Abrir menu principal
Embraer Legacy: uma das aeronaves mais utilizadas pela aviação executiva mundial[1]

Aviação executiva é um segmento da aviação geral constituído por indivíduos e empresas que utilizam as aeronaves como recurso para a condução de seus negócios[nota 1]. Portanto, destina-se a atender a demanda por voos privados (particulares), em rotas frequentemente distintas daquelas utilizadas pela aviação militar e regular (companhias aéreas).

Esse ramo da aviação é predominantemente composto por aeronaves pertencentes a empresas ou pessoas com poder aquisitivo suficiente para adquirir uma aeronave particular. Também se encaixam neste ramo as empresas de táxi aéreo, que normalmente operam helicópteros e outras aeronaves de pequeno porte (pequenos aviões a jato e turbo-hélices).

Os Estados Unidos da América possuem a maior frota de aviação geral do mundo. Em segundo lugar está o Brasil[3], sendo que a cidade de São Paulo concentra 35% de toda a frota de aeronaves da aviação executiva do país.[3].

Devido à crescente demanda e falta de disponibilidade de slots para voos privados nos grandes aeroportos, as aeronaves desse ramo tendem a fazer uso de aeródromos alternativos, que devido às suas pistas menores não podem receber jatos de grandes companhias aéreas.[4]

NotasEditar

  1. Vide MENEZES[2], pág. 24.

Referências

  1. Aviação Brasil: Embraer mostra o Legacy no Paris Air Show. Notícia de 13/06/2005. Acesso em 11/07/2012.
  2. MENEZES, Pedro Roberto Lima de. A Aviação Executiva: Estudo das Utilizações Estratégicas de um Serviço. Universidade Federal do Rio Grande do Sul: Porto Alegre, 2004. Acesso em 11/07/2012.
  3. a b Mercado brasileiro de aviação executiva: São Paulo sedia o maior evento do setor da América Latina. Portal do Luxo, 2011. Acesso em 11/07/2012.
  4. DUPIM,Tiago. Aviação executiva: fundamental no mundo moderno (parte 2). Revista Avião Revue. Notícia de 18/09/2008. Acesso em 11/07/2012.