Em 2013, a Austrália Meridional foi nomeada pela Commsec Securities como a segunda economia com menor desempenho na Austrália.[46] Embora algumas fontes tenham apontado gastos fracos no varejo e investimentos de capital, outros atribuíram um desempenho fraco aos declínios nos gastos públicos.[46][47]

A Austrália Meridional lidera todos os outros estados australianos por sua comercialização e compromisso com a energia renovável. Agora é o principal produtor de energia eólica na Austrália.[48] A energia renovável é uma fonte crescente de eletricidade no estado e há potencial de crescimento desse setor específico da economia. A Reserva de Energia de Hornsdale é um banco de baterias conectadas à rede adjacente ao Parque Eólico de Hornsdale, na região Centro-Norte da Austrália Meridional. No momento da construção, no final de 2017, era considerada a maior bateria de íons de lítio do mundo.[49]

PolíticaEditar

 
Parlamento da Austrália Meridional, em Adelaide,

A Austrália Meridional é uma monarquia constitucional, com a rainha da Austrália como soberana e o governador do estado como seu representante. É um estado da Comunidade da Austrália. O Parlamento da Austrália Meridional que é bicameral, consiste na câmara baixa conhecida como Casa da Assembleia e na câmara alta conhecida como Conselho Legislativo. As eleições gerais são realizadas a cada quatro anos, sendo a última a eleição de 2018.[50]

Inicialmente, o governador da Austrália Meridional detinha um poder quase total, derivado das cartas-patente do governo imperial para criar a colônia. Ele era responsável apenas pelo Gabinete Colonial Britânico e, portanto, a democracia não existia na colônia. Um novo órgão foi criado para assessorar o governador na administração da Austrália Meridional em 1843, chamado Conselho Legislativo.[51] Consistia em três representantes do governo britânico e quatro colonos nomeados pelo governador. O governador manteve o poder executivo total.

Em 1851, o Parlamento Imperial promulgou a Lei do Governo das Colônias Australianas, que permitiu a eleição de representantes para cada uma das legislaturas coloniais e a composição de uma constituição para criar adequadamente um governo representativo e responsável na Austrália Meridional. No final daquele ano, os colonos masculinos foram autorizados a votar em 16 membros em um novo Conselho Legislativo de 24 lugares. Oito membros continuaram sendo nomeados pelo governador.[50]

A principal responsabilidade desse órgão era redigir uma constituição para a Austrália Meridional. O corpo redigiu a constituição mais democrática já vista no Império Britânico e previa o sufrágio universal masculino.[52] Criou o Parlamento bicameral da Austrália Meridional. Pela primeira vez na colônia, o executivo foi eleito pelo povo e a colônia usou o sistema Westminster, onde o governo é o partido ou coalizão que exerce a maioria na Casa da Assembleia.

Composição do Parlamento da Austrália Meridional
Partido Casa Conselho
Liberal 25 9
Trabalhista 19 8
SA-Best 0 2
Verde 0 2
Independente 3 0
Advance SA 0 1
Total 47 22

O sufrágio feminino na Austrália deu um salto adiante, promulgado em 1895 e com efeito nas eleições coloniais de 1896, a Colônia da Austrália Meridional foi a primeira na Austrália e a segunda no mundo, depois da Nova Zelândia, a permitir que as mulheres votassem, e a primeira no mundo a permitir que as mulheres se candidatassem.[53] Em 1897, Catherine Helen Spence foi a primeira mulher na Austrália a ser candidata a um cargo político quando foi nomeada para ser uma das delegadas da Austrália Meridional nas convenções que redigiram a constituição. A Austrália Meridional tornou-se um estado original da Comunidade da Austrália em 1º de janeiro de 1901.[50]

Governo localEditar

A Austrália Meridional está dividida em 74 áreas de governo local. Os conselhos locais são responsáveis por funções delegadas pelo parlamento da Austrália Meridional, como infraestrutura rodoviária e gerenciamento de resíduos. A receita do Conselho vem principalmente de impostos sobre a propriedade e subsídios do governo.[50]

EducaçãoEditar

Educação primária e secundáriaEditar

Em 1 de janeiro de 2009, a idade de saída escolar foi aumentada para 17 (sendo anteriormente 15 e 16 anos).[54] A educação é obrigatória para todas as crianças até os 17 anos, a menos que estejam trabalhando ou passando por outro tipo de treinamento. A maioria dos estudantes permanece estudando para receber o Certificado de Educação da Austrália Meridional (SACE). A educação escolar é de responsabilidade do governo do estado, mas os sistemas de educação pública e privada são financiados conjuntamente por ele e pelo governo da Comunidade.

O governo da Austrália Meridional fornece, para as escolas por aluno, 89% do total do financiamento do governo, enquanto o governo federal contribui com 11%. Desde o início dos anos 1970, tem sido uma controvérsia[55] que 68% dos fundos da comunidade (que aumentaram para 75% em 2008) vão para escolas particulares frequentadas por 32% dos estudantes estaduais.[56] As escolas particulares frequentemente refutam isso dizendo que recebem menos financiamento do governo do estado do que as escolas públicas e, em 2004, o principal financiamento escolar veio do governo australiano, não do governo estadual.[57]

Em 14 de junho de 2013, a Austrália Meridional se tornou o terceiro estado australiano a se inscrever no Programa de Reforma Gonski do Governo Federal da Austrália. Isso aumentou em A$ 1,1 bilhão o financiamento para o ensino primário e secundário no estado até antes de 2019.[58]

Educação terciáriaEditar

Existem três universidades públicas e quatro privadas no estado da Austrália Meridional. As três universidades públicas são a Universidade de Adelaide (fundada em 1874, a terceira mais antiga da Austrália), a Universidade Flinders (fundade em 1966) e a Universidade da Austrália Meridional (fundada em 1991). As quatro universidades privadas são a Universidade de Torrens da Austrália (fundada em 2013), a Universidade Carnegie Mellon (fundada 2006), a Escola de Energia e Recursos da University College London e a Universidade de Cranfield. Todos os seis têm seu campi principais na área metropolitana de Adelaide.[59]

Educação vocacionalEditar

O ensino profissional superior é oferecido por várias Organizações de Treinamento Registradas (RTOs), que são regulamentadas no nível da Comunidade. A variedade de RTOs que oferecem educação inclui provedores públicos, privados e corporativos, ou seja, empregando organizações que administram uma RTO para seus próprios funcionários ou membros.[60]

O maior provedor público de educação profissional é o TAFE South Australia, formado por faculdades em todo o estado, muitas delas em áreas rurais, oferecendo ensino superior para o maior número possível de pessoas. No estado, o TAFE é financiado pelo governo estadual e administrado pelo Departamento de Educação Continuada, Emprego, Ciência e Tecnologia da Austrália Meridional (DFEEST). Cada campus da TAFE South Australia oferece uma variedade de cursos com sua própria especialização.[61]

TransportesEditar

Transporte históricoEditar

 
Principais rodovias na Austrália Meridional

Após o assentamento, a principal forma de transporte na Austrália Meridional era o transporte marítimo. O transporte terrestre limitado era fornecido por cavalos e bois. Em meados do século XIX, o estado começou a desenvolver uma ampla rede ferroviária, embora uma rede de navegação costeira continuasse até o período pós-guerra.[62]

As estradas começaram a melhorar com a introdução do transporte motorizado. No final do século XIX, o transporte rodoviário dominava o transporte interno no sul da Austrália.[62]

Transporte ferroviárioEditar

A Austrália Meridional tem quatro conexões ferroviárias interestaduais, para Perth pela Nullarbor Plain, para Darwin pelo centro do continente, para Nova Gales do Sul por Broken Hill e Melbourne, que é a capital mais próxima de Adelaide.[63]

O transporte ferroviário é importante para muitas minas no norte do estado.[63]

A capital Adelaide possui uma rede ferroviária suburbana composta por várias unidades elétricas a diesel e totalmente elétricas, com 6 linhas entre elas.[64]

Transporte rodoviárioEditar

 
Estrada Eyre a oeste de Nullarbor, Austrália Meridional
 
Balsa atravessando o rio Murray em direção à cidade de Waikerie, Austrália Meridional

A Austrália Meridional possui extensas redes de estradas que ligam cidades e outros estados. As estradas também são a forma mais comum de transporte nas principais áreas metropolitanas, predominando o transporte de automóveis. O transporte público em Adelaide é fornecido principalmente por ônibus e bondes, com serviços regulares ao longo do dia.[65]

Transporte aéreoEditar

O Aeroporto de Adelaide oferece vôos regulares para outras capitais, principais de cidades da Austrália Meridional para muitos locais internacionais. O aeroporto também possui vôos diários para vários aeroportos centrais da Ásia. Os ônibus do Metrô de Adelaide J1 e J1X se conectam à cidade (aproximadamente 30 minutos de viagem).[66] Aplicam-se tarifas padrão e os bilhetes podem ser adquiridos com o motorista. A cobrança máxima, em setembro de 2016, pelo Metroticket é de A$ 5,30. Descontos fora do horário de pico e para idosos podem ser aplicados.

Transporte fluvialEditar

O rio Murray era antigamente uma importante rota comercial para a Austrália Meridional, com barcos a vapor ligando áreas interiores e o oceano em Goolwa.[67]

Transporte marítimoEditar

A Austrália Meridional tem um porto de contêineres em Port Adelaide.[68] Também existem numerosos portos importantes ao longo da costa, para minerais e grãos. O terminal de passageiros em Port Adelaide vê periodicamente navios de cruzeiro. A Ilha Kangaroo depende do serviço de balsa Sea Link entre Cape Jervis e Penneshaw.

Notas

  1. A maioria dos australianos descreve o corpo de água ao sul do continente como o Oceano Antártico, em vez do Oceano Índico, como oficialmente definido pela Organização Hidrográfica Internacional (OHI). No ano de 2000, um voto das nações membros da OHI definiu o termo "Oceano Antártico" como aplicável apenas às águas entre a Antártica e o Paralelo 60 S.
  2. De acordo com a fonte da Australian Bureau of Statistics, Inglaterra, Escócia, China continental e as Regiões Administrativas Especiais de Hong Kong e Macau são listadas separadamente
  3. Como porcentagem de 1.227.355 pessoas que nomearam suas ancestralidades no censo de 2016.[36]
  4. A Australian Bureau of Statistics declarou que a maioria dos que declararam sua ancestralidade como "australiana" faz parte do grupo anglo-céltico.[37]
  5. De qualquer ancestralidade. Inclui aqueles que se identificam como aborígenes australianos ou nativos do Estreito de Torres. A identificação indígena é separada da questão de ancestralidade no Censo Australiano e as pessoas identificadas como aborígenes ou nativos do Estreito de Torres podem identificar qualquer ancestralidade.

Referências

  1. a b c d «Australian Demographic Statistics, Mar 2019». 19 de setembro de 2019. Consultado em 19 de setembro de 2019  Estimated Resident Population – 1 March 2019
  2. «Sub-national HDI - Area Database - Global Data Lab». hdi.globaldatalab.org (em inglês). Consultado em 13 de setembro de 2018 
  3. «5220.0 – Australian National Accounts: State Accounts, 2018–19». Australian Bureau of Statistics. Consultado em 20 de novembro de 2019 
  4. a b «Proposal to rename South Australia as simply Adelaide». NewsComAu (em inglês). 23 de abril de 2018. Consultado em 6 de janeiro de 2020 
  5. a b c «3218.0 – Regional Population Growth, Australia, 2017-18: Population Estimates by Significant Urban Area, 2008 to 2018». Australian Bureau of Statistics. Australian Bureau of Statistics. 27 de março de 2019. Consultado em 25 de outubro de 2019  Estimated resident population, 30 June 2018.
  6. South Australian Police Historical Society Inc. Arquivado em 1 de outubro de 2011 no Wayback Machine. Accessed 13 September 2011.
  7. «Kangaroo Island Council – Welcome». Kangaroo Island Council. Consultado em 10 de agosto de 2010. Arquivado do original em 9 de agosto de 2010 
  8. «The Wakefield Model of Systematic Colonisation in South Australia». University of South Australia. 2008 
  9. Inc, IBP (2013). Australia Oil, Gas Resources and Exploration Handbook Volume 3 South Australia - Strategic Information and Regulations (em inglês). [S.l.]: Lulu.com. ISBN 978-1-4330-6456-2 
  10. R.J. Lampert (1979): Aborigines. In Tyler, M.J., Twidale, C.R. & Ling, J.K. (Eds) Natural History of Kangaroo Island. Royal Society of South Australia Inc. ISBN 0-9596627-1-5
  11. Australian Geographical Society.; Australian National Publicity Association.; Australian National Travel Association. (1934), Walkabout, Australian National Travel Association, consultado em 7 de janeiro de 2019 
  12. Elder, David F. «Light, William (1786–1839)». Canberra: National Centre of Biography, Australian National University 
  13. «Colony of South Australia - Summary | Find & Connect». www.findandconnect.gov.au. Consultado em 7 de janeiro de 2020 
  14. «Transcript of the South Australia Act, 1834» (PDF). Museum of Australian Democracy at Old Parliament House. Consultado em 27 de dezembro de 2018 
  15. a b «Documenting Democracy» 
  16. Ngadjuri Walpa Juri Lands and Heritage Association (n.d.). Gnadjuri. [S.l.]: SASOSE Council Inc. ISBN 978-0-646-42821-5 
  17. «South Australian Aboriginal History Timeline». www.sahealth.sa.gov.au (em inglês). Consultado em 7 de janeiro de 2020 
  18. «South Australia». placeandsee.com (em inglês). Consultado em 7 de janeiro de 2020 
  19. «Place:South Australia, Australia - Genealogy». www.werelate.org. Consultado em 7 de janeiro de 2020 
  20. «The Proclamation | Adelaide». adelaidia.sa.gov.au. Consultado em 7 de janeiro de 2020 
  21. Sendziuk, P. (2012): No convicts here: reconsidering South Australia's foundation myth. In: Foster, R. & Sendziuk, P. (Eds.) Turning points: chapters in South Australian history. Wakefield Press. ISBN 978 1 74305 119 1
  22. History of Adelaide Gaol Arquivado em 24 de outubro de 2009 no Wayback Machine.
  23. Department of Premier & Cabinet > State Badge of South Australia Arquivado em 16 de julho de 2012 no Wayback Machine. Accessed 13 October 2011.
  24. «Highest Mountains». Geoscience Australia. Consultado em 28 de maio de 2006. Cópia arquivada em 21 de abril de 2006 
  25. Henzell, Ted (2007). Australian Agriculture: Its History and Challenges (em inglês). [S.l.]: Csiro Publishing. ISBN 9780643993426 
  26. a b c d e f g Inc, IBP (2013). Australia Oil, Gas Resources and Exploration Handbook Volume 3 South Australia - Strategic Information and Regulations (em inglês). [S.l.]: Lulu.com. ISBN 978-1-4330-6456-2 
  27. a b «Australia States». statoids.com. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  28. a b «Climate and Weather». Government of South Australia. Atlas South Australia. 28 de abril de 2004. Consultado em 6 de dezembro de 2009. Arquivado do original em 15 de março de 2010 
  29. «Rainfall and Temperature Records: National» (PDF). Bureau of Meteorology. Consultado em 14 de novembro de 2009 
  30. «Official records for Australia in January». Daily Extremes. Bureau of Meteorology. 1 de julho de 2017. Consultado em 7 de julho de 2017 
  31. «3218.0 – Regional Population Growth, Australia, 2016–17: Main Features». Australian Bureau of Statistics. Australian Bureau of Statistics. 24 de abril de 2018. Consultado em 13 de outubro de 2018  Estimated resident population, 30 June 2017.
  32. a b c d e «3218.0 – Regional Population Growth, Australia, 2016–17: Population Estimates by Significant Urban Area, 2007 to 2017». Australian Bureau of Statistics. Australian Bureau of Statistics. 24 de abril de 2018. Consultado em 12 de outubro de 2018  Estimated resident population, 30 June 2017.
  33. «2011 Census QuickStats: Adelaide». quickstats.censusdata.abs.gov.au. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  34. «2006 Census QuickStats: Adelaide». quickstats.censusdata.abs.gov.au. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  35. a b c d e «2016 Australian Census - Country of Birth». Australian Bureau of Statistics. Consultado em 24 de dezembro de 2019 
  36. «2016 Census Community Profiles: New South Wales». Quickstats.censusdata.abs.gov.au 
  37. Statistics, Australian Bureau of (janeiro de 1995). «Feature Article - Ethnic and Cultural Diversity in Australia (Feature Article)». www.abs.gov.au 
  38. a b c d «2016 Census Community Profiles: South Australia». quickstats.censusdata.abs.gov.au. Consultado em 7 de janeiro de 2020 
  39. a b c d «South Australia's average annual employment for 2009–10». Australian Bureau of Statistics. 2009 [ligação inativa] 
  40. «South Australia». Wine Australia. Consultado em 24 de junho de 2011. Arquivado do original em 9 de abril de 2011 
  41. a b c d e «1345.4 – SA Stats, Jun 2011». Abs.gov.au. 28 de junho de 2011. Consultado em 17 de julho de 2016 
  42. a b «Health now our biggest employer». adelaidenow. 7 de julho de 2016. Consultado em 17 de julho de 2016 
  43. «Australia's Trade by State and Territory 2013–14» (PDF). Australia Unlimited. Fevereiro de 2015. Consultado em 28 de fevereiro de 2017 
  44. Puddy, Rebecca (31 de maio de 2012). «South Australia loses AAA rating in credit rating downgrade». The Australian. Consultado em 1 de setembro de 2015 
  45. «Inquiry into Local Government and Cost Shifting» (PDF). Australian House of Representatives. 2003. Consultado em 11 de junho de 2007. Cópia arquivada (PDF) em 10 de julho de 2007 
  46. a b «SA Lags on Economic Growth». 21 de julho de 2013 
  47. «Economic report confirms tough times in South Australia». ABC News. 27 de junho de 2013 
  48. «Wind Energy – How it works». Clearenergycouncil. Consultado em 6 de outubro de 2011. Arquivado do original em 21 de junho de 2011 
  49. «Hornsdale Power Reserve». Consultado em 4 de dezembro de 2017 
  50. a b c d Australia, Government of South. «Government». www.sa.gov.au (em inglês). Consultado em 9 de janeiro de 2020 
  51. «Legislative Council 1843–1856». Parliament of South Australia. 2005. Consultado em 28 de maio de 2006. Arquivado do original em 25 de agosto de 2006 
  52. Change name (28 de janeiro de 2011). «The Right to Vote in Australia». Australian Electoral Commission. Consultado em 17 de julho de 2016 
  53. «Women's Suffrage Petition 1894: parliament.sa.gov.au» (PDF). Consultado em 17 de julho de 2016. Arquivado do original (PDF) em 29 de março de 2011 
  54. Owen, Michael (22 de maio de 2006). «School leaving age to be raised». The Advertiser. News Corp. Consultado em 28 de maio de 2006. Arquivado do original em 14 de setembro de 2007 
  55. «The Redefinition of Public Education». Consultado em 12 de julho de 2010. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2008 
  56. «Chapter 2: Resourcing Australia's schools». Ministerial Council National Report on Schooling in Australia. Arquivado do original em 16 de outubro de 2013 
  57. Bill Daniels (12 de abril de 2004). «Government funding should encourage private schools not penalise them». Consultado em 16 de fevereiro de 2010 
  58. «South Australia signs up to Federal Government's Gonski education reforms». 14 de junho de 2013 
  59. «List of Universities in Adelaide, South Australia». Uni Reviews (em inglês). Consultado em 9 de janeiro de 2020 
  60. Anonymous (30 de novembro de 2016). «Australia's VET sector». www.asqa.gov.au (em inglês). Consultado em 9 de janeiro de 2020 
  61. «Study Adelaide | TAFE SA». StudyAdelaide. Study Adelaide. Consultado em 9 de janeiro de 2020 
  62. a b «Home - National Railway Museum». nrm.org.au. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  63. a b National Museum of Australia, Acton Peninsula. «National Museum of Australia - Trans-Australian Railway». www.nma.gov.au (em inglês). Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  64. SA, Service (13 de dezembro de 2011), Adelaide Metro (em inglês), Service SA, consultado em 10 de janeiro de 2020 
  65. Australia, Government of South. «Roads and traffic monitoring». www.sa.gov.au (em inglês). Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  66. Adelaide Metro
  67. «The Lower Murray. A great river is born.». www.murrayriver.com.au. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  68. «Port Adelaide». Flinders Ports (em inglês). Consultado em 10 de janeiro de 2020 

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Austrália Meridional