Baekjeong

casta intocável da Coreia

Os baekjeong (hangul: 백정; hanja: 白丁; rr: baekjeong; MR: paekchŏng) eram uma casta "intocável" na Coreia,[1] originária de alguns grupos nômades minoritários de etnia disputada. No início do período Goryeo (918-1392), essas minorias foram em grande parte estabelecidas em comunidades fixas.[1] No entanto, a invasão mongol deixou a Coreia em desordem e anomia e esses grupos se tornaram nômades.[1] Os subgrupos dos baekjeong incluíam os chaein (才人, "animadores") e os hwachae (禾尺) ou suchae (水尺),[2] que eram principalmente açougueiros. Os baekjeong ocupavam profissões específicas como açougue, curtimento, cestaria e execuções.[1] Durante o período Goryeo, baekjeong era usado como um termo neutro para se referir às pessoas comuns.[3] Desde a época da dinastia Joseon, tornou-se um título insultuoso usado para se referir à classe mais baixa da sociedade.[4] Além disso, desde a dinastia Joseon, "baekjeong" também tem sido usado para denegrir uma pessoa.[5][6] Na Coreia do Sul contemporânea, o termo é associado principalmente ao significado de açougueiro e até mesmo usado nos nomes dos restaurantes.[7][8]

Baekjeong
Uma pessoa de máscara, atuando como um açougueiro baekjeong em uma peça
Nome em coreano
Hangul 백정
Hanja
Romanização revisada Baekjeong
McCune-Reischauer Paekchŏng

OrigemEditar

Segundo Jeong Yakyong, um dos mais ilustres estudiosos da metodologia das pesquisas históricas no reinado do rei Jeongjo (1777-1800) e do rei Sunjo (1801-1834),[9] uma teoria sustenta que eles eram de origem "tártara". O termo "tártaro" parece ter sido um termo geral para todos os povos do norte, mongóis, manchus e assim por diante. Em seu livro, a origem dos baekjeong é atribuída a um grupo nômade do período Goryeo conhecido como yangsucheok (hangul: ; hanja: 楊水尺) ou mujari (hangul: 무자리).[9] Sendo um povo estrangeiro, os yangsuchuk dificilmente foram assimilados pela população em geral.[9] Eles estavam envolvidos na fabricação e venda de cestos de salgueiro.[9] Eles também eram proficientes no abate de animais e gostavam de caçar.[9]

HistóriaEditar

No período GoryeoEditar

Da dinastia Goryeo (918-1392) até a época do Rei Sejong da Dinastia Joseon, baekjeong não era usado para se referir à classe mais baixa de pessoas.[10] O termo sino-coreano baekjeong (hangul: ; hanja: 白丁) originalmente significava "pessoas comuns",[11] um significado que mantém em chinês e japonês. Com base nas informações do goryeosa, a principal história sobrevivente da Coreia de Goryeo, os estudiosos assumem que um baekjeong é "uma pessoa que não tem carga de deveres (hangul: )". O termo é um composto de baek (hangul: ; hanja: ), que significa "branco/inocente/em branco", e jeong (hangul: ; hanja: ) "pessoa, homem".[10] Como tal, baekjeong ou "homem em branco" conota um grupo de camponeses que não receberam terras porque não receberam certos deveres do estado.[10]

No período Goryeo, os termos para o grupo que mais tarde seria conhecido como baekjeong eram yangsucheok (hangul: ; hanja: 楊水尺), sucheok (hangul: ; hanja: 水尺), hwacheok ou hwachae (hangul: ; hanja: 禾尺) e mujari (hangul: 무자리), provavelmente um composto de 물 ("água") e 자리 ("assento, lugar").[12][13] Eles descendem dos Jurchen ou Khitans que datam do início de Goryeo.[14] Eles gostavam da vida em grupo entre si, então continuaram morando em residências temporárias enquanto se mudavam para várias áreas.[15] Eles foram distribuídos em todo o país, mas estavam especialmente concentrados nas províncias de Pyeongan-do e Hwanghae-do.[15] Não estavam inscritos no registro nacional.[15]

No período JoseonEditar

Nos primeiros dias da fundação da Dinastia Joseon, o rei Sejong consolidou os vários grupos de párias com agricultores comuns.[10] Este grupo combinado chamado "baekjeong", o nome do grupo camponês geral no período Goryeo.[10] O rei Sejong também os colocou no registro da família, deu-lhes terras para plantar, estabeleceu-os em comunidades fixas e tentou mantê-los sob controle estatal.[10] No entanto, as políticas comuns do rei Sejong não conseguiram superar os preconceitos das pessoas comuns, que continuaram a discriminar os descendentes de párias. Mesmo os funcionários do governo não seguiram as instruções do rei.[16]

Além disso, parece que os baekjeong não mudaram facilmente seu estilo de vida ou ocupação existente.[16] Eles se estabeleceram em uma área, mas não tentaram cultivar, em vez disso se envolveram na produção e venda de produtos de vime, matando, cantando e dançando.[16] Nesta situação, a integração dos baekjeong no campesinato comum não foi fácil e a prática de discriminação e repressão contra eles continuou.[16] Em particular, o grupo dominante considerava a vida e os costumes dos açougueiros como desprezíveis, anti-sociais, não normativos e até potencialmente criminosos.[16]

Fim da Dinastia JoseonEditar

Perto do final da dinastia Joseon, uma organização de ajuda mútua para os baekjeong foi estabelecida, chamada Seungdongdoga (hangul: 승동도가; hanja: 承洞都家), com representantes de várias comunidades.[17] A organização estava envolvida na ação, coordenando melhorias e atuando às vezes como representante oficial do baekjeong em questões legais.[17] Em 1894, o sistema de castas coreano foi legalmente abolido pela reforma Gabo. No entanto, a discriminação social contra os baekjeong não chegou ao fim. O registro familiar de baekjeong ainda era separado e, sob "ocupação", seus nomes eram marcados pelo uso da palavra 屠漢 ("açougueiro") ou um ponto vermelho.[18] No entanto, a reforma Gabo garantiu que baekjeong pudesse se tornar oficial, acadêmico ou artista se tivesse a habilidade.[19] Embora ainda estivessem amplamente limitados às suas ocupações tradicionais, os regulamentos modificados em 1896 permitiram que os não-baekjeong se tornassem açougueiros licenciados, eventualmente levando a empresas de carne que expulsaram muitos de uma das poucas ocupações abertas a eles.

No entanto, enquanto as melhorias no status social dos baekjeong vinham lentamente, era diferente para os plebeus (os mais baixos dos yangmin ), que economicamente eram pouco diferentes dos escravos. O respeito pelos funcionários do governo caiu no século XVII quando eles fugiram dos invasores japoneses e manchus, deixando os civis à sua mercê. O governo também concedeu a muitos milicianos o status de classe yangban em troca de suas atividades voluntárias de milícia contra esses invasores. Com o tempo, com a ascensão do comércio, os comerciantes compraram histórias familiares falsificadas e também documentos oficiais de status. Eventualmente, cerca de três quartos da população eram yangban no nome.

Uso modernoEditar

O termo "baekjeong" ainda é usado na sociedade coreana moderna. Isso é particularmente comum em ocupações que lidam com carne crua, que carregam um estigma social negativo.[20] Apesar disso, "baekjeong" é amplamente usado em nomes de restaurantes coreanos, denotando estabelecimentos de churrasco onde a carne marinada crua é servida e cozida à mesa.[21] Neste contexto, baekjeong é descritivo e não carrega nenhuma conotação negativa.

EmpregosEditar

CarrascoEditar

Durante grande parte da dinastia Joseon, eles também foram forçados a servir como carrascos.[22] Quando a comunidade baekjeong era chamada para fornecer um carrasco, o trabalho era atribuído a algum "membro infeliz", às vezes uma pessoa praticamente insana.

AçougueiroEditar

Os baekjeong faziam trabalhos que nenhum coreano budista de respeito tocaria, incluindo qualquer coisa que trabalhasse com animais.[23] Abate de animais, fabricação de couro - esses tipos de deveres impuros eram evitados por outros coreanos, e assim foram preenchidos de fato pelos baekjeong.[23] Em outras palavras, o grupo foi designado para as tarefas mais humilhantes da sociedade coreana.[23] Eles também foram considerados uma violação moral dos princípios budistas, o que levou os coreanos a ver o trabalho envolvendo carne como poluente e pecaminoso, mesmo que considerassem o consumo aceitável.[23] No final da Dinastia Joseon, os baekjeong aceitaram os princípios do confucionismo e começaram a não abater animais durante três anos quando seus pais morriam.[24]

DiscriminaçãoEditar

O grupo sofreu severa discriminação social na sociedade coreana.[25] Os baekjeong eram vistos como pessoas desprezíveis e poluídas que os outros temiam e evitavam conhecer.[25] Os baekjeong não podiam morar em uma casa com telhado e não tinham permissão para usar roupas de seda ou sapatos de couro ou um gat[26] (um chapéu de crina de cavalo coreano tradicional). Quando os baekjeong saíam de suas casas, eles tinham que usar um paeraengi ou chapéu de bambu. Um baekjeong tinha que se abaixar na frente de um yangin e era proibido de fumar ou beber na presença deles.[26] Os baekjeong não podiam montar uma liteira ou cavalo quando se casavam e uma mulher casada não podia usar um bastão de cabelo.[26] Os baekjeong também não podiam ter sobrenomes e era proibido o uso de certos caracteres em seus nomes pessoais, como 仁 ("benevolência"), 義 ("retidão"), 禮 ("ritos") ou 智 ("sabedoria").[26] A extensão em que eles eram vistos como pessoas impuras é bem ilustrada no fato de que seus corpos foram mantidos em cemitérios separados para não se misturar com os dos yangmin.

Influência da religiãoEditar

Donghak e o cristianismo tiveram muita influência sobre os baekjeong. Esses sistemas de crenças expuseram os baekjeong - e os coreanos em geral - a conceitos de igualitarismo e igualdade social.[27] Paralelamente e apoiando o surgimento dessas ideias foram as transições que ocorreram na sociedade coreana como um todo, particularmente no que diz respeito às classes sociais. A influência dessas religiões passou a ser vinculada ao movimento social.[27]

DonghakEditar

No final do século XIX, houve um impulso crescente em direção à dignidade humana e à liberalização. De particular importância foi o crescimento de certas religiões que apoiavam a mudança. Donghak, uma religião nacionalista coreana, desejava acabar com convenções injustas. Os camponeses Donghak haviam encenado uma revolta em 1894 em favor dos direitos humanos, especialmente para aqueles que estavam no nível mais baixo da escala social. Entre outras coisas, eles exigiram que os baekjeong não fossem mais forçados a usar chapéus discriminatórios e que as viúvas pudessem se casar novamente.[28] Embora esta revolta não tenha sido bem sucedida, foi um importante impulso por trás da Reforma Gabo, e ajudou a abolir a estrutura de classes que impunha restrições legais a certos grupos. No entanto, os baekjeong se beneficiaram muito menos dessas mudanças do que outros grupos, como os escravos.

CristianismoEditar

A outra grande influência religiosa sobre os direitos humanos veio através do cristianismo.[27] Alguns missionários converteram baekjeong ao cristianismo, afirmando que todos têm direitos iguais perante Deus.[27] No entanto, nem todos eram iguais nas congregações cristãs e protestos eclodiram quando os missionários tentaram integrar o baekjeong nos cultos, com os não-baekjeong achando tais tentativas insensíveis às noções tradicionais de status social.[27]

Movimentos sociaisEditar

A partir do final do século XIX e início do século XX, os baekjeong começaram a resistir à discriminação social aberta que existia contra eles.[29] Em 1900, líderes de 16 condados pediram ao prefeito de Jinju que fosse permitido usar as mesmas roupas e chapéus que outras pessoas.[30] Quando outros no norte se recusaram a usar o traje humilhante tradicionalmente esperado deles e foram presos, foi feito um esforço para libertá-los.[30] O crescente industrialismo na Coreia começou a corroer o domínio baekjeong sobre certas ocupações, particularmente quando os japoneses começaram a controlar matadouros e explorá-los como empregados.[30]

No entanto, como alguns baekjeong caíram em desespero financeiro, o afrouxamento da segregação levou outros a lucrar com as mudanças, dando-lhes a capacidade de financiar esforços para a mudança.[30] Além dos recursos financeiros, a organização também foi fortalecida devido às conexões de longa data criadas por meio da segregação e redes sociais estreitas.[30] Entre esses recursos humanos e financeiros, uma ênfase em modelos progressistas e sentimentos de privação social e discriminação, as condições estavam maduras para os baekjeong se mobilizarem para a mudança.[30] Um dos primeiros desses movimentos foi em 1910, quando Chang Chip'il, mais tarde um membro influente do Hyeongpyeongsa, tentou sem sucesso estabelecer um sindicato para açougueiros.[30] Em 1921, o Jipseong Johap foi estabelecido por empresários coreanos e japoneses, tentando fornecer assistência à pobreza para açougueiros.[30] No entanto, esse esforço de melhoria das condições econômicas logo foi ofuscado por uma organização com objetivos mais amplos.[30]

O Hyeongpyeongsa foi lançado em Jinju em 23 de abril de 1923 através da aliança de defensores da mudança, ricos ou educados baekjeong e não-baekjeong, defendendo "a abolição das classes e de denominações desdenhosas, a iluminação dos membros e a promoção da amizade mútua entre membros."[31] Defendeu tanto os direitos civis individuais quanto a comunhão comunal, reconhecendo que o grupo deve manter sua identidade sob a pressão de mudanças como a urbanização e a industrialização que ameaçavam atomizar a comunidade.[31] Assim, o Hyeongpyeongsa buscava tanto a igualdade de direitos humanos quanto o direito de assimilar o público em geral, mesmo enquanto trabalhava para forjar uma identidade comum.[31] Em 1927, vários membros do Hyeongpyeongsa foram presos por seu envolvimento na criação de uma organização nacionalista clandestina. Sua ausência foi parcialmente responsável pela mudança da organização para a esquerda socialista no final da década de 1920.[31] O poder dentro da organização mudou várias vezes, incluindo a mudança em 1925 da facção Chinju original que defendia a reforma educacional para um grupo de intelectuais de Seul mais interessados ​​em reformas econômicas baseadas em ocupações tradicionais.[31]

Na conferência nacional de 1931, eles provocaram polêmica dentro do movimento ao apresentar uma proposta de dissolução, sentindo que a organização havia abandonado seus objetivos originais e que agora lutavam em favor dos intelectuais burgueses que a dirigiam.[31] Acreditavam que a dissolução serviria melhor aos seus interesses, uma vez que foi substituída por sindicatos.[31] A proposta de dissolução falhou, mas não sem alienar ainda mais os membros mais conservadores do movimento, que já estavam financeiramente presos às condições econômicas mais amplas na Coreia.[31] Ainda mais fatal para o movimento foi a prisão de vários jovens radicais, acusados ​​de estabelecer uma organização comunista secreta, a "Vanguarda Jovem do Hyeongpyeongsa", que as autoridades disseram exigir a luta contra o feudalismo e a abolição da propriedade privada.[31] O julgamento relacionado a esta acusação se arrastou por quatro anos, antes que os réus fossem considerados inocentes. Parece provável que a "organização" tenha sido uma construção das autoridades japonesas para garantir que a ala trabalhista da Hyeongpyeongsa não interferisse no acesso ao couro necessário para a invasão da China.[31] Como resultado, o Hyeongpyeongsa mudou para a direita, abandonando os ideais progressistas e finalmente se desfazendo em 1935, alegando que os objetivos do movimento haviam sido alcançados com sucesso.[31]

O poder crescente da ala radical dividiu o movimento, e grande parte do apoio econômico fornecido pelos baekjeong mais ricos foi puxado, particularmente sob a pressão da Grande Depressão, que impactou negativamente o comércio de carne e couro.[32] Os jovens socialistas do Hyŏngp'yŏngsa forjaram conexões com outros movimentos, tentando ampliar o movimento e trabalhar para "a reconstituição da Coreia como um todo".[32] Mais importante, eles se concentraram nas injustiças sociais e econômicas que afetam os baekjeong, na esperança de criar uma sociedade coreana igualitária.[33] Seus esforços incluíam atacar a discriminação social por parte da classe alta, autoridades e "plebeus" e o uso de linguagem degradante contra crianças em escolas públicas.[33]

Sistema de castas de JoseonEditar

Classe Hangul Hanja Significado
Yangban 양반 兩班 (dois tipos de) aristocratas
Jungin 중인 中人 pessoas do meio
Sangmin 상민 常民 plebeus
Cheonmin 천민 賤民 plebeus vulgares
Baekjeong 백정 白丁 intocáveis (excluídos da sociedade)
Nobi 노비 奴婢 escravos (ou "servos")

ReferênciasEditar

  1. a b c d Sudrania, OP (9 de setembro de 2012). «Castes in a Global Perspective - Is Caste Only a Hindu Problem? (Part 6) - ChakraNews.com». ChakraNews.com (em inglês). Consultado em 5 de maio de 2018 
  2. «화척(禾尺) - 한국민족문화대백과사전» [Hwacheok (禾尺) - The Encyclopedia of Korean National Culture]. encykorea.aks.ac.kr (em coreano). Consultado em 13 de setembro de 2021 
  3. «Baekjeong(白丁) - Korean National Culture Encyclopedia». encykorea.aks.ac.kr (em coreano). Consultado em 14 de abril de 2018 
  4. «National Korean Language Institute - Standard Language Encyclopedia». stdweb2.korean.go.kr. Consultado em 14 de abril de 2018 
  5. «Prosecutors alleged the lobby to finish checking two people indicted without detention ... 'anticlimax'» (em coreano). 18 de abril de 2018. Consultado em 28 de abril de 2018 
  6. Lee, Jung Geun (25 de outubro de 2011). «Human Baekjeong, criticism of Sejo of Joseon». Oh-My-News. Consultado em 28 de abril de 2018 
  7. «Kang Ho Dong BAEKJEONG». www.baekjeong.co.kr (em inglês). Consultado em 14 de junho de 2018. Cópia arquivada em 16 de junho de 2018 
  8. Yoon, Soon Yong (2011). «벽초『임꺽정』에 나타난 백정의 실체와 문학적 형상화» [The Butcher's reality and his literary portrayal in 「Imggeokjeong」]. Master's Thesis(Graduate School of Education, Kongju National University) (em coreano). 1 páginas 
  9. a b c d e Rhim, Soon Man (1974). «THE PAEKCHONG: "UNTOUCHABLES" OF KOREA.» (PDF). Journal of Oriental Studies. 12: 30–40 
  10. a b c d e f Kim, Joong Seop (2013). «"조선시대 백정"의 기원에 대한 역사사회학적 고찰» [Articles: The Origins of the Outcast, Paekjong, in the Choson Period: The Socio-Historical Perspective Reconsidered]. 동방학지. 164: 140~141 – via 연세대학교 국학연구원(Yonsei Univ. Oriental Institute) 
  11. Ryu, Sun Young (2001). «高麗時代 白丁에 대한 再檢討» [Reexamation of Baekchong in Koryo Dynasty]. Thesis (Master)-Dong-A University Graduate School: History Department (em coreano). 3: 1~50 – via 동아대학교 도서관(Dong-A University Library) 
  12. Martin, Samuel Elmo; Yi, Yang-ha; Chang, Sŏng-ŏn, eds. (1967). A Korean-English dictionary. New Haven: Yale University Press. ISBN 9780300007534 
  13. «Yangsuchuck(楊水尺) - Korean National Culture Encyclopedia». encykorea.aks.ac.kr (em coreano). Consultado em 14 de Abril de 2018 
  14. «신편한국사-고려 전기의 사회와 대외 관계» [New Korean History - Society and Foreign Relations in Goryeo Dynasty] (PDF). 국사편찬위원회 (em coreano). 2002 
  15. a b c «Hawchuck(禾尺) - Korean National Culture Encyclopedia». encykorea.aks.ac.kr (em coreano). Consultado em 14 de Abril de 2018 
  16. a b c d e Kim, Joong Seop (2013). «"조선시대 백정"의 기원에 대한 역사사회학적 고찰» [Articles: The Origins of the Outcast, Paekjong, in the Choson Period: The Socio-Historical Perspective Reconsidered]. 동방학지. 164: 154~155 – via Yonsei Univ. Oriental Institute 
  17. a b Lee, Moon Jae (8 de agosto de 1991). «'분강나루'서 건져낸 백정 恨» [Baekjeong's Resentment]. www.sisapress.com (em coreano). Consultado em 12 de maio de 2018 
  18. Kim, Han Jong (6 de junho de 2004). «차별과 저항의 역사 '백정'» [The history of discrimination and resistance "Baekjeong"]. legacy.www.hani.co.kr (em coreano). Consultado em 12 de maio de 2018 
  19. Lee, Lee Hwa (2008). 인물로 읽는 한국사 시리즈 - 빼앗긴 들에도 봄은 오리니 [Korean History Series by Humans- Spring is also coming down Take away Field] (em coreano). [S.l.]: 김영사[Gimmyoung]. ISBN 978-8934953647 
  20. Kim, Yun Ho (16 de abril de 2018). «스키니진 입고 칼질하는 열아홉 육부장» [Nineteen Sixteen Meat Directors]. JoongAng Ilbo (em coreano). Consultado em 12 de maio de 2018 
  21. Kang, Matthew (17 de novembro de 2017). «Watch: Is Kang Ho Dong Baekjeong the World's Favorite Korean Barbecue?». Eater Video. Consultado em 12 de maio de 2018 
  22. Shin, Michael D; Park, Edward; Yŏksa, Yŏn'guhoe (2014). Everyday life in Joseon-era Korea: economy and society / The Organization of Korean Historians, Seoul; edited and translated by Michael D. Shin; co-translated by Edward Park. Netherlands: Leiden. ISBN 9789004261150 
  23. a b c d «CE 1100. The Baekjeong: Medieval Outcasts». The History of Korea (em inglês). 11 de setembro de 2017. Consultado em 5 de maio de 2018 
  24. Jo, Yun Min (2017). 모멸의 조선사: 지배 권력에 맞선 백성의 열 가지 얼굴 [Anger History of Joseon-Ten faces of the people against the dominant power]. [S.l.]: 글 항아리. ISBN 9788967354961 
  25. a b Kim, Han Jong (6 de junho de 2004). «The history of discrimination and resistance 'Baekjeong'». legacy.www.hani.co.kr. Consultado em 12 de maio de 2018 
  26. a b c d Kim, Jung In (2015). 민주주의를 향한 역사: 시대의 건널목, 19세기 한국사의 재발견 [History for Democracy: Crossing the Age, Rediscovery of 19th Century History]. [S.l.]: 책과함께. ISBN 9791186293393 
  27. a b c d e Kim, Jong Rock (2013). 근대를 산책하다 [Take a walk in the Modern Times]. [S.l.]: Dasan Books. pp. 126~133. ISBN 978-8963709352 
  28. Park, Eun Hong (2006). 한국사 상식 바로잡기 [Correcting Korean common sense]. [S.l.]: 책과함께(Wbooks). ISBN 978-8997735853 
  29. Kim, Jung-Seop (1999). «In Search of Human Rights: The Baekjeong Movement in Colonial Korea». In: Gi-Wook Shin and Michael Robinson. Colonial Modernity in Korea. Harvard Univ: [s.n.] p. 326. ISBN 978-0674005945 
  30. a b c d e f g h i Kim, Chung-sŏp (2001). 형평 운동, 3권, 진주 문화 를 찾아서 (em coreano). University of Michigan: 지식 산업사. ISBN 978-8942348176 
  31. a b c d e f g h i j k Lee, Jeong-eun (2013). «근대도시의 소외된 사람들-소수자와 인권의 사회사» [The Urban Marginalized People in the Modern City: The Social History of Minorities and Human Rights]. Institute for East Asian Studies. 10: 140–142 – via SungKongHoe University 
  32. a b Kim, Joong-Seop (2003). The Korean Baekjeong under Japanese rule: the quest for equality and human rights. [S.l.: s.n.] p. 147 
  33. a b Kim, Joong-Seop (2003). The Korean Paekjŏng under Japanese rule: the quest for equality and human rights. London: [s.n.] 147 páginas. ISBN 9781138863460 

BibliografiaEditar

  • Osgood, Cornelius. 1951. The Koreans and Their Culture. New York: Ronald Press.
  • Passin, Herbert. 1957. "The Paekchŏng of Korea: A Brief Social History" Monumenta Nipponica. 12 (3/4): 195–240.
  • Kim, Joong-Seop. 1999. "In Search of Human Rights: The Paekchŏng Movement in Colonial Korea" Pp. 311–335 in Colonial Modernity in Korea, edited by Gi-Wook Shin and Michael Robinson. Cambridge; London: Harvard University Asia Center.
  • Kim, Joong-Seop. 2003. The Korean Paekjŏng under Japanese rule: the quest for equality and human rights. London; New York: Routledge.
  • 上原善広, 2006. "コリアン部落". ミリオン出版.
  • 金永大, 1988. "朝鮮の被差別民衆". 解放出版社.
  • 金仲燮, 2003. "衡平運動 朝鮮の被差別民・白丁その歴史とたたかい". 部落解放・人権研究所