Abrir menu principal
Avelar Brandão Vilela
Cardeal da Igreja Católica
Arcebispo de Salvador
Primaz do Brasil
Atividade Eclesiástica
Diocese Arquidiocese de São Salvador da Bahia
Nomeação 25 de março de 1971
Predecessor Dom Eugênio de Araújo Cardeal Sales
Sucessor Dom Lucas Cardeal Moreira Neves, O.P.
Mandato 19711986
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 27 de outubro de 1935
por Antônio Maria Alves de Siqueira
Nomeação episcopal 13 de junho de 1946
Ordenação episcopal 27 de outubro de 1946
por Dom José Thomas Gomes da Silva
Nomeado arcebispo 5 de novembro de 1955
Cardinalato
Criação 5 de março de 1973
por Papa Paulo VI
Ordem Cardeal-presbítero
Título São Bonifácio e Santo Aleixo
Brasão
Coat of arms of Avelar Brandão Vilela.svg
Lema DE PLENITUDINE CHRISTI
Da Plenitude de Cristo
Dados pessoais
Nascimento Viçosa, Alagoas
13 de junho de 1912
Morte Salvador, Bahia
19 de dezembro de 1986 (74 anos)
Nacionalidade brasileiro
Funções exercidas -Bispo de Petrolina (1946-1955)
-Arcebispo de Teresina (1955-1971)
Sepultado Catedral Basílica de Salvador
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Dom Avelar Cardeal Brandão Vilela (Viçosa, 13 de junho de 1912Salvador, 19 de dezembro de 1986) foi um cardeal brasileiro. Conhecido como um Alagoano Ilustre

Índice

BiografiaEditar

Iniciou seus estudos no Seminário de Maceió e no Seminário de Olinda. Foi ordenado em 27 de outubro de 1935. Membro do corpo docente e orientador espiritual do Seminário de Aracajú, foi secretário da diocese de Aracajú. Foi capelão diocesano da Ação Católica.

EpiscopadoEditar

Com apenas 33 anos foi sagrado bispo de Petrolina, sendo consagrado em 27 de outubro de 1946, pelo bispo Dom José Thomas Gomes da Silva, bispo de Aracaju, tendo como co-consagrantes Dom Adalberto Accioli Sobral, bispo de Pesqueira e Dom Mário de Miranda Vilas-Boas, arcebispo de Belém do Pará.

Em 5 de novembro de 1955, é elevado a arcebispo de Teresina. Frequentou o Concílio Vaticano II, entre 1962 e 1965. Foi eleito presidente do Conselho Episcopal Latino-Americano (CELAM), mandato que exerceu entre 1966 e 1972. Frequentou a Primeira Assembleia Ordinária do Sínodo dos Bispos, na Cidade do Vaticano, entre 29 de setembro e 29 de outubro de 1967, a primeira Assembleia Extraordinária do Sínodo dos Bispos, entre 11 a 28 de outubro de 1969 e a II Assembléia Ordinária do Sínodo dos Bispos, entre 30 de setembro e 6 de novembro de 1971. Em 25 de março de 1971 foi transferido para a Arquidiocese de São Salvador da Bahia[1].

CardinalatoEditar

Em 5 de março de 1973, foi criado cardeal no Consistório Ordinário Público de 1973, recebendo o barrete cardinalício das mãos do papa Paulo VI e o título cardinalício de São Bonifácio e Santo Aleixo. Em 1975 requereu da Santa Sé o Título já consagrado da primazia de sua arquidiocese, o Santo Padre enviou seu representante o núncio apostólico para conferir o título numa cerimônia na Catedral-Basílica Primacial de São Salvador, em 25 de outubro de 1980.

Faleceu em 19 de dezembro de 1986, de câncer de estômago e encontra-se sepultado na Catedral-Basílica Primacial de São Salvador. Era irmão do ex-senador Teotônio Vilela e tio do ex-governador de Alagoas, Teotônio Vilela Filho.

ConclavesEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. Apostolicae Sedis Commentarium Officiale. An. et Vol. LXIII (em latim). Cidade do Vaticano: Typis Polyglottis Vaticanis. 1971. p. 313. 1036 páginas 

Ligações externasEditar