Abrir menu principal

Avenida Santo Amaro

Avenida Santo Amaro
Avenida Santo Amaro no distrito do Itaim Bibi.
Nomes anteriores Estrada de Santo Amaro
Extensão 7.700
Início Avenida São Gabriel
Subprefeitura(s) Pinheiros, Vila Mariana e Santo Amaro
Distrito(s) Itaim Bibi, Moema, Campo Belo e Santo Amaro
Bairro(s) Vila Nova Conceição, Itaim Bibi, Moema, Campo Belo, Brooklin e Santo Amaro
Fim Avenida João Dias

A avenida Santo Amaro é uma via arterial da cidade de São Paulo, no Brasil, que liga o distrito do Itaim Bibi ao distrito de Santo Amaro, a mais importante ligação do centro com a zona sul.[1] Inicialmente uma estrada que fazia a ligação entre São Paulo e o hoje extinto município de Santo Amaro, hoje constitui uma importante via que delimita bairros da zona sul da capital paulista.

Até meados do século XX a avenida não costumava ter congestionamentos, mas esse panorama mudou com o crescimento do número de linhas de ônibus, que chegava a quatrocentos por hora em 1986, quando a avenida não comportava mais do que 250 por hora.[1] Com isso, ônibus formavam enormes filas próximo aos pontos, parando em filas duplas e até triplas, o que era agravado pelo fato de apenas 10% dos passageiros que saíam da zona sul seguirem até o fim do trajeto.[1]

Para contornar esse problema foi construído um corredor de ônibus nas faixas centrais. A avenida, que tinha três faixas de rolamento em cada sentido, passou a ter duas para carros e uma para ônibus em cada pista, sendo esta última separada das demais por pequenos muros de concreto e gradis.[1] As obras começaram em agosto de 1985, no Largo Treze de Maio, em Santo Amaro, e foram seguindo no sentido centro.[1] "Trata-se de uma das mais importantes interferências no sistema de transporte coletivo que a cidade sofreu nos últimos tempos", disse, à revista Veja em São Paulo, o então presidente da Companhia Municipal de Transportes Coletivos, Jair Carvalho Monteiro, em 1986.[1]

Junto com o corredor, foram construídos terminais de ônibus no Largo Treze e na Avenida João Dias, que passaram a receber linhas que saíam de bairros da zona sul mais afastados, na época já com integração para que se usasse o mesmo bilhete nas viagens em mais de uma linha com baldeação nos terminais.[1]

Apesar de cortar regiões extremamente valorizadas da cidade de São Paulo, a partir da inauguração do corredor de ônibus, em 1987, a avenida passou a enfrentar um processo de degradação, com uma grande quantidade de imóveis antigos sendo abandonados ou deteriorados. Esses imóveis tinham sido elementos de contraste urbano e arquitetônico para bairros como Vila Nova Conceição e Moema, pertencentes à Zona A do CRECI. Porém, desde 2006 esse contraste arquitetônico está sendo diminuído por meio de agressões e demolições ao patrimônio histórico e construção massiva de imóveis modernos, feitas de forma massiva por grandes construtoras. Esses imóveis antigos deteriorados poderiam ser restaurados e recuperados, mantendo suas condições, fachada e materiais de construção originais, com exceção da rede hidráulica e fiação elétrica, utilizando uma técnica de construção civil chamada retrofit[2], em vez de ser destruídos e substituídos por imóveis modernos sem características arquitetônicas que tenham a ver com a essência histórica.

A avenida é atendida pela Linha 5–Lilás do Metrô. As estações Alto da Boa Vista, Borba Gato e Brooklin foram inauguradas em 6 de setembro de 2017.[3] Já a Estação Campo Belo, onde haverá uma integração com a Linha 17–Ouro, foi inaugurada em 8 de abril de 2019.[4]

Incêndio do Viaduto sobre a Avenida dos BandeirantesEditar

Em 13 de fevereiro de 2016, a estrutura do viaduto da Avenida Santo Amaro sobre a Avenida dos Bandeirantes, construído em 1969, foi danificada por um incêndio ocorrido após acidente de trânsito envolvendo duas carretas[5]. A Prefeitura chegou a cogitar sua demolição,[6][7] a um custo estimado de quarenta milhões de reais.[8] Doze dias depois, em 25 de fevereiro, o viaduto foi reaberto para o tráfego de ônibus; em 3 de março, para o tráfego de táxis;[9] e em 6 de setembro, para o tráfego geral.[10]

Referências

  1. a b c d e f g «Viagem no corredor». Editora Abril. Veja em São Paulo: págs. 8-9. 9 de abril de 1986 
  2. http://www.centrovivo.com/institucional/detalhes-da-noticia/retrofit-tecnica-que-reforma-imoveis-deteriorados-aumenta-oferta-de-moradias-no-centro-de-sao-paulo
  3. G1 (6 de setembro de 2017). «Metrô de SP inaugura três novas estações após atrasos». Consultado em 8 de abril de 2019 
  4. Governo de São Paulo. «Governo entrega estação Campo Belo e conclui ampliação da Linha 5-Lilás». Consultado em 8 de abril de 2019 
  5. http://noticias.r7.com/sao-paulo/resultado-parcial-de-laudo-do-viaduto-santo-amaro-deve-sair-nesta-sexta-15022016
  6. http://www.diariosp.com.br/noticia/detalhe/90110/viaduto-santo-amaro-pode-ser-demolido-apos-colisao
  7. «Viaduto Santo Amaro vai ser demolido após acidente comprometer estrutura». Grupo MG Com. Jornal Estação (546). 6 páginas. 19 de fevereiro de 2016 
  8. «Obras de viaduto custarão R$ 40 mi». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (44 685): A21. 20 de fevereiro de 2016. ISSN 1516-2931 
  9. «Viaduto Santo Amaro será liberado para táxis a partir desta quinta-feira». G1-Globo. 2 de março de 2016. Consultado em 17 de março de 2016 
  10. «Viaduto Santo Amaro é totalmente liberado para o tráfego». G1 Globo. 6 de setembro de 2016. Consultado em 27 de setembro de 2016