Abrir menu principal
Baião de dois.

Baião de dois é um prato tipico da região Nordeste e partes da região Norte do Brasil, como Rondônia, Acre, Amazonas e Pará. Consiste num preparado de arroz e feijão, de preferência o feijão verde ou feijão novo. É frequente adicionar-se queijo de coalho. Não se adiciona carne-seca (charque) no Ceará. Na Paraíba e Pernambuco, existe uma variante desse prato chamado de rubacão, onde no Sertão é bastante apreciado.

Índice

EtimologiaEditar

A origem do nome "baião de dois" tem relação com o baião, dança típica do nordeste do Brasil, sendo que o numeral refere-se à combinação que é a base do prato, o arroz com feijão. O termo ganhou popularidade com a música Baião de Dois, parceria do compositor cearense Humberto Teixeira com o "Rei do Baião", o pernambucano Luiz Gonzaga, na metade do século XX.[1]

A origem cearense da iguaria é atestada pelo folclorista Câmara Cascudo, citando como referência a obra de 1940, Liceu Cearense, de Gustavo Barroso.[2]

O baião, por ser uma mistura de dois elementos da culinária brasileira apreciados e de fácil acesso, o arroz e o feijão, é muito comum em áreas rurais. É possível perceber que ele é feito principalmente à noite para que seja aproveitado o restante do feijão cozido durante o dia.

Modos de preparoEditar

Para fazê-lo, deve-se cozinhar o arroz cru no feijão com caldo já cozido e demais temperos como cebola, tomate, pimentão e especiarias como o coentro e a cebolinha. Queijo e nata costumam também ser adicionados.

Moro dominicanoEditar

Na República Dominicana existe um prato semelhante, chamado de moro, o qual também é preparado cozinhando o arroz e o feijão juntos.[3][4]

Referências

  1. «Culinária do Nordeste do Brasil (comida nordestina)». Fundaj. Consultado em 16 de maio de 2019 
  2. CASCUDO, Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. Ediouro, Rio de Janeiro, 10ª ed., 1998 (ISBN 85-00-80007-0)
  3. «Moro Dominicano» 
  4. «Saborea Nuestro Sabor Dominicano» 

Ligações externasEditar