Abrir menu principal

Aymar de Clermont de Chaste

Aymar de Clermont de Chaste
Nascimento Século XVI
Morte 1603
Dieppe
Cidadania França
Ocupação diplomata, militar, explorador

Aymar de Clermont de Chaste (1534? — 1603), mais conhecido por comendador de Chaste (ou de Chastes), por deter a comenda da Ordem do Hospital, foi almirante francês, governador militar da cidade de Dieppe e vice-rei da Nova França (no actual Canadá). Distinguiu-se durante as guerras franco-espanholas de 1582 a 1598 e foi figura relevante do apoio francês a D. António I, prior do Crato, durante a sua estadia nos Açores.

BiografiaEditar

Um aristocrata da corte real francesa, Aymar (ou Aimar) de Clermont de Chaste serviu como governador de Dieppe e de Arques, foi embaixador francês na corte inglesa no último quartel do século XVI e vice-almirante de França. Era cavaleiro e comendador da Ordem de São João de Jerusalém (Ordem do Hospital) e em 1593 foi feito grão-mestre da Ordem de São Lázaro (Ordre de Saint-Lazare). Era também Vice-Almirante dos Mares do Poente (Vice-Amiral des Mers du Ponant) por Henrique IV da França.

O comendador de Chaste comandou uma força naval franco-portuguesa empenhada no apoio a D. António, prior do Crato, na sua tentativa de assumir a coroa portuguesa durante a crise de sucessão de 1580. Nessa condição, participou na batalha naval de Vila Franca do Campo, tendo ficado na Terceira como comandante das forças francesas que permaneceram naquela ilha após a partida de D. António para França. Participou activamente na resistência ao desembarque da Baía das Mós, em Julho de 1583, sendo o último comandante militar pró-antonino a capitular perante as forças comandadas por D. Álvaro de Bazán.

Após o desembarque castelhano na Terceira, refugiou-se na Agualva, conseguindo uma rendição honrosa que lhe permitiu partir para França com os seus homens, bandeiras e armamento.

Henrique IV de França nomeou o comendador de Chaste como vice-rei da Nova França (a região do São Lourenço, no actual Canadá), a 6 de Fevereiro de 1602, e concessionou-lhe o exclusivo do comércio das peles naqueles territórios. Para permitir a exploração da sua concessão, Chaste formou uma companhia, que tinha como sócios outros aristocratas e um grupo de comerciantes de Rouen e de outras cidades costeiras da Normandia. Aquela companhia (Compagnie du Canada et Acadia) estabeleceria o domínio francês sobre o comércio das peles na bacia do São Lourenço, domínio que persistiria durante mais de um século e abriria caminho para a colonização francesa e para a fundação do actual Quebec.

Naquelas funções, coube ao comendador de Chaste organizar uma expedição francesa ao rio São Lourenço (Canadá). A expedição incluía, entre outros, Pierre Dugua de Mons e Samuel de Champlain. Devido à sua avançada idade, o comendador de Chaste não participou na expedição, cabendo a Samuel de Champlain dirigir as operações.

Aymar de Chaste faleceu em 1603, pouco antes do regresso de Samuel de Champlain a França.

ReferênciasEditar

Ligações externasEditar