Abrir menu principal

BR-485

rodovia federal de ligação brasileira que liga o município de Itatiaia (RJ) à localidade de Garganta do Registro, localizada na divisa entre os estados brasileiros do Rio de Janeiro e de Minas Gerais
BR-485
Nomes populares Rodovia das Flores
Estrada dos Lírios
Travessia Rui Braga
Identificador  BR-485 
Tipo Rodovia de ligação
Extensão 26,5 km
Projetado: 40,4 km
Extremos
 • Noroeste:
 • Sudeste:

BR-354 no passo de montanha denominado Garganta do Registro (divisa MG/RJ)
BR-116 (Via Dutra) em Itatiaia - RJ
Interseções BR-354
BR-116
Rodovias Federais do Brasil
A rodovia federal mais alta do Brasil.

A BR-485, também chamada de Rodovia das Flores e Estrada dos Lírios, é uma rodovia federal de ligação brasileira que liga o município de Itatiaia (RJ) ao passo de montanha denominado Garganta do Registro, localizado na divisa entre os estados brasileiros do Rio de Janeiro e de Minas Gerais, no entroncamento com a BR-354, atravessando o Parque Nacional de Itatiaia.

Na BR-485 está localizado o ponto mais alto de todas as rodovias federais do Brasil, a 2460 metros acima do nível do mar.[1] Este ponto fica situado logo após o acesso para o morro da Antena, entre a portaria 3 (conhecida como "Posto Marcão") do Parque Nacional de Itatiaia e o abrigo Rebouças. A partir deste ponto, há uma pequena estrada vicinal de 1,4 km que leva até o topo do morro da Antena, onde há uma estação de rádio da Eletrobras Furnas, a 2662 m. Assim, este pequeno acesso que sai da BR-485 leva ao ponto mais alto que é possível atingir no Brasil utilizando-se um veículo comum.[2]

PercursoEditar

A rodovia foi inicialmente projetada para ligar a Via Dutra à Garganta do Registro atravessando todo o Parque Nacional de Itatiaia. Porém, um trecho intermediário de 13,9 km entre o local chamado Barro Branco (na parte baixa do parque) e o início da trilha do maciço das Prateleiras (na parte alta), que passaria ainda pelos abrigos Macieiras e Massena, nunca foi construído. Esse trecho só pode ser percorrido a pé, por uma trilha de montanhismo conhecida como a travessia Rui Braga.[1][2]

Assim, a BR-485 consiste de dois trechos separados e sem comunicação direta. O trecho na parte baixa, entre a BR-116 (Via Dutra) e o Barro Branco, é inteiramente asfaltado; já o trecho na parte alta é apenas cascalhado. O trecho alto inicia-se na BR-354 em território fluminense, mas a poucos metros da divisa com Minas Gerais, que logo é cruzada. A partir daí, nos primeiros quilômetros a BR-485 cruza novamente a divisa várias vezes, alternando repetidamente entre o território mineiro e o fluminense, até entrar de vez no estado do Rio de Janeiro, junto à portaria 3 do Parque Nacional de Itatiaia. O trecho construído termina algumas centenas de metros adiante do abrigo Rebouças, no início da trilha para a serra das Prateleiras.[3]

Ao todo, os dois trechos construídos da BR-485 têm 26,5 km de extensão, sendo 9 km na parte baixa e 17,5 km na parte alta.[4]

A rodovia atravessa o maciço do Itatiaia, passando logo ao lado de importantes cumes brasileiros, tais como o pico das Agulhas Negras, o maciço das Prateleiras, o morro do Couto, a Pedra do Altar e a Pedra do Sino de Itatiaia. Ao longo de seu percurso, a rodovia passa pelos municípios fluminenses de Itatiaia e Resende, e pelo município mineiro de Itamonte.[3][2]

GaleriaEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b Carrilho, Pedro (21 de julho de 2011). «Acima de 2.000 m, Itatiaia alia vista bela a via péssima». Folha de S. Paulo. Consultado em 8 de agosto de 2016 
  2. a b c Santos, Eduardo Augusto (20 de junho de 2016). «BR-485, a rodovia federal mais alta do Brasil». Itamonte.net. Consultado em 8 de agosto de 2016 
  3. a b Carta do Brasil - Esc. 1:50.000 - Agulhas Negras (PDF) (Mapa) 3ª ed. 1:50.000. Cartografado por IBGE. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 1988. p. SF-23-Z-A-I-4. Consultado em 8 de agosto de 2016 
  4. «TC, BR-485 com 9,0 km de extensão» (PDF). Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). 22 de dezembro de 2014. Consultado em 8 de agosto de 2016 

Ligações externasEditar