Abrir menu principal

Baldo dos Ubaldi

Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o jurista italiano. Para a estação metroviária de Roma, veja Estação Baldo degli Ubaldi.
Baldo dos Ubaldi
Nascimento 2 de outubro de 1327
Perúgia
Morte 28 de abril de 1400 (72 anos)
Pavia
Ocupação Jurista

Baldo dos Ubaldi (em latim: Baldus de Ubaldis; em italiano: Baldo degli Ubaldi; Perúgia, 2 de outubro de 1327 — Pavia, 28 de abril de 1400) foi um jurista italiano, aluno de Bártolo de Sassoferrato e professor de direito nas universidades de Bolonha, Perúgia, Pisa, Florença, Pádua e Pavia.

Índice

BiografiaEditar

Membro da família nobre dos Ubaldi (Baldeschi), Baldo nasceu em Perúgia em 1327 e estudou direito romano-germânico, nessa mesma cidade, sob a orientação de Bártolo de Sassoferrato, tendo alcançado o grau de doutor de direito romano-germânico com a idade de dezessete anos. É dito que Frederico Petrucci de Siena foi o professor, que lhe ensinou direito canônico.[1]

Após completar seu doutorado, Baldo foi para Bolonha, onde lecionou direito por três anos, após o que conseguiu uma cátedra em Perúgia, onde permaneceu por trinta e três anos. Posteriormente, ensinou direito nas universidades de Pisa, Florença, Pádua e Pavia, que rivalizavam na época com a Universidade de Bolonha. Durante seu período em Pavia, chegou algumas vezes a ensinar também em Placência. Morreu em Pavia em 28 de abril de 1400.[1]

Baldo foi professor de Pierre Roger de Beaufort, que se tornou mais tarde papa sob o título de Gregório XI, e cujo sucessor imediato, o Papa Urbano VI, convocou Baldo para Roma, em 1380, a fim de que este o auxiliasse em sua causa contra o antipapa Clemente VII. O ponto de vista de Baldo sobre as questões legais relativas ao Grande Cisma do Ocidente está estabelecido na chamada Questio de schismate. O cardeal Francesco Zabarella e Paulus Castrensis também estão entre seus alunos.[1]

ObrasEditar

 
Consiliorum, siue responsorum, 1575.

Muitas das obras de Baldo estão incompletas. Ele deixou comentários volumosos sobre o Digesto e o Código de Justiniano. Seu Comentário sobre o Libri Feudorum, uma compilação do século XII de disposições do direito feudal, é considerado um dos seus melhores trabalhos. Ele também fez comentários sobre as compilações de decretais do direito canônico, o Liber Extra e o Liber Sextus. Além destes comentários, Baldo escreveu uma série de tratados sobre temas jurídicos especializados. Seu grande esforço, entretanto, foi escrever cerca de 3 000 consilia (opiniões legais). Nenhum outro advogado medieval tem tantas consilia preservadas.[1]

A obra de Baldo sobre a lei da evidência e as gradações da prova foi o ponto alto do pensamento medieval na disciplina e permaneceu o tratamento padrão do assunto durante séculos.[1]

FamíliaEditar

Baldo teve dois irmãos, Angelus (1328–1407) e Petrus (1335–1400). É provavelmente devido à confusão entre Baldo (Baldus) e seu irmão Petrus que o nome do jurista famoso às vezes é dado como Petrus Baldus de Ubaldis.[1]

Notas

  1. a b c d e f Chisholm Hugh (ed.). «Baldus de Ubaldis, Petrus». Encyclopædia Britannica (em inglês). 3 1911 ed. Cambridge: Cambridge University Press. p. 244 

Referências

  •   Vários autores (1911). «Baldus de Ubaldis, Petrus». In: Chisholm, Hugh. Encyclopædia Britannica. A Dictionary of Arts, Sciences, Literature, and General information (em inglês) 11.ª ed. Encyclopædia Britannica, Inc. (atualmente em domínio público) 
  • J. Canning, The Political Thought of Baldus de Ubaldis (Cambridge University Press, 1987)
  • J. Franklin, The Science of Conjecture: Evidence and Probability Before Pascal (Johns Hopkins University Press, 2001) ch. 2
  • "VI Centenario della morte di Baldo degli Ubaldi," "Ius commune," 27 (2000).
  • "VI Centenario della morte di Baldo degli Ubaldi 1400-2000," eds. Carla Frova, Maria Grazia Nico Ottaviani, e Stefania Zucchini (Perugia: Università degli Studi, 2005).
  • G. Hamza, "Entstehung und Entwicklung der modernen Privatrechtsordnungen und die römischrechtliche Tradition" (Eotvos Universitätsverlag, Budapest, 2009) p. 78-89.
  • G. Hamza, "Origine e sviluppo degli ordinamenti giusprivatistici moderni in base alla tradizione del diritto romano" (Andavira Editora, Santiago de Compostela, 2013) p. 79-86.
  • O. Scalvanti, Baldo, Angelo e Pietro degli Ubaldi, note biografiche e documenti. Perúgia: Unione tip. cooperativa, 1901, p. 9-99.
  • Fondazione Mansutti, Quaderni di sicurtà. Documenti di storia dell'assicurazione, a cura di M. Bonomelli, schede bibliografiche di C. Di Battista, note critiche di F. Mansutti. Milão: Electa, 2011, p. 320.

Ligações externasEditar