Autoridade de Museus do Catar

Museu em Doha, Catar

A Autoridade de Museus do Catar (QM) é o órgão responsável pelo gerenciamento e desenvolvimento dos museus do Catar, sendo presidido pela Sheikha al Mayassa.[1]

HistóriaEditar

Em 2011, o trabalho da QM permitiu ao Catar ingressar no Comitê do Patrimônio Mundial da UNESCO. Em agosto do mesmo ano, a QM recrutou Edward Dolman, gerente geral da casa de leilões Christie's por mais de uma década, para assumir a administração do escritório de compra de obras de arte. Também em 2011, a QM estabeleceu uma cooperação com o museu de Versalhes para treinar jovens catarianos em artesanato.[2] Em setembro de 2011, a QM assinou um contrato de US $ 434 milhões com a filial de construção da empresa coreana Hyundai para a construção do Museu Nacional do Catar, cujo arquiteto é o francês Jean Nouvel.[3]

Em agosto de 2013, a Autoridade de Museus do Catar mudou de status: o órgão de gestão dos museus do Catar tornou-se um instituto privado e não é mais propriedade do Estado.[4]

Em abril de 2014, Edward Dolman renunciou ao Instituto do Catar.[5] Em junho, o QM co-organiza a 38ª sessão do Comitê do Patrimônio Mundial da UNESCO em Doha[6] e faz uma doação de US$ 10 milhões à UNESCO para contribuir com seu esforço de conservação de sítios ameaçados.[7]

Política culturalEditar

A QM é um dos principais implementadores das políticas culturais do Catar, em cooperação com o Ministério da Cultura, Artes e Patrimônio.[8]

A missão de Sheikha Al Mayassa é que os Museus do Catar transformem o país em uma potência cultural. The Economist informou que um administrador disse: "Acima de tudo, queremos que o QMA seja um 'instigador cultural', um catalisador de projetos artísticos em todo o mundo".[8]

Composição do Comitê do Patrimônio Mundial da UNESCOEditar

A Autoridade de Museus do Catar foi a líder da candidatura bem-sucedida do Catar para ingressar no Comitê do Patrimônio Mundial da UNESCO em 2011.[9] O Catar também teve seu primeiro local integrante do patrimônio mundial, o sítio arqueológico de Al Zubarah, inscrito durante a sessão da tarde do Comitê do Patrimônio Mundial da UNESCO em 22 de junho de 2013 em Phnom Penh, Camboja.[10]

NotasEditar

Referências

  1. «Qatar Museums Authority announces re-branding amid layoff uncertainty». Doha News (em inglês). 11 de maio de 2014. Consultado em 24 de novembro de 2019 
  2. Lutaud, Lena (20 de dezembro de 2010). «L'offensive culturelle du Qatar». Le Figaro.fr (em francês). Consultado em 24 de novembro de 2019 
  3. «Qatar awards $434 million museum work to Hyundai». The National (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2019 
  4. «Amid QMA complaints, Shaikha Al Mayassa announces restructuring». Doha News (em inglês). 29 de agosto de 2013. Consultado em 24 de novembro de 2019 
  5. «Wikiwix's cache». archive.wikiwix.com. Consultado em 24 de novembro de 2019 
  6. mondial, UNESCO Centre du patrimoine. «UNESCO Centre du patrimoine mondial - 38e session du Comité du patrimoine mondial». UNESCO Centre du patrimoine mondial (em francês). Consultado em 24 de novembro de 2019 
  7. «Wikiwix's cache». archive.wikiwix.com. Consultado em 24 de novembro de 2019 
  8. a b «Qatar's culture queen». The Economist. 31 de março de 2012. ISSN 0013-0613 
  9. «Gulf Times – Qatar's top-selling English daily newspaper - Qatar». web.archive.org. 17 de novembro de 2011. Consultado em 24 de novembro de 2019 
  10. Centre, UNESCO World Heritage. «Qatar». UNESCO World Heritage Centre (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2019