Décimo Célio Calvino Balbino (em latim: Decimus Caelius Calvinus Balbinus; c. 165Roma, 29 de julho de 238 (73 anos)) foi cônsul e coimperador de Pupieno, no ano 238, ano dos seis imperadores.[1]

Balbino
Imperador Romano
Reinado 22 de abril
a 29 de julho de 238
Predecessores Gordiano I e Gordiano II
Sucessor Gordiano III
Coimperador Pupieno
 
Nascimento c. 178
Morte 29 de julho de 238 (60 anos)
Roma, Itália, Império Romano
Nome completo  
Décimo Célio Calvino Balbino

BiografiaEditar

Origens e carreiraEditar

Não se sabe muita informação sobre Balbino sobre o período anterior à ascensão ao trono imperial. Supõe-se que descende de Publio Celio Balbino Vibullo Pio, cônsul ordinário em 137. Patrício de nascimento, era filho natural ou adotivo de Célio Calvino, vinculado na Capadócia em 184.[2]

Segundo Herodiano, Balbino tinha sido governador de províncias, mas a lista das sete províncias contida na Historia Augusta, bem como o proconsulado da Ásia e África relatado pela mesma fonte, é provavelmente falso.[2]

Foi cônsul duas vezes: a primeira missão foi como cônsul suffectus, provavelmente por volta de 200; o segundo foi o consulado ordinário com Caracala em 213, o que torna plausível que Balbino tenha gozado do favor do imperador.[2]

ReinoEditar

Quando Gordiano I e Gordiano II foram proclamados imperadores na África, o Senado Romano nomeou uma comissão de vinte homens,[3] incluindo Balbino, para coordenar ações contra o imperador reinante Maximino Trácio. Ao ouvir a notícia da derrota e morte dos górdios nas mãos de um governador leal a Massimino, Capeliano, o Senado elegeu Balbino e Marco Clódio Pupieno Máximo imperadores.[4] Os senadores, reunidos no Templo de Júpiter Capitolino, foram atacados pela multidão, que exigia a eleição ao trono de um parente dos górdios;[5] depois de tentarem sem sucesso deixar o templo com uma escolta armada, os dois imperadores elevaram o jovem Gordiano III, neto de Gordiano I ao posto de césar.[6]

Na época, Balbino tinha cerca de sessenta anos: ser um senador idoso, rico e com o devido conhecimento o libertou do caminho para o trono imperial. Enquanto os exércitos foram confiados a Pupieno, mais experiente militarmente; ele, portanto, imediatamente partiu para Ravena para encontrar Maximino que veio do norte, Balbino permaneceu em Roma.[7][8] Aqui a situação tornou-se muito difícil quando dois soldados foram mortos no Senado pelos senadores Gallicano e Mecenate. O povo se alinhou contra a própria guarda pretoriana, que pouco depois a massacrou, tanto que grande parte da cidade foi incendiada.[9] Com a morte de Maximino a multidão aplaudiu, tendo recebido as cabeças do tirano e seu filho, reunidos no Circo Máximo, para agradecer o novo co-Augusto Balbino.[10]

Fontes dizem que, após seu retorno da bem-sucedida campanha contra Maximino, Pupieno começou a suspeitar que Balbino queria se livrar dele e, pouco depois, passaram a morar em diferentes partes do palácio imperial. A Guarda Pretoriana estava insatisfeita com os dois senadores; os pretorianos também temiam ser dissolvidos e substituídos pela guarda germânica de Pupieno: decidiram então atacar o palácio e derrubar os imperadores. Pupieno tentou convencer Balbino a recorrer à guarda germânica, mas Balbino, desconfiado, recusou, suspeitando de uma armadilha; seguiu-se uma violenta altercação, interrompida apenas pela chegada dos pretorianos, que levaram os dois imperadores ao seu acampamento e os mataram, proclamando Gordiano III Augusto.[11][12]

Referências

  1. «BALBINO, Decimo Celio Calvino». Enciclopedia Italiana. 1930 
  2. a b c Herodiano,História do império depois de Marco Aurélio, VII, 10.4
  3. ^ I XX Viri Ex S.C. Rei Publicae Curandae, «Venti uomini per volontà del Senato per la cura dello Stato» (Zosimo, I, 14.2; Aurelio Vittore, Caesarum, 24.7; Historia Augusta, Gordiani, 14.3 e 22.1).
  4. ^ Historia Augusta - I due Massimini, 20.1; Erodiano, Storia dell'impero dopo Marco Aurelio, VII, 10.1-3.
  5. ^ Erodiano, Storia dell'impero dopo Marco Aurelio, VII, 10.5-6.
  6. ^ Erodiano, VII, 10, 7-9; Historia Augusta, Maximus et Balbinus, 8.1; Historia Augusta - I due Massimini, 20.2.
  7. ^ Historia Augusta - I due Massimini, 20.4-5; Erodiano, Storia dell'impero dopo Marco Aurelio, VII, 12.1.
  8. ^ Erodiano, VII, 6-10.
  9. ^ Historia Augusta - I due Massimini, 20.6; Erodiano, Storia dell'impero dopo Marco Aurelio, VII, 12.6-7
  10. ^ Erodiano, Storia dell'impero dopo Marco Aurelio, VIII, 6.8.
  11. ^ Erodiano, VII, 8.2-7; Historia Augusta, Maximus et Balbinus, 14. È stato suggerito che la rivolta dei pretoriani sia stata in qualche modo incoraggiata dai partigiani di Gordiano (Whittaker, C.R., Herodian, vol II, p. 303, nota 3); Zosimo, Storia nuova, I, 16.2.
  12. ^ Eutropio, Breviarium ab Urbe condita, IX, 2.

BibliografiaEditar

Fonte primária
  • Historia Augusta, Massimo e Balbino, I due Massimini.
  • Erodiano, Storia dell'impero dopo Marco Aurelio.
  • Eutropio, Breviarium ab Urbe condita, IX.
Fontes historiográficas modernas
  • Mc Mahon, Robin, "Pupienus (238 A.D.) and Balbinus (238 A.D.)", De Imperatoribus Romanis
  • Marina Silvestrini, Il potere imperiale da Severo Alessandro ad Aureliano in: AA.VV., Storia di Roma, Einaudi, Torino, 1993, vol. III, tomo 1; ripubblicata anche come Storia Einaudi dei Greci e dei Romani, Ediz. de Il Sole 24 ORE, Milano, 2008 (v. il vol. 18°)
  • Maurice Sartre, Le Dies Imperii de Gordien III: une Inscription Inèdite de Syria, in Syria 61, pp. 51–61
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Balbino

Precedido por
Gordiano II
Imperador romano
238
Sucedido por
Gordiano III
  Este artigo sobre Roma Antiga e o Império Romano é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.