Balduíno I da Flandres

Balduíno I (c.830 - Arras, 879), cognominado Braço de Ferro, foi o primeiro conde de Flandres (Laon? - † Saint-Omer (Pas-de-Calais) na abadia Saint-Bertin, 879), era marquês ou conde na Flandres de 863 a 879[1]. Segundo a tradição, Balduíno seria o filho do silvicultor chamado Odacre[2] (Odoacre, Audacer, Odoscer), ele mesmo diz-se tradicionalmente filho de Ingelram (Enguerrand). Ele sucedeu a seu pai como guarda florestal à sua morte (837), e distinguiu-se como um guerreiro formidável, que lhe valeu seu apelido[3].

BiografiaEditar

As suas ações são pouco conhecidas. Ele participou da batalha de Fontenoy-en-Puisaye em 841, no campo do Imperador Lotário, que é derrotado por seus irmãos Luís, o Germânico, e Carlos, o Calvo. Conde no Pagus Flandrensis, ele lutou ativamente contra os normandos, que desde 810 devastam as regiões pelas quais ele é responsável. É dito ser de alta estatura, de pele morena, de membru e corpo nervoso, ágil e bom a cavalo. Uma tradição fez dele, jovem, o vencedor de uma luta contra um urso da qual ele saiu vitorioso; esse feito teria sido observado pelo rei Carlos, o Calvo[4].

 
A investidura de Balduíno I por Carlos, o Calvo

Durante uma estada na corte real em Senlis por volta de 862, Balduino, nobre Franco, sequestra a princesa Judite (v. 843- † 870), filha do rei Carlos, o Calvo, e de Ermentruda de Orléans. Judite ainda não tinha vinte anos, mas ela já era viúva de dois reis de Wessex, Etelvulfo († 858) e o filho deste Etelbaldo († 860). Para cometer o rapto, Balduíno conseguiu a ajuda do irmão de Judite, o príncipe Luis, o futuro Luis, o Gago. Amor ou cálculo político? Ainda assim, Judite parece tê-lo seguido voluntariamente, disfarçada. Balduíno casa-se em segredo com ela em Harelbeke, então o casal, assustado com as consequências de suas acções, refugia-se com Luís II, o Jovem, enquanto que o Gago vai para a Bretanha (?). A excomunhão é pronunciada por uma assembleia de bispos reunidos em Soissons[5]. Balduíno e Judite então vencem Roma e defendem a sua causa com o papa Nicolau I. O pontífice intercede por muito tempo com o rei da Frância Ocidental, que finalmente se deixa convencer e confirma Balduíno na defesa setentrional do reino. O casamento é solenemente ratificado em Auxerre, segundo as fontes em 862 ou 863[6][7], na ausência no entanto do rei. Carlos, o Calvo também atribui ao silvicultor a marca de Flandres em benefício total. Este episódio está na origem de uma lenda de Artois, apoiada pelas crónicas da abadia de Mont Saint-Eloi, que atribui a Balduino a presença de dois megalitos chamados as Pedras Gêmeas[8] na aldeia. de Écoivres perto de Arras.

Balduíno Braço de Ferro é realmente o último conde oficial[9] da Bélgica Segunda[10]. Por volta de 877 (morte de Carlos, o Calvo), o cargo se torna hereditário, na casa de Balduino. A Flandres entra na era feudal.

Antes da sua morte, Balduino I fortificou Arras, Gante e Bruges, a sua capital, onde fundou, segundo a lenda, a Igreja de São Donato, no local de uma antiga capela dedicada à Virgem. O corpo do santo homónimo, o oitavo bispo de Reims, é transferido para lá. Em 870, o marquês também construiu um convento beneditino em Furnes, que recebe as relíquias de Santa Valburga.

Balduino I morreu em 879 em Sithiu (futuro Saint-Omer), enquanto tomava o hábito monástico na Abadia de Saint-Bertin. Ele está enterrado nesta abadia, o seu coração e intestinos foram levados para a Igreja de São Pedro em Gante[11].

DescendênciaEditar

Três filhos e uma filha nasceram do casamento com a Carolíngia Judite:

  • Carlos, morto aos 12 anos;
  • Balduíno II, dito o Calvo, segundo conde da Flandres (?- †918);
  • Raul (? - 17 de junho de 896), conde de Cambrai, morto por Herberto I de Vermendois[12].
  • Gunedilda da Flandres, que desposou Guifredo, o Peludo.

ReferênciasEditar

  1. La date de 879 est donnée chez Le Glay, Desmulliez et Milis, Douxchamps, Carson, Miroir de la Flandre, Éd. Lanoo, (ISBN 90-209-2714-0)
  2. Jacques Paul Migne, Nouvelle encyclopédie théologique [archive], 1854, p. 919
  3. Selon Éric Vanneufville, Histoire de Flandre, éditions Yoran Embanner, 2011, p.43, le surnom de Baudouin bras de fer, ferreus, pourrait être lié à son lieu de naissance dans un château situé entre deux bras de l'Yser, car son surnom en flamand est Yserin.
  4. Michel Pastoureau, L'ours - Histoire d'un roi déchu, Seuil Librairie du xxie siècle,(ISBN 978-2-02-021542-8), p.61
  5. Louis Victor Pécheur, Annales de Soissons [archive], 1863, p. 440
  6. Georges Henri Dumont Histoire de la Belgique 1999, p. 57 donne la date de décembre862; Desmulliez et Milis comme Le Glay donnent 863.
  7. Micheline Dupuy Françaises, reines d'Angleterre [archive] 1968, p. 43
  8. Paul Sébillot, Le Folk-lore de France [archive], 1968, p. 14
  9. Janine Desmulliez et Ludo Milis, in Histoire des provinces françaises du Nord, sous la direction d'Alain Lottin, tome 1. De la Préhistoire à l'an Mil - Collection "Histoire", Westhoek Éditions des Beffrois, 1988, (ISBN 2-903077-71-1), Conclusion, p. 234
  10. Le Glay, Histoire des comtes de Flandre tome 1 p. 41, d'après Chronicon Sancti Bavonis (année 867) et Chronicon Sithii Sancti Bertini apud Bouquet. La Belgique Seconde y est également définie: Præceptores Ludovici Pii, de divisione regni sui inter filios; apud Chesnium, script. franc. in Histoire... tome1, p. 34: «...les noms de cantons dont se composait la seconde Belgique. Il y en avait treize: la Hesbaie, le Brabant, la Flandre, le pays des Ménapiens, le Mélantois, le Hainaut, l'Ostrevant, l'Artois, le pays de Térouane, le Boulonnais, Quentovic, le Cambrésis, le Vermandois. »
  11. Le Glay, op. cit., p. 44.
  12. Raoul 3efils de Baudouin Ier le Bon  [archive]

Ligações externasEditar

Precedido por
-
Conde de Flandres
863 - 879
Sucedido por
Balduíno II
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Balduíno I da Flandres