BGM-109 Tomahawk

O BGM-109 Tomahawk, também conhecido como Tomahawk Land Attack Missile, é um míssil de cruzeiro, subsônico, de longo alcance. Introduzido pela General Dynamics na década de 1970, ele foi projetado como um míssil de médio a longo alcance, de baixa altitude, que poderia ser lançado de uma plataforma de superfície como navios de guerra e submarinos. Ele foi aprimorado diversas vezes, e, através de cessões e aquisições corporativas, é agora produzido pela Raytheon.[3] Alguns Tomahawks foram também fabricados pela McDonnell Douglas (atualmente Boeing Defense, Space & Security).

Tomahawk
Tomahawk Block IV cruise missile -crop.jpg
BGM-109 Tomahawk
Tipo Míssil de cruzeiro de longo alcance subsônico para qualquer tempo
Local de origem  Estados Unidos
História operacional
Em serviço 1983-presente
Utilizadores  Marinha dos Estados Unidos
 Marinha Real Britânica
Histórico de produção
Criador General Dynamics (início)
Fabricante Raytheon/McDonnell Douglas
Custo unitário US$ 1,87 milhões (AF2017)[1] (Block IV)
US$ 2 milhões (AF2022)[2] (Block V)
Especificações
Peso 1 600 kg (3 530 lb) (com booster)
Comprimento 5,56 m (5 560 mm) sem booster
Diâmetro 0,625 m (625 mm) com booster
0,52 m (520 mm) sem booster
Alcance efetivo 1 300 km (808 mi)
Alcance máximo 2 500 km (1 550 mi)
Ogiva Nuclear: W80 (aposentada)
Convencional: 450 kg (992 lb) alto explosivo ou submunição
Detonador FMU-148
Motor Turbofan Williams International F107-WR-402
Envergadura 2,67 m (8,76 ft)
Propelente TH-dimer e combustível de foguete sólido
Velocidade Subsônica 890 km/h (553 mph)
Sistema de
orientação
Inercial, GPS, TERCOM, DSMAC e radar ativo
Plataforma de
lançamento
Sistema de Lançamento Vertical (VLS), e tubos de torpedos submarinos
O cruzador USS Cape St. George disparando um míssil Tomahawk.

HistóricoEditar

O desenvolvimento do AGM-86 começou em meados dos anos 70. A utilização de engenhos não pilotados como forma de bombardeio não é nova, mas apesar disso, mísseis como o Boeing ALCM (Air Launch Cruise Missile) surgiram como resultado de um pedido da Força Aérea americana (USAF) para uma arma estratégica lançável de bombardeiros. A versão A original, era intercambiável com o míssil nuclear SRAM (Short Range Attack Missile) levado internamente pelos B-52. No entanto, o AGM-86 tinha um alcance inferior ao requerido, e foi construída uma versão B, cerca de 30% maior e com o dobro do alcance. Esta versão entrou em serviço em 1982, mas suas dimensões impediram que ele fosse adaptado ao lançador rotativo existente no B-52G, que no entanto podia levar dez deles nas fixações subalares. Os mais modernos B-52H foram modificados para levar a mesma carga e mais oito ALCM em um novo lançador rotativo em seu porão de bombas, sendo atualmente os únicos aviões da USAF equipados para tal. Entre 1982 e 1986 foram fabricadas cerca de 1 700 unidades de série.

O primeiro uso operacional de mísseis de cruzeiro ocorreu durante a Operação Tempestade no Deserto, na Guerra do Golfo em 1991. No decorrer da maior operação de bombardeio da História (35 horas), alguns bombardeiros B-52G da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) decolaram dos Estados Unidos e voaram até o norte da Arábia Saudita, de onde lançaram os seus mísseis AGM-86C ALCM, com ogiva convencional, contra alvos no sul do Iraque. Equipara-se a um pequeno avião subsônico não tripulado, que pode ser armado com uma ogiva nuclear de 200 kt, ou convencional de 450 kg. Para a navegação, utiliza um sofisticado sistema de navegação inercial TERCOM (Terrain Contour Matching), que utiliza um radar-altímetro para medir a distância do solo ao míssil. Para atualizar a rota em pontos pré-determinados, o sistema compara a imagem recebida do perfil do terreno abaixo com um mapa em relevo, digitalizado, inserido na memória de seu computador, antes do lançamento. Futuramente o AGM-86 será substituído pelo AGM-129 ACM (Advance Cruise Missile), de dimensões semelhantes, mas com alcance superior (3 000 km), maior precisão e características stealth, como um nariz mais plano e uma fuselagem menos detectável por radar ou infravermelho. Em 6 de Abril de 2017 os Estados Unidos, dispararam 59 mísseis Tomahawk contra uma base aérea na Síria durante a noite em resposta a um ataque químico contra civis sírios três dias antes que teria sido realizado por forças controladas pelo presidente sírio Bashar al-Assad, em luta para manter-se no poder, mergulhando o país em uma guerra civil desde 2011. No ataque, pelo menos 86 pessoas teriam sido mortas. Os mísseis foram lançados pelos destróieres americanos USS Ross e USS Porter, situados no leste do mar mediterrâneo e atingiram a base síria Al Shayrat, perto de Homs, por volta das 21h40min (hora de Brasília), 4h40min no horário local sírio.

Mísseis nesta CategoriaEditar

Referências

  1. «United States Department Of Defense Fiscal Year 2017 Budget Request Program Acquisition Cost By Weapon System» (pdf). Office Of The Under Secretary Of Defense (Comptroller) / Chief Financial Officer. Janeiro de 2016. p. 63 
  2. «Anti-Ship Missiles Top Marines $2.95B Fiscal Year 2022 Wishlist». 2 de junho de 2021 
  3. Raytheon

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre BGM-109 Tomahawk