Austronésios

(Redirecionado de Austronésia)

Os povos austronésios são um grande grupo de povos em Taiwan, Brunei, Indonésia, Malásia, Filipinas, Singapura, Timor-Leste, Micronésia, costa da Nova Guiné, Melanésia, Polinésia e Madagascar que falam línguas austronésias.[32][33] Eles também incluem minorias étnicas indígenas no Vietnã, Camboja, Mianmar, Tailândia, Hainan, Comores e Ilhas do Estreito de Torres.[32][34][35] As nações e territórios predominantemente povoados por povos de língua austronésia às vezes são conhecidos coletivamente como "Austronésia".[36]

Austronésios

Nativos havaianos performando Hula Kahiko no Parque Nacional dos Vulcões do Havaí (2005) - Grupo de dança de guerra minahasa (2011) - Dançarinas torajanas (2011) - Mulheres malaias em trajes típicos de celebração (2010) - Balineses performando o kekac (2009) - Grupo de dançarinos amis (2019)
Distribuição das Línguas austronésias
População total

c. 400 milhões

Regiões com população significativa
 Indonésia 270 milhões (2020) [1][2]
 Filipinas 109,3 milhões (2020) [3]
 Madagascar 24 milhões (2016) [4]
 Malásia 19,2 milhões (2017) [5]
 Tailândia 1,9 milhão
Timor-Leste 1,2 milhão (2015) [6]
 Nova Zelândia 855 000 (2006) [7][8]
 Singapura 576 300 [9]
 Taiwan 575 067 (2020) [10]
 Fiji 936 375 (2023) [11]
 Brunei 450 000 (2006) [12]
 Vanuatu 272 000 [13][14]
 Camboja 249 000 (2011) [15]
 Polinésia Francesa 230 000 (2017) [16][17]
 Samoa 195 000 (2016) [18]
 Vietname 162 000 (2009) [19]
 Guam 150 000 (2010) [20]
 Havaí 140 652 a 401 162 [21]
 Kiribati 119 940 (2020) [22]
 Nova Caledônia 106 000 (2019) [23][24]
Estados Federados da Micronésia 102 000 [13][14]
 Tonga 100 000 (2016) [25]
 Ilhas Marshall 72 000 (2015) [26]
 Samoa Americana 55 000 (2010) [27]
 Sri Lanka 40 189 (2012) [28]
 Austrália 38 700 (2016) [29]
 Myanmar 31 600 (2019) [30][31]
 Marianas Setentrionais 19 000 [13][14]
Línguas
Línguas austronésias
Religiões
Variadas
Grupos étnicos relacionados
Achéns, Amis, Bajaus, Balineses, Batak, Bununs, Canacos, Cebuanos, Chans, Dayak,Fijianos, Ibans, Javaneses, Lun Bawang, Malaios, Malgaxes, Maoris, Moken, Nativos havaianos, Ni-Vanuatu, Polinésios, Sundaneses, Tasaday

Cultura editar

A cultura nativa da Austronésia varia de região para região. Os primeiros povos austronésios consideravam o mar como a característica básica de sua vida.  Seguindo sua diáspora para o Sudeste Asiático e Oceania, eles migraram de barco para outras ilhas. Barcos de diferentes tamanhos e formas foram encontrados em todas as culturas austronésias, de Madagascar, no Sudeste Asiático Marítimo, até a Polinésia, e têm nomes diferentes. No sudeste da Ásia, a caça de cabeças era restrita às terras altas como resultado da guerra. A mumificação só é encontrada entre os filipinos austronésios das terras altas e em alguns grupos indonésios em Celebes e Bornéu.

Navios e navegação editar

As tecnologias de catamarã marítimo e navio estabilizador foram as inovações mais importantes dos povos austronésios. Eles foram os primeiros humanos com embarcações capazes de cruzar grandes distâncias de água, o que lhes permitiu colonizar o Indo-Pacífico em tempos pré-históricos. Grupos austronésios continuam a ser os principais usuários das canoas estabilizadoras hoje.

 
Sucessão de formas no desenvolvimento do barco austronésio[37]

Os primeiros pesquisadores como Heine-Geldern (1932) e Hornell (1943) acreditavam que os catamarãs evoluíram de canoas estabilizadoras, mas autores modernos especializados em culturas austronésias como Doran (1981) e Mahdi (1988) agora acreditam que seja o oposto.[37][38]

Duas canoas unidas desenvolvidas diretamente a partir de tecnologias simples de jangada de dois troncos amarrados. Com o tempo, a forma da canoa de casco duplo evoluiu para a canoa dupla assimétrica, onde um casco é menor que o outro. Eventualmente, o casco menor tornou-se o protótipo do estabilizador, dando lugar à canoa de estabilizador único e depois à canoa de estabilizador único reversível. Finalmente, os tipos de estabilizadores simples se desenvolveram na canoa de estabilizadores duplos (ou trimarãs ).[37][38][39]

Isso também explicaria por que as populações austronésias mais antigas nas ilhas do sudeste da Ásia tendem a favorecer canoas de estabilizador duplo, pois mantém os barcos estáveis ao virar. Mas eles ainda têm pequenas regiões onde ainda são usados catamarãs e canoas de estabilizador único. Em contraste, populações descendentes periféricas mais distantes na Micronésia, Polinésia, Madagascar e Comores mantiveram os tipos de canoa de casco duplo e canoa de estabilizador único, mas a tecnologia para estabilizadores duplos nunca os alcançou (embora exista no oeste da Melanésia). Para lidar com o problema da instabilidade do barco quando o estabilizador está voltado para sotavento ao virar, eles desenvolveram a técnica de manobra na navegação, em conjunto com estabilizadores simples reversíveis.[37][38][40][41]

Arquitetura editar

A arquitetura austronésia é muito diversificada, mas compartilha certas características que indicam uma origem comum.[42][43]

A característica comum mais onipresente das estruturas austronésias é o piso elevado. As estruturas são erguidas sobre estacas, geralmente com espaço embaixo também utilizado para depósitos ou animais domésticos. O design elevado teve múltiplas vantagens, eles atenuam os danos durante as inundações e (em exemplos muito altos) podem atuar como estruturas defensivas durante os conflitos. Os postes das casas também são cobertos com discos de diâmetro maior no topo, para evitar que vermes e pragas entrem nas estruturas subindo por elas. As casas austronésias e outras estruturas geralmente são construídas em zonas úmidas e ao longo de corpos d'água, mas também podem ser construídas nas terras altas ou mesmo diretamente em águas rasas.[44][45][46]

Acredita-se que a construção de estruturas sobre estacas seja derivada do projeto de celeiros e armazéns elevados, que são símbolos de status altamente importantes entre os austronésios ancestrais cultivadores de arroz.[44][46] O santuário do celeiro de arroz também era o edifício religioso arquetípico entre as culturas austronésias e era usado para armazenar esculturas de espíritos ancestrais e divindades locais.[46]

Outra característica comum são os telhados inclinados com empenas ornamentadas. O mais notável dos quais são os telhados de sela, um projeto comum para as balays usadas para reuniões ou cerimônias de aldeia. Assemelham-se a barcos, sublinhando as fortes conexões marítimas das culturas austronésias. O motivo do barco é comum por toda parte, particularmente no leste da Indonésia. Em algumas etnias, as casas são construídas sobre plataformas que lembram catamarãs. Entre o povo Nage, uma representação tecida de um barco é adicionada à cumeeira do telhado; entre o povo Manggarai, os telhados das casas têm a forma de um barco de cabeça para baixo; enquanto entre o povo de Tanimbar e do leste das Flores, o próprio cume é esculpido na representação de um barco. Além disso, elementos das estruturas austronésias (bem como da sociedade em geral) são frequentemente referidos em terminologias usadas para barcos e navegação. Isso inclui chamar elementos de estruturas como "mastros", "velas" ou "lemes" ou chamar os líderes da aldeia de "capitães" ou "timoneiros". No caso das Filipinas, as próprias aldeias são chamadas de barangay, de uma forma alternativa de balangay, um tipo de veleiro usado para comércio e colonização.[47][45][48][46]

Os edifícios austronésios têm significado espiritual, muitas vezes contendo o que é cunhado pelo antropólogo James J. Fox como um "atrator ritual". São postes, vigas, plataformas, altares, etc. específicos que dão corpo à casa como um todo, geralmente consagrados no momento da construção.[42]

A própria casa austronésia também frequentemente simboliza vários aspectos da cosmologia e animismo austronésios indígenas. Na maioria dos casos, o sótão da casa (geralmente colocado acima da lareira) é considerado o domínio de divindades e espíritos. É essencialmente um celeiro elevado embutido na estrutura da própria casa e funcionava como um segundo andar. Geralmente é usado para armazenar objetos sagrados (como efígies de ídolos celeiros ou ancestrais falecidos), relíquias de família e outros objetos importantes. Essas áreas geralmente não fazem parte do espaço de convivência regular e podem ser acessíveis apenas a alguns membros da família ou após a realização de um ritual específico. Outras partes da casa também podem estar associadas a certas divindades e, portanto, certas atividades como receber convidados ou realizar cerimônias de casamento só podem ser realizadas em áreas específicas.[44]

Embora o cultivo de arroz não estivesse entre as tecnologias transportadas para Oceania remota, os armazéns elevados ainda sobreviveram. O pataka do povo Māori é um exemplo. Os maiores pataka são adornados de forma elaborada com entalhes e geralmente são os edifícios mais altos dos pās (assentamentos fortificados) Maoris. Estes foram usados para armazenar implementos, armas, navios e outros objetos de valor; enquanto os patakas menores eram usados para armazenar provisões. Um tipo especial de pataka sustentado por um único poste alto também tinha importância ritual e era usado para isolar crianças da nobreza durante seu treinamento para a liderança.[44]

A maioria das estruturas austronésias não são permanentes. Eles são feitos de materiais perecíveis como madeira, bambu, fibras vegetais e folhas. Semelhante aos barcos austronésios tradicionais, eles não usam pregos, mas são tradicionalmente construídos apenas por juntas, tecelagem, laços e cavilhas. Os elementos das estruturas são reparados e substituídos regularmente ou à medida que são danificados. Por causa disso, os registros arqueológicos de estruturas austronésias pré-históricas são geralmente limitados a vestígios de postes de casas, sem forma de determinar os planos de construção originais.[49]

Evidências indiretas da arquitetura tradicional austronésia, no entanto, podem ser obtidas de suas representações contemporâneas na arte, como em frisos nas paredes de templos de pedra hindu-budistas posteriores (como em relevos em Borobudur e Prambanan). Mas estes são limitados aos últimos séculos. Eles também podem ser reconstruídos linguisticamente a partir de termos compartilhados para elementos arquitetônicos, como postes de cumeeira, palha, caibros, postes de casas, lareiras, escadas de toras entalhadas, estantes de armazenamento, prédios públicos e assim por diante. A evidência linguística também deixa claro que as palafitas já estavam presentes entre os grupos austronésios desde pelo menos o final do Neolítico.[45]

Na Indonésia moderna, vários estilos são conhecidos coletivamente como Rumah adat .

Arbi et ai. (2013) também observaram as semelhanças marcantes entre a arquitetura austronésia e a arquitetura elevada tradicional japonesa (shinmei-zukuri). Particularmente os edifícios do Santuário de Ise, que contrastam com as casas típicas do período Neolítico Yayoi . Eles propõem um contato neolítico significativo entre o povo do sul do Japão e os austronésios ou pré-austronésios que ocorreram antes da disseminação da influência cultural chinesa Han para as ilhas.[45] Acredita-se também que o cultivo de arroz tenha sido introduzido no Japão por um grupo para-austronésio da costa leste da China.[50] Waterson (2009) também argumentou que a tradição arquitetônica das palafitas é originalmente austronésia e que tradições de construção semelhantes no Japão e na Ásia continental (notavelmente entre os grupos de língua Kra-Dai e austro-asiática) correspondem a contatos com uma rede austronésia pré-histórica.[46][47]

Religião editar

As tradições religiosas do povo austronésio concentram-se principalmente em espíritos ancestrais, espíritos da natureza e deuses. É basicamente uma religião animista complexa. As mitologias variam de acordo com a cultura e a localização geográfica, mas compartilham aspectos básicos comuns, como culto aos ancestrais, animismo, xamanismo e a crença em um mundo espiritual e divindades poderosas.[51] Há também uma grande quantidade de mitologia compartilhada e uma crença comum em Mana.[52]

Atualmente, muitas dessas crenças foram gradativamente substituídas. Exemplos de religiões nativas incluem: Religiões folclóricas indígenas filipinas (incluindo crenças no Anito), Sunda Wiwitan, Kejawen, Kaharingan ou a religião Māori. Muitas crenças religiosas austronésias foram incorporadas a religiões estrangeiras introduzidas a eles, como o hinduísmo, o budismo, o cristianismo e o islamismo.[53]

Origem e dispersão editar

 
Rota de migração sugerida sobre a origem dos austronésios e sua chegada à ilha de Taiwan.

A origem dos primeiros austronésios está em povos agricultores do Sul da China que migraram para a Ilha de Formosa, originando os aborígenes taiwaneses, em data ainda incerta, mas o período mais provável está entre 5.000 e 4.000 a.C.[54]

 
Mapa da dispersão cronológica dos povos austronésios.

Por volta de 2.200 a.C., os austronésios alcançam e ocupam as Filipinas e, nos séculos seguintes, colonizam a Península Malaia e as Ilhas de Sonda. Esses povos usaram velas algum tempo antes de 2000 a.C.[55] e esse item, em conjunto com o uso de outras tecnologias marítimas (notadamente catamarãs e barcos estabilizadores), permitiu sua dispersão pelas ilhas do Pacífico e Índico. Por volta de 1.300 a.C., alcançam o Arquipélago de Bismarck e as Ilhas Salomão, havendo entre os navegantes austronésios e os nativos melanésios um intercâmbio cultural e genético para assim formar a cultura e o povo polinésio. Foram colonizando as ilhas da Polinésia e Micronésia nos milênios seguintes, sendo a última das ilhas colonizadas a Nova Zelândia, no século XIII. Nos primeiros séculos da Era Cristã, alguns austronésios de Bornéu atravessam o Oceano Índico e iniciam a colonização de Madagascar, cuja formação populacional só viria a se formar com a chegada de povos bantos alguns séculos mais tarde.[56][57][58]

Uma análise genômica de 2020 encontrou DNA ameríndio nos povos das Ilhas Marquesas e da Ilha de Páscoa, o que confirma a hipótese de os polinésios terem chegado à América do Sul, o que teria ocorrido aproximadamente entre os anos 1150 e 1200.[59]

Lista de povos austronésios editar

Entre os povos autronésios incluem-se:

Referências

  1. «Hasil Sensus Penduduk 2020» (PDF) (em indonésio). Statistics Indonesia. 21 de janeiro de 2021. p. 9. Consultado em 21 de janeiro de 2021 
  2. Proyeksi penduduk Indonesia/Indonesia Population Projection 2010–2035 (PDF), ISBN 978-979-064-606-3, Badan Pusat Statistik, 2013, consultado em 15 de agosto de 2016, cópia arquivada (PDF) em 30 de abril de 2020 
  3. «2020 Census of Population and Housing - Population Counts Declared Official by the President». Philippine Statistics Authority 
  4. «Population, total». Data. World Bank Group. 2017. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2018 
  5. «Malaysia». The World Factbook. Central Intelligence Agency. Consultado em 29 de abril de 2018 
  6. «2015 Census shows population growth moderating». Government of Timor-Leste. Consultado em 24 de julho de 2016. Arquivado do original em 7 de fevereiro de 2016 
  7. «Population movement in the Pacific: A perspective on future prospects». Consultado em 22 de julho de 2013. Arquivado do original em 7 de fevereiro de 2013 
  8. «Archived copy». Consultado em 23 de março de 2007. Cópia arquivada em 27 de novembro de 2007 
  9. About 13.5% of Singapore Residents are of Malay descent. In addition to these, many Chinese Singaporeans are also of mixed Austronesian descent. See also «Key Indicators of the Resident Population» (PDF). Singapore Department of Statistics. Consultado em 25 de abril de 2007. Arquivado do original (PDF) em 4 de julho de 2007 
  10. Ramzy, Austin (1 de agosto de 2016). «Taiwan's President Apologizes to Aborigines for Centuries of Injustice». The New York Times. Consultado em 17 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 5 de junho de 2020 
  11. «FIJI TODAY 2005 / 2006» (PDF). Consultado em 23 de março de 2007. Arquivado do original (PDF) em 3 de abril de 2007 
  12. «Brunei». The World Factbook. Central Intelligence Agency. Julho de 2018. Consultado em 10 de abril de 2019 
  13. a b c «"World Population Prospects 2022"». population.un.org. Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas, Population Division. Consultado em 17 de julho de 2022 
  14. a b c «World Population Prospects 2022: Demographic indicators by region, subregion and country, annually for 1950-2100» (XSLX). population.un.org ("Total Population, as of 1 July (thousands)"). Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas, Population Division. Consultado em 17 de julho de 2022 
  15. Joshua Project. «Cham, Western in Cambodia». Joshua Project. Consultado em 15 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 22 de março de 2016 
  16. «La population légale au 17 août 2017 : 275 918 habitants». ISPF. Consultado em 16 de fevereiro de 2018. Arquivado do original em 9 de fevereiro de 2018 
  17. Most recent ethnic census, in 1988. «Frontières ethniques et redéfinition du cadre politique à Tahiti» (PDF). Consultado em 31 de maio de 2011. Cópia arquivada (PDF) em 26 de março de 2009  Approximately 87.7% of the total population (275,918) are of unmixed or mixed Polynesian descent.
  18. «Population & Demography Indicator Summary». Samoa Bureau of Statistics. Consultado em 25 de junho de 2018. Arquivado do original em 3 de abril de 2019 
  19. the 2009 Vietnam Population and Housing Census: Completed Results 2009 Census Arquivado em 14 novembro 2012 no Wayback Machine, Hà Nội, 6-2010. Table 5, page 134
  20. «The Native Hawaiian and Other Pacific Islander Population: 2010» (PDF). census.gov. US Census Bureau. Consultado em 11 de agosto de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 24 de julho de 2017 
  21. «U.S. 2000 Census». Consultado em 23 de novembro de 2014. Arquivado do original em 18 de novembro de 2011 
  22. «Kiribati Stats at a Glance». Kiribati National Statistics Office. Ministry of Finance & Economic Development, Government of Kiribati. Consultado em 17 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2017 
  23. «La Nouvelle-Calédonie compte 271 407 habitants en 2019.». Institut de la statistique et des études économiques. ISEE. Consultado em 17 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2014 
  24. «Recensement de la population en Nouvelle-Calédonie en 2009». ISEE. Consultado em 17 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 29 de fevereiro de 202039,1% Se a população é de canacos nativos 
  25. [1] Arquivado em 27 fevereiro 2018 no Wayback Machine. Tonga 2016 Census Results (11 November 2016).
  26. «Australia-Oceania :: MARSHALL ISLANDS». CIA The World Factbook. Consultado em 17 de janeiro de 2020 
  27. «Census 2010 News | U.S. Census Bureau Releases 2010 Census Population Counts for American Samoa». 2010 United States Census. census.gov. Consultado em 1 de outubro de 2018. Arquivado do original em 23 de julho de 2012 
  28. «A2 : Population by ethnic group according to districts, 2012». Census of Population& Housing, 2011. Department of Census& Statistics, Sri Lanka. Consultado em 25 de abril de 2017. Cópia arquivada em 10 de março de 2018 
  29. name=censusest>«3238.0.55.001 – Estimates of Aboriginal and Torres Strait Islander Australians, June 2016». Australian Bureau of Statistics. 31 de agosto de 2018. Consultado em 27 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 29 de fevereiro de 2020 
  30. Joshua Project. «Malay in Myanmar (Burma)». Joshua Project. Consultado em 15 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2019 
  31. Joshua Project. «Moken, Salon in Myanmar (Burma)». Joshua Project. Consultado em 15 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2019 
  32. a b Bellwood, Peter; Fox, James J.; Tryon, Darrell (2006). The Austronesians: Historical and Comparative Perspectives. [S.l.]: Australian National University Press. ISBN 9781920942854. Consultado em 23 de março de 2019. Cópia arquivada em 2 de abril de 2020 
  33. Pierron, Denis; Razafindrazaka, Harilanto; Pagani, Luca; Ricaut, François-Xavier; Antao, Tiago; Capredon, Mélanie; Sambo, Clément; Radimilahy, Chantal; Rakotoarisoa, Jean-Aimé (21 de janeiro de 2014). «Genome-wide evidence of Austronesian–Bantu admixture and cultural reversion in a hunter-gatherer group of Madagascar». Proceedings of the National Academy of Sciences (em inglês). 111 (3): 936–941. Bibcode:2014PNAS..111..936P. ISSN 0027-8424. PMC 3903192 . PMID 24395773. doi:10.1073/pnas.1321860111  
  34. Blust, Robert A. (2013). The Austronesian languages. Col: Asia-Pacific Linguistics. [S.l.]: Australian National University. ISBN 9781922185075 
  35. Cheke, Anthony (2010). «The timing of arrival of humans and their commensal animals on Western Indian Ocean oceanic islands». Phelsuma. 18 (2010): 38–69. Consultado em 21 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 21 de abril de 2017 
  36. Ku, Kun-Hui; Gibson, Thomas (3 de julho de 2019). «Hierarchy and Egalitarianism in Austronesia». Anthropological Forum. 29 (3): 205–215. doi:10.1080/00664677.2019.1626216 
  37. a b c d Mahdi, Waruno (1999). «The Dispersal of Austronesian boat forms in the Indian Ocean». In: Blench; Spriggs. Archaeology and Language III: Artefacts languages, and texts. Col: One World Archaeology. 34. [S.l.]: Routledge. pp. 144–179. ISBN 978-0415100540 
  38. a b c Doran, Edwin B. (1981). Wangka: Austronesian Canoe Origins. [S.l.]: Texas A&M University Press. ISBN 9780890961070 
  39. Doran, Edwin Jr. (1974). «Outrigger Ages». The Journal of the Polynesian Society. 83 (2): 130–140. Consultado em 28 de abril de 2019. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2020 
  40. Beheim BA, Bell AV (outubro de 2011). «Inheritance, ecology and the evolution of the canoes of east Oceania». Proceedings. Biological Sciences. 278 (1721): 3089–95. PMC 3158936 . PMID 21345865. doi:10.1098/rspb.2011.0060 
  41. Hornell, James (1932). «Was the Double-Outrigger Known in Polynesia and Micronesia? A Critical Study». The Journal of the Polynesian Society. 41 (2 (162)): 131–143 
  42. a b Fox, James J. (1993). «Comparative Perspectives on Austronesian Houses: An Introductory Essay». In: Fox. Inside Austronesian Houses: Perspectives on Domestic Designs for Living. [S.l.]: ANU Press. pp. 1–29. ISBN 9781920942847. Cópia arquivada em 27 de abril de 2019 |arquivourl= requer |url= (ajuda) 
  43. Blust R, Trussel S (2013). «The Austronesian Comparative Dictionary: A Work in Progress». Oceanic Linguistics. 52 (2): 493–523. doi:10.1353/ol.2013.0016. Consultado em 27 de abril de 2019. Cópia arquivada em 27 de abril de 2019 
  44. a b c d e Sato, Koji (1991). «Menghuni Lumbung: Beberapa Pertimbangan Mengenai Asal-Usul Konstruksi Rumah Panggung di Kepulauan Pasifik». Antropologi Indonesia. 49: 31–47. Consultado em 27 de abril de 2019. Cópia arquivada em 27 de abril de 2019 
  45. a b c d e Arbi E, Rao SP, Omar S (21 de novembro de 2013). «Austronesian Architectural Heritage and the Grand Shrines at Ise, Japan». Journal of Asian and African Studies. 50 (1): 7–24. doi:10.1177/0021909613510245 
  46. a b c d e bin Tajudeen, Imran (2017). «Śāstric and Austronesian Comparative Perspectives: Parallel Frameworks on Indic Architectural and Cultural Translations among Western Malayo-Polynesian Societies». In: Acri; Blench; Landmann. Spirits and Ships: Cultural Transfers in Early Monsoon Asia. [S.l.]: ISEAS – Yusof Ishak Institute. ISBN 9789814762762. Cópia arquivada em 26 de julho de 2020 |arquivourl= requer |url= (ajuda) 
  47. a b Waterson, Roxana (2009). Paths and Rivers: Sa'dan Toraja Society in Transformation. [S.l.]: KITLV Press. ISBN 9789004253858. Consultado em 4 de junho de 2020. Cópia arquivada em 26 de julho de 2020 
  48. Kendall, Stephen H. (1976). «The barangay as community in the Philippines». Ekistics. 41 (242): 15–19. JSTOR 43618621 
  49. Lico, Gerard (2008). Arkitekturang Filipino: A History of Architecture and Urbanism in the Philippines. [S.l.]: University of the Philippines Press. ISBN 9789715425797 
  50. Robbeets M (2017). «Austronesian influence and Transeurasian ancestry in Japanese». Language Dynamics and Change. 7 (2): 210–251. doi:10.1163/22105832-00702005  
  51. Watts J, Sheehan O, Greenhill SJ, Gomes-Ng S, Atkinson QD, Bulbulia J, Gray RD (23 de setembro de 2015). «Pulotu: Database of Austronesian Supernatural Beliefs and Practices». PLOS ONE. 10 (9): e0136783. Bibcode:2015PLoSO..1036783W. PMC 4580586 . PMID 26398231. doi:10.1371/journal.pone.0136783  
  52. Baldwick, Julian (2013). Ancient Religions of the Austronesian World. London: I.B.Tauris 
  53. Handoko, Wuri. «THE CONTINUITY OF AUSTRONESIAN TRADITION ON ISLAMIC AND EARLY COLONIAL PERIOD IN MALUKU 1» (em inglês). Consultado em 18 de abril de 2019. Arquivado do original em 24 de setembro de 2020 
  54. Bellwood, Peter (1984). «A hypothesis for Austronesian origins» (PDF). Asian Perspectives. 26 (1): 107-117. Consultado em 20 de fevereiro de 2023 
  55. Horridge, Adrian (2006). Bellwood, ed. The Austronesians : historical and comparative perspectives. Canberra, ACT: [s.n.] ISBN 978-0731521326 
  56. Pierron, Denis; Heiske, Margit; Razafindrazaka, Harilanto; Rakoto, Ignace; Rabetokotany, Nelly; Ravololomanga, Bodo; Rakotozafy, Lucien M.-A.; Rakotomalala, Mireille Mialy; Razafiarivony, Michel (8 de agosto de 2017). «Genomic landscape of human diversity across Madagascar». Proceedings of the National Academy of Sciences (em inglês). 114 (32): E6498–E6506. ISSN 0027-8424. PMC 5559028 . PMID 28716916. doi:10.1073/pnas.1704906114  
  57. Van Tilburg, Jo Anne. 1994.
  58. Langdon, Robert.
  59. Ioannidis, Alexander G.; Blanco-Portillo, Javier; Sandoval, Karla; Hagelberg, Erika; Miquel-Poblete, Juan Francisco; Moreno-Mayar, J. Víctor; Rodríguez-Rodríguez, Juan Esteban; Quinto-Cortés, Consuelo D.; Auckland, Kathryn (julho de 2020). «Native American gene flow into Polynesia predating Easter Island settlement». Nature. 583 (7817): 572–577. Bibcode:2020Natur.583..572I. PMC 8939867 . PMID 32641827. doi:10.1038/s41586-020-2487-2